Terça-feira, 13.12.11
O corpo dele te conta mais do que o que ele diz. Foto: Getty Images

O corpo dele te conta mais do que o que ele diz

As pessoas comunicam 90% de suas intenções por meio da postura, movimentos e tom da voz. A realidade é que o que a pessoa diz é importante, mas pode ser completamente diferente do que aquilo que ela realmente pensa, segundo divulgou a revista norte-americana

Marie Claire.

 

Confira seis dicas para reconhecer a diferença entre o que é dito e o que o corpo fala, em especial em relação aos homens. Preste atenção nos sinais corporais e surpreenda-se com o que pode descobrir.

 

Primeiro encontro: a primeira coisa a entender quando se está analisando a linguagem corporal masculina é que, antes de mais nada, homens são óbvios. Assim, se ele olha pra você pela primeira vez, levanta a sobrancelha, ajeita a postura e sorri, advinha? Você ou alguém atrás de você ganhou a atenção do moço.

 

Estamos flertando? em um encontro, o cara não ouve, toca ou olha nos olhos da mulher se não estiver interessado. Se ele puxa assunto, sorri, toca seu braço ou suas costas e se mostra relaxado enquanto faz isso, é sinal de que ele está flertando com você, mesmo que ele diga que não.

 

É namoro ou amizade? homens costumam tratar as amigas como irmãs. Se tem dúvidas sobre seu relacionamento, se pergunte se ele te trata como a amiga da terceira série, afinal ele pode te abraçar, ser educado e ainda assim olhar para outras mulheres e virar o corpo na direção delas enquanto fala, demonstrando que com você é só amizade.

 

Sexo: durante e depois do sexo você pode discernir se o cara está interessado em você pela atenção que ele te dá. Homens não mantêm contato visual com mulheres que não estão interessados. Mas se ele evita ser tocado depois da relação ou desvia o olhar, não crie expectativas sobre o futuro.

 

"DR": quando você sente que precisa discutir a relação e perguntar o que está acontecendo entre vocês, cheque se o corpo dele se mostra aberto a essa conversa. Olhar para longe, cruzar pernas ou braços e travar o maxilar são sinais de que ele não quer conversar.

 

Pedir sua mão: ao longo da vida, a linguagem corporal do seu parceiro pode te dar dicas de onde ele vem e o que vai fazer. Se ele olha seus olhos enquanto fala, mantém o peito aberto, tem fala firme, significa que ele sabe o que está fazendo. Se ele gaguejar ou ficar se balançando, indica que ele não tem muita certeza da decisão ou teme ser rejeitado.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 22:21 | link do post | comentar

Sábado, 13.08.11
Vestir ou não vestir eis a questão!

Na hora de escolher o modelo que nos fica melhor existem sempre uma série de factores físicos que devemos ter em atenção, de forma a disfarçar aquilo de que não gostamos tanto no nosso corpo e por outro lado, realçar o que temos de mais bonito!


Fique com as nossas dicas!


Para parecer mais alta


Prefira as saias que deixam seus joelhos de fora.

As mini-saias podem ser perigosas, especialmente se usadas com saltos muito altos.

É importante estar sempre com um pouco de salto, mas evite os muito altos, pois eles evidenciam as pernas curtas.

Para ganhar mais pernas, use o calçado na mesma cor das meias e das calças.

Os sapatos de bico fino são os que mais alongam as pernas.

Utilize sandálias que expõem o peito do pé. Com umas calças compridas e uma barriga de top, este truque simples dá uma leveza ao visual, alongando a silhueta.

Sandália preta de salto fino e altíssimo faz uma parceria perfeita com o vestido da mesma cor. A escolha da sandália delicada deixa o tornozelo livre e alonga as pernas.

A sandália em tom da pele de salto fino equilibra a proporção com um vestido liso, de tecido fluido e comprimento pouco abaixo dos joelhos.

Com vestidos pela altura dos joelhos escolha uma sandália alta, de salto fino, cor discreta e bem aberta. Assim, naturalmente, as pernas parecem longas.

O decote em "V" é óptimo, pois aumenta o colo, deixa o pescoço mais comprido e, por consequência, vai parecer mais alta.

Para parecer mais alta é importante que a sua roupa crie uma linha na vertical do seu corpo. Dá para conseguir esse efeito usando blusas abotoadas na frente, fechadas por fecho-eclair, blazer aberto, etc.

As calças com vinco a direito são uma óptima escolha.

Evite calças com bordados ou detalhes na barra. Isso fará com que pareça mais pequena.

Não escolha roupas com estampas na horizontal.

Bolsas muito grandes diminuem ainda mais a sua estatura.

Evite colares muito curtos: achatam o pescoço e diminuem a altura. Prefira os longos.

Cintos que contrastam com a cor da roupa, provocando um corte no meio do corpo que achata a silhueta; tal como os cintos muito largos com fivelas pesadas.

Evite cachecóis e lenços com as pontas muito compridas.

Prefira saias rectas, de tom próximo ao da blusa.

As roupas de uma só cor são ideais, mudando somente as tonalidades.

Use tecidos mais leves, como seda, crepe, algodão e jérsei.

Os bodies são óptimos para alongar a silhueta, porém os vestidos são uma das melhores opções.

Evite jardineiras, calças-pijama e blusas compridas por fora da calças pois achatam o visual.

Calças com bainha virada, pregas volumosas ou franzidos, vestidos com comprimento abaixo da batata da perna e vestidos com cintura marcada fá-la-ão parecer mais baixinha.

Para quem tem perna curta esqueça as calças acima do tornozelo. Mesmo que estejam na moda não as inclua no seu guarda-roupa... vai parecer bem baixinha.

Utilize de preferência calças que venham até aos pés para alongar as pernas.

A bainha não deve arrastar no chão mas também não devem deixar que se veja o sapato todo.

Calças com cintura subida chamam a atenção para o rabo e realça o contraste das pernas curtas.

As calças skinny podem ajudar se tiverem um rabo de tamanho não muito grande, caso contrário as pessoas só vão ver como as calças ficam justas no vosso rabo e não vêem mais nada.
O ideal são calças compridas na largura certa.

Evitem saias com várias camadas ou padrões. Em vez de criar altura vai diminui-la.

Os casacos compridos de ¾ ou pela anca, além de exaltar elegância dá mais altura. Mas cuidado, casacos compridos demais terão o efeito contrário.


Ancas largas

Peças rectas e em cores mais escuras e mais claras em cima.

As bolsas devem ter alças curtas, afastadas do quadril.

Nunca use bolsa de qualquer modelo a tiracolo.

Listas horizontais e vincos frontais estreitam os quadris.

As saias curtas devem ser evitadas.


Pernas grossas

Calçados em tons claros com bico e salto finos e sandálias decotadas sem detalhes nos tornozelos e sem tiras no peito dos pés são essenciais.

Opte por calças e saias com riscas verticais, vestidos em A e vincos marcados na frente.

Não são recomendados os trajes muito curtos.

Pernas finas

Escolha sapatos com bico redondo e salto mais grosso, modelos do tipo sapato boneca e sandálias amarradas nos tornozelos.

As calças rectas, mini-saias e saias-lápis dão a ilusão de pernas um pouco mais grossas.

Para esconder aquelas gordurinhas indesejáveis nada mais elegante do que um modelo preto básico.



Pescoço longo

Decotes mais rasos dão a ilusão de um pescoço menor.

Brincos longos e colares curtos são perfeitos.


Pescoço curto

Peças bem decotadas aumentam o pescoço.

Para os acessórios, prefira os colares longos e os brincos curtos


Seios grandes

Decotes mais profundos, sem detalhes ou estampas em cima do busto.

As bolsas de mão ou com alças que terminam na altura da cintura são ideais.

Não use nada que termine na linha do busto.

Os casacos devem ser abotoados abaixo dos seios.



Seios pequenos

Estampas e detalhes (drapeados, rendas, entre outros) dão a ilusão de seios maiores.



Para as gordinhas

Evite roupas com estampas grandes ou muito coloridas.

As listas verticais dão a impressão de uma silhueta alongada e, portanto, contribuem para dar uma impressão de que a pessoa está mais magra.

Fuja das listas e decotes horizontais.

Cuidado com peças e acessórios que marquem a cintura.

Cuidado com os cintos: além de marcarem demais aqueles quilos a mais, podem chamar a atenção das pessoas para a sua barriga, principalmente se for muito ornado e aclamativo.

Evite as roupas com pregas e acessórios grandes.

As saias rectas são óptimas opções.

Escolha calças rectas e escuras.

Quanto à numeração, não se deve usar roupas muito justas, nem, muito largas.

Os tecidos das roupas devem ser tecidos mais moles, que tenham um bom caimento como seda e microfibra.

Nas zonas mais gordinhas do corpo abuse das cores mais escuras.


Dicas Gerais

Não utilize camisolas curtas muito menos uma camisola que mostre a barriga. Já passaram de moda. Escolha as que ficam pela anca, ou então joguem com sobreposições.

Os boleros estão proibidos para as baixinhas e para quem tenha peito grande. Fazem com que parece mais gorda e cria mais uma divisão no corpo que tira altura.

Vestidos sempre e a qualquer hora. É só preciso saber escolher tendo em conta o evento.

Não misture padrões.

O padrão deve condizer com o tamanho da mulher. Uma mulher pequena com um padrão enorme perde-se no meio daquilo tudo, e o mesmo com uma mulher grande num padrão minúsculo, fica estranho.

Seja muito criativa! A moda é isso mesmo. Mas não se ponham com ideias extravagantes que depois não assentam bem.

Cuidado com a cor amarela. São raras as cores de pele que ficam bem com essa cor.

Nunca utilize lantejoulas numa peça de roupa durante o dia. As lantejoulas são para ser utilizadas à noite e... com moderação.

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:02 | link do post | comentar

Sexta-feira, 12.08.11

O amigo do peito

 

O soutien não tem que combinar apenas com o seu corpo, mas também com o seu gosto.

Para isso, escolha o modelo que valoriza as suas formas e cuidam da sua saúde também. 

Mais do que uma questão estética, é pela saúde que se deve escolher o soutien certo.

E pasme-se: muitas mulheres ainda erram ao escolher esta peça. Existe uma para cada biótipo e, acredite, ela pode mudar muito o seu corpo! 


Escolha o seu!

 

Para as mais discretas: quem não gosta de soutien a marcar a roupa deve procurar os que funcionam como uma "segunda pele", que não têm costuras nem fechos. Indicado para quem não tem muito busto. 

 

 

soutien_costura_718532152.jpg


Para quem tem muito seio: procure por modelos com suporte, tecido duplo e com arame, para dar mais sustentação. 

 

 

soutien_minimizador1_158885108.jpg


Para dar um "up": o ideal para quem não tem muito seio é usar soutiens que tenham bojos, que dão suporte sem deixar de lado o conforto. 

 

 

soutien_up_408109653.jpg

 


Para as menos privilegiadas: o truque é usar um soutien com "push-up", que são umas almofadinhas que levantam e dão volume aos seios. 

 

soutien_pish_up_151368419.jpg

 


Para as mais ousadas: quem quer realçar o decote deve usar soutiens com fechos à frente. Os modelos mais interessantes permitem regular o fecho de acordo com a roupa ou decote. 

 

soutien_atrevido_921947636.jpg

 


Para as tímidas: quem é mais tímida ou quer disfarçar o volume dos seios pode usar tops. Como o tecido deles é a lycra, dão bastante sustentação aos seios e são uns dos tipos mais confortáveis.

 

soutien_top_196139829.jpg

 


Para as mais descontraídas: soutiens com desenhos divertidos e estampas coloridas são uma óptima opção para quem gosta de fazer charme. Vale tudo! 

 

soutien_divertido_999883952.jpg


Para as mais jovens: existem soutiens específicos para a faixa etária de 9, 10 e 11 anos, mais voltados para as meninas que ainda se sentem um pouco envergonhadas com os seios em desenvolvimento. Eles são super confortáveis e com cores discretas e mais joviais. 

 

 

soutien_jovem_257339630.jpg

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:58 | link do post | comentar

Quinta-feira, 11.08.11

Spray que aumenta o volume dos seios

 

Surpreendida? Mas, segundo o jornal Daily Mail, chegou ao mercado um produto que promete revolucionar o mercado da estética feminina... um spray que aumenta o volume dos seios.


O Boob Job é apresentado como um spray inovador, que promete revolucionar o mercado da estética feminina. De acordo com o fabricante, as mulheres já não têm de se expor a cirurgias dolorosas e, por vezes, ineficazes para aumentarem os seios. A marca garante que, com o seu mais recente produto, as mulheres podem aumentar os seios até 118 milímetros.  


No entanto, a notícia está envolta numa enorme polémica. Segundo um cirurgião consultado pelo Daily Mail , é altamente improvável que o produto funcione. "Os fabricantes não dizem os ingredientes exatos do produto nem os testes que fizeram. É preciso uma análise completa, pois pode acabar por prejudicar a pele e os seios". 


Já um representante do fabricante disse: "Nós queríamos oferecer uma alternativa mais barata e menos dolorosa para substituir a cirurgia plástica". Segundo o jornal britânico, o produto contém substâncias naturais que aumentam o número de células de gordura nos seios, pelo que não é prejudicial à saúde das mulheres.  


Prejudicial ou não, o Boob Job já terá conquistado várias mulheres britânicas, entre elas as celebridades Scarlett Johansson, Victoria Beckham e Kelly Brook.

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:55 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.08.11

Chocoterapia - Uma nova forma de prazer... chocolate

 

Cremes, banhos, tratamentos e massagens que transformaram o chocolate numa nova forma de prazer.

Quando os Maias descobriram o cacau como alimento, há mais de dois mil anos, provavelmente não imaginaram que no século XXI seriam descobertas tantas qualidades e aplicações para esse doce fruto nativo das Américas. A verdade é que hoje a chocoterapia transformou-se num método moderno que utiliza as propriedades benéficas do cacau para fins estéticos e terapêuticos, graças às substâncias benéficas que são extraídas das sementes do cacau.

Já existem muitas clínicas de estética no mundo que oferecem tratamentos baseados em chocoterapia. Se optar por uma massagem, deve saber que podem durar entre 45 e 70 minutos, e são realizadas com uma mistura de cacau, óleo de amêndoa e sais, que é aplicada sobre o corpo do pescoço para baixo, deixando a pele macia e suave. Inicia-se com uma exfoliação da pele para eliminar as células mortas. Depois, procede-se ao envolvimento emchocolate fluido. O efeito esfoliante é reforçado quando se combina o cacau com lama mineral. A sessão termina com um duche energizante e com a aplicação de um creme com extractos de manteiga de karité ou um creme com extracto de cacau que deixa a pele perfeitamente hidratada.

A chocoterapia também desenvolveu tratamentos faciais indicados para pele desidratadas, com acne e flacidez. Além de terapias para o corpo, que combatem celulite e gordura localizada. Graças à adição de extracto de cafeína, esta técnica proporciona também a queima de gorduras localizadas, com um efeito anticelulítico e modelador dos contornos corporais.

Outra técnica muito utilizada é o invólucro de chocoterapia, que consiste em aplicar no corpo todo uma espuma especial feita com derivados de cacau. Para favorecer a absorção de seus componentes nutritivos e estimulantes, os especialistas aconselham envolver o corpo num cobertor elétrico, que irradia calor durante vários minutos. O efeito relaxante, segundo dizem, é total.

Em forma de creme ou gel, os produtos aplicados no rosto e no corpo produzem efeitos comprovados, que proporcionam relaxamento e outros benefícios à pele.

Dado o ligeiro aroma que emana do delicioso alimento durante a aplicação da massagem, pode dizer-se que, da chocoterapia também se retiram os benefícios característicos da aromaterapia.

Além dos benefícios para o corpo, esta apreciada iguaria induz a produção de endorfinas, que aumentam a actividade de serotonina, um neurotransmissor que favorece o bom humor. Rica em enzimas, fitoestrogénios, vitaminas E, B, C, cafeína e minerais como o selénio, magnésio, potássio, ferro, etc., faz com que o chocolate resulte num tratamento de grande eficácia com deliciosas opções de bem-estar que mimam o corpo e a mente. O cacau possui seis aminoácidos essenciais para a saúde.

Já existem à sua disposição vários produtos à base de cacau que podem ser aplicados em casa. Entre eles, destaca-se um gel suavizante para a celulite, composto por um concentrado activo de cacau, combinado com agentes redutores, para combater o acúmulo de gordura. Também estão disponíveis no mercado máscaras corporais, faciais e labiais, que contêm minerais, antioxidantes e elementos que estimulam a renovação celular.



publicado por olhar para o mundo às 21:52 | link do post | comentar

Terça-feira, 09.08.11

Spa em casa!

 

Passar o dia em um spa, para cuidar da pele, do corpo e da mente, é um dos programas mais desejados por muitas mulheres. Ainda mais agora, no inicio do ano, quando nós queremos dar uma renovada no visual e nas energias. Num spa, são inúmeros os tratamentos de beleza, massagens relaxantes e banhos que são capazes de a deixar novinha em folha e muito mais bonita. Mas o melhor é que não é preciso sair de casa para ter tudo isso. Monte o seu spa em casa!

Cuidados com o corpo

Para podermos abusar dos hidratantes sem preocupação, deixando a pele macia, é importante ter atenção na hora de escolher os produtos que vamos aplicar na nossa pele. Para isso, a dermatologista Daniela Alvarenga, da clínica Espaço Laser, no Rio de Janeiro, dá um conselho: "Quem tem pele oleosa e com acne deve optar por loções oil-free, livres de óleo. Já mulheres com pele seca podem utilizar hidratantes em creme".

A fisioterapeuta Célia Brasil, do Saison Spa, indica uma massagem que ajuda na sensação de hidratação e de relaxamento: "Utilizando óleos, emulsões ou cremes, inicie a massagem pela planta dos pés e vá deslizando as mãos pelo corpo com movimentos suaves, até chegar à nuca".


Livre-se da celulite!

Outro tratamento que não pode faltar em qualquer spa que se preze é o anticelulite. Os cremes para disfarçar os furinhos podem ser bastante úteis se a celulite não estiver num estágio avançado. Mas, como nenhum creme faz milagres, é importante, também, manter uma rotina de boa alimentação e actividades físicas para que o tratamento dê resultado.


Se a massagem com o creme anticelulite for feita da forma correcta, é possível evitar até mesmo a retenção de líquidos, o que ajuda a prevenir os temidos buraquinhos. Vá massajando lentamente, deslizando as mãos de forma superficial e circular na direcção da virilha para as axilas.


Pele impecável

A esteticista Silmara Beltran, do Club Capelli (Rio de Janeiro), dá um passo a passo que deve ser seguido não só no seu dia de spa, mas diariamente:

1- Primeiramente, lave bem o rosto com um sabonete neutro, sem se esquecer das regiões mais escondidas, como a lateral do ouvido, o canto da boca e a lateral do nariz.

2- Utilize um sabonete com acção microesfoliante para retirar os resíduos que ficam na pele.

3- Depois vem a tonificação. Mas atenção para o alerta que a esteticista faz na hora da escolha do produto:

"Ele deve ser escolhido de acordo com o seu tipo de pele". Para isso, consulte sempre o seu dermatologista.

Depois de toda essa rotina de cuidados, que tal fazer uma máscara? Silmara dá a receita de uma que pode fazer em casa e explica como aplicá-la: "Junte duas colheres de aveia em flocos com um pouco de sabonete líquido facial e uma colher de água de côco. Após lavar o rosto, aplique a mistura e faça uma esfoliação com movimentos circulares, do nariz para as orelhas, de baixo para cima. Massageie por três minutos. Após a esfoliação, enxague bem e seque".


Para terminar, faça compressas frias de chá de camomila (de preferência da própria erva) e aplique em todo o rosto. Deixe actuar por 10 minutos. Silmara garante que, depois disso, a sua pele será outra: "A camomila tem acção descongestionante, calmante, hidratante e clareadora. Depois desse procedimento, a pele estará renovada".
Mais um cuidado importantíssimo com a pele: se for se expor ao sol, não se esqueça do protector solar!

 

Cuidados com pés e mãos

Para finalizar, que tal dar uma atenção especial para pés e mãos? Segundo Jonas Campos, podólogo da rede Spé, O Spa do Pé, no Rio de Janeiro, essas regiões precisam de um tratamento diferenciado do resto do corpo. "Como a pele dos pés geralmente é mais espessa do que a das outras partes do corpo, é necessário utilizar cremes especiais para a região, de preferência os encontrados em clínicas de podologia", aconselha. Com as mãos, não é diferente. "Elas precisam de protecção especial, com protectores solares e luvas hidratantes", destaca.


Além da hidratação, pode terminar o seu dia com a sensação de que está a andar nas nuvens. Para isso, o podólogo recomenda, primeiramente, lavar os pés com sabão líquido antiséptico e enxaguar em água corrente. "Depois, é só lixar as áreas mais grossas da pele, fazer uma esfoliação utilizando produtos recomendados pelo seu dermatologista e, finalmente, fibalizar com uma massagem especial, utilizando cremes adequados para os pés", explica o podólogo.

Banhos


"Os banhos terapêuticos podem proporcionar inúmeros benefícios, como relaxamento, desintoxicação do organismo, vitalidade para o corpo e para a mente, remoção de células mortas da pele, estimulação da circulação sanguínea e linfática e alívio de dores em geral", garante a naturóloga Mariana Viana, do Saison Spa, em Itaipava, no Rio de Janeiro.

O segredo está nos ingredientes: "Óleos essenciais de lavanda, camomila, funcho e gerânio acalmam e provocam uma sensação de relaxamento e os de grapefruit, cravo e cipreste ajudam na desintoxicação do organismo. O uso de algas como a fucus e a wakame também é óptimo para relaxar, desintoxicar, além de aumentar a actividade metabólica e a circulação e hidratar a pele", explica Mariana.

Outra dica que faz toda a diferença na hora de preparar o seu banho é diluir os óleos essenciais no mel. "Além de facilitar a mistura dos óleos na água, o mel é um poderoso hidratante", destaca a naturóloga. Os banhos podem servir até mesmo para apimentar a relação. "Óleos essenciais de ylang ylang, patchouli, jasmim, pau-rosa, rosa e sândalo possuem propriedades afrodisíacas", garante Mariana.

Para deixar o momento ainda mais gostoso, acompanhe o banho com uma boa massagem. Segundo a terapeuta e proprietária do Uluwatu Day Spa, no Rio de Janeiro, Flávia Novaes, os terapeutas costumam recomendar uma hora de massagem após o banho. Imagine, então, receber uma massagem do seu companheiro. É começar 2011 com o pé direito!

Agora que já sabe o bem que esses banhos são capazes de fazer por si, que tal usufruir de todos esses benefícios? Mas, antes, prepare o ambiente. Um cenário relaxante contribuirá, e muito, para que saia do banho com um astral completamente diferente. Flávia Novaes explica como preparar o ambiente ideal: "Escolha um local onde possa ficar em silêncio. Desligue o seu telemóvel para que nada lhe desconcentre. Apague as luzes, acenda muitas velas e coloque uma música ambiente bem relaxante".

Nós enumeramos alguns banhos especiais e reunimos algumas dicas de como poderá desfrutar do prazer que eles lhe proporcionam na sua própria casa.

Banho relaxante

Neste inicio de ano, nada como um banho que renove as suas energias. Se tem banheira em casa, aprenda, com a esteticista Núbia Tedesco, do Saison Spa (Itaipava - RJ) a preparar um banho delicioso. Os ingredientes obrigatórios são as ervas calmantes, como a camomila e a lavanda. A temperatura da água deve ficar em torno de 37ºC. Acrescente sais de banho de sua preferência e pétalas de rosas. "Ao enalarem o seu perfume, as pétalas auxiliam na sensação de relaxamento. Não se esqueça, também, de iluminar o ambiente com velas", aconselha Núbia.

Outra opção: dilua 15 gotas de óleo essencial de lavanda e 15 gotas de óleo essencial de laranja doce em 100 ml de mel. Despeje a mistura na banheira com água quente. Essa combinação é excelente para relaxar, restaurar a energia do corpo e equilibrar as emoções e a mente. Para um banho de chuveiro, pode-se preparar um saquinho de algodão com 20 g de camomila, 20 g de erva-doce e 20 g de alfazema. Amarre-o no chuveiro e desfrute de todas as propriedades desses ingredientes.

Mas atenção: o banho quente é indicado para aliviar dores, relaxar e acalmar o corpo, além de induzir à transpiração, mas não é recomendado para crianças, idosos e pessoas com problemas cardíacos e circulatórios.

Banho energizante


Coloque em um saquinho de algodão 20 g de alecrim, 20 g de hortelã e 20 g de canela (todas as ervas secas). Amarre-o no chuveiro ou coloque na banheira em água quente. As ervas proporcionarão uma poderosa sensação de bem-estar e fornecerão energia.

Banho afrodisíaco


Escolha entre os óleos essenciais de ylang ylang, patchouli, jasmim, pau-rosa, rosa e sândalo o aroma de sua preferência e dilua 30 gotas em 100 ml de mel, álcool de cereais ou em leite. Coloque a mistura na água quente da banheira e permaneça 20 minutos em imersão. Não tome banho de duche após o procedimento, pois os princípios activos dos óleos essenciais ainda estão a penetrar na pele. Utilize uma toalha para se secar. Outra dica é colocar flores e pétalas de rosa na banheira. "Isso deixará o ambiente ainda mais bonito e o banho muito mais agradável", recomenda.

Agora, é só desfrutar da sensação de relaxamento e beleza que o day spa em casa lhe proporcionou - e, é claro, repetir a dose quantas vezes quiser!

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:50 | link do post | comentar

Segunda-feira, 08.08.11

Depois de um dia cansativo, é óptimo relaxar, principalmente se você estiver acompanhada. Portanto, pegue no óleo e no hidratante, pois o poder das mãos é mágico!

No século 5 a.C., o grego Hipócrates, considerado o pai da Medicina, escreveu que “para se gozar de boa saúde é preciso tomar um banho perfumado e fazer uma massagem todos os dia”. Melhor ainda, se isso for a dois e incrementar a intimidade do casal, que cria um momento reservado.

Com o estilo de vida cada vez mais acelerado e as demandas relativas a casa, aos filhos e ao trabalho sempre maiores, é comum esquecer-mo-nos do romance – fundamental nas relações bem-sucedidas. “Nos dias atuais, os casais correm pra lá e pra cá e têm pouco tempo para a intimidade”, observa a terapeuta familiar Marina Vasconcellos, psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e terapeuta de casais. “A massagem a dois é óptima para se desfrutar, sem cerimónia, de um contacto profundo e integral”, diz a terapeuta.

Dicas para relaxar de verdade

Solte a criatividade
Se o companheiro é do tipo que adora uma novidade, saia do comum! Crie um ambiente com pétalas, velas, tecidos e outros, elementos que estimulem os sentidos.

Não force
Na hora de se entregar às delícias benéficas da massagem a dois, vale tudo – exceto forçar a barra. Se o seu parceiro é uma pessoa chegada à rotina, não adianta fazer uma superprodução. Isso pode deixá-lo desconfortável e constrangido.

É essencial

Os óleos são essenciais numa boa massagem. A dica do massoterapeuta Jean Massumi é usar um tipo neutro – que pode ser de semente de uva, girassol ou germen de trigo, entre outros – misturado a uma essência. Para a massagem nos homens, as essências recomendadas são lavanda, sândalo ou ylang ylang. Para as mulheres, lavanda, laranja ou jasmim.

Não se esqueça
Confiar na intuição continua a ser uma dica preciosa para não invadir os limites do outro e garantir que o tempo passado a dois seja de muito prazer.

É importante que o casal passe um momento de qualidade. Como o toque é o princípio de todo relacionamento amoroso – e também o seu diferencial –, a prática a dois é uma técnica que cai como uma luva. "Muitos casais acabam por se tornar amigos – e só”, alerta Marina. “Quando feita com amor e interesse, pode contribuir para afinar a intimidade”, diz a professora da PUC e terapeuta familiar Magdalena Ramos.
 
Para que o casal aproveite de facto os benefícios da prática, é preciso haver respeito e confiança mútuas. Assim, nada de travar na hora H! Se você não se sentir completamente à vontade para experimentar os movimentos, possivelmente, é porque está desconfortável com você mesma. Nesse caso, Marina Vasconcellos recomenda um exercício simples: ficar cinco minutos em frente a um espelho, nua, passando um creme no próprio corpo. “Primeiro, é preciso ter intimidade consigo mesma”, explica ela.

“Toda a massagem deve ser feita com respeito e bom senso, principalmente no começo, pois é um trabalho de descoberta mútua”, afirma o massoterapeuta Jean Massumi. Ao lado, confira as técnicas ensinadas por Jean para vocês se descobrirem juntos.

Movimentos

Para ela fazer nele
Nos pés:: usando o polegar, faça uma pressão firme na altura do calcanhar e dois dedos acima dele. Dica: tem que ser forte, ou dá cócegas.
Ainda nos pés::  depois, com os dedos da sua mão em pinça, pegue os dedinhos dos pés dele e gire-os no sentido horário. Faça isso com todos, começando do mindinho do pé esquerdo até o mindinho do direito.
No ventre:: visualize um ponto três dedos abaixo do umbigo. Passe o óleo de ylang ylang nas palmas abertas e faça movimentos circulares horários sobre este ponto.
Na nuca:: deite-o de bruços, com a cabeça apoiada nos braços cruzados sob a testa, e fique de frente para ele. Com o óleo de essência de lavanda, use os três dedos do meio para fazer movimentos circulares na nuca, como se quisesse “puxar” a cabeça dele em sua direção.

Massagem a dois estimula a intimidade

 Para ele fazer nela
Nos pés:: o seu companheiro pode repetir o movimento número 1 feito por você.
Na coluna:: com você deitada de bruços, o seu parceiro vai massajar, com a palma da mão, desde a última vértebra lombar até o cóccix – o último ossinho da coluna. Depois, ele pode dar suaves batidinhas, com a mão semicerrada (atenção: não pode fechar o punho!), na região.
Atrás do joelho:: com o polegar, em movimentos circulares no sentido horário, ele deve massajá-la na linha da dobra dos joelhos
e dois dedos abaixo.
4. No peito: com óleo de lavanda, faça movimentos circulares com a mão espalmada sobre um ponto no cruzamento da linha dos mamilos com o centro longitudinal do corpo.

Massagem a dois estimula a intimidade
Via Ser Mulher


publicado por olhar para o mundo às 21:48 | link do post | comentar

Domingo, 07.08.11

Psicanálise ao casamento!

 

Para que um casal não se separe tem de aceitar que as crises fazem parte do amor. O psicanalista francês Éric Smadja passou por Lisboa, a convite do ISPA, para falar sobre a evolução do casal do ponto de vista histórico e cultural, a partir das histórias escutadas no seu consultório. "O Casal e a Sua História" é o tema e o mote para uma conversa sobre a crise conjugal.

A noção de casal como entidade é muito recente. É um conceito do século XX?
Precisamente. Tem a ver com a evolução do próprio conceito de indivíduo na sociedade contemporânea. Durante séculos, a noção de casal não existia, porque na sociedade tradicional o matrimónio era o pilar fundador do casal. Representava o encontro entre duas pessoas que se casavam para ter filhos e produzir uma família dentro da sociedade.

O casamento era uma espécie de empresa?
Assentava numa equipa de cooperação económica e social. O casamento era um projecto de família.

Já não é?
Hoje é mais difícil haver um projecto de família.

Mas a maioria das pessoas ainda casa para constituir família, ou não? Sim, mas, com a autonomia do conceito de casal, o próprio casamento tornou-se uma instituição em risco.

Porquê?
No decorrer do século XX, depois da II Guerra Mundial, a noção de indivíduo ganhou muita força na sociedade ocidental. As pessoas passaram a querer o romance e o amor, e isso veio centrar a ideia de casamento no casal, que passou a ser um mecanismo autónomo. Hoje, a novidade é que o casal separou-se do casamento.

Parece um contra-senso.
Mas é assim.

O que se tornou fundador do casal deixou de ser a família e passou a ser o amor?
Sim. Mas é uma falsa questão.

Não é o mais importante?
Não. O amor é importante, mas também é o problema, precisamente porque existe a falsa ideia de que o casal é unicamente fundado no amor, e não é. Antigamente, quando o casal era sustentado no casamento e não na ideia da relação, tudo isso era secundário.

O que é um casal?
Do ponto de vista psicanalítico - e a minha área de trabalho é a psicanálise -, o casal é um corpo ancorado em dispositivos afectivos e psíquicos que consistem em que o "outro" participe nos nossos mecanismos de protecção como indivíduos. Em termos simbólicos, isto quer dizer que eu escolho determinada pessoa porque tenho uma percepção inconsciente que existem entre nós elementos inconscientes comuns que nos vão permitir protegermo-nos dos nossos perigos interiores.

Do ponto de vista psicanalítico, a ideia de protecção é a razão pela qual procuramos o "outro" para formarmos um par?
Procuramos no outro uma sustentação narcísica de segurança e valorização do par. É uma valorização muito importante. Em termos de psicanálise, chamamos a isto benefícios narcísicos. Claro que também existe uma procura do amor e de satisfação erótica e libidinal. O casal tem uma dupla pluralidade. Por um lado, há um pólo da satisfação e valorização pessoal e, por outro, há um pólo defensivo em relação ao par. Somos seres muito frágeis.

Há cada vez mais divórcios, mais pessoas sozinhas e famílias monoparentais. Porque é que o casal é um núcleo tão frágil?
Na minha experiência como psicanalista, mas também a partir da minha observação enquanto sociólogo, há conflitos de diferentes ordens. O primeiro é que, com esta promoção e sacralização do indivíduo, há no seio do casal um conflito entre as reivindicações individuais e os interesses comuns. Quando dois seres coabitam, são confrontados com a necessidade de afirmar a sua identidade individual. Nessa reivindicação, temos grande dificuldade em aceitar o outro na sua diferença. Isto é um ponto essencial.

Diferente de nós ou diferente daquilo que queremos?
Ambas as coisas. É um conflito entre identidade e alteridade. Uma das razões por que os casais são tão frágeis e se separam tão rapidamente é devido ao facto de o casal se ter tornado num lugar de refúgio, de satisfação de muitos desejos e onde nos temos de realizar plenamente. As pessoas não estão dispostas a aceitar que seja um lugar de sofrimento. Qualquer crise, qualquer conflito mata o casal.

Está a falar de casais com quanto tempo de casamento?
Depende. Mas cada vez são mais jovens os casais que me procuram. Alguns com dois ou três anos de casamento.

E o que lhe diz isso?
Muitas coisas. Uma delas é que a ideia de amor romântico, eterno, ainda persiste como ideal, embora toda a gente saiba que o casamento para sempre acabou. Isto causa uma angústia enorme e uma grande contradição sobre a perspectiva que têm do amor.

Querem simultaneamente o amor eterno e o tempo da paixão e do romance?
Isso mesmo. As crises estão geralmente ligadas à perda de intensidade do sentimento amoroso. Há uma grande expectativa que o sentimento permaneça durante muito tempo na vida do casal. Quando a crise se instala, não aceitam a diferença do outro e não permitem a invasão. Uma das coisas que observo mais é o sentimento de desilusão. As pessoas não aceitam que o sofrimento possa fazer parte da evolução do amor.

E, entre os casais de maior duração, quais são as queixas mais frequentes?
Falta de comunicação. Começam a falar e entram em conflito. Há uma comunicação verbal e outra não-verbal. A mulher é mais exigente em matéria de comunicação íntima. Fala de sentimentos e tem uma comunicação em profundidade. Os homens têm tendência para uma comunicação mais factual do quotidiano. São menos no verbo e mais nos actos. Mas também são mais superficiais. Também me procuram por problemas de ordem sexual, como a perda de desejo e as aventuras extraconjugais. E depois há crises que têm a ver com problemas de ordem pessoal, como uma depressão,

Ainda são as mulheres quem mais procura ajuda?
Sim. São as guardiãs do casal.

Como é que se faz psicanálise a um casal? O que se passa dentro do consultório?
É um processo semelhante ao da psicanálise individual do ponto de vista do método, mas aqui é com duas pessoas. Atendo-os sempre juntos e começo por fazer três sessões de plano exploratório. Nesta fase, o meu papel é de mediador. Escuto um, depois escuto o outro. É muito importante observar como cada um deles ouve o outro. Depois, averiguo quais as diferenças e proximidades entre os dois e o que os faz oporem-se tanto. Tento perceber o que os aproximou no início do romance, o que os atraía. São questões muito importantes. Há uma exploração, igualmente muito importante, sobre a história particular de cada um na sua ligação à família de origem. Quando um fala, o outro ouve. Isto é fundamental, porque permite-lhes escutar em condições que não conseguem fazer quando estão sozinhos.

Ouvir a história contada pelo próprio permite ao outro sentir o tal factor de valorização de que falava?
Exactamente. E quando escutam coisas que nunca souberam sobre o parceiro sofrem muito. Também sofrem ao verificarem como estão feridos e já não se conseguem valorizar. Perderam essa capacidade fundamental. Porque a vida é duríssima. Somos atacados por todos os lados. O casal deve ser o sítio da segurança e do refúgio. Não o da agressão.

Qual é o lugar do casal em relação à família?
É uma pergunta muito importante, porque esse é outro tipo de conflito que existe dentro dos casais. Em primeiro lugar, há uma conflitualidade potencial entre o casal amoroso e o casal parental. Sigo muitos casais que me procuram depois de terem filhos. O nascimento de uma criança transforma completamente o elo conjugal.

Como?
O que se passa é que hoje é muito difícil para uma mulher que acaba de ser mãe conseguir articular o facto de o ser e, ao mesmo tempo, continuar aos olhos do marido como uma mulher sedutora. Na vida psíquica da mulher, existe uma dificuldade em resolver o feminino erótico e o feminino maternal. É um conflito inconsciente e muito duro de gerir.

E nos homens? Neles, o conflito surge por sentirem que perderam a mulher em detrimento das crianças. Este sentimento, inconsciente, pode despertar angústias antigas, como por exemplo rivalidades fraternais. É muito frequente jovens casais divorciarem-se depois do nascimento de filhos.

Está a falar do que se passa ao nível do inconsciente. Há um lado muito interpretativo e simbólico no discurso psicanalítico. Como é que tudo isto se revela e se pode validar?
Só posso falar da minha prática. É um processo de compreensão sobre o que leio, o que foi experimentado por outros analistas e o que observo no meu consultório. É um dado adquirido que o aparecimento das crianças altera completamente o funcionamento do casal. Muitas vezes, os casais aprendem a viver num equilíbrio e quando os filhos aparecem vão transtornar o funcionamento do casal. Surgem como um elemento perturbador.

Mais um elemento de conflito?
Muitas vezes são o pretexto para o distanciamento entre o homem e a mulher. Há casais muito simbióticos, demasiado próximos e que não aguentam essa proximidade. A chegada de uma criança permite-lhes conseguir uma distância e, por vezes, até conseguem funcionar melhor. Também há casais com uma agressividade latente entre eles e que fazem a deslocação da sua agressividade para os filhos. Muitas vezes, recebo casais no meu consultório que me chegam por via dos terapeutas dos filhos. O problema era o casal, a criança era apenas o sintoma da disfunção.

Quais são os factores para a durabilidade de um casamento? Precisamente, um dos factores é aceitar esse sofrimento, que é inevitável. Como tudo o que acontece na vida, o sentimento amoroso evolui. É preciso aceitar que o amor se transforme e tome formas diferentes. A paixão não é duradoura. O que é duradouro é a ternura, a cumplicidade. Isso mantém o caminho. O que também é durável é a capacidade de se valorizarem um ao outro através das palavras, dos actos e das atitudes. Quando se perde o sentido do valor do outro é muito grave.

É casado?
(risos) Não é suposto responder a isso. Mas sim, sou. Há mais de vinte anos.

 

Éric Smadja é membro da Sociedade de Psicanálise de Paris e psicoterapeuta de casais e da família. Tem vários estudos publicados sobre a relação entre a psicanálise e a antropologia social e alguns livros dedicados ao tema. Em breve editará o livro "Le Couple et Son Histoire", um tema a que se tem dedicado nos últimos anos na investigação e no seu consultório e que o trouxe a Lisboa.



publicado por olhar para o mundo às 21:46 | link do post | comentar

Sábado, 06.08.11

Sexualidade da mulher após a menopausa

 

Estudo identifica factores que prejudicam a sexualidade feminina após a idade reprodutiva.

Depois da menopausa, quando acabam as ovulações mensais e os níveis de hormonas femininas descem, a qualidade da vida sexual de mais de um terço das mulheres piora. Elas passam a evitar as relações sexuais, em grande parte por sentir desconforto e dor que tornam o sexo quase um suplício doloroso. Essas constatações vêm de um levantamento coordenado pelo ginecologista Aarão Mendes Pinto-Neto, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e detalhado em três artigos publicados em 2008 na revista Menopause.

Um dos resultados que chamou a atenção foi a grande frequência dedor durante a penetração – distúrbio chamado pelos médicos de dispareunia –, mencionada por quase 40% das entrevistadas. “Entre dois e três anos depois da menopausa, quase todas as mulheres sentem algum nível de desconforto devido à secura vaginal”, conta Aarão. Em muitos casos, nada que ainformação e um pouco de gel lubrificante não resolvam.

A companhia de um parceiro carinhoso e saudável também se mostrou indispensável para uma boa sexualidade. Verificou-se que as mulheres cujos parceiros tinham problemas comodisfunção erétil ou ejaculação precoce apresentavam maior tendência a sentir dor durante o sexo. Uma explicação provável, segundo os investigadores, é que essas mulheres, para atingir um nível de lubrificação confortável, precisavam receber mais carícias, o que nem sempre um parceiro mais apressado consegue dar.

dispareunia foi mais comum entre as mulheres com depressões e as que se sentem nervosas em relação ao sexo. Como o questionário estabelece a correlação, mas não permite saber se a dor causa o problema emocional ou se é consequência dele, os investigadores apoiam-se na experiência clínica para entender melhor os resultados. Com base nos casos que viu em mais de 20 anos de estudo, o ginecologista da Unicamp acredita que o desconforto físico surge antes do problema emocional. E, quando a mulher antecipa a dor que sentirá, começa a evitar a actividade sexual.

Alguns dos sinais desagradáveis da menopausa prejudicam o sexo, o que torna a disfunção sexual mais comum entre as mulheres que têm esses sintomas. Não surpreende. Quem transpira e sente falta de ar durante ondas súbitas de calor, não produz lubrificação vaginal, sofre de insónias, tem depressão e passa por um período em que as oscilações de humor parecem uma montanha-russa a ponto de dar saudades das tensões pré-menstruais da juventude e dificilmente encara o sexo com bons olhos. Além disso, os medicamentos contra a depressão e a hipertensão, problemas comuns nessa fase da vida, podem diminuir o desejo sexual. 

Uma boa vida sexual
frisa Aarão, é a que satisfaz a própria pessoa. Há quem fique feliz com sexo uma vez ao mês e quem ache três vezes por semana pouco. O desejo sexual naturalmente diminui com a idade – não com a menopausa. “Um homem de 50 anos tem menos desejo do que tinha aos 20 anos; o mesmo acontece com as mulheres.” Por essa razão, o investigador não fala em sexualidade boa ou normal, mas sim adequada para cada mulher. 

A satisfação, porém, não depende apenas da saúde física. Para uma vida sexual plena, a saúde emocional do relacionamento deve estar em dia. Para ter uma sexualidade adequada, a mulher precisa de se sentir atraída pelo parceiro. O questionário incluiu perguntas sobre quão satisfeita a participante estava com seu parceiro como amante, se estava apaixonada e, regra geral, como se sentia em relação a ele – ou ela, no caso de relações homossexuais. Uma proporção maior (de 71% a 86%) de mulheres que atribuíram nota máxima numa escala de 0 a 6 para cada um desses três itens – ou seja, estavam apaixonadas, os parceiros as satisfaziam e elas os viam como bons companheiros – afirmou ter uma boa vida sexual. Entre as menos satisfeitas com os seus parceiros, mais da metade (entre 53% e 56%) tinha a sexualidade prejudicada. 

Segundo o ginecologista, alguns sexólogos defendem que a cura para a disfunção sexual feminina é um parceiro jovem e atraente. 

A partir desse levantamento, os ginecologistas podem ajudar as mulheres a resgatarem a sua sexualidade depois da idade reprodutiva. Para isso é necessário avaliar o caso de cada paciente e procurar soluções mais adequadas para elas. A terapia de reposição hormonal, por exemplo, pode reduzir a falta de lubrificação e os calores, e determinadas posições sexuais podem ser mais confortáveis e prazerosas para a mulher. “A nossa função”, resume Aarão, “é oferecer bem-estar geral às mulheres e preservar a sua saúde para a velhice”. 

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar

Sexta-feira, 05.08.11

A importância da higiene íntima

 

Use apenas produtos que assegurem o ph vaginal.


Muitas mulheres sofrem de desequilíbrios no pH vaginal, que podem estar por detrás do mau odor, irritação ou ardor e, inclusive, de infecções como vaginose bacteriana. 

Esta alteração pode ser provocada pela menstruação, relações sexuais sem preservativo, duches vaginais, produtos femininos ou de limpeza como sabonete, gel de banho ou óleos de banho perfumados, e também pelas mudanças hormonais próprias da gravidez ou da menopausa. 

Por isso, torna-se importante usar apenas produtos de higiene íntima que assegurem a estabilidade do pH da zona vaginal.

Informe-se junto do seu ginecologista.

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:41 | link do post | comentar

Quinta-feira, 04.08.11

Aprenda a avaliar os seus problemas no relacionamento sexual

 

É bastante comum a existência de problemas na vida do casal provocados por desajustes na atividade sexual.


Muitos são devidos ao modo de ser das pessoas, outros a diferentes maneiras de ver as coisas (quantidade e tipo de relações, determinadas “exigências”, etc), outros ainda em função de desajustes na parte afetiva, com relação ao carinho, à atenção, além de interferência de terceiros (parentes, amigos) e, cada vez mais importantes, os problemas financeiros.


Claro que cada pessoa é uma pessoa e cada casal é um casal específico, com os seus próprios problemas. O diálogo, a abertura à mudança, um estreitamento do afeto com aproximação do casal e, em muitos casos, conselhos ou terapia podem ser muito úteis na solução dos conflitos e recuperação das relações. O que queremos ressaltar, aqui, é a possibilidade dos desajustes sexuais serem devidos a problemas derivados de doenças.


Isto se deve à existência de problemas que refletem na parte sexual, no desempenho sexual das pessoas, sejam homens ou mulheres, que podem ser específicos da área dos órgãos sexuais. No caso da mulherdoenças ovarianas, uterinas, vaginais, carências hormonais e outras, podem provocar redução do desejo, incómodos ou dores quando da relação sexual, gerando insatisfação, repulsa ou medo do sexo.


No caso do homemproblemas nas artérias do pénis, no próprio pénis, carências hormonais, problemas com a inervação dos genitais e outros podem tornar difícil a ereção ou a realização do ato sexual. Além destes, doenças gerais também podem interferir no desempenho sexual, quer por si mesmas, como a depressão, várias doenças mentais, a diabetes, a tensão alta, os distúrbios glandulares, em especial da tiróide, doenças neurológicas e outras, quer por efeitos colaterais dos medicamentos usados para o seu tratamento, como anti-depressivos, anti-hipertensivos e outros.


De qualquer forma, existem dois pontos importantes:


Problemas de relacionamento entre as pessoas são importantes, são muito comuns e precisam ser “atacados” através do diálogo, da abertura e de ajuda profissional.


Problemas derivados de doenças podem interferir e, neste caso, uma consulta ao seu médico de confiança, ginecologista, urologista, clínico geral, psiquiatra ou outro especialista deve ser feita e poderá identificar e corrigir permitindo ao casal buscar o retorno à satisfação.

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:38 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.08.11

Sexo depois do parto

 

O nascimento dos filhos é um momento importante e muito aguardado por qualquer casal. É quando uma nova vida, literalmente, começa para todos na casa. Estas novidades, entretanto, podem mudar de forma definitiva a rotina sexual dos parceiros. E apenas com paciência e muito diálogo este contratempo pode ser resolvido.

 

Se o casal possui uma vida sexual satisfatória antes do nascimento do bebé, a vida sexual sofrerá menos com a chegada do novo integrante da família. Ela ressalta, porém, que o excesso de trabalho da mulher neste período e a dedicação ao filho acabam sendo naturalmente prioritários. Além disso, o efeito da prolactina, hormona responsável pela produção de leite materno, influencia diretamente a produção de testosterona na mulher, este último responsável pelo desejo sexual.

Normalmente, os médicos liberam clinicamente as novas mães para o sexo após 40 ou 60 dias do parto. Entretanto a preparação física para o sexo não corresponde diretamente à preparação psicológica para voltar à ativa. Apesar da possibilidade do casal estar distanciado e intolerante, há perigo da mulher apresentar uma leve depressão devido à sua sensibilidade aflorada e ainda baixa auto-estima, por causa das mudanças no corpo. Nestes casos a sensibilidade do homem nunca é demais.

Diante de pequenos problemas ou atritos nestes casos, como contornar a situação? Para o homem, muito cuidado e muito carinho, lembrando que sexo não necessariamente envolve penetração. Nesta fase, a mulher fica mesmo mais sensível fisicamente. Elogios e carícias podem ser muito bem-vindos e se transformarem num estimulante para a relação do casal. É preciso adaptar-se ao corpo em transformação, tirar aquele pijama de amamentação e colocar algo mais sexy. Pode parecer inimaginável, mas faz muito bem ao casal e acredite, a você também. Reserve um tempo para vocês e namorem. É necessário habituarem-se ao sexo com interrupções, choros, amamentações e trocas de fraldas noturnas. Parece que eles adivinham!!

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 02.08.11

O que acontece com o corpo na hora do sexo?

 

O sexo faz um rebuliço com a imensa cadeia de processos físicos e químicos do nosso organismo. Depois da excitação, há um aumento da liberação de hormonas sexuais (estrógeno, na mulher, e testosterona, no homem) e de adrenalina, que preparam o indivíduo para o acto sexual.


O efeito dessa elevação química é imediato: a circulação sanguínea aumenta, o coração dispara, os pêlos eriçam, a pele enrubesce e a região genital, com uma grande concentração de sangue, dilata-se.

 

Na mulher ocorre o inchaço vaginal e, no homem, a erecção. A respiração fica ofegante. Ao mesmo tempo em que a excitação cresce, outra substância entra em acção. É a endorfina, responsável pela sensação de prazer e satisfação. Nesse momento, a adrenalina está mais baixa e o organismo fica completamente inebriado pela endorfina.

 

O nível máximo de liberação dessa última substância corresponde ao orgasmo. É o momento no qual todas as células nervosas do cérebro descarregam o seu conteúdo eléctrico, promovendo o relaxamento físico total. Na mulher, durante esse clímax também é liberado outra hormona, chamada ocitocina, responsável pela contracção do útero. 

 

Via Ser Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:10 | link do post | comentar

Terça-feira, 12.07.11

O tão famoso Bikini está de parabéns pelos seus 65 anos!


Desde que este foi revelado ao mundo em Paris pela primeira vez, que o mundo dos homens e das mulheres tem sido mais feliz.

 

O Brasil segue na frente no que toca ao uso do bikini, mas este não é uma invenção Canarinha. O Bikini foi inventado pelo estilista francês Louis Réard que o batizou com o nome do pequeno atol de Bikini no Pacífico, onde os americanos haviam realizado uma série de testes atómicos.

 

Ao longo do tempo novas marcas, e principalmente novos modelos surgiram, fazendo com que as mulheres sejam cada vez mais belas e sensuais. Viva o Bikini!

 

Os 65 anos do Bikini



publicado por olhar para o mundo às 21:31 | link do post | comentar

Segunda-feira, 06.06.11
Beijos do Kamasutra


A origem do beijo não é clara. O que se sabe é que as referências mais antigas encontradas datam de 2.

500 a.C. registradas na Índia, nas paredes dos templos de Khajuraho.

 

Beijar é uma arte, segundo o Kama Sutra, ao descrever vários tipos de beijos e sugerir quando cada um é apropriado. O beijo é considerado a maior prova de carinho entre duas pessoas. Um beijo na boca estimula os cincos sentidos, proporcionando uma gama de sensações. Para que o beijo na boca aconteça é necessário o trabalho conjunto de 29 músculos da face e da língua, além disso ele estimula a circulação sanguínea, oxigena melhor as células e queima aproximadamente 12 calorias, desencadeando maior produção hormonal.

Para ficar ainda melhor, o beijo na boca nos dá a sensação de relaxamento e calma, o que resulta em um aumento nos níveis de serotonina no cérebro. A boca e a língua são das mais sensíveis regiões do corpo, perdendo apenas para os órgãos genitais, e sua mobilidade faz com que se tornem áreas de grande importância para a obtenção de prazer.

O beijo gostoso é aquele que você sente, aquele por meio do qual você demonstra todo o seu afeto e carinho pelo amado. Muitas vezes é o beijo que inicia a excitação, promovendo aquele turbilhão de sensações que termina no clímax do ato sexual. Entregue-se completamente ao beijo e sinta as suas reações e as de seu parceiro nessa hora.

Explore o corpo com beijos. Se você quiser descobrir o corpo do seu parceiro, descubra-o com beijos, bem lentamente. Experimente começar pelas pernas e ir subindo bem devagar. Explore a região de trás dos joelhos, suba pelas pernas até a parte interna das coxas. Encoste sua boca nas nádegas e com beijos apaixonados chegue até os ombros, passando por toda a coluna até a nuca. Beije todo o corpo dele bem devagarzinho e termine a sessão com um gostoso beijo na boca.
O kama Sutra descreve vários tipos de beijos. O beijo inclinado que ocorre quando as cabeças dos dois amantes estão inclinadas uma na direção da outra; o beijo lateral, o beijo direto, o beijo do lábio superior e outros beijos mais.

 

Cada beijo dado em uma diferente área do corpo pode ter um significado. Veja o que quer dizer cada um dos seguintes beijos:

Beijo na mão - Respeito e admiração

Beijo na bochecha - amizade, carinho, bastante comum como cumprimento nos países ocidentais

Beijo no pescoço - indica desejo pela outra pessoa

Beijo na orelha - indica desejo e afeto. Não tenha pressa na hora de dar um beijo na orelha,tenha paciência e muito carinho.

Beijo nos lábios - é a maior expressão de amor, de desejo, de paixão. É o termômetro da relação. Na hora de beijar criatividade é um item essencial. Portanto use e abuse da sua e Feliz Dia do Beijo!

 

Via VilaDois



publicado por olhar para o mundo às 21:04 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.05.11

Patti Davis nua aos 58 anos

 

Patti Davis, filha de Ronald Reagan, posou nua para a revista “More” aos 58 anos. Patti surpreendeu tudo e todos por ser considerada, até agora, como a “ovelha negra” da família Reagan.


Mas esta não é a primeira vez que Patti Davis posa nua para uma revista. Em 1994, a filha do ex-presidente norte-americano, então com 42 anos, despiu-se para a Playboy com o objectivo de aborrecer a sua família.


Uma atitude que causou algum incómodo entre os membros da família Reagan, mas que se traduziu para Patti numa “vitória pessoal”.


Desta vez, Patti resolveu mostrar o seu corpo para exibir o seu excelente estado físico. “O meu corpo é a casa onde vivo, e nunca mais parei de tentar melhorá-lo”, disse Patti Davis.


Hoje, a filha de Reagan diz que “aprendeu a olhar-se ao espelho e a ver a fortaleza que se reflecte no espelho…”.


Patti resolveu cuidar mais do corpo a partir dos 34 anos depois de ter passado por anos menos positivos devido ao vício das drogas que começou a tomar conta da sua vida aos 15 anos. 

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:48 | link do post | comentar

Terça-feira, 10.05.11
Conhecer o seu corpo é essencial para chegar ao orgasmo
Não reprimir desejos e manter um diálogo aberto com o parceiro são outros requisitos fundamentais para o sucesso da vida sexual
Desde que sutiãs foram queimados em praça pública, o Ponto G passou a ser estudado como parte da anatomia feminina e as mulheres conquistaram sua tão sonhada autonomia. Seu lugar na cama passou a ser questionado assim como o papel do orgasmo. Mas depois dessas revoluções sexuais, chegou a hora de promover algumas evoluções mais pessoais. Como por exemplo, conhecer tão bem a si mesma a ponto de saber o que realmente proporciona prazer, além dos rótulos, das medidas e das posições pré-estabelecidas. O orgasmo não precisa mais ser a linha de chegada de uma relação sexual. Você já pode fazer dele a sua linha de partida e ser feliz também na vida íntima. 

Do ponto de vista físico, para que o orgasmo aconteça é preciso que se cumpram alguns pré-requisitos. "O orgasmo é uma reação do sistema nervoso parassimpático aos estímulos provenientes dos órgãos genitais. Para produzir essa descarga nervosa, o estímulo genital, acompanhado com estímulo visual e imaginação são suficientes no sexo solitário. No sexo a dois, a mulher precisa estar envolvida com o parceiro ou a parceira para que possa relaxar e desfrutar o prazer dos contatos", explica o médico e terapeuta Eduardo Navarro. 

Mas buscar mecanicamente estes movimentos e estímulos físicos pode ser tão antirromântico (e antiprodutivo) que mesmo se observando todos os passos na direção do orgasmo ele acaba não acontecendo. O ideal é que a estimulação dos sentidos aconteça naturalmente pelo desejo de um em relação ao outro. 

Um estudo feito pelo Projeto Sexualidade da Universidade de São Paulo (ProSex - USP) identificou que 50% das mulheres brasileiras não estão satisfeitas com sua vida sexual. A psicoterapeuta e sexóloga Magda Gazzi tem orientado muitas mulheres em seus anos de trabalho a mudar este quadro. Segundo ela, não chegar ao orgasmo pode significar alguns problemas e é sempre bom investigar. 

"Uma relação sexual mal sucedida pode representar problemas como depressão, ansiedade, estresse, hipertensão, diabetes, doenças cardíacas, neurológicas ou endócrinas", afirma a sexóloga. 

Para Magda Gazzi, em primeiro lugar vale tentar a boa e velha 'discussão da relação'. "É importante também que os homens entendam que a resposta sexual das mulheres é mais lenta que a deles, que a pressa não é aconselhada e as preliminares são indispensáveis", ressalta. 

Buscar a satisfação sexual é investir na qualidade do seu relacionamento. Conheça atitudes que você pode incorporar no seu dia a dia: 

 Conheça o seu corpo como ninguém: saiba quais são as partes que você gosta de ser tocada, permita que seu corpo seja um instrumento de prazer para você mesma; 

 Pratique exercícios físicos: sinta-se bem fisicamente, faça a energia fluir, sinta-se atraente e aproveite para cultivar os músculos responsáveis pelo orgasmo; 

 Comunique-se durante a relação: diga o que você quer, como você gosta, pergunte como ele se sente quando lhe toca; 

 Invista nas preliminares: seja criativa, reinvente a si mesma enquanto provoca o seu parceiro com uma brincadeira nova. 

"O principal remédio para os problemas sexuais ainda é a discussão franca, aberta e sem preconceitos", destaca Magda. Assim, todos os jogos de sedução, a preocupação em criar um ambiente com velas, luzes, aromas, roupas e trilhas sonoras, tudo continua valendo como potencializadores de uma vontade que já deve estar lá - não dá para forçar - e é por ela que você deve procurar. 

Quando a sua performance na cama passa a ser um reflexo do que você e o seu parceiro estão sentindo, naturalmente o prazer vai te conduzir até o orgasmo. 
Via Bonde


publicado por olhar para o mundo às 21:06 | link do post | comentar

Sábado, 30.04.11
O apetite sexual depende de cada mulher durante a gravidez

O apetite sexual depende de cada mulher durante a gravidez

 

Basta anunciar que está grávida para a mulher ser bombardeada com uma avalanche de crenças e crendices. Diante de tanta coisa fica até difícil saber no que realmente acreditar.

Pensando em esclarecer as dúvidas das gestantes, o eBand conversou com o ginecologista Gustavo B. Kröger, obstetra da Genics Medicina Reprodutiva e Genômica, em São Paulo, que não só desmascarou as inverdades que são espalhadas por aí como também deu algumas dicas para as futuras mamães. 

Quando a gestante sente muita azia significa que o bebê será cabeludo.
Mito.
 Azia nos três primeiros meses de gestação são decorrentes do aumento do beta HCG, hormônio produzido pela placenta, sendo que em gestações gemelares esse efeito é maior. Azia da metade da gestação em diante são devidos à ação da progesterona, que aumenta o tempo que o estômago leva para esvaziar, assim como afrouxa as válvulas, favorecendo o refluxo.

Comer chocolate antes da ultrassonografia ajuda na hora de ver o sexo do bebê. 

Mito. A identificação do sexo do bebê é melhor após as 20 semanas da gestação, quando os genitais já estão formados e com um tamanho que permite uma melhor visualização. Se o bebê estiver em uma posição fetal que dificulte a visualização e estiver se mexendo pouco, ingerir alimetos doces estimula a movimentação fetal, sendo que após se movimentar, o bebê pode assumir uma posição que facilite a visualização da genitália. 
  
Comer bolacha água e sal alivia o mal-estar e a salivação.
Verdade. A sensação de mal-estar pode melhorar ao ingerir alimentos leves, como frutas e alimentos com pouca gordura, como é o caso das bolachas de água e sal. 

O formato da barriga diz qual é o sexo da criança. 
Mito. O formato da barriga depende do tamanho do bebê, da posição que ele se encontra dentro do útero, da quantidade de líquido amniótico, do número de bebês, do tamanho e formato da bacia óssea da mulher, e do formato prévio da silhueta corporal da gestante. 

Durante a gestação a mulher sente menos desejo sexual. 
Meio mito, meio verdade. Depende de como a mulher encara o seu corpo durante a gestação e de como a gestação está afetando o seu bem estar e qualidade de vida, pois o desejo sexual está muito mais associado ao estado emocional da mulher do que à gestação. Dessa forma, há algumas mulheres que, inclusive, afirmam sentir mais desejo, enquanto outras, dizem que sentem menos que o normal, provavelmente por estarem desconfortáveis devido às dores lombares e cólicas que podem ocorrer mesmo em gestações normais.
  
A penetração pode machucar o bebê.
Mito.
 O bebê está protegido pelo útero. Em algumas gestaçõeS quando, por exemplo, a placenta está na frente do colo uterino (as chamadas de placentas prévias) ou quando há risco de parto prematuro, a penetração é não é indicada.

Sempre após a relação sexual a mulher sente contrações. 

Mito. Não necessariamente, mas ter relação sexual pode estimular o útero a ter contrações, por isso nas gestações de risco de parto prematuro a relação sexual é contra-indicada.
  
Quando o bebê é grande ele só pode nascer de cesariana.
Verdade.
 Bebês com mais de quatro quilos geralmente nascem por parto cesárea.

Grávidas não podem ter contato com gatos. 
Meio mito, meio verdade. Grávidas devem no começo da gestação colher sorologia para toxoplasmose, doença infecciosa decorrente do contato com frutas e verduras mal lavadas e do contato com as fezes de gato. Se elas ainda não entraram em contato com a toxoplasmose são susceptíveis. Em geral a infecção passa por uma gripe ou resfriado, mas durante a gestação pode acarretar em roblemas como malformações nos bebês. 
  
Se houver risco na barriga significa que o bebê será moreno. 
Mito. A cor da pele ou do cabelo depende da herança genética recebida dos pais. O escurecimento da linha que corre do umbigo para baixo é decorrente de efeitos hormonais da gestação, o mesmo efeito que pode favorecer o aparecimento de manchas no rosto. Por este motivo a grávida deve se proteger do sol e usar protetor para não favorecer o aparecimento das manchas. 
  
Se a grávida soprar a nuca do marido enquanto ele dorme passa o enjoo para ele. 
Mito. Não há nenhuma forma de se passar enjoo para alguém. O enjoo melhora com alguns cuidados, como evitar muito sal e alimentos gordurosos, evitar deitar logo após a refeição, não consumir chá, café e chocolate. 

A grávida não deve passar sabonete nem hidratante nos mamilos. 
Mito. A gestante pode passar sabonete e hidratante nos mamilos, mas deve usar o menos possível, evitar banhos muito quentes e muito prolongados, pois gestantes são mais sujeitas a desenvolver irritação na pele.
  
Os batimentos cardíacos do bebê aceleram quando a mãe fuma. 
Verdade. Após a mãe fumar, a nicotina passa para o bebê, o coração desse acelera e tende a se movimentar menos. O fumo na gestação está associado a abortamentos, malformaçoes fetais, menor peso ao nascimento e mais partos prematuros. 
  
A mulher deve tomar bastante cerveja escura para ter mais leite. 
Mito. Havia na Inglaterra, antes da Segunda Guerra Mundial, um tipo de cerveja chamada Stout, na qual era adicionada lactose, o açúcar do leite, a "milk stout". Por esse motivo surgiu o mito, porém não tem fundamento nenhum. 
  
Ficar sem se alimentar aumenta o enjoo.
Verdade. Se a gestante ficar sem comer por muito tempo pode aumentar o enjoo e mal-estar. É importante que a gestante se alimente de maneira frequente, com refeições leves e com pouca gordura.
  
Mulheres grávidas de gêmeos só podem ter relações sexuais até o sétimo mês de gestação. 
Mito. Gestações gemelares apresentam maior risco de prematuridade. Em geral, as gestantes não se sentem confortáveis para ter relação pelo maior desconforto causado pelo tamanho da barriga. No entanto, não há uma data certa para se proibir ter relações sexuais independente do número de bebês, e sim o conforto e o risco de parto prematuro de cada gestação. 
  
Não se pode tomar nada diet durante a gravidez. 
Meio mito, meio verdade. Alguns estudos com animais mostraram que uso de adoçantes pode estar associados a malformaçoes nos bebês, mas ainda não há pesquisas suficientes para poder proibir o uso. É de bom senso evitar alimento diet, se possível. 

Pele de grávida mancha se ficar exposta ao sol. 
Verdade. Pode manchar mais que o normal, pois as alterações hormonais associadas à gestação favorecem o aparecimento de manchas. 

Durante a gestação o cabelo da volta ao estado natural independente de qualquer tratamento que a mulher tenha feito. 
Mito. O que acontece é que alguns tratamentos capilares não podem ser feitos na gestação, assim as mulheres tendem a apresentar o estado natural do cabelo. 
  
Durante a amamentação não há risco de engravidar. 
Mito. Geralmente esse efeito acontece apenas nos três primeiros meses após o parto e se a alimentação do bebê for por amamentação exclusiva, mesmo assim não há garantias de que a mulher não engravide um mês após o parto. O mais recomendado é que a gestante converse com seu obstetra para associar algum anticoncepcional.

 

Via Eband



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Quinta-feira, 31.03.11

Vamos Falar de sexo?


Conversar sobre sexo não é uma prática tão comum assim entre os casais brasileiros. Assim como certas pessoas encontram dificuldades na hora de verbalizar sentimentos, há quem fique bem corado quando o tema do diálogo é desempenho sexual.

 

Este obstáculo que impede muitos casais de levarem uma vida sexual satisfatória foi estudado pelo instituto Tendencias Digitales. A pesquisa realizada com 13 mil homens e mulheres de 11 países da América Latina constatou que menos da metade dos casais têm coragem de bater um papo sério sobre sexo. E só aqui no Brasil, 58% dos entrevistados disseram ter esse problema.

Na opinião da psicóloga, sexóloga e coordenadora do Projeto AmbSex, Carla Cecarello, os casais não abordam este assunto por medo de magoar o parceiro. "A mulher, ao manifestar o que não gosta ou o que gostaria que o outro fizesse, dá a entender que ela não está feliz com a vida sexual que está levando", explica.

Por outro lado, são elas que lotam os sex shops atrás de novidades para apimentar a relação. "Isso chega a ser um pouco contraditório, mas são momentos diferentes. Como dialogar é difícil, a mulher prefere comprar algum ‘adereço’ para que o parceiro possa entender o que ela quer", comenta Carla.

A sexóloga conta também que o homem nem sempre tem tempo ou paciência para ouvir a parceira. Desse modo, o ‘brinquedo’ facilita a comunicação verbal. "Ela pode comprar o objeto e depois faz uma sondagem, procura saber o que ele achou e se há chance de dar continuidade. Ou seja, ela mesma cria a oportunidade de mostrar o que gosta de fazer".

O estudo revelou ainda um dado alarmante: das quase 5.000 mulheres solteiras e casadas entrevistadas, 81% delas afirmaram praticar sexo casual para descobrir a própria sexualidade. Carla se mostra impressionada com o fato. "A mulher só vai fazer este tipo de descoberta quando começa a tocar o próprio corpo. Só assim vai conhecer as sensações que mais gosta e como gosta de ser tocada. Sair de um relacionamento e entrar em outro não vai ajudar a resolver a situação", afirma.

Avaliando as pessoas que passam pelo seu consultório, Carla garante que a mulher raramente reclama da posição sexual adotada, a menos que não goste. O que ela tem mesmo vergonha de pedir é um pouco mais de romantismo por parte do parceiro. "Ela gosta que o homem prepare o ambiente, que proporcione um clima mais especial, sabe? Como uma penumbra, vela, música, uma roupa. Outro pedido é que o homem capriche e demore um pouco mais nas preliminares, por meio de toques e da fala", revela.

Mas, infelizmente, na maioria dos casos, Carla conta que os parceiros preferem permanecer frustrados. E quando decidem dialogar, o conteúdo da conversa costuma ser bastante pobre. "Os mais jovens apresentam mais abertura para debater sobre sexo. Já os que têm mais tempo de relacionamento se acomodam, acham que a companhia do outro é o bastante", critica.
Os casais que procuram pelas orientações de Carla são convidados a participar de jogos. A sexóloga propõe diferentes situações, como se fossem tarefas. E na sessão seguinte, todos se sentam para conversar sobre a atividade e apontar a parte da tarefa que mais gostou. "Por meio dessas iniciativas, o diálogo passa a ser um hábito", conta.

Para quem quer motivar o diálogo sem sair de casa, Carla dá as dias: "Leiam juntos uma revista erótica, façam brincadeiras para descontrair, peguem um filme para assistir juntinho - não necessariamente um pornô, mas que aborde a sexualidade - ou ainda um programa que fale sobre o tema. Depois discutam sobre o que viram."


A sexóloga finaliza com um comentário: "Acho engraçado os casais não sentirem vergonha na hora de tirarem a roupa, mas terem dificuldade para verbalizar o que sentem. Sem roupa, ficamos muito mais expostos!". E lembra: "O diálogo é importante em um relacionamento e o empobrecimento dele é a principal causa das dificuldades sexuais nos relacionamentos."

 

Via Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:04 | link do post | comentar

Sábado, 19.03.11

 

zonas-erogenas

 

 

 

Nosso corpo tem milhares de pontos que quando estimulados nos podem levar às alturas. O problema é que estamos sempre tão focados nas mesmas partes: seios, pescoço, clitóris que não deixamos espaço para novas descobertas tão prazerosas quanto.

 

Os homens também poderiam se empenhar em trilhar esses caminhos desconhecidos e caprichar nas preliminares: sem duvida será uma excitante experiência para ambos.

 

 

Os pés, por exemplo, podem ser uma boa razão para ganhar uma tórrida noite de amor. Lamber e chupar os dedos, começando pelos menores, pode proporcionar emoções inesquecíveis. Uma boa massagem com óleo corporal também é bastante sensual.

 

Os tornozelos tão esquecidos durante os preliminares também podem ser grandes aliados na hora de nos esquentar nossos motores. Coloque-os nos ombros do seu parceiro e peça que te faça uma massagem com movimentos fortes seguida de beijinhos.

 

 

Subindo um pouco mais, a parte de trás dos joelhos também são altamente erógenas. Uma lambida ou um beijo nessa região é capaz de levar-nos às nuvens. Mordisquinhos também são bem-vindos.

 

 

As coxas também merecem sua atenção já que são super sensíveis. Peça para seu amado abrir suas pernas e estar um tempo entre elas, beijando, passando a língua suavemente, chegando a virilha, mas nunca tocando a vagina. Você subirá pelas paredes!

 

 

As costas são muito excitantes e perfeitas para fazer esses jogos eróticos. De costas para o parceiro, peça que te beije suavemente, começando pela nuca e terminando no bumbum.Beijos lentos e suaves que somente roçam a pele são ideais.

 

Via Larebeleza

 



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Aprenda a ler a linguagem...

Como escolher o que vesti...

Soutien, O amigo do peito

Spray que aumenta o volum...

Chocolate - Chocoterapia ...

Spa em casa!

Massagem a dois estimula ...

Psicanálise ao casamento!

Sexualidade da mulher apó...

A importância da higiene ...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags



comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links


blogs SAPO
subscrever feeds