Sexta-feira, 22.06.12

Como é o sexo depois do casamento?

 

Uma noite é dor de cabeça. Na outra, cansaço. Na seguinte, preocupação com o projeto ou com a pós-graduação ou com os filhos.

 

Mas pode ser cólica, dor de dente, unha encravada. Mulher arranja a desculpa que quiser para evitar o sexo. E a prática é mais comum em casamentos estáveis do que se imagina.

 

Mesmo sentimentalmente equilibrados, muitos casais perdem o desejo. Mais frequentemente as mulheres acabam fazendo sexo por obrigação, se submetendo a uma espécie de sacrifício. E não se trata de não amar mais o parceiro. Apenas de não ter mais o mesmo interesse sexual em sua figura.

 

A psicóloga Laila Pincelli, especialista em terapia de casal, ressalta que não é uma verdade absoluta que todas as mulheres fazem sexo sem querer - até porque existem aos montes aquelas com muito mais desejo sexual que os homens -, mas em alguns casos isso acontece sim. "Elas costumam fazer sexo com mais frequência do que gostariam. Para algumas, uma vez por semanas ou por mês está bom, mas elas fazem mais vezes para agradar ao marido", exemplifica. "O número de mulheres casadas que aceitam fazer sexo com os maridos sem qualquer vontade é bem menor do que antigamente, mas mesmo assim, muitas ainda se submetem, ou por carência afetiva, ou por medo de perder o cônjuge", opina Eliana Barbosa, consultora em desenvolvimento humano.

 

Esse interesse se diminui por conta do dia a dia, e assim a atração física dá espaço a outro tipo de sentimento. "O relacionamento ainda tem espaço para amizade, envolvimento afetivo, mas só. O sexo fica comprometido e a vida sexual, por consequência, menos relevante", avalia Laila. Isso porque o sexo envolve uma série de investimentos por parte do casal: é preciso criar mistério e carinho, estar disposto a isso. "O casal está tão cansado e distanciado que chega uma hora em que o sexo não faz mais falta. A correria da relação diária compromete essa parte do casamento e, na maioria das vezes, eles não conseguem voltar atrás". Eliana acredita que a falta de desejo em casamentos "sentimentalmente satisfatórios" se deve à falta de abertura do casal em relação à vida sexual. E diálogo.

 

Não há como saber se a perda do desejo começa no homem ou na mulher - o fato é que eles reclamam mais aos quatro ventos que depois do altar, a cama esfria. No consultório, Laila percebe que a maioria é de mulheres que perdem o desejo - talvez por que elas se abram mais facilmente sobre o assunto no consultório. Mas é bem verdade que, quando a vida familiar começa, o casal não precisa dividir nada com ninguém, tudo é muito gostoso. "Aí vem o filho, que gera uma série de preocupações, ocasionando o descompasso da libido", ressalta Laila. É preciso também observar como andam as emoções de cada cônjuge, porque pode haver muito amor e carinho no casamento, mas um dos dois estar passando por problemas que acabam refletindo nos momentos mais íntimos do casal.

 

A perda do desejo costuma ter início então após o nascimento dos filhos e, para reverter a situação é preciso resgatar o que havia de bom. Laila afirma que a mulher acaba sendo a mais afetada porque fica sobrecarregada, responsável por um número maior de tarefas, como o cuidado com os filhos ou a administração da casa, por exemplo. "Isso a deixa cansada e não sobra energia para ativar a vida sexual", explica. "Homens e mulheres funcionam de maneiras muito diversas e não há o entendimento dessas peculiaridades, as cobranças e os conflitos começam a surgir na vida a dois e, claro, vão repercutir negativamente na vida sexual do casal", avalia Eliana.

 

Com esforço e vontade de reverter essa situação, é possível mudar o rumo. A primeira atitude é, claro, perceber que há um descompasso na relação. "Para que a mudança ocorra, o casal precisa estar de comum acordo e fazer coisas que reativem esse desejo sexual", sugere Laila. "É preciso que ambos se disponham a conversar sobre as suas preferências, sobre as suas frustrações, seus medos e, é claro, suas fantasias e desejos", indica Eliana. A ideia então é buscar atividades que, antigamente, os deixavam mais próximos, como viajar juntos para um determinado lugar, jantar sozinhos, criar um (novo) clima. "O que não deve ser feito é fingir que está tudo bem quando na verdade não está. Fingimento ou omissão é uma grande perda de tempo!"

 

Casada há 23 anos, Eliana mesmo sugere pequenas atitudes que vem dando certo na sua relação. "Escreva bilhetes ousados para seu marido e coloque, escondido, em sua pasta de trabalho, mala de viagem, gavetas ou dentro da agenda", recomenda. "Gosto também de escrever e-mails românticos e, principalmente, exaltando a importância do meu marido na minha vida. Quando a mulher toma a iniciativa de falar dos seus desejos e do seu carinho pelo esposo, ele, por consequência, se torna mais amoroso e atencioso com ela".

 

Outra dica importante é nunca perder a vaidade. "A mulher vaidosa, que se cuida, demonstra ao marido que se ama e se respeita - e passa uma mensagem de autoconfiança. E essa postura vai refletir positivamente na intimidade do casal", garante a consultora. A solução é tentar, juntos, transformar o excesso de intimidade: de retranca e veneno em alavanca e tempero!

 

Retirado de Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 21.06.12

Juntos chegaremos lá  orgasmo simultâneo

 

Apesar de parecer uma lenda, o orgasmo simultâneo com o do seu amor, existe sim. Requer prática e algumas habilidades, mas é de verdade, ele é real.

 

E tudo começa pelo pensamento, pensar em sexo, e, em orgasmos, podem nos levar mais facilmente ao objetivo.

 

Segundo especialistas, deve-se pensar em sexo e em se conectar ao parceiro, mas, calma lá, muita ansiedade pode ter o efeito contrário. Pode gerar nervosismo e colocar tudo a perder. O grande lance é pensar nas coisas pequenas que te deixam acesa, uma música, um perfume...

 

sincronia é outro item muito importante. Os homens são muito mais rápidos e, em questão de minutos, estão em ponto de bala e super excitados, já as mulheres possuem mecanismos e caminhos mais complexos, precisam de mais tempo para se excitarem e estarem prontas para chegar ao orgasmo. O que importa é chegar ao um ritmo que seja satisfatório e prazeroso para os dois.

 

A próxima artimanha é aproveitar as posições que deixam ambos mais à vontade para curtirem o que dá mais prazer aos dois, no caso da mulher deve ser uma em que ela possa ter o clitóris estimulado adequadamente, e tudo fique mais gostoso. O homem merece atenção, mas como a natureza equipou os rapazes com órgãos sexuais externos, a mulher merece um pouco mais de atenção e trabalho.

 

É sempre bom lembrar, esqueça-se de se preocupar com o corpo, com celulite e etc. Tenha algo em mente, se aquele homem está ali é porque ele te deseja, e se você o escolheu, ele merece receber todo o seu carinho e ver o seu prazer.

 

E quando você menos esperarem estarão vendo os fogos de artifício juntinhos.

 

Retirado de Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 20:07 | link do post | comentar

Terça-feira, 19.06.12

Coisas que você odeia mas ele adora

 

Quando você sabe que o gato está para passar na sua casa, logo providencia uma produção. Tira o pijama de moleton, os óculos e logo trata de dar um trato no visual mesmo que simples. Coloca um jeans legal, um blusa, um make natural, dá uma escovada no cabelo, e por aí vai.

 

Pois saiba, que, para ele esse seu pijama com óculos pode ser sexy.

 

É curioso, mas muitos homens curtem coisas naturais, dessas que a gente não dá a mínima importância. As mulheres tendem a achar que seus homens preferem que elas estejam sexy o tempo todo, e isso nem sempre é o que eles pensam.

 

Se você só vai encontrar esse homem especial na balada, ou em um evento, ele vai te ver montada, linda, toda produzida, mas e no dia-a-dia? Fatalmente, ele vai te encontrar sem maquiagem, primer, escova e decotes, ele vai te ver de camiseta larga, de óculos, e quer saber? Ele vai adorar.

 

Mas como? Em nossas pesquisas e bate papo com namorados, amigos, ficantes etc, eles comentam que aquele batonzão da moda, é legal, mas ver sua querida sem ele, e sem nada, também pode ser uma ótima visão.

 

E aquele pijama de flanela que é tão delicioso de usar, mas nada fashion? Pergunte como quem não quer nada o que ele acha, e a resposta pode ser surpreendente.

 

Portanto, repense seus atrativos. Explore também as coisas mais simples, elas valem ouro.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:49 | link do post | comentar

Sábado, 16.06.12

Marque na agenda: ‘hoje é dia de fazer sexo’. Pode parecer estranho, mas planear o tempo para estarem juntos aumenta o desejo. Quem o diz é a psicoterapeuta belga Esther Perel, em entrevista à ACTIVA, onde acaba com mitos que destroem o desejo e aponta soluções para que a paixão regresse aos lençóis.

 

A paixão tem prazo de validade, dizem os cientistas. Ano e meio a dois anos, na melhor das hipóteses, e a culpa é da nossa própria química cerebral. Então e o que resta depois disso? Companheirismo, intimidade, amizade, cumplicidade, amor maduro, dirá a maior parte. O facto é que não se encontram muitos casais que, ao fim de dez ou 20 anos de vida em comum, se beijem nos transportes como adolescentes ou mal consigam esperar para fazer amor, arrancando selvaticamente a roupa um ao outro, ainda no patamar das escadas. Será que o preço a pagar pela intimidade, por partilhar alegrias e tristezas, é uma vida sexual mais morna?

 

Esther Perel é psicoterapeuta especializada em casais. É belga, está radicada nos EUA, é docente na Universidade de Colúmbia e já foi convidada de programas como o ‘Oprah Winfrey Show’ ou ‘CBS News’. Ao longo de anos, trabalhou com centenas de homens e mulheres que se amavam profundamente, comunicavam de forma espantosa, se admiravam e respeitavam mutua-mente, que criaram belas famílias e que, no entanto, perderam o fio à meada do erotismo. A culpa, diz, é de mitos que criámos à volta da figura do casamento. Foi por isso que escreveu ‘Amor e Desejo na Relação Conjugal’, [Editorial Presença] onde explora o tema da perda de desejo sexual no matrimónio e aponta soluções para fugir às suas armadilhas.

 

O mito da intimidade


Temos de conhecer tudo sobre o nosso companheiro de cama? E se não soubermos tudo, isso significa que ele não nos ama verdadeiramente? “Acho que nunca chegamos a conhecer, na totalidade, a pessoa que partilha a cama connosco. É um mito da psicologia moderna achar que temos de saber de tudo, tudo contar e tudo partilhar com o parceiro, porque uma boa intimidade garante uma boa sexualidade. Faz-nos sentir mais seguros darmos o parceiro por garantido e achar que não seremos surpreendidos por ele amanhã. E depois queixamo-nos de tédio na relação…”, ironiza a terapeuta. “Mas nem sempre uma maior proximidade cria mais desejo. Se o amor floresce num ambiente de mutualidade e proximidade, o desejo necessita de espaço e diferença. Quando as pessoas se fundem – quando de dois fazem só um –, a ligação deixa de ser possível porque deixa de haver com quem a estabelecer. Se nos mantivermos abertas a esse mistério que há na outra pessoa, temos mais possibilidade de manter o desejo.”

 

Mas isso significa que temos de agir como se o marido fosse um estranho que tentamos seduzir? “Não! Mas a verdade é que tratamos os nossos companheiros como um velho sofá, que nos é confortável e que está sempre no mesmo lugar. Devemos manter-nos disponíveis para os momentos em que ele nos vai surpreender, em que não age de acordo com um ‘guião’.”

 

No seu livro, Esther Perel alerta ainda para um erro feminino, o constante apelo que fazemos aos nossos companheiros para que desabafem connosco, exponham os seus sentimentos. Mas se as mulheres são socializadas nesse sentido, os homens não. “Neste cenário, aquele que não fala é sempre pressionado a mudar, em vez de ser aquele que fala a tornar-se mais versátil.” Assim se desvaloriza a importância da comunicação não verbal na relação: os pequenos gestos de gentileza, os olhares cúmplices, os sorrisos, os silêncios partilhados sem constrangimento.

 

Cultive o seu jardim secreto


“Em vez de trabalharem constantemente na construção da proximidade, defendo que os casais só terão a ganhar com uma certa individualidade. Nem tudo precisa de ser revelado. O amor quer saber tudo a teu respeito; o desejo precisa de mistério”, diz Perel.

 

A psicoterapeuta chama a esta tarefa ‘cultivar o nosso jardim secreto’, um espaço privado para se redescobrir como pessoa e onde possa ter tempo para si e para o que gosta de fazer, sem ter, necessariamente, de o partilhar com o seu marido ou ele consigo. Esse trabalho requer tolerância, de ambas as partes. Relembre-se de quem era antes de o conhecer, quais eram os seus passatempos e sonhos, quem eram seus amigos, que não eram necessariamente os dele.

 

O mito da espontaneidade

 

Relações duradouras com sexo apaixonado são uma ideia relativamente nova, lembra Esther Perel, uma invenção dos casamentos por amor do século XX. “Antes, as pessoas tinham sexo porque queriam ter filhos ou porque tinham de cumprir uma obrigação matrimonial. Ainda ninguém sabe muito bem como cultivar o desejo dentro de casa – em alguns sentidos, isso ainda é tabu. As imagens de sexo a que somos expostos são irrealistas. Nos filmes, o sexo é sempre instantâneo, assim que se aproximam, os dois já estão excitados. A essência do erotismo é a imaginação, a sedução e a antecipação. Mas assim que se casam ou vão viver juntos, as pessoas acham que não precisam de fazer esforços porque o parceiro tem de os desejar sempre. Porquê? Só porque estão lá?!...”

 

Deixar que o desejo apareça só quando uma mística conjunção astral der tempo ao casal para estar junto é um engano e uma forma de negligência. Quando ansiamos pelo espontâneo, não temos de nos dar ao trabalho de preparar uma surpresa, um jantar especial a dois, dizer ‘amo-te’. “É uma maneira de evitarmos a ideia de que somos donos do nosso desejo”, observa Esther Perel. “Quando desejamos alguém, temos de aceitar o risco de dizer ‘quero-te’ e de sermos rejeitados e aceitar as consequências.”

 

Sexo com hora marcada


Por mais estranho que pareça, a terapeuta defende que, em muitos casos, a solução passa por planear o tempo para estar junto e o que fazer com ele: o jantar, a música, o sexo. Tirar aquela sexta-feira e deixar os miúdos na avó ou sair mais cedo do emprego. Pode ser apenas uma noite por semana, ou de 15 em 15 dias. Mas se a tivermos marcada na agenda, esperamos por ela, e desejamos que venha depressa, tal como umas esperadas férias. Mas a palavra ‘planear’ ainda é olhada com maus olhos, quando falamos de amor e erotismo, porque nos convencemos de que os gestos verdadeiramente românticos são os que caem do céu, como nos filmes. “Planear resulta com algumas pessoas, que adoram a ideia de que estão a criar um espaço sagrado. Para outras, é uma palavra associada a trabalho e, por isso, não gostam da ideia de a ligar ao sexo. Mas nunca conheci ninguém que tivesse problemas em planear uma viagem ou jantar de três pratos – e também não conheço ninguém que prefira fast food a um jantar destes. As pessoas dão valor ao ritual, à antecipação, à gentileza, ao esforço. Planear tem uma conotação de criatividade, confere valor acrescentado à relação, diz ‘és importante para mim e estou a criar uma altura e espaço especial para nós’.”

 

O mito ‘os filhos unem o casal’


Outra ideia errada, sustenta a psicoterapeuta. Poucas ‘coisas’ surtem um efeito de desgaste tão grande entre o casal como ter em casa um bebé, que requer cuidados e atenção constante, geralmente da mãe. “A maioria dos casais com filhos separa-se nos primeiros três anos de vida da criança. Se conseguirem manter-se juntos durante esse tempo, têm mais probabilidade de se aguentar nos próximos 15”, afirma Esther. “No passado, o facto das mulheres serem mães não era razão de frustração para o homem, que podia sempre recorrer ao bordel. Mas, agora, os homens ficam em casa e dizem ‘eu quero a minha mulher de volta’. Então, ela responde: ‘Já tenho dois filhos, não preciso de um terceiro.’”

 

Os filhos crescem e tornam-se, gradualmente, mais independentes. Mas, entretanto, os pais constituíram uma espécie de sociedade, a ‘Paternidade Lda.’, onde a comunicação entre marido e mulher se faz exclusivamente para resolver problemas, organizar tarefas, definir estratégias educativas, pagar contas, transmitir recados como ‘passa pelo supermercado’ ou ‘vai buscar o Joãozinho à escola’. “É como se o casamento fosse uma pequena empresa, que é preciso gerir com eficácia”, observa Perel.

 

Nos tempos livres, toda a energia criativa do casal é direccionada para os filhos. As crianças, diz Perel, nunca foram tão reis da casa e da família como hoje. “Vejo jovens mães e pais que, todas as semanas, procuram coisas novas para fazer com os filhos. As crianças têm direito a imaginação, brincadeira, novidade, mistério. Mas com o parceiro é sempre a mesma coisa. Quando chegamos a casa, o filho tem direito aos abraços prolongados e a toda a atenção. Mas os adultos sobrevivem a uma dieta de beijos rápidos entre si. A energia erótica está viva e de boa saúde… mas foi canalizada para a criança! Se queremos que o casamento sobreviva, temos de direccionar alguma dessa energia para a nossa relação. Caso contrário, estaremos a recrutar os nossos filhos para nos darem aquilo que deveriam ser os adultos a dar.”

 

Crie um espaço erótico


“Não falamos de um espaço para ter sexo, mas de um espaço de prazer, em que nós e os nossos parceiros possamos estar, sem ser como Pai e Mãe, Marido e Mulher, ou Cidadãos Cumpridores e Pagadores de Impostos. Apenas como indivíduos que gostam de estar um com o outro, e em que o sexo pode acontecer”, explica Esther Perel. “Há um conselho que dou a casais com filhos pequenos que revela ser bastante útil. Um deles vai ser cuidador da criança, a tempo inteiro, nos primeiros tempos de vida: o seu sentido de tempo e de identidade pessoal funde-se com o da criança. Mas o outro parceiro tem de ser o salvador, trazê-lo de volta à relação e dizer-lhe ‘agora é tempo de estarmos juntos’. Se o casal não conseguir fazer isto, acaba-se a família. E isso  não vai ser bom para a criança.”

 

Aqui entra a parte do planeamento: marque na sua agenda uma noite que seja só sua e dele, inviolável e inadiável. Feche a porta do quarto e torne claro aos seus filhos, com o tempo, que os pais têm direito a privacidade e que não querem ser interrompidos quando estiverem a namorar. Há apenas uma regra a observar para esta terapeuta: evitar qualquer assunto relacionado com os afazeres da Paternidade Lda. “O que interessa saírem uma vez por semana se vão falar nos filhos o tempo todo?!”

Retirado de Activa


publicado por olhar para o mundo às 21:35 | link do post | comentar

Quarta-feira, 13.06.12

Slow sex  desfrute dos benefícios

A vida anda rápida, quase tudo pode ser feito on line. Temos horários, prazos e também pouco tempo para nós mesmos.

 

Até mesmo o sexo parece ter se transformado numa atividade com horário marcado para acontecer. E, às vezes, até isso precisa rolar nos momentos que sobram.

 

Isso não é o ideal, sabemos disso, e a solução é agendar. Isso mesmo. Reservar um final semana para fazer sexo sem pressa, e sexo quer dizer muito mais do que o ato sexual em si. Quer dizer, se tocar, se olhar e fazer tudo mais devagar, é praticar o slow sex. Se faz bem para a saúde comer devagar, porque não fazer amor devagar?

 

Sexólogos e pesquisadores comentam sobre os benefícios do slow sex, e um deles é melhorar o humor e vida de quem pratica. Se o sexo sempre feito com tanta pressa, como explorar o corpo do outro? Há coisas que nos pedem tempo, nada contra as rapidinhas, mas sexo merece tempo.

 

Uma dica bem interessante é prolongar as preliminares, experimente trocar carinhos com seu amado, mas sem tocar nos genitais, eles representam o último estágio do prazer. E nada de ir arrancando a roupa, faça tudo com calma. Você não está numa competição, e ninguém tem nada com isso. É o seu momento de relaxar a aproveitar a delícia da companhia de alguém que você quer.

 

Prepare o ambiente propício. Do que vocês mais gostam na iluminação? Meia luz? Ou tudo às claras? Uma dica de ouro é pingar algumas gotas do seu perfume num lenço ou echarpe e colocar sobre um abajur que seja fechado, para evitar acidentes. Acenda algumas velas e deixe a imaginação correr solta.

 

Abra uma garrafa de vinho, faça um prato de frutas e petiscos leves e deixe-os à mão. Afinal, você pretende passar muitas horas nesse ambiente.

Quando a hora do sexo, propriamente dita, começar, escolha uma posição que permita ficar de olho nos olhos do seu parceiro. E quando terminar fique por alguns momentos, na mesma posição, sinta o momento, e não deixe de provocar caso esteja disposta a mais uma rodada.

 

A proposta não é fazer algo tão diferente do que você já gosta de fazer. É incrementar esses momentos, com calma, com tempo, e colocar mais temperos nesse prato delicioso que é o sexo.

 

Retirado de Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 22:40 | link do post | comentar

Sábado, 09.06.12

Redes sociais denunciam as traições


Hoje em dia, grande parte das nossas atividades diárias é contada nas redes sociais. A partir de comunidades e grupos deixamos expostas nossas preferências e afinidades. Aplicativos são capazes de apontar onde estamos e por quanto tempo permanecemos no local.

 

Quem nunca foi marcado em uma foto sem consentimento?

 

Tanta exposição prejudica um grupo muito delicado da sociedade, o dos traidores. Basta um descuido e pronto! Aquela foto que você tirou no bar, quando deveria estar em uma reunião de negócios, está online para qualquer um ver. Ou pior... Um depoimento, uma declaração no mural pode gerar uma intriga sem procedentes. Pois é, saiba que há pessoas de olho em toda a sua movimentação nas redes sociais!

Para o Dr. Rogério Fonseca, advogado da área cível do escritório Peixoto e Cury Advogados, todas as mídias sociais, assim como outros meios eletrônicos da vida moderna, podem estimular e denunciar adultérios. Para o aumento no número de traições, a justificativa seria a maior facilidade de se relacionar com outras pessoas sem a necessidade de contato físico, permitindo encontros, em tese, sem a desconfiança do parceiro.

 

Sirley Santos Bittu, psicóloga, especialista clínica e membro da Federação Brasileira de Psicodrama, acredita que as redes sociais não estimulam o adultério. "O que acontece é que nós ainda estamos aprendendo a lidar com todas estas novidades. Agimos como se estivéssemos pensando alto. É um paradoxo, elas escrevem querendo ser ouvidas e notadas, mas se esquecem que estão sendo observadas", afirma.

 

Os traidores das redes sociais já possuem um perfil de comportamento. De acordo com a Dra. Gislaine Lisboa Santos, também do escritório Peixoto e Cury Advogados, há uma série de atitudes que geram suspeitas. "O aumento do tempo do parceiro no computador, em mídias sociais e sites de relacionamento, mudança de comportamento, em geral isolamento, são características de parceiros que estão se envolvendo com terceiros no meio virtual", revela.

 

Quem é compromissado e costuma flertar online, deve saber que estas mensagens e fotos podem ser usadas como provas em processos. "Embora ainda não exista lei específica, a jurisprudência brasileira já aceita a apresentação destes documentos como prova em processo judicial", esclarece Dr. Rogério Fonseca.


"Nas redes sociais a relação fica mais no imaginário do que no real. As relações online são superficiais. Pessoas passam uma imagem que gostaria de ser, mas não é", afirma a psicóloga Sirley Santos Bittu.

 

Quem está desconfiado não deve sair rastreando o computador alheio. Salvo algumas exceções, isto é crime no Brasil.

 

Retirado de Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 08:40 | link do post | comentar

Domingo, 13.05.12

Ops Histórias de acidentes sexuais

 Um esfolado, um arranhão, uma queda, uma torção. Isso tudo parece que só acontece em uma partida de futebol.


Mas saiba que estas lesões também são comuns na hora do sexo

 

Uma pesquisa feita pela revista Cosmopolitan sul africana revelou os dez acidentes mais comuns durante o ato sexual. No topo dos mais citados está torcer o pescoço ou as costas, seguido por contusões e arranhões e queimaduras causadas por fricção no tapete.

 

A estudante Natália Santos Barbosa, 23 anos, conta que já passou por uma situação como esta. "Teve uma vez em que eu esfolei os dois joelhos. Aventurei-me em um tapete e acabei me dando mal", disse a estudante. "Na hora a gente não nota", comentou. Natália revelou também que, em outra ocasião, chegou a ter uma cãibra na região da garganta.

 

Machucar os mamilos, lesões musculares e entalar objetos na vagina ou ânus, aparcem em quarto, quinto e sexto acidentes mais comuns, respectivamente.Infelizmente, para a vendedora Patrícia Bueno, 32 anos, a experiência não foi tão simples e sem consequências.

 

"Há uns quatro anos, a cama quebrou durante o sexo. Eu acabei passando por cima do meu parceiro e caindo no chão. Para tentar me apoiar, usei a mão direita. O mal jeito fez com que todo o meu peso se concentrasse sobre o e meu punho. A consequência não poderia ter sido outra, uma fratura no local", lembra Patrícia. 


A vendedora acabou tendo que se afastar do trabalho por quinze dias. "Também tive que fazer fisioterapia e tomar medicamentos. O duro foi contar ao médico, um senhor de mais de 60 anos, como aquilo aconteceu", disse Patrícia, rindo.

 

Torção no pênis ocupa a sétima colocação da lista divulgada pela revista sul africana. Respectivamente, reações alérgicas a géis e lubrificantes, irritação nos olhos causada por ejaculação no local e picadas de insetos, ocupam os últimos lugares.E com você já aconteceu algo parecido?

Conte e compartilhe as gargalhadas com a gente!

 

Retirado de Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:15 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.04.12

 

Vida sexual e deficiência

 

A estética, a beleza, a autoestima, a segurança, e tantas outras preocupações permeiam ouniverso sexual de muita gente, e mais especificamente, o das mulheres que cobram de si mesmas um padrão, quase sempre, muito alto. O que dá tesão, o que faz a gente pirar é algo tão pessoal e a única máxima é que entre quatro paredes vale tudo.

 

E quando se possui uma deficiência física, como se encara o sexo e suas artimanhas, e os atributos de beleza? Somos todos iguais. Queremos ter prazer, e nos sentirmos bem. Nesse universo vasto e delicioso, não há limites, basta manter a mente e o corpo relaxados e abertos a novidades.

 

Ao refletir e pesquisar sobre a vida sexual dos cadeirantes, no caso de deficiência, ou lesão medular por acidente, percebemos o quanto a criatividade e a imaginação contam.

 

Para os homens a disfunção erétil é o que tira o sono e para as mulheres a libido simplesmente some, e só ficam as dúvidas e as incertezas. Logicamente, que quando há tesão, amor, e muita vontade, dá para contornar, e dar um jeitinho nos obstáculos.

 

A feminilidade, ou masculinidade de ninguém, pode ser apagada por alguma condição física, a atração e o interesse por alguém não se limita a isso, fazem parte delas olhares, conversas, amor, carinho, atitudes, uma frase certa, no momento certo. O que vale é levantar a autoestima, usar o bom humor e a criatividade, sempre.

 

Muitas vezes, essas pessoas que se veem numa situação nova acabam descobrindo novos prazeres, áreas do corpo que nem se explorava, é um desafio que se trilha junto com um(a) companheiro(a) que realmente esteja do lado para o que der e vier. Se jogar a novas experiências pode abrir portas, inclusive a dos sentidos.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:07 | link do post | comentar

Domingo, 29.04.12

Pimenta está entre os alimentos afrodisíacos / Yuri Arcurs/Shutterstock

Além de aumentar o desejo sexual, estes aliados são saudáveis

Se você não aguenta mais imaginar lugares ou posições diferentes para apimentar a sua relação, saiba que é possível dar aquela "pitada" na hora da intimidade utilizando alimentos.

Além de aumentar a excitação e o desejo sexual, estes aliados são saudáveis e ajudam a revitalizar as energias.

Apesar da ciência não comprovar nem desmentir a existência de tais propriedades afrodisíacas destes alimentos, existem grandes evidências para se acreditar que eles realmente funcionam.

Confira algumas opções listadas pelo site "Health.com" e abuse da sua criatividade.

Aspargos


O aspargo é rico em vitamina B6 e ácido fólico, o que pode aumentar a excitação e o orgasmo. Ele também possui vitamina E, que estimula os hormônios sexuais em homens e mulheres.

Abacate


A energia e uma libido saudável são fundamentais para se ter um bom sexo e os abacates podem trazer ambos. Eles são carregados de minerais e gorduras monoinsaturadas (do tipo bom, que protege o coração e diminui o colesterol) e vitamina B6 - tudo o que você precisa para ter energia e desejo sexual. Ele também é uma grande fonte de ômega-3, que aumenta o humor. 

Pimenta


A pimenta pode realmente "apimentar" o clima a dois, graças a capsaicina, uma substância química que induz a liberação de endorfina no cérebro, criando a sensação de euforia. Qual é o retorno? Preliminares bem melhor e sexo mais quente.

Chocolate


Este doce tem sido relacionado ao amor e ao sexo por um bom motivo. Ele contém triptofano, que ajuda o corpo a produzir serotonina, substância química natural do bem-estar, que pode desempenhar um papel satisfatório na excitação sexual. O chocolate também possui feniletilamina, outro estimulante que contribui para uma intensa noite de amor. 

Alcaçuz


Este doce (geralmente vendido em tiras) imita os efeitos do estrogênio e da progesterona, hormônios importantes para as funções reprodutivas e sexuais. Comê-los pode ajudar a pessoa a entrar no clima e, além disso, reduzir os sintomas da TPM. Mas lembre-se: não se contente com apenas um doce; certifique-se de que está comprando uma variedade deles, que contenham o real extrato da raiz de alcaçuz. 

Ostras


Não é a sensação "escorregadia" que faz das ostras serem um alimento sexy. A resposta está no zinco, do qual as ostras são carregadas. O mineral ajuda o corpo a produzir testosterona, hormônio que regula a libido de homens e mulheres e a função sexual.

 

Retirado de Band



publicado por olhar para o mundo às 21:56 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.04.12
Pesquisa constatou que as mulheres que usam vermelho charmaram mais a atenção dos homens do que as que vestiam azul, verde e branco. Foto: Getty Images

 

Pesquisa constatou que as mulheres que usam vermelho charmaram mais a atenção dos homens do que as que vestiam azul, verde e branco

Homens preferem mulheres que se vestem de vermelho. Isso porque acreditam ser mais provável que pretendentes com peças dessa cor façam sexo no primeiro encontro, de acordo com uma pesquisa da Universidade do Sul da Bretanha, na França. Os dados são do jornal The Telegraph.

 

Para chegar a essa conclusão, os psicólogos analisaram 120 estudantes do sexo masculino entre 18 e 21 anos, que foram divididos em quatro grupos. Cada voluntário teve de olhar por 30 segundos para a foto de uma mesma mulher de 20 anos, que aparecia com camiseta de cor diferente (vermelha, azul, verde ou branca) para cada equipe. Por meio de um questionário, constatou-se que a moça foi considerada mais atraente quando usava vermelho, seguido de branco, azul e verde.

 

Também foi julgada mais propensa a concordar com sexo no primeiro encontro quando vestia vermelho, azul, verde e, por fim, branco. "Estudos têm demonstrado que o vermelho está ligado ao amor romântico e desejo, assim como a fertilidade feminina", disseram os cientistas. "Mas a evolução biológica também poderia explicar a importância do vermelho. Durante sua fase de fertilidade, o períneo de fêmeas de babuínos e chimpanzés, por exemplo, se torna vermelho, provavelmente para atrair os machos", acrescentaram.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:18 | link do post | comentar

Segunda-feira, 23.04.12
ser ou não sensual e atraente

Como conquistar o homem que deseja

 

Sermos ou não sensuais e atraentes para o sexo oposto é muito uma questão de atitude. Por vezes, mudar certas coisas faz toda a diferença..

 

Não interessa se só vai fazer umas compras ao supermercado ou se é Domingo e vai almoçar a casa dos pais. Ser sexy é uma questão que não se prende exclusivamente com ocasiões especiais, mas passa por você saber que, por debaixo daquelas calças de ganga, está simplesmente fantástica. Sem querer ou sequer tomar consciência, isso mudará a forma como se relaciona com o sexo oposto.

*Pinte os lábios de vermelho, que é como quem diz, maquilhe-se e realce o melhor que há em si, sejam os lábios ou os olhos.
*Faça uma massagem, ou vá ao cabeleireiro todos os meses ou não deixe crescer aquelas raízes brancas. Sinta-se bem na sua pele, sem complexos de culpa ou sem achar que assim as pessoas não a levam tão a sério só porque valoriza também o aspecto físico. O intelecto não é incompatível com a beleza.
*Compre 'aquele' vestido. Pode pensar 'mas quando é que o vou usar'. Não interessa Até pode ser em casa um jantar especial. O que tem de dizer a si mesma é que lhe pertence todo o direito de usá-lo.
*Provoque-o. Isto significa que não tem de estar à espera que ele dê o primeiro passo sempre que se trata de sexo. Por vezes, bastam umas palavras sopradas ao ouvido, um cruzar da perna mais lento ou um passar a mão pela perna dele para que a mensagem seja compreendida. Mas se quiser ir mais longe, diga-lhe mesmo o que gostava que ele fizesse consigo... ou você com ele.

 

*Treine em frente à objectiva de uma máquina: tímida quando posa para a fotografia? Combata essa ideia que não fica bem nas fotografias. Improvise uma sessão qual modelo profissional. O melhor é pedir a uma amiga, com quem se sinta à vontade, para participar também. E finja que é uma modelo, faça caretas, poses e tudo o mais que lhe apetecer. É uma boa forma de se libertar completamente de complexos e ganhar confiança em si e no seu corpo.



Via Activa



publicado por olhar para o mundo às 21:45 | link do post | comentar

Domingo, 22.04.12

Alguém quer o papel de

 

 

 

A pergunta é de duplo sentido porque ela deixa ainda outra dúvida: a diferenciação de "gênero" entre as mulheres realmente existe? É surpreendente, para não dizer, uma verdadeira perda de tempo que os homens e as próprias mulheres tentem construir alguns rótulos.

 

Da mesma forma que já falamos sobre o mosaico que toda mulher gostaria de montar de um homem ideal, os homens podem ter seus métodos de idealizar sua musa.


Mas pensar se uma mulher realmente é pra casar, é medir escalas morais, sentimentos e limitar a felicidade.

 

Mulher para casar pode ser a virgem, pode ser a boa dona de casa, pode ser adevassa, que faça o cara subir pelas paredes todas as noites, pode ser aquela mulher quer ser a mãe dos filhos dele, e pode ser aquela que ele paquera há uns 15 anos e que resolve baixar a guarda, depois de separada do primeiro marido. E pode ser aquela que ele nunca encontrou, ou quem sabe, nem vai encontrar, de tanto que idealiza essa musa.

 

E tem a mulher de verdade, bem real, que quer fazer uma coisa, mas detesta a outra, ou que é péssima em tanta coisa, mas consegue ter momentos de sabedoria, e faz seu gato rir bastante com seu bom humor.

 

mulher para casar existe sim, e essa sensação aparece quando os dois estão prontos, ou não! A mulher para casar é aquela que está ao lado, a namorada e companheira. Que provavelmente já errou muito, e vai errar mais, mas que desenvolveu jogo de cintura e bom humor para continuar mantendo o coração e olhos do seu homem sempre com ela.


Essa mulher passa longe da perfeição Vilamigas. Ela é você e todas nós.

 

Retirado de Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:38 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19.04.12
Fumar diminui o pênis; veja mais 49 curiosidades sobre sexo

 

 

Você sabia que um homem gera 53 litros de sêmen durante a vida? Já ouviu dizer que coalas têm dois pênis? E que os orgasmos podem ser mais intensos em ambientes quentes? Se você ficou surpreso com essas informações, não pode deixar de ler o livro 369 Curiosidades sobre sexo, do autor argentino Aníbal Litvin.

 

A publicação traz informações sobre inusitadas posições, reações do corpo ao orgasmo e comportamento de homens e mulheres quando o assunto é sexo. Além disso, o livro traz páginas bônus com inúmeros apelidos dados aos órgãos sexuais femininos e masculinos. Para elas, a lista inclui bacurinha, ostra e xoxota. Para eles, os nomes vão de bengala à espada.

 

Para quem ficou interessado, o Terra selecionou 50 das 369 curiosidades citadas no livro. Confira a seguir e aumente seus conhecimentos sobre sexo.

 

1. Aproximadamente 5% das mulheres são alérgicas ao sêmen.

2. Fumar pode encurtar o pênis quase um centímetro.

3. A anta é o animal com o maior pênis em relação ao corpo. Ela pode medir em média 2 m, ao passo que seu membro ereto atinge 1,5 m.

4. Os espermatozoides necessários para duplicar a população mundial atual caberiam na circunferência de uma aspirina. Os óvulos necessários para duplicar a população mundial caberiam no ovo de uma galinha.

5. As mulheres que comem chocolate de excitam mais: esse doce permite estimulação mais direta das terminações nervosas.

6. O coração pode chegar a 180 pulsações por minuto durante o orgasmo (se a garota fingir, 40 pulsações e 180 suspiros).

7. No Líbano, um homem pode ter relações sexuais com animais, desde que sejam fêmeas. Relações sexuais com machos são punidas com a pena de morte.

8. Um elefante macho pode sentir o cheiro de uma fêmea no cio a 50 km de distância.

9. Homens com parceiras se masturbam mais. Como eles mantêm relações sexuais com maior frequência e em maior quantidade, produzem muita testosterona e por isso se excitam mais.

10. No momento de máxima excitação, o clitóris dobra de tamanho e o ponto G pode chegar ao tamanho de uma amêndoa.

11. Durante a ejaculação, o sêmen atinge a velocidade de 45 km/h.

12. O sexo é um tratamento de beleza. A ciência já comprovou que a mulher, quando mantém relações sexuais, produz grande quantidade de estrogênio, o que deixa o cabelo brilhante e suave.

13. Fazer amor de forma suave e relaxada reduz as possibilidades de sofrer dermatite e acne. O suor produzido limpa os poros e faz a pele brilhar.

14. As primeiras ereções dos homens ocorrem no último trimestre de gestação, quando ainda são fetos.

15. As camisinhas devem ser capazes de esticar até sete vezes seu tamanho normal, segundo a norma internacional. Além disso, devem resistir no mínimo a 18 litros de ar antes de rasgar.

16. Aproximadamente 8% das pessoas pratica sexo anal regularmente.

17. Quase 60% dos homens e 54% das mulheres já fizeram sexo casual de uma única noite.

18. Devido a liberação de endorfinas, o orgasmo feminino é um poderoso analgésico, motivo pelo qual dor de cabeça é um pretexto ruim para não fazer sexo.

19. Apenas 1% das mulheres chega ao orgasmo só com a excitação dos mamilos.

20. A velocidade máxima em que viajam as sensações eróticas da pele para o cérebro é de 230 km/h.

21. Pelo menos 500 pessoas por ano morrem dos EUA por asfixia ao tentar reduzir o fluxo de oxigênio para o cérebro para induzir um orgasmo mais forte.

22. Aproximadamente 29% das mulheres chegam virgens ao casamento.

23. Quase 58% das pessoas costumam dizer grosserias durante o sexo.

24. Uma em casa dez pessoas é assexuada. Ou seja: 10% da população não sente atração por nenhum gênero, nem masculino, nem feminino.

25. Durante o beijo, cerca de 40 mil bactérias passam de uma boca para a outra, mas a maioria é inofensiva. A ciência diz que beijar é saudável: exercita uns 30 músculos faciais.

26. Um em cada cinco mil homens na Europa faz um corte no frio da língua para poder fazer sexo oral melhor em suas parceiras.

27. Um homem gera, em toda a sua vida, 53 litros de sêmen.

28. Alguns animais, como iguanas e coalas têm normalmente dois pênis.

29. O homem tem sua etapa maior de excitação sexual pela manhã bem cedo, durante o outono.

30. A quantidade de homens que de sentem culpados por se masturbar chega a 41%.

31. Só um homem a cada 400 é flexível o bastante para dar a si mesmo prazer oral.

32. O tamanho do pênis depende, em grande parte, da herança genética. O medo, o estresse e a água fria fazem o membro encolher.

33. Aproximadamente 47% das mulheres têm o primeiro orgasmo por meio da masturbação.

34. Pelo menos 50% das mulheres já fingiram o orgasmo em algum momento da vida.

35. O chimpanzé detém o recorde de rapidez no ato sexual entre os mamíferos: consuma-o em apenas 3 segundos. O rato precisa de 5 segundos. Os mosquitos levam só 2 segundos. As baleias e os elefantes precisam de 20 segundos para copular.

36. Em geral, os orgasmos femininos duram entre seis e dez segundos, mas algumas mulheres têm orgasmos que chegam a 20 segundos.

37. O vibrador foi o primeiro artigo eletrônico para o lar lançado no mercado no início do século XX. Foi anterior até ao aspirador de pó e ao ferro elétrico.

38. A palavra clitóris deriva do grego e significa chavinha.

39. Mãos, nariz e pés grandes não são indícios de pênis grande.

40. Existem estudos científicos que mostram que fazer sexo quatro vezes por semana ajuda a rejuvenescer.

41. Em média, os testículos europeus têm o dobro do tamanho dos chineses.

42. Os orgasmos podem ser mais intensos em um ambiente quente.

43. Para os budistas, a prática do sexo oral e anal não é bem vista porque causa agitação mental, ou seja, impede a meditação.

44. A cada segundo, mais de 28 mil usuários da internet estão vendo pornografia.

45. Enquanto as mulheres só queimam 45 calorias a cada dez minutos fazendo amor, os homens queimam 60 na mesma atividade.

46. As mulheres bonitas têm um cheiro natural mais sensual que o das feias, segundo estudos do Instituto de Etologia Urbana de Viena.

47. Para realizar a operação transexual, esvazia-se o pênis, e com a pele que sobra, vai se dando forma aos lábios vaginais.

48. No Brasil, grande parte das mulheres prefere ficar por cima do homem na relação sexual.

49. Por volta do ano 2000 a.C, as egípcias usavam esterco de crocodilo como anticoncepcional.

50. Profissionais que fazem menos amor: engenheiros, gerentes de marketing e matemáticos. Profissionais que fazem mais amor: médicos, advogados e psicólogos.

 

Retirado de Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:25 | link do post | comentar

Segunda-feira, 16.04.12

Nem sempre revelar o segredo é a melhor opção / Zurijeta/Shutterstock

Segundo especialista, antes de revelar o segredo para o parceiro é melhor pensar duas vezes

 

Contar a verdade sobre uma traição nem sempre é o melhor caminho para ser seguido. De acordo com a especialista Shoshana Bennet, em um artigo publicado no site "Your Tango", antes de revelar o segredo para o parceiro é melhor pensar antes.

Segundo Bennet, as pessoas acabam contando sobre o affair muitas vezes por motivos egoístas. É uma forma de tentar aliviar a própria culpa e o arrependimento por ter falado não é necessariamente por questões emocionais, e sim porque a infidelidade ocasionou coisas ainda piores.

A outra pessoa pode até agradecer pela honestidade e dizer que está tudo bem, mas dificilmente será capaz de seguir em frente e perdoar.

Se você quer correr o risco, abre o jogo e compartilhe tudo. Como qualquer outra situação na vida, é impossível saber de antemão o que vai acontecer após a revelação.

A traição até pode ser boa para o casal, desde que a outra parte não saiba o que aconteceu. Se você quer mesmo investir 100% em seu relacionamento, esqueça o ocorrido e se dedique de verdade no casamento ou namoro. 

A ideia é usar o que você aprendeu sobre suas necessidades e desejos e trazê-los de volta para o seu relacionamento. Mas se prefere não se desgastar, o melhor mesmo é a separação.

 

Via Band



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar

Quarta-feira, 11.04.12
Técnicas proporcionam orgasmos múltiplos e mais intensos
Técnicas proporcionam orgasmos múltiplos e mais intensos

 

Orgasmos múltiplos para o homem e para a mulher, sexo que dura horas sem que os parceiros sintam cansaço ou vontade de parar e troca de energias e carinho como principais objetivos. Parece a descrição da relação sexual perfeita e, graças ao tantrismo, é completamente possível. "Com o sexo tântrico a relação pode durar 30 minutos, duas horas ou o dia todo, não existe regra", disse o mestre Victor Lino, diretor da Prakriti Ioga e professor de sexo tântrico há oito anos.

 

"No sexo normal você tem um gasto de energia que, no caso do homem, é a ejaculação", disse. Na prática tântrica o homem não ejacula e, por isso, tem energia para manter o ato sexual por quanto tempo quiser. A pergunta que pode surgir é: "mas, então, o home não tem orgasmo?" A resposta é: "sim, ele tem. Mais de um por relação e mais intensos", segundo Lino. "A ejaculação não tem nada a ver com o orgasmo, ejaculação é eliminação de sêmen, o orgasmo acontece momentos antes. Quando ele não ejacula, tem mais orgasmos e proporciona mais para a mulher também, pois ele não precisa para pelo desperdício de energia", explicou o mestre.

 

Segundo Lino, os homens demoram, por vezes, mais de seis meses para conseguir controlar a ejaculação. "É uma coisa cultural. A dificuldade toda acontece pela cultura, a ligação que ele tem hoje com o sexo e ter que começar a ver diferente", disse. A nova visão consiste em interpretar o sexo com o objetivo de autoconhecimento, expansão da consciência, produção de energia, conhecimento do parceiro e evolução. "Quando existe o foco em valorizar a mulher, fazer com que a relação seja harmonizada, os dois caminham juntos, se chega ao sexo tântrico", disse ele.

 

Na intenção de poupar energia, as mulheres param de menstruar, segundo Lino. "Com tempo, elas conseguem até parar de ovular. Isso tudo sem qualquer remédio, apenas com as técnicas tântricas", disse o mestre. Porém, ele garantiu que quando decidir ela pode voltar a ter ovulação. "O sangue que ela perde causa um estresse no corpo que precisa arrumar formas para supri-lo", justificou.

 

O prazer

O criador de uma ideologia de sexo tântrico e coordenador do Centro Metamorfose, Deva Nishok, acredita na mudança de comportamento e aprendizado em relação a ejacular. "Trabalho sobre o ponto de vista de transcendência da energia sexual', disse ele. Nishok explicou que existe o sexo primitivo em que a partir de um estímulo o homem tem ereção e a mulher a lubrificação. "Ele vem instalado na máquina orgânica, é de fábrica. Então o homem sente compulsão por penetrar e a mulher por ser penetrada", descreveu.

 

Na visão tântrica, existe um estado de consciência capaz de sobrepor a esta força primitiva. "Quando o homem e a mulher conseguem, o ganho sensorial e da qualidade do prazer é astronômico. O orgasmo é muito maior, a qualidade e intensidade são superiores", disse. Segundo Nishok, o homem é capaz de obter orgasmos múltiplos ejaculatórios ou não, sem perder a energia.

 

"Os homens têm capacidade de ejacular até oito vezes. Através de alguns exercícios, o homem aprende a controlar o reflexo sobre os músculos ejaculadores e dominar o processo primitivo. Ele também aprende a ejacular, várias vezes na mesma relação, sem perder a energia", explicou. "Ele fica 2h com o pênis ereto, pois o fortalecemos com exercícios", completou.

 

Com o tantrismo, a mulher conhece o verdadeiro orgasmo. O prazer descrito pela mulher é, antes do conhecimento tantra, alimentado pela fantasia. "É um resultado da falta de educação sensorial. Damos início à sexualidade através da masturbação que exige fantasia para acontecer. Com isso o sexo fica atrelado à fantasia", afirmou. As técnicas de meditação mudam este conceito, no entanto, é preciso que os dois parceiros tenham conhecimento da filosofia tântrica.

 

Sexo tântrico: o passo a passo

A técnica nasceu no norte da Índia há mais de 5 mil anos, segundo Lino. Ao longo dos anos se desenvolveram várias vertentes para a filosofia. Nishok explicou que enquanto uma escola é baseada na aplicação psicológica, cheia de representação simbólica e aspectos mitológicos; outra se fundamenta no controle ejaculatório; uma tem um conceito mais filosófico que estuda vida, morte e renascimento; e a neotantra que é liberal.

 

Na escola de Lino as técnicas são físicas e de meditação, podem ser feitas em casal, em grupos ou individualmente. O curso tem duração de três meses. "Os alunos não chegam a ter relações sexuais durante as aulas, mas existem exercícios que usam massagens, estímulos e artefatos", contou.

 

Uma das atividades visa o trabalho da respiração - uma pessoa senta de frente para outra e se concentram na respiração mútua. "Em um momento levo diversos alimentos diferentes para os alunos, eles experimentam e vivenciam gostos. É uma aula de percepção", disse. Em outro exercício é ensinado uma massagem nos testículos que ativam os hormônios e também a movimentação dos quadris em harmonia com a respiração.

 

Os alunos de Nishok passam por meditação, trabalho com os genitais para vivências sensoriais e desenvolvimento da região durante dois anos de treinamento. O primeiro passo engloba o olhar e a respiração, segundo ele. "Os olhos têm um poder sexual que não é aproveitado. Usamos como expressão", disse ele. Depois, vem a audição que é trabalhada por meio de palavras e transmissão de sentimentos do orgasmo na forma linguística. O olfato também é estimulado com odores diferentes.

 

Então, chega a vez do tato, com foco na bioeletricidade do corpo. "O hormônio ocitocina, por exemplo, é produzido com o toque nos mamilos. Imediatamente com o toque é possível sentir uma mudança no corpo todo", disse Nishok. O clitórios é outra região trabalhada na fase do tato, com massagens. "Existem 12 mil fibras nervosas entrelaçadas, é muito sensível. O homem tem 6 mil fibras no tecido da glande peniana", comparou.

 

Uma técnica importante ensinada por Nishok é o estímulo do clitóris com sucções. "É como se fosse um sexo oral, mas muito distante destas lambidas que os homens acham que as mulheres gostam. É um movimento cirular com a língua e uma leve sucção ao mesmo tempo", descreveu. Segundo ele, neste processo, o homem aprende a encontrar onde está o estímulo do prazer na mulher, pois ele muda de região no clitóris.

 

"O homem precisa aprender a ler os sinais do corpo da mulher", disse. Antes da penetração, a vulva e o clitóris devem estar inchados e precisa existir lubrificação vaginal, de acordo com Nishok. Na penetração, não tem a compulsão do movimento. "Tudo é lento e espaçado, o ideal é aprender a ter o orgasmo ao mesmo tempo", disse.

 

As quatro posições

"Existem posições muito indicadas para determinados resultados". Em geral, quatro posições são as mais recomendadas em função do acesso a determinados pontos internos da musculatura vaginal das mulheres, segundo Nishok.

 

São elas: cachorrinho, em que a mulher fica em quatro apoios de costa para o parceiro; conchinha, em que ambos ficam deitados - o homem atrás da mulher; com o homem deitado de barriga para cima, a mulher sobre ele virada de frente para os pés do parceiro; e sentada sobre o parceiro deitado, mas, desta vez, de frente para a cabeça dele.

 

Retirado de Alagoas 24



publicado por olhar para o mundo às 21:18 | link do post | comentar

Segunda-feira, 09.04.12
Poliamor, sexo sem idade e sem preconceitos

Mudam-se os tempos e as vontades, só não varia uma coisa: o desejo sexual, que se mantém em diferentes tempos e relações

 

Daniel namora com Sofia. E também com Inês. Elas sabem e até são amigas. Os três são poliamorosos, ou seja, mantêm uma relação afectiva e sexual de cariz não-monogâmico.

 

Defendem o amor livre em teoria e, na prática, não são muito diferentes de outros trios que andam por aí, mas fora da clandestinidade e sem arriscar o poder destruidor da traição e da mentira. Uma relação que são várias ao mesmo tempo e onde há lugar para a experimentação e a satisfação das mais recônditas fantasias e fetiches.

 

"O meu primeiro contacto com a ideia de não-monogamia foi através do livro ‘Um Estranho numa Terra Estranha", de Robert Heinlein. Li-o aos 17 anos e, desde logo, fez-me questionar o sentido de obrigar alguém a fazer apenas sexo comigo, a apaixonar-se apenas por mim. Não me tornei poliamoroso por querer sexo com várias pessoas, mas pela ideia de não trair, não mentir", refere o jornalista e professor universitário Daniel Cardoso, 25 anos.

 

Foi nesta fase ainda imberbe que conheceu Sofia C., psicóloga, 26 anos. Andavam na mesma escola secundária e em comum pouco mais tinham do que a coincidência dela também ter lido o mesmo livro. "Inicialmente odiava o Daniel. Ele tinha um feitio complicado, destoava. Quando o conheci pôs-me ao corrente dos seus ideais. Assim, de chofre, cara-a-cara. Nunca tinha pensado isso para mim... até que me apaixonei por ele. Como ele tinha deixado bem claro o que queria, não era eu que ia tentar impor outra coisa." Sofia percebeu depois que se identificava com o modelo de vida, ao qual chegou pela teoria e agora vive na prática.

 

No poliamor não se fala em casais, mas de constelações, pelos múltiplos formatos que permite. "Neste momento somos uma constelação em V, que contempla três relações diferentes (dois pares e a relação total). Acontecem dinâmicas diádicas (entre dois indivíduos), que convivem com a dinâmica global", explica Daniel.

 

Sofia esclarece a questão que desde logo se insinua: "Eu e a Inês não somos namoradas. Podíamos ser, mas não houve faísca. Mas no anterior relacionamento eu era também namorada da namorada do Daniel."

 

A geometria não é a única coisa difícil de entender. Inês, o outro elemento do trio, assume-se como lésbica, por gosto mas também por questões políticas. "É assim que me vejo. Tive várias paixonetas por mulheres na faculdade, mas isso não invalida que não haja um envolvimento com um homem. Apaixonamo-nos por pessoas, não por anatomias. Ao contrário da Sofia, acho as mulheres mais interessantes, mais atraentes, ligo--me melhor a elas."

 

Mesmo sabendo disso, ele foi--se chegando, até ao dia em que se declarou, e colocou a Inês a escolha entre cinco hipóteses: "Podemos ter um relacionamento romântico, afectivo e sexual; uma amizade com componente sexual regular; uma amizade com sexo pontual; apenas uma amizade; ou ainda qualquer outra configuração que te ocorra", disse-lhe o rapaz, que conheceu na faculdade.

 

Inês ficou "congelada". Respondeu "ai que horror!", a um Daniel rendido a seus pés. E talvez por isso, Inês disse-lhe que ‘sim'. Gosta-se mais de quem gosta de nós.

 

Para Sofia, que está ao lado de Daniel há oito anos, "foi confuso" vê-lo apaixonado. Mas sabia as regras da relação e incentivou-o a concretizá-la. Já antes também ela (e ele) tinham tido relacionamentos paralelos.

 

"Há pessoas que acham que por gostarem de um de nós terão de ficar com os outros. Isso não é verdade. Os sentimentos não vêm em pacote. Nós não somos um pacote", acrescenta Inês, 24 anos, investigadora no âmbito das Ciências da Comunicação, na área do feminismo em particular, além de activista pelos direitos da mulher.

 

Sofia e Inês são diferentes, muito diferentes aos olhos do seu amor comum. Uma não gosta de queijo, a outra odeia chocolate. Sofia é nocturna, Inês diurna. A Sofia é calma, Inês faz primeiro e pensa depois. "Ambas são sobredotadas, muito intensas, com uma força de carácter enorme. Ambas desafiam-me. Quando alguém não me desafia eu aborreço-me de morte", proclama Daniel.

 

E ambas se realizam sexualmente com ele. No quarto, pode acontecer de tudo. "Duas a três vezes por noite ou por semana", afirma Daniel, "consoante as circunstâncias, o stress, o trabalho", acrescenta Sofia. Para não desperdiçarem oportunidades partilham as respectivas agendas através do Google.

 

"As minhas relações poliamorosas não são todas românticas. Também não são de primeira e segunda categoria, são relações que passam por uma panóplia de experiências e tonalidades que podem misturar várias emoções, práticas eróticas... ".

 

Entre tais experiências há desde brincadeiras de ‘role playing' (interpretar papéis), a práticas menos normativas como o ménage à trois (sexo entre três pessoas) ou o BDSM.

 

O acrónimo BDSM serve para denominar Bondage (fetiche que consiste em amarrar e imobilizar o parceiro podendo haver ou não sexo com penetração); Disciplina (contempla a imobilização ou condicionamento mental, através de ordens e controlo); Dominação e Submissão (relação de troca de poder, físico e mental, em que há um mestre e um escravo) e Sadomasoquismo (quando duas pessoas interagem com o objectivo de obter e proporcionar prazer ou satisfação sexual através da dor). A única coisa que "não existe é a posição de missionário, com o único objectivo da reprodução", remata Daniel.

 

Numa relação que assenta no princípio de ser e deixar ser livre quem se ama, não há segredos para a felicidade: "Há compreensão, respeito e vontade de resolver os problemas que surgem e que podem constituir entraves a essa felicidade." 

 

Via CM



publicado por olhar para o mundo às 23:58 | link do post | comentar

Domingo, 08.04.12
Quem trai uma vez trai sempre

 

 

Uma questão intrínseca do ser humano que já foi traído seja homem ou mulher. Se a pergunta do título do texto de hoje for feita para as mulheres elas dirão que sim, apesar de quererem acreditar que não.

Já os homens provavelmente dirão que não, mas é claro, que depende de que lado a gente está, se traiu ou se foi traído. Mas ao que parece, essa pergunta parece ficar sem umaresposta exata.

 

As pessoas em geral se enrolam para esclarecer qualquer coisa sobre a traição, ou como ela acontece, os motivos, mas nosso ponto de reflexão de hoje é a reincidência dodelito. Vamos considerar que aconteceu, e já que aconteceu por acaso por que precisa voltar a acontecer?

 

As Vilamigas e o resto das mulheres, diga-se de passagem, querem saber o que os homens pensam, então conversamos com alguns homens e as opiniões divergem. O ficou bem claro, é que, só repete a traição quem quiser, nada é por acaso.

 

O esforço que é empregado para trair e não ser pego pode ser o mesmo usado para apimentar a relação. E alguns homens pensam assim mesmo. Veja algumas opiniões dos homens, Ricardo*, produtor, 37 anos, declara: "Quem traiu uma vez e se estrepou por causa disso, tentará não mais repetir esse erro. A dor de uma separação causada por uma traição é terrível. Não queira provar desse veneno. Traição não é legal em nenhum tipo de relação."

 

Maurício*, diretor comercial, 46 anos, diz: "Acho que não se repete, mas, isso depende muito da situação em que o casal se encontra, pois, tudo nessa vida pode mudar". E tem aqueles que não conseguem se conter frente ao instinto, como é o caso de Cláudio*, programador, 40 anos, "o instinto do homem que trai, não muda".

 

Concluímos que não vale muito a pena racionalizar esse tipo de coisa, é melhor viver o amor, a química, e dar o melhor de si. Porque no fundo quem trai está mentindo, e isso nunca é bom. É nisso que cada um precisa pensar. Mentir para quem está do seu lado, compensa?

 

*os nomes reais foram trocados para manter a confidencialidade

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 04.04.12
Passar o tempo todo na cama durante uma viagem é um erro. Foto: Getty Images

Passar o tempo todo na cama durante uma viagem é um erro

 

Tudo é perfeito quando se fantasia uma possível viagem com o novo namorado. No entanto, quando a oportunidade se torna realidade, muitos casais costumam cometer erros bobos, que atrapalham o clima do primeiro momento de descanso juntos. Confira abaixo os sete principais problemas, segundo o siteMadame Noire:

 

Ficar preso aos inconvenientes 
Viagens podem ser estressantes: filas nos aeroportos, excesso de bagagem, atraso na saída do transporte. Não deixe que esses inconvenientes acabem com seu humor. Lembre-se que, em breve, vai desfrutar de momentos gostosos com o parceiro. Mantenha o pensamento positivo.

 

Passar o tempo todo na cama
Por mais que o relacionamento seja novo e tudo excite o casal, não fique trancado no quarto do hotel. Aproveite para fazer coisas novas na companhia do outro. Essas são as lembranças que vai guardar.

 

Questionar a rotina do outro
Não critique a rotina do outro, por mais estranha que lhe pareça. Se ele gosta de passar bastante tempo em seu ritual de beleza, não se estresse com isso. As pessoas são diferentes.

 

Manter a rotina
Lembre-se que está em um momento para relaxar. Não acorde cedo porque isso faz parte da sua rotina, por exemplo. Fique um pouco mais na cama, abrace o outro.

 

Criticar atividades
Não pergunte "tem certeza que realmente quer fazer isso?". Ceda um pouco e também apresente suas ideias. Você pode acabar se divertindo com as atividades que nem pensava em praticar.

 

Achar que é a vida real
Os momentos que passaram em uma viagem não representam a "vida real". O costume de checar e-mails à tarde podia até não combinar com o passeio e lhe irritar, mas, na rotina normal, passaria despercebido.

 

Não falar sobre questões corporais
Qualquer um pode ficar doente em uma viagem, seja pela alimentação diferente, pelo balanço do navio. E é muito ruim passar mal ao lado de alguém com quem nunca conversou sobre esse tipo de assunto.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:11 | link do post | comentar

Domingo, 01.04.12
Será que eles preferem as más

Charlize Theron em novo filme de Branca de Neve - o fascínio das mulheres más. Foto reprodução site Movie Fanatic

 

Uma daquelas perguntas intermináveis e que não querem calar. As mulheres se debatem nessa questão: a mulher deve ser , ou fazer a boazinha na hora da conquista? A resposta provavelmente será relativa e depende de tanta coisa, do momento.

Mas, vamos pensar melhor sobre essa maldade, que costuma ser bem sedutora a primeira vista. O motivo: transgressão. É a tal novidade da quebra de paradigmas, de crenças e tudo que sai fora da linha e representa emoção.

 

Mesmo que eles prefiram as más, muita calma boazinhas. O momento em que se conhece alguém, ou se paquera, é como uma cena de cinema, ela acontece, a gente curte, mas ela passa e outras cenas virão. Todo mundo tenta impressionar no começo, e ninguém é má ou boa o tempo todo. As mulheres são seres que vivem em fases. E se hoje é dia da má, amanhã será da boa, e por aí vai.

 

Mas o que realmente significa ser uma mulher má? Ela pode ser uma caricatura de uma vilã das histórias em quadrinhos, ou aquela que não se preocupa com os sentimentos dos homens, e se colocar sempre primeiro lugar. E me digam se não é assim mesmo que alguns homens agem? Nesse caso, podemos classificar como mulheres más aquelas que se comportam como os homens. Seria um rótulo e generalizar nunca é bom. As pessoas podem surpreender quando se fala de romance. E uma moça bozinha pode se tornar a vilã implacável, se tiver bons motivos para isso.

 

Há homens que dizem adorar as mulheres decididas, que sabem que são ótimas, bonitas, independentes, e más. Eles podem gostar, mas ainda aparentam ter medo de se relacionar livremente com elas.

 

E também há aqueles (maioria) que preferem as mais calmas, que não lhe causem muitas variações de emoção. Isso é apenas uma opinião, por amostragem, fruto da uma pesquisa feita a partir das amizade com mulheres fortes, e o que elas vivem. Esse comportamento pode ser o resultado da vida corrida, violenta, cheia de informações e estímulos que temos atualmente. Ao que parece, depois de tanta emoção, o dia todo, nossos homens preferem ser embalados por calmaria. Porém, cuidado com o excesso desse intervalo, que ele não seja sinônimo de chatice. A vida não pára.

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:33 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.03.12

descubra se ele vai ser o marido que sonhou

 

Ele está interessado em qualquer coisa séria ou apetece-lhe mais um caso sem consequências? Descubra já.


Ter química não basta, embora seja o principal requisito de qualquer relação. Até pode não lhe interessar nada dar o nó, caso em que provavelmente não estaria a ler este artigo. Como chegou até aqui, depreendemos que o assunto lhe interessa. Provavelmente já chegou a uma conclusão pessoal, mas aqui ficam algumas ideias que podem ajudar:


1 - Uma questão de gramática - Quando ele fala, diz mais vezes 'nós' ou 'eu'? Quando se refere ao futuro, as 'visões' incluem-na a si ou apenas a coisas que ele gostaria de fazer? Se ele planeia fazer um mestrado em engenharia aeroespacial no Chile durante 4 anos e depois ficar a morar em Chicago, alguma vez lhe perguntou em que episódio da telenovela é que você entrava?

 

2 - O som e a fúria - Observe-o quando ele se zanga. É capaz de se controlar ou perde completamente o freio? Um namorado maldisposto regra geral dá um marido ainda pior. Por que razão quereria passar a vida ao lado de uma pessoa ao lado da qual se sente mal?

 

3 - Probleminha ou problemão? - A sua avó está doente e você tem de desmarcar a saída a dois. O cão engoliu um Gormitti de plástico que um dos seus sobrinhos deixou no tapete e tem de ir ao veterinário. A empresa dele ameaça despedir algumas pessoas. Como é que ele reage ao lado negro da vida ? E quando são problemazinhos, tipo a janela que não fecha, o leite que acabou, o telemóvel que se despediu desta vida? Uma relação não é um constante mar de rosas, e há de haver complicações a resolver: não queira para parceiro alguém que a abandona ao primeiro gormitti.

 

4 - A importância do mimo - Está bem, a maioria dos homens tem a inteligência emocional de uma ervilha, mas isso não quer dizer que se contente com alguém que só lhe dá beijos apaixonados quando quer uma bela noite de sexo. Um romance não é feito só de beijos apaixonados e sexo no telhado: é feito de saídas a dois, de pequenos presentes quando não se está à espera, de mimos e festas e palavras doces. Se ele não sabe, ensine-lhe. Se ele não for capaz de aprender, case com alguém que seja melhor aluno.

 

5 - Ele percebe-a? - Não quer dizer que você seja portuguesa e ele iraniano, mas há várias maneiras de não se falar a mesma língua. Vocês falam a mesma língua ou tem de lhe explicar todas anedotas? Pisca-lhe o olho e ele diz muito alto 'por que é que me estás a piscar o olho'? Pensam da mesma maneira sobre as questões principais da vida ou está sempre a pensar antes de dizer qualquer coisa, não vá ele ofender-se? Um homem tem de saber a 'verdade' sobre nós: tem de saber que dormimos com a t-shirt da Hello Kitty, que sim, adoramos passar a manhã nas compras, preferencialmente sem eles, que também sim, de vez em quando é preciso ir à depilação e gastar dinheiro no cabeleireiro, e que um par de botas pode fazer a nossa felicidade. São fraquezas, mas é quem nós somos. Como é que ele aceita isso? E sim, temos síndrome pré-menstrual, e temos direito a odiar o mundo inteiro durante três dias! Como dizia o Luís Fernando Veríssimo aos seus leitores masculinos, "Você não suporta TPM? Case-se com um homem!"

 

6 - Contar tostões - Como é que ele lida com o dinheiro? Conta cada cêntimo ou estoira cada cêntimo como um foguete de feira? Lembre-se que o dinheiro é o principal fator de discussão dos casais. Não queira fazer parte das estatísticas.

 

7 - Um dos rapazes - Observe-o com os amigos: só se lembra de si para lhe perguntar se ainda há cervejas no frigorífico ou inclui-a na conversa? Tem orgulho em si ou finge que não existe? Já a apresentou a todas as pessoas importantes da sua vida ou ainda se encontra consigo meio às escondidas, de vez em quando, como num filme a preto e branco com muito nevoeiro?

 

8 - Querida mãezinha - Como é que ele trata a mãe? É um bom indicador da forma como vai tratá-la a si, daqui a uns anos... Por outro lado, se for um menino da mamã, é bem provável que fique ao lado dela se alguma vez tiver de tomar partido...

 

9 - Está aí alguém? - Quando lhe acontece alguma coisa boa ou má, ele é a primeira pessoa a quem telefona, ou pensa: "eu até lhe contava, mas de certeza que ele não vai entender"? Pronto, também toda a gente sabe que os homens não são os melhores ouvintes do mundo. A pessoa está muito bem a contar-lhe o que quer que seja e está mesmo a ver que as palavras estão todas a errar o alvo, como as naves inimigas da Guerra das Estrelas. Claro que nós às vezes também não ouvimos tudinho mas isso é porque as conversas deles geralmente não interessam nada, e além disso disfarçamos melhor... Mas há um mínimo de tempo de antena. Conclusão: se as vossas conversas são apenas um dueto de monólogos, ou pior, de silêncios, se calhar é melhor arranjar outro conversador.

 

10 - Dá aí uma mãozinha! - Também toda a gente sabe que hoje já nenhum deles sabe consertar uma torneira que pinga ou um estore avariado, mas está ele disposto a ligar ao canalizador e a ser ele a ficar em casa para lhe abrir a porta? Se se arrisca a ter de tratar de todos os pormenores chatos de uma vida em comum, com torneiras e estores avariados, não espere aguentar muito tempo.

 

11 - Vens ou ficas? - Têm interesses em comum? E interesses em separado? Ambos são igualmente importantes para um casamento saudável, onde se partilham gostos mas se mantém mundos privados. 'Mundos privados' não devem obviamente incluir casos com a Sãozinha do marketing.

12 - Copo meio cheio - Parece um pormenor, mas, se puder, case-se com um otimista. Por razões óbvias.

 

Conclusão - Para terminar, fiquem-se novamente com as sábias palavras de Luís Fernando Veríssimo: "O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para motivar os próprios. Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará se salvando a si mesmo.


Via Activa



publicado por olhar para o mundo às 21:44 | link do post | comentar

Segunda-feira, 26.03.12

Sensualidade sem vulgaridade...

Vocês sabem o que é uma mulher para mais de dez talheres?


Uma mulher pra 10 talheres é aquela que seduz e encanta apenas com um sorriso, que faz a sua imaginação trabalhar de forma acelerada quando ela passa exalando charme e sensualidade, que possui um toque teatral que permite a ela personificar as fantasias de um homem, pois ela sabe que todo homem quer prazeres diferentes e aventuras e ela lhe proporciona isto. Ela sabe como fisgar um homem criando um exaltado fascínio sexual misturado com modos suntuosos e teatrais. Ela transmite para o homem que deseja vibrações de sexo, pois ela é uma mulher dominada pela paixão e, com isso, ela se olha pelo espelho e se sente bem porque sabe que está bonita - não para todos os homens - mas sim para aquele que ela deseja, para aquele que a conquistou.


Com uma mulher dessas não existe apenas sexo e sim uma infinita descoberta de como saborear cada centímetro de seu corpo, de como é prazeroso vê-la sentindo prazer. É se perder em um frenesi de toques e carícias freqüentes. E, quanto mais ligada ao homem ela estiver, muito mais sexualmente inspirada ela vai ficar.


Um homem, quando está com uma mulher destas, perceberá que uma noite de sexo apenas não é suficiente para satisfazer todos os seus desejos e vontades porque ela é insaciável, possui sede de prazeres intensos e irá buscar isso no homem que está do seu lado.


Pois é meus caros leitores, saibam que esta mulher se caracteriza com a intensa fantasia dos homens, a fantasia de uma mulher extremamente sexual, confiante e atraente capaz de oferecer infinitos prazeres com doses moderadas de risco. E, se algum dia, um homem encontrar uma mulher dessas, dificilmente conseguirá esquecê-la.
Sensualidade sem vulgaridade...
E então, você é uma mulher para mais de dez talheres? Alguma vez algum homem já lhe disse isto? E os homens, sabem reconhecer este tipo de mulher? Já se deparam com uma dessas? Se sim, já conseguiram esquecê-la? Quero saber a opinião de todos.

 

Retirado de Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:29 | link do post | comentar

Sábado, 24.03.12

Trapalhadas na cama

 

Sexo não vem com manual de instruções. Quem quer ousar tem que se arriscar, e muitas vezes o casal paga o preço.

 

Histórias que seriamengraçadas, se não fossem trágicas, é o que não faltam.

 

A sexóloga Carla Cecarello conta que um de seus pacientes teve sérios problemas após ter colocado em prática um plano mirabolante. "Ele pediu para que a companheira se sentasse com as pernas bem abertas, em um lugar alto. Subiu em um banquinho e mirou a vagina da companheira. A intenção era com o impulso penetrá-la com velocidade e força. Porém ele escorregou do banquinho e acabou batendo o pênis no osso da pélvis da companheira", lembra a sexóloga.

 

A queda gerou uma luxação no membro do rapaz. "Eu fico imaginando a dor que esse homem sentiu, o que é muito mais grave que a frustração da perda da transa. Quando o aventureiro veio ao consultório, ele contou a história rindo, já havia superado", conta Carla. "Tudo bem querer inovar, é até bastante saudável, mas tem que avaliar os riscos. Pense primeiro no seu bem estar. Se algo sair e errado e gerar gargalhadas no companheiro, leve na esportiva!", completa.

 

"Uma das minhas clientes contou que, para agradar o namorado, comprou uma lingerie vermelha, daquelas bem sexy. Mas ela achou que isso não bastava. Para complementar e mudar o visual, ela comprou também uma peruca loira", relata a especialista em artes sensuais Lu Riva. O hilário desta história é que o rapaz achou muita graça em ver a namorada usando aquela madeixa loira. "Sem pensar duas vezes ele disse, tirando a peruca da cabeça da mulher: "Que legal, amor. Deixa eu ver como eu fico! ", conta Lu.

 

A moça acabou ficando muito chateada, pois ele nem ao menos reparou na lingerie que ela usava. "Quando você for fazer uma surpresa a um homem, avise-o antes. Eles são extremamente racionais, além de não repararem muito em detalhes", recomenda a especialista. Não precisa contar com detalhes o que irá acontecer, apenas dê dicas.

 

Lu Riva contou também que uma de suas clientes se preparou para fazer um strip-tease para o namorado. O problema é que ela não tomou muito cuidado na hora de escolher a trilha sonora. "Ela esqueceu que o companheiro simplesmente odiava forró, e foi justamente o que ela colocou para tocar. Resultado: o rapaz levantou e saiu, deixou-a sozinha", lembra a especialista. E você, já passou por alguma cena prá lá de engraçada? Divida com a gente!

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar

Domingo, 18.03.12

Mitos e dúvidas sobre o sexo

 

É mais do que normal ter milhões de dúvidas antes da primeira transa. No entanto, é importante descobrir as respostas não só para matar a curiosidade, mas para se proteger de doenças e evitar gravidez indesejada. Para entender de uma vez por todas tudo o que pode ou não rolar em relação ao sexo, o D+ conversou com Carolina Ambrogini, ginecologista e sexóloga da Unifesp, e com a professora de Biologia e Educação Sexual Silvana Battestin. Confira:

 

É mesmo perigoso transar sem camisinha?

Com certeza. Camisinha evita gravidez não planejada e doenças sexualmente transmissíveis. Não apenas a Aids. O HPV, vírus que provoca lesões (inclusive cancerígenas), é mais comum do que se pensa, bem como os vírus das hepatites B e C. Sexo oral e anal também deve ser feito com preservativo.

 

HPV tem cura?

Ainda não, mas há tratamento para as lesões causadas pela doença. Para prevenir, existe vacina contra alguns tipos de vírus.

 

Tomar pílula anticoncepcional por muito tempo pode fazer mal?

Não, desde que seja o remédio certo para você. Por isso, é tão importante ter acompanhamento de um ginecologista, que deve ser consultado anualmente. O que não pode é esquecer de tomar um único dia e na hora certa.

 

O exame ginecológico de papanicolau tem de ser feito logo após a primeira transa?

O ideal é que seja feito até um ano após o início da atividade sexual. O exame é essencial, pois ajuda a diagnosticar lesões no colo de útero, entre outras possíveis alterações.

 

Pode tomar pílula do dia seguinte sempre?

Não, só em casos de emergência, como quando a camisinha estoura. Ela tem até 20% a mais de hormônio do que a pílula comum. Se tomada de forma exagerada pode desregular a menstruação, provocar dor de cabeça, retenção de líquido, sensibilidade nos seios, náusea, vômito e até trombose.

 

O corpo muda após a primeira relação sexual?

A mudança não tem a ver com perder a virgindade, mas com o período da adolescência em que cada um está.

 

A camisinha comum é mais eficaz do que a com aroma e gosto?

As duas são igualmente eficazes.

 

O nervosismo atrapalha e faz doer na hora de transar?

Pode acontecer. Se a mulher está tensa, ela contrai a musculatura da vagina e fica difícil ter lubrificação no local. A ansiedade também pode atrapalhar a ereção e ejaculação do homem.

 

A mulher demora mais para ter prazer?

Os mecanismos de excitação da mulher são diferentes do homem. Ela precisa de mais carinho, beijo e amasso para ficar excitada, mas tudo depende do casal e do momento.

 

Adolescente pode tomar viagra?

Não é recomendado e pode provocar dependência psicológica.

 

Na hora do sexo dá para perceber se o parceiro tem alguma doença?

Nem todas as doenças são visíveis, por isso, camisinha é importante.

 

Homem e mulher podem usar camisinha ao mesmo tempo?

Não é recomendado. Corre-se o risco de as duas estourarem, além de diminuir muito a sensibilidade.

 

É errado se masturbar?

Pelo contrário. Tanto meninos quanto meninas descobrem o próprio corpo e onde e como sentem prazer por meio da masturbação. 

 

retirado de ABC



publicado por olhar para o mundo às 22:19 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16.03.12

Gillian Anderson revela a  sua bisexualidade

A atriz, que saltou à fama por sua interpretação da agente Scully em X-Files, contou que desde adolescente tem sexo com mulheres mas que também gosta de homens.

 

Em uma entrevista com a revista OUT, Gillian Anderson confessou que ao longo de sua vida deitou com várias mulheres. Segundo contou, tudo começou quando mudou de Londres aos Estados Unidos durante sua adolescência.

 

“Estive de relação com uma menina, faz muito tempo atrás, quando estava no colégio”, confessou a atriz de 43 anos.

 

Depois, teve outras relações com pessoas de seu mesmo sexo, mas explicou que ao sentir sempre atraída pelos homens, nunca se imaginou em um relacionamento lésbico.

 

Anderson, que divorciou-se duas vezes e é mãe de três filhos, disse que suas aventuras com mulheres foram “uma exceção e não a regra”.

 

“Se tivesse pensado que era cem por cento gay, teria sido uma experiência diferente para mim?”, perguntou-se Anderson.

 

Via bulhufas



publicado por olhar para o mundo às 21:59 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.03.12
Slow sex pode ser mais prazeroso

 

Fazer sexo já é bom, se o jeito de fazer é devagar ou rápido, fica bem ao gosto do freguês. O ideal é variar e experimentar um cardápio bem diversificado em matéria de posições e entre "rapidinhas" e "devagarinhas", também encontrar o seu próprio "ponto G". Na questão do orgasmo, especialistas dizem que que fazer amor bem devagar pode gerar um orgasmo mais explosivo.

 

Uma reportagem da revista Women´s Health pesquisou a opinião de alguns especialistas que afirmam que a relação sexual prolongada e com vastas preliminares pode gerarorgasmos mais explosivos. Será?

 

As mulheres andam comentando que encontrar um homem que saiba onde cada coisa está no corpo feminino já é uma vitória, se encontrar um especialista em slow sex então, ela está feita. Continuo com a máxima de que sexo é como pizza, "mesmo quando é ruim, é bom". Embora com o tempo e a experiência, muitas vezes percebemos que não é bem assim. Mas isso é outro assunto.

 

Fazer algo gostoso devagar é muito bom, então, isso vale para o sexo. Uma dica bem interessante é relaxar o máximo possível, e encarar aquele momento como algo fora do universo, e fazer tudo com calma, para variar. Sair rasgando camisas e arrancando a roupa é o seu estilo? Tente ir com calma.

 

Explorar áreas mais longe dos órgãos genitais pode ser muito gostoso. Se abraçar e observar os detalhes do corpo do outro cria uma conexão que a corrida diária nos rouba. Aposto que você se pegou correndo até para transar. Então, pense que é necessário guardar um tempo para fazer isso com calma.

 

As preliminares pedem tempo. Olhar para si e para o outro, com alguém que está ali por você e para você demanda dedicação. Essa fórmula é ideal para casais e para aquele dia D, do novo romance. O ideal é tentar relaxar antes do encontro, tome um banho morno, se perfume e ouça uma música. Faça isso tudo, só que mais devagar.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 22:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 14.03.12
Sexo sem compromissos, amigos com direitos

Os filmes Amor sem Escalas e Sexo sem Compromisso retratam como funciona o relacionamento entre amigos liberais


Para algumas pessoas, a ideia soa como um insulto, no entanto, para os mais modernos e indiferentes aos tabus sociais, ter um amigo com benefício - nome sutil dado à prática de sexo frequente com a mesma pessoa sem compromisso - é uma forma segura e divertida de satisfazer os desejos sexuais. "São dois amigos que saem quando ambos estão disponíveis e com vontade de sexo", definiu Tamires Carvalho - que já viveu a experiência.

 

Também chamado de "transa fixa" ou "amizade colorida", o hábito é visto com bons olhos por Ricardo Junior. "Melhor do que muitas pessoas que pagam programas com prostitutas ou até mesmo ficam com vontade acumulada e acabam saindo com qualquer um", disse ele. "No meu caso, combinamos sempre de nos cuidar nas relações com outras pessoas e não deixar transparecer o que fazemos para ninguém", acrescentou.

 

Ricardo afirmou que ter uma amiga deste tipo evita a carência. "Você sempre tem alguém ao lado, seja como amigo, seja como amante", disse ele. Ele explicou que é uma maneira de aproveitar apenas a parte boa de um namoro. "Tem tudo que um relacionamento sério tem, porém sem aquela coisa de traição, compromisso e cobrança", comparou. Ele e a "amiga" já saíram juntos e terminaram a noite com pessoas diferentes, sem qualquer desentendimento, por exemplo.

 

A liberdade para fazer o que tem vontade, sem precisar dar satisfações e ainda estar disponível para conhecer e ficar com outras pessoas é o que atrai Tamires para ter este tipo de relações. Segundo Tamires, entre o "amigo com benefícios" e ela existe apenas tesão e química. "É um sentimento totalmente carnal, uma atração exclusivamente física e só", descreveu. "Se você gosta ou admira a pessoa jamais aceitaria uma relação estritamente sexual, certo?", completou.

 

O problema está exatamente na suposição de Tamires. O médico ginecologista, sexólogo e professor do ambulatório de sexologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Amaury Mendes Junior, disse que existe uma tendência em as mulheres criarem expectativas emocionas em relação ao parceiro. "Se o homem liga para a mulher para transar, ela decide que também está com vontade e aceita e eles têm consciência de que aquilo não vai evoluir, tudo bem. Mas se houver uma esperança de algo a mais, vai morrer na praia", explicou. "É preciso maturidade", disse.

 

"Amigos" e ex-namorados


A psicóloga Isabel afirmou que uma mulher pode se submeter a ter relações sexuais sem compromisso "na tentativa de conquistar esse amigo e transformá-lo em namorado". Mas, não existe regra. "Pode ser apenas um exercício de sexualidade dentro de um padrão culturalmente mais 'masculino' de interação", disse ela.

 

Fernando Oliveira vive uma situação de sexo sem compromisso com duas ex-namoradas, no entanto, em ambos relacionamentos existe sentimento. "Quando estamos juntos, somente nós, rola algo a mais", disse ele. Oliveira contou que elas sabem que ele transa com outras mulheres e ele também tem consciência de que as ex-namoradas têm relações com outros homens. "Consigo manter um relacionamento além de uma amizade com as garotas que gosto e sem precisar dar satisfação como em um relacionamento sério", definiu. No entanto, Oliveira confessou que às vezes se priva de certas coisas para não magoá-las.

 

"Arrumar uma namorada ou namorado sem avisar" é a única regra do relacionamento entre Oliveira e as duas mulheres. "Sentimento existe, mas por alguns motivos o relacionamento não deu certo, e basicamente temos medo de tentar novamente. Então, ficamos na amizade colorida para satisfazer nossos sentimentos sem machucar um ao outro", explicou.

 

A psicóloga e terapeuta Isabel Delgado acredita que se houver um acordo entre as partes em relação a acrescentar o sexo sem compromisso à relação, ninguém ficará emocionalmente afetado. "Os problemas acontecem quando as pessoas envolvidas estão com diferentes visões do que está de fato acontecendo, isto é, uma delas começa a romancear a relação, o que acaba comprometendo a amizade prévia", concluiu. Por isso, a situação vivida por Oliveira é um tanto quanto arriscada em relação a mágoas.

 

Regras básicas


Seja por medo de envolvimento, falta de tempo ou foco em outra coisa que não seja um relacionamento sério a dois, para ter uma amizade com "benefícios" saudável, é preciso seguir algumas normas. Os dois principais itens proibidos são: ciúmes e cobranças. "Não existe compromisso", disse Ricardo Junior. "Acredito que a partir do momento que rola cobrança de um dos dois lados é porque começa a rolar um envolvimento emocional, e daí a coisa pode não acontecer mais legal se o outro não estiver no mesmo nível", explicou Tamires.

 

Outro ponto importante é deixar tudo esclarecido sobre como será o relacionamento. Para Ricardo, a sinceridade e transparência devem ser a base desta amizade. Ao mesmo tempo, ele acredita que o relacionamento deve ser mantido em segredo. "Se os boatos começam, a amizade não dura muito tempo mais", disse ele.

 

Alessandro Santos, que também cultiva uma amizade "colorida", ressaltou a importância da prevenção de doenças e de uma gravidez indesejada. Para ele, também é ideal manter a amizade ao longo das relações. Mesmo seguindo estas regras, Tamires acredita que este tipo de relacionamento está fadado ao fracasso. "Depois de um tempo um dos dois sempre acaba se envolvendo. Dificilmente as pessoas conseguem levar uma relação assim por muito tempo, pois em algum momento um irá se machucar", concluiu.

 

*O nome dos personagens foram alterados para preservar a identidade

 

Retirado de Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:57 | link do post | comentar

Quinta-feira, 08.03.12

Hoje é o Dia Internacional da Mulher. É aquele dia em que a gente comemora todas as vitórias que tivemos, todo o respeito e segurança que fazem parte da nossa vida. Mas espera aí...


Milhares de sutiãs foram queimados para que a gente pudesse usar minissaia e fazer sexo sem ter que ouvir julgamentos, além de outras coisas, claro, mas a gente ainda passa por isso, não? A cada passeio num vestido um pouco mais curto e temos que nos sentir como carne no açougue, todo mundo olhando, fazendo comentários e o pior de tudo são os comentários que chamo, carinhosamente, de "estuprador em potencial", que são os que nos deixam morrendo de vontade de correr para casa.

 

A gente não deveria passar por tudo isso!

 

É claro que hoje já temos a liberdade sexual, podemos nos relacionar com quem quisermos sem que ninguém tenha que se intrometer. Mas as pessoas ainda apontam as mulheres que são assim. Dizer que a mulher que faz sexo apenas por sexo não se respeita é um absurdo tão grande, tão machista, que nem merece muitas linhas de texto.

 

O mais triste de tudo é que muitas mulheres tem essa atitude de apontar para a outra e sentar sobre o próprio rabinho. Um exemplo muito claro disso foi a eliminação da BBB Renata. Ela saiu da casa porque ficou, em 45 dias, com três caras. Oi? Aqui fora ninguém faz isso?

 

Ah, dizem que ela fez sexo na casa, o que é um absurdo. Oi de novo? Sexo não é um absurdo. Sexo é algo que todo mundo faz, é natural, faz bem, é gostoso. E sexo na novela das oito pode, né? O argumento sobre ser ou não real não cola, é sexo, ponto. As cenas do BBB, tanto da Renata quanto da Laisa, só foram vistas por quem procurou na internet. E MUITA gente procurou.

 

Além disso, se as duas fizeram sexo e uma delas ficou com mais de uma pessoa, tem gente faltando nessa conta, né? Laisa e Renata são erradas por terem feito sexo, mas Yuri e Rafa são garanhões. Assim como Jonas, que deu uns beijos em Renata e Monique. Não tem algo errado aí?

É claro que tivemos diversas vitórias, que temos mais liberdade, mas ainda não podemos andar sozinhas na rua, de noite, sem ter um pinguinho de medo, de olhar para os lados porque violência sexual é algo banalizado.

 

É claro que podemos fazer sexo com quem e quando queremos, mas vamos ter que aguentar alguém comentando sobre a nossa vida e achando que o homem é assim mesmo, mas a mulher não se dá o respeito.

 

É claro que trabalhamos, mesmo ganhando menos por um cargo igual ao do homem, mas algumas de nós ainda têm que chegar em casa e cuidar de tudo — o último post deste blog foi a grande prova de que isso existe muito mais do que gostaríamos de acreditar.

 

Os homens vivem reclamando nos comentários e nos e-mails que as mulheres não gostam de sexo, que não sentem desejo por eles e que eles gostariam de mudar isso. A pergunta que eu faço é: como as mulheres vão deixar os desejos falarem se a cada vez que isso acontece ela corre o risco de ser taxada de piranha? A atitude de apontar para as mulheres livres faz com que outras enxerguem o sexo, inconscientemente, como algo errado. E aí é claro que ela não vai querer se soltar nem com o marido. A gente colhe o que planta!

 

Proponho um desafio: que tal julgar menos e se divertir mais? Nos primeiros dias vai ser difícil, mas depois você vai notar que sua vida ficou mais leve. Sexo não é errado, errado é tornar algo tão natural um tabu.

 

Retirado de  Preliminares



publicado por olhar para o mundo às 21:34 | link do post | comentar

Quarta-feira, 07.03.12

Uma boa lingerie pode fazer milagres no relacionamento

Lingeries bonitas mexem com a imaginação masculina. No livro de Alan e Barbara Pease "Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor", os autores dizem: O cérebro masculino precisa de variedade.

 

É por isso que, mesmo em um relacionamento monogâmico, o homem adora novidades como roupas íntimas.

 

Um estudo feito nos Estados Unidos apontou que as mulheres que usam uma variedade de roupas íntimas sensuais têm companheiros muito mais fiéis do que aquelas que preferem as bem-comportadas. Essa é uma forma de adaptar ao relacionamento monogâmico a necessidade masculina de variar.

 

A lingerie é um fetiche para os homem. A maioria das mulheres não presta muita atenção às peças íntimas que usam no dia a dia. Mulheres que têm um relacionamento estável nem se importam mais com as roupas de baixo. Muitas usam qualquer coisa, de qualquer jeito, sem se preocupar com a harmonia do visual e sem perceber que uma lingerie bonita faz muito bem a autoestima

.

Aprenda a usar lingerie para se sentir bonita. Para valorizar seus pontos fortes, esconder aquilo que a incomoda em seu corpo, e principalmente para seduzi-lo, sem exagerar nas caras e bocas. Varie, desde as mais comportadas em cores claras, menos a bege, até as mais ousadas e diferentes, passando pelos vários tons. A lingerie sexy é aquela que faz com que você se sinta bonita e única.

 

Muitas mulheres reclamam que na hora em que tiram a roupa, seu companheiro nem nota a lingerie que elas colocaram pensando nele. Mas tenha sempre em mente que os homens não são detalhistas como as mulheres. Eles reparam o conjunto, se está harmonioso, se as peças caem bem, e o melhor: se ele tira a lingerie rápido é porque você conseguiu o que queria: seduzi-lo.

 

Use e abuse da lingerie. Também procure, às vezes, antes de sair, se maquiar e ficar só de lingerie e salto alto. Deixe para colocar a roupa só na hora de sair. Aja de maneira natural. Não há necessidade de você fazer posse ou caras e bocas, apenas coloque a lingerie e sinta-se sexy, de bem com seu corpo.

 

Por fim nunca troque ou devolva uma lingerie dada a você por um homem, seja seu marido, namorado ou companheiro. O fato de ele lhe dar uma peça íntima significa que ele quer vê-la usando. Aproveite a deixa e transforme seu guarda roupa íntimo em um lugar cheio de variedade e ousadia.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:08 | link do post | comentar

Terça-feira, 06.03.12
O que as mulheres querem depois de casar?

 

Há algum tempo li um texto que dizia o que os homens queriam depois do casamento. Entre as dicas para as mulheres estavam não criticar, fazer sexo, confiar no marido, o respeitar e estar sempre linda. É, não falta mais nada.

 

E aí fiquei pensando no que nós, mulheres, queremos depois do casamento — ou de um namoro um pouco mais longo. É claro que algumas coisas são iguais às dos homens. Nós também queremos sexo, respeito, confiança... Não gostamos de críticas e queremos um homem lindo ao chegar em casa. Mas o que mais?

 

Divisão de tarefas


Vocês dois trabalham. Os dois comem, dormem, tomam banho e usam o banheiro da mesma casa. De quem é a obrigação de arrumar tudo, limpar e fazer comida? Dos dois!

 

Por mais óbvio que pareça pensando assim, é muito comum que os homens achem que a obrigação é da mulher. Nada disso. Os dois precisam fazer sua parte, dividir as tarefas e ter tempo para descansar, seja assistindo ao futebol ou a um filminho.

Menos cobranças


A gente não precisa estar linda o tempo inteiro. De vez em quando temos o direito de passar o dia inteiro de pijama, meio descabeladas e sem nos preocuparmos com a depilação. Ele está sempre lindo, com a barba aparada e a barriga de tanquinho?

 

Além disso, queremos respeito ao nosso corpo. Não precisamos ser capas de revista para sermos desejáveis, interessantes ou sexies. Somos muito mais e uma gordurinha não faz mal a ninguém.

 

Respeito na hora do sexo


Tem dias que a gente simplesmente não quer fazer sexo. E nesses dias a gente não precisa fazer. Não tem coisa mais chata do que cobrança relacionada a isso. E normalmente os caras não pensam na melhor maneira de fazê-la mudar de ideia.

 

Queremos que, ao invés de falar que somos frias, eles nos seduzam, sejam românticos, nos beijem e façam massagem. Assim a gente fica com vontade de fazer sexo.

 

Mas se nem assim a gente voltar a ter vontade de tirar a calcinha: desistam. Em alguns dias a gente só quer dormir de conchinha.

 

Romantismo


E é claro que queremos, depois de anos, nos lembrar daquele cara incrível pelo qual nos apaixonamos. Mais do que isso, queremos conviver com ele. Foi por isso que resolvemos casar, morar junto ou ter um namoro de longo prazo: para estar sempre com o cara dos nossos sonhos.

 

Muitos homens mudam totalmente depois que se sentem seguros em uma relação e isso acaba com qualquer mulher. A gente quer o príncipe encantado, afinal, beijar sapo pelo resto da vida ninguém merece!

 

Via Preliminares



publicado por olhar para o mundo às 21:58 | link do post | comentar

Quinta-feira, 01.03.12

Às vezes a mulher acha que fazer tudo na cama para satisfazer o parceiro é o bastante para mantê-lo ao seu lado eternamente. Grande engano!

 

Quando uma mulher se agride emocionalmente só para realizar as fantasias sexuais do parceiro, geralmente ela se torna triste, amarga e até com raiva dela mesma.

 

E com o passar do tempo, ela acaba perdendo o desejo sexual, e o ato se torna mecânico.

 

O bom relacionamento sexual, começa com a satisfação de ambos. Portanto, o primeiro passo para uma mulher ser boa de cama, é conhecer o que a satisfaz, suas fantasias, seus limites sexuais e também os do seu parceiro, e se respeitar muito. Ela deve se sentir confortável com o seu corpo independente do padrão de beleza imposto pela mídia. E também conhecer as fantasias sexuais do seu parceiro. E para chegar nesse ponto, é preciso conversar sobre o assunto.

 

Mas como entrar nesse assunto, pois para muitos casais ainda é um tema polêmico? Minha dica é a seguinte: Tudo deverá ser feito de uma maneira natural. Você pode comentar com ele sobre a matéria que saiu no jornal ou revista falando sobre o assunto, um programa de televisão que fale sobre o que te interessa.

 

Ao conversar com ele, perceba se você se sentiu à vontade, falando sobre o assunto. Se a resposta for positiva, já é um passo para você começar a realizar a fantasia em pauta. O mais importante é você realizar essa fantasia, da sua maneira. Toda vez que você recebe uma dica sobre o que fazer na cama, pergunte-se como você pode fazer aquilo, do seu jeito e aplicar no relacionamento de uma maneira natural e sem se agredir.

 

Para a mulher ser uma boa parceira sexual, ela deverá executar a fantasia sexual não só para agradar o parceiro e sim porque lhe faz bem e a excita. O que mexe com o homem não é fantasia em si, e sim como ela é executada pela mulher. É por isso que a mulher tem que curtir muito o que ela está fazendo.

 

Por isso, quando ele te pedir algo que você não está preparada, diga a ele com todo o seu jeitinho e doçura que você vai se preparar para o que ele está pedindo, mas no momento você não se sente à vontade para esse tipo de fantasia. Mas não precisa se sentir ofendida. Existem algumas mulheres que até se ofendem com os pedidos dos parceiros. Relaxe é só uma fantasia. Isso não significa que ele teve a intenção de magoá-la ou ofendê-la.

 

Portanto, só faça o que for bom para os dois. E quando fizer, faça do seu jeito, porque cada mulher é única, não se esqueça de colocar o seu toque, pois o poder está exatamente na sua maneira de ser. É o seu diferencial.

 

Lembre-se: O homem admira a mulher que se respeita e não a que ele cria. 

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:06 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Como é o sexo depois do c...

Juntos chegaremos lá - or...

Sexo, Coisas que você ode...

Falta desejo ao seu casam...

Slow sex: prazer sem pres...

Sexo Redes sociais e tra...

Acidentes na cama acontec...

Vida sexual na deficiênci...

sexo,Veja alimentos que a...

Homens veem mais chances ...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags



comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links


blogs SAPO
subscrever feeds