Quinta-feira, 17.05.12
Hoje, 50% das pessoas vive em zonas urbanas
Hoje, 50% das pessoas vive em zonas urbanas (Antony Dickson/AFP)

“Vivemos como se tivéssemos um planeta extra à nossa disposição”, diz a organização WWF num relatório que toma o pulso ao estado do Ambiente mundial, hoje pior do que há 30 anos. Dentro de um mês, a Cimeira Rio+20, no Brasil, vai tentar encontrar soluções.

 

Nos últimos 30 anos perdemos em média 28% da biodiversidade mundial, segundo o “Planeta Vivo 2012” (“Living Planet 2012”), relatório que a WWF (Fundo Mundial da Natureza) elabora de dois em dois anos para avaliar o estado das espécies no mundo e a pressão humana sobre os recursos naturais. 

As espécies mais ameaçadas estão nas regiões tropicais e nos rios e lagos. Segundo o relatório, entre 1970 e 2008, as zonas tropicais do planeta registaram declínios de 60% e as espécies de água doce, 70%, “o maior decréscimo de sempre face a outra qualquer espécie terrestre ou marinha”. Estas percentagens basearam-se no estudo de 9014 populações de 2688 espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes. “Algumas populações aumentaram de tamanho durante o período em que foram monitorizadas, mas outras diminuíram [como o atum-rabilho e o albatroz-viajeiro]. Em média, a magnitude das reduções populacionais excedeu a dos aumentos”, segundo o relatório.

A perda da biodiversidade é um dos indicadores do estado do planeta, que nos últimos anos tem sido marcado pelo aumento do consumo e exploração dos recursos naturais. “Vivemos como se tivéssemos um planeta extra à nossa disposição”, disse Jim Leape, director-geral da WWF Internacional. “Utilizamos 50% mais recursos do que aqueles que a Terra pode produzir de forma sustentável e, se nada mudar, até 2030 nem dois planetas serão suficientes”, acrescentou.

Desde 1961, tem aumentado a pegada ecológica per capita (esta medida estima qual a área terrestre biologicamente produtiva e a água necessária para fornecer recursos às pessoas), especialmente na União Europeia e na Ásia Central e Oriental.

Ainda assim, são enormes as diferenças entre as pegadas ecológicas, sendo a dos países ricos cinco vezes maior que a dos países pobres. Segundo o relatório, os países com maior pegada ecológica per capita são o Qatar, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Dinamarca, Estados Unidos, Bélgica, Austrália, Canadá, Holanda e Irlanda. Portugal está na 39.ª posição, num total de 233 países.

O relatório salienta também o impacto da urbanização. Hoje, 50% das pessoas vive em zonas urbanas. “Globalmente, os habitantes das cidades são responsáveis por mais de 70% das emissões de dióxido de carbono relacionadas com os combustíveis fósseis”, escreve o estudo. Em 2050, quando a população mundial tiver chegado aos 9300 milhões de habitantes, duas em cada três pessoas viverão nas cidades.

“Este relatório é como um check-up do planeta e os resultados mostram que o nosso planeta está muito doente”, disse Jonathan Baillie, da Sociedade Zoológica de Londres e co-autor do relatório. “Ignorar este diagnóstico trará grandes consequências para a humanidade. Podemos restabelecer a saúde do planeta, mas apenas se atacarmos a raiz do problema: o consumo em excesso.”

O relatório, publicado a cinco semanas da Cimeira Rio+20 – que marca os 20 anos desde a primeira Cimeira da Terra, em 1992 –, sugere que a humanidade pode ser mais sustentável, com um uso mais eficiente da energia e uma redução dos consumos. Para os líderes mundiais que se vão reunir no Rio de Janeiro, a WWF propõe o aumento da rede de áreas protegidas, o restauro de habitats, das energias renováveis, da eficiência energética, além de dar valor à natureza.

“A Cimeira Rio+20 será uma oportunidade para os líderes políticos se prepararem para enfrentar os desafios ambientais destacados no Relatório Planeta Vivo de 2012”, segundo a WWF.

 

No ticia do Público



publicado por olhar para o mundo às 08:23 | link do post | comentar

Terça-feira, 01.11.11

Desde o início da história, já existiram cerca de 83.215.302.247 seres humanos no planeta

 

Com a população mundial a atingir os sete mil milhões de pessoas, descubra qual é o seu número neste total e quantas pessoas nasceram antes de si.

Nos últimos 50 anos, a população mundial mais do que duplicou. Quem nasce no dia de hoje, para além de estar incluído nos sete mil milhões de pessoas vivas a habitar o planeta, será um dos aproximadamente 83.215.302.247 seres humanos que nasceram desde o início da história, 50 mil anos a.C..

Através do site da BBC saiba quantas pessoas nasceram antes de si e qual o seu número no ranking da população mundial.

Pode também descobrir a população total dos vários países do mundo, o respetivo crescimento anual médio da população e a média de nascimentos e de mortes (por hora) em cada local.

De acordo com o seu género e país, saiba ainda qual é a sua esperança média de vida. Em Portugal, por exemplo, é expectável que as mulheres vivam cerca de 82 anos e os homens 75.

A informação disponível no site da BBC teve por base estimativas do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA ), bem como dados do Global Footprint Network e International Telecommunications Union , ambas as instituições ligadas à ONU.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 17:09 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Saúde do planeta está pio...

Saiba qual é o seu número...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags



comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links


blogs SAPO
subscrever feeds