Segunda-feira, 13.02.12

Petra Von Kant, poder e decadência em cena

 

A condição humana dissecada através da relação entre duas mulheres. O clássico "As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant", de Rainer Werner Fassbinder, sobe ao palco do Auditório Carlos Paredes.


É o amor um jogo de poder e interesses? Está em cena até domingo, no Auditório Carlos Paredes, em Benfica, a peça "As Lágrimas Amargas de Petra von Kant", do autor alemão Rainer Werner Fassbinder, com adaptação da companhia FMT- Forever Mesmo Teatro.

Petra, uma estilista reconhecida internacionalmente, cai em decadência física e psicológica depois de pedir o divórcio e vai afundar-se num amor destrutivo por uma mulher, Karin Thimm. Uma jovem aspirante a modelo, de nível social e moral inferiores, cuja ambição falará mais alto do que a verdade dos sentimentos. Se for preciso amar, então fá-lo-á, sem pudor.

Marlene, a empregada e secretária da protagonista completa o triângulo de "quem não merece melhor, é feliz assim", numa procura de identidade sob a qual gravitam mais três personagens: Sidónia von Grasenabb (a amiga baronesa), a mãe Valéria von Kant e a filha Gabriela von Kant.

Retratos... a mulher e o capitalismo

"Não tem nada a ver comigo a nível de sentimento e posturas", revela ao EXPRESSO a atriz Susana Rodrigues. "Tive de criar uma personagem do zero. Vi filmes, tentei descobrir em mim algo que se pudesse assemelhar àquilo que a Petra sentia. Não foi realmente nada fácil mas está a ser maravilhoso representá-la".

A peça data dos anos 70 e deu origem ao filme homónimo de Fassbinder, considerado um dos mais importantes cineastas alemães do pós-guerra.

O autor utiliza a mulher para "despir" as relações de dependência, o papel do homem e da mulher, o casamento, o amor não correspondido, o conservadorismo, deambulando entre o ser, o estar e o parecer, num retrato também de análise crítica ao capitalismo na sociedade alemã dividida.

"Atualidade e irreverência"

"É uma peça sublime. Está entre os melhores textos que eu já li", revela ao EXPRESSO a encenadora Manuela Passarinho, justificando a escolha pela sua "atualidade" e "irreverência" até do próprio autor, "um homossexual assumido". "Ainda hoje muitas pessoas são amadas por interesses".

 

A moral do texto, defende Manuela Passarinho, é acabar com os "preconceitos" e "desafiar no bom sentido" para que sejamos "mais visionários". "Devem vir ver o espetáculo para pensarem na vida que têm, nas suas limitações e rotinas que podem ser quebradas, como deixar de alimentar um amor de quotidiano". E remata: "Dar coragem para saírem da falta de qualidade de vida e serem felizes. Estamos a profanar a vida".

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 17:08 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.09.11

Sexo polémico no D. Maria II

 

‘As Lágrimas Amargas de Petra von Kant’ de Fassbinder estreia esta quinta-feira

 

Era para ser a estreia, saudada, de ‘As Lágrimas Amargas de Petra von Kant’, peça com que o ‘enfant térrible’ R.W. Fassbinder (1945-1982) falou abertamente de sexo entre mulheres e que imortalizou num filme memorável de 1972. Mas a publicação, na rede social Facebook, de uma ‘denúncia de injustiça’ transformou um acontecimento artístico em polémica.

 

Segundo Hugo Mestre Amaro, partiu dele a ideia inicial para este projecto – que estreia esta noite, às 21h15, na Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM II), em Lisboa, sob a direcção do realizador António Ferreira (que assinou 'Embargo' a partir da obra de Saramago).

 

Num texto longo, Hugo Amaro conta que depois de ter convidado Custódia Gallego para protagonizar o espectáculo e o Teatro do Bolhão para o produzir, a actriz terá procurado um co-produtor junto a Diogo Infante que, na qualidade de director artístico do TNDM II, o aceitou. No entanto, o encontro entre os dois não terá corrido bem. Diogo Infante, "não ficando seguro com a reunião", terá decidido afastar o encenador. 

 

Em jeito de resposta, o TNDM II emitiou um comunicado, assinado por Diogo Infante, em que este explica a sua decisão. "Concluí que o Sr. Hugo Amaro não reunia a experiência e maturidade que entendo necessárias para um projecto desta natureza numa sala do D. Maria II", diz.

 

Do Teatro do Bolhão, que Hugo Amaro ameaça processar, não houve comentários. A promessa de resposta no Facebook não se concretizou até à publicação deste texto.

 

Via Correio da manhã



publicado por olhar para o mundo às 21:35 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Petra Von Kant, poder e d...

Sexo polémico no Dona Mar...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags



comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links


blogs SAPO
subscrever feeds