Sexta-feira, 01.06.12
Bob Dylan. Ninguém é um só

 

 

A Cité de la Musique apresenta Bob Dylan: a explosão rock 61-66, exposição sobre as primeiras fases de uma vida recheada de ficção. Eis Dylan também aqui: influência mais decisiva na canção portuguesa dos últimos anos


A divisão de A explosão rock 61-66, na Cité de la Musique, Paris, em fases específicas, aliadas a material biográfico, permite clarificar o peso de Bob Dylan como músico, na história dos EUA, e o de Dylan, actor, para quem o ouve. Começando por imagens das suas origens no Minnesota, vemos Robert Zimmerman (nome verdadeiro: n. 1941) com a sua família, em "pose Elvis", com uma banda, em 1958, e no seu álbum de finalistas, onde se lê a ambição: "juntar-me a Little Richard". A seu lado, guitarras e discos de estrelas do rock'n roll: Hank Williams, Buddy Holly ou Bo Diddley. O jovem seguirá esse sonho: muda o seu nome e "foge" para Nova Iorque em 1961, dando falsas pistas sobre a sua vida aos que o recebem. Tiago Guillul (Fados para o Apocalipse contra a Babilónia), de uma geração de músicos portugueses que integra Dylan como influência decisiva nas suas canções [ver texto nestas páginas], diz ao Ípsilon que Dylan foi "talvez o primeiro a mudar as circunstâncias da sua vida, e despreza as pessoas ansiosas em decifrá-la." Samuel Úria (Nem Lhe Tocava) diz-nos que "muita dessa ficção foi sugerida pelo próprio, forjou o seu trajecto e personalidade." E como os mitos populares do seu país, Úria compara-o "aos vendedores ambulantes de elixires milagrosos do velho Oeste." 

O poder da palavra

É o fascínio de Dylan pelos portadores de mitos do seu país que o aproxima da folk no final dos anos 50. O seu grande ídolo é Woody Guthrie (de quem vemos cartas, desenhos ou discos), que deambula pelo país para cantar as suas histórias às camadas populares. Dylan inventa, então, a sua primeira personagem nos bares de Greenwich Village e, mais tarde, no seu primeiro disco em 1962. O músico Cão da Morte (Ainda Sem Nome) nota aí tudo o que marcou a sua carreira: "A interpretação dele já existia toda, e sabendo que o disco não tem muitas músicas suas, é fantástico. Canta grandes letras mas nunca deixa de lhes dar uma interpretação incrível." E as fotografias de John Cohen mostram um actor vagabundo e chaplinesco desconfortável nas roupas. "Quando fazem dele um novo Guthrie, Dylan mostra um desconforto que levará sempre consigo", diz Guillul. "Tem o mérito de nunca se ter sentido bem em lado nenhum independentemente das honrarias que recebe."

folk encontra o seu auge na luta pelos direitos civis e Dylan usa a força do protesto para criar grandes narrativas, comprovadas, aqui, nas letras de Masters of War ou The Lonesome Death of Hattie Carroll. Jorge Cruz (Roque Popular) vê-o como "uma alma-gémea de Zeca Afonso, conta tudo através de uma história ou personagem. Foi um espírito livre da canção, podemos retirar dali o que quisermos em vez de ter o pensamento dirigido." Uma foto do festival de Newport de 1963 mostra Dylan com Joan Baez e Pete Seeger a cantar We Shall Overcome, mas é como se o seu olhar já se encontrasse noutro sítio. "As pessoas diziam que ele representava uma geração, mas trata-se dos efeitos secundários da viagem que fez", explica Cruz. Para Úria, "Dylan agradava aos intelectuais puristas de Greenwich Village e ao monasticismo hippie, mas isso escondia uma maior sede de estrelato."

Uma entrevista de Murray Lerner, que filmou as presenças de Dylan no festival folk, define Mr. Tambourine Mancomo uma passagem para o imaginário surrealista. Jorge Cruz complementa: "Dylan tinha uma bagagem maior que o habitual: a América rural dos jornais, onde procurava histórias; os westerns [Dylan entrou em Pat Garrett & Billy the Kid (1973) de Sam Peckinpah]; a música negra do blues que dá no rock'n roll e no conceito de espectáculo; ou a poesia francesa e a poesia americana beatnik influenciada pelo bebop."

A explosão eléctrica

Mas a ruptura vem com a actuação de Dylan com guitarras eléctricas, em Newport, em 1965, concerto projectado na exposição. Nasce o escândalo de um artista que dá ao público o contrário do que deseja, mas também o encontro das formas da música popular através do folk-rock, popularizado na interpretação das músicas de Dylan pelos Byrds. "É a fascinação com o folk que legitima o rock", explica Guillul. "Quando não há ainda um discurso de validação, o rock começa a nascer com pessoas como Dylan." Like a Rolling Stone é o cume da sua criatividade, explosiva canção de 6 minutos (duração invulgar para a época) aqui presente no single original. 

Mas no pico da sua carreira, Dylan iria contrariar as vogas do seu tempo (o psicadelismo) e refugiar-se nocountry. Manuel Fúria (ex-Os Golpes) defende que "apesar de não ter seguido a linha da sociedade civil, Dylan foi sempre fiel à sua incoerência, e é fundamental um artista não estar demasiado agarrado a si próprio. Interessava-lhe a música, que tem uma ordem diferente da do mundo."

As fotos de Daniel Kramer formam o único corredor de um percurso labiríntico: imagens de tournées, das gravações de Bringing It All Back Home ou de retratos de um olhar sempre escondido. Para Fúria, "um dos principais atributos do seu magnetismo é o seu silêncio, só descodificamos a personagem através da obra." Do mesmo modo, as imagens são testemunhos de um método de composição ímpar. Jorge Cruz explica que "tudo é feito nos primeiros takes com bandas que não conhecem as músicas, vem tudo da vivacidade do momento. Essa energia ficou na música mais recente, até no punk."

Depois de imagens das passagens de Dylan por França, a exposição encerra com a projecção de Don't Look Back (1965) de D.A. Pennebaker, retrato de bastidores dos concertos do músico, em Inglaterra, em 1965. Aí, vemos que Dylan já se encontra fora do palco que ele construiu. "Vendeu a alma ao diabo, como os grandesbluesmen", diz Cruz. "Para o nível a que quis estar sujeito, decide fazer um grande teatro e abdica da sua vida. A fase actual já é o reconhecimento disso, como se não tivesse direito ao arrependimento e se deixasse nas mãos de Deus, tal como um bandido."

 

Retirado do Ipsilon



publicado por olhar para o mundo às 08:03 | link do post | comentar

Terça-feira, 17.01.12

50 anos da Aministia Internacional celebrados com música

Mais de 80 artistas juntaram-se para dar vida a «Chimes of Freedom – the songs of Bob Dylan honoring 50 years of Amnesty International», uma compilação de quatro discos com 75 novas interpretações de temas de Bob Dylane comemorativa das bodas de ouro da organização.

A compilação engloba um «alargado» espectro de intérpretes, a níveis geracional e de estilos musicais.

« Verdadeiro quem é quem da música popular dos nossos dias, esta compilação abarca um alargado espectro, tanto geracional, como de estilos. Da 'pop' adolescente de Miley Cirus e os seus 19 verdes anos até à ‘folk’ da lenda Pete Seeger, hoje com 92 anos (e que aqui se faz acompanhar por um coro de crianças para juntos recriarem «Forever Young») há de tudo um pouco», informa a Cooperative Music Portugal ao SAPO Música.

Adele, Bryan Ferry, Dave Matthews Band, Diana Krall, Elvis Costello, Evan Rachel Wood, Joan Baez, K’NAAN, Kesha, Kris Kristofferson, Kronos Quartet, Lenny Kravitz, Lucinda Williams, Marianne Faithfull, Mark Knopfler, Maroon 5, My Chemikal Romance, Natasha Bedingfield, Miley Cirus, Patti Smith, Pete Townshend, QOTSA, Raphael Saadiq, Seal, Sting, Tom Morello, Ziggy Marley e muitos outros fazem parte deste disco evocativo dos 50 anos da Aministia Internacional.

Recorde-se que a organização já foi distinguida com o Prémio Nobel da Paz, em 1977.

 

Via Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 17:42 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25.05.11

Bob Dylan: 70 anos de vida e uma carreira intemporal

 

Discreto e revolucionário, músico e poeta, Bob Dylan é isto e muito mais. É um artista intemporal que ganhou o seu lugar na memória colectiva de todos e em todo o lado. Dos Estados Unidos, terra onde nasceu, a Portugal, onde tem uma vasta legião de fãs, passando pela China onde actuou pela primeira vez este ano. São pais e filhos que ouvem a mesma música, uma música que vai ser sempre “Forever Young” (música do álbum “Planet Waves”, 1974).

Hoje com 70 anos e meio século de carreira, Bob Dylan já não é apenas uma figura da música. Dylan, que começou a escrever com apenas dez anos, mostrou que o rock e a poesia têm tudo a ver, tornando as suas músicas em verdadeiros símbolos da época que viveu. Ganhou o respeito do meio e tornou-se um símbolo da contracultura americana desde o início dos anos 1960, criticando o governo, na altura ‘ocupado’ com a guerra do Vietname, e unindo-se à luta pelos direitos civis. 

As suas músicas são, ainda hoje, uma amostra daquilo que Dylan representou e representa na sociedade. Os seus valores e críticas estão bem claros e por isso ainda hoje as suas músicas são usadas como hinos nas lutas pela igualdade ou contra os governos opressores. São músicas políticas e por isso revolucionárias.

“Blowing in the wind”, “The times they are a-changing”, “A hard rain's a-gonna fall” ou “Ballad” são alguns dos temas que marcaram o seu percurso que conta já com 34 álbuns de estúdio, 13 discos gravados ao vivo e 14 compilações. São tantos os seus trabalhos como os anos de carreira. 

Em várias ocasiões, Bob Dylan já explicou que as suas canções “não são sermões” mas apenas um reflexo da realidade por si observada. “Não sou o porta-voz de ninguém”, garantiu o músico. 

A verdade é Bob Dylan é hoje um dos músicos mais influentes na história. Há quem diga que até os Beatles foram influenciados pela sua música pop, rock, country e folk. Ao longo dos anos têm sido muitos os músicos conhecidos e já com uma carreira estabelecida, como Bruce Springsteen ou David Bowie, que têm versões da música de Dylan.

Por onde passa, os concertos esgotam. Já foi alvo de livros e filmes e não tem por hábito dar entrevistas. Gosta de manter a sua privacidade longe das câmaras e apesar de o apelidarem de revolucionário, não alimenta polémicas. Prova disso é a recente controvérsia que o seu concerto na China gerou. O músico não comentou a sua ida inédita ao país asiático e nem depois falou sobre as notícias que o criticavam de ter sido conivente com o regime opressivo chinês. Deixou que falassem, até que respondeu. Num tom irónico e notoriamente chateado, Bob Dylan escreveu uma carta aos fãs onde negou qualquer pressão e criticou a imprensa.

O dia do seu aniversário fica ainda marcado pelo lançamento da sua biografia, "No Direction Home”, assinada por Robert Shelton e publicada pela primeira vez em 1986. A nova edição revela um Bob Dylan desconhecido do público que, em 1966, admitiu ter sido viciado em heroína num dado período da sua vida.

Dylan revelou esta sua faceta mais decadente numa entrevista de duas horas, transmitida pela BBC em 1966. As fitas da cassete terão sido perdidas ou mesmo esquecidas e como Dylan ainda não era o Bob Dylan de hoje, a polémica passou. Agora, a entrevista foi descoberta durante a pesquisa para esta nova biografia e os fãs ficaram a conhecer mais um bocadinho da vida do músico.

Isto é apenas uma parte daquilo que os 70 anos de Bob Dylan nos têm permitido conhecer.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:32 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Bob Dylan. Ninguém é um s...

50 anos da Aministia Inte...

Bob Dylan: 70 anos de vid...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags



comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links


blogs SAPO
subscrever feeds