Domingo, 27.05.12
A grande maioria estava presente no festival por causa dos californianos Linkin ParkA grande maioria estava presente no festival por causa dos californianos Linkin Park (Foto: Patrícia de Melo Moreira/AFP)
Cerca de 83 mil pessoas passaram neste sábado pelo Rock in Rio, numa noite de nostalgia rock, onde os mais aguardados acabaram por ser os Linkin Park e Smashing Pumpkins.

A maior parte não vai ao Rock in Rio para ser surpreendido, em termos musicais, entenda-se. As marcas no terreno, essas sim, dão o máximo para serem criativas na forma como tentam seduzir as milhares de pessoas para os seus espaços, mas das bandas, a larga maioria, espera apenas que repliquem os êxitos de sempre e cumpram com o que anseiam, gerando um efeito de reconhecimento, principalmente quando falamos de grupos que tiveram sucesso em décadas passadas, como é o caso dos Linkin Park, Limp Bizkit, Offspring ou Smashing Pumpkins. 

Mas por vezes acontecem surpresas. Raramente, mas ocorrem. Foi no intervalo de meia hora entre o concerto dos Linkin Park e dos Smashing Pumpkins, quando muito público partiu em debandada depois de ver os primeiros, que aconteceu. Foi no espaço Vodafone, um lugar de passagem, que a coisa se deu. 

Em palco, quatro músicos na casa dos vinte anos, com ar de ianques (de Nova Iorque, diriam depois) que dão pela designação de Oberhofer. Não são a melhor banda do mundo, nem provavelmente a melhor lá do seu bairro, mas mesmo assim foram aquilo (nervo, irreverência, energia, espontaneidade) que quase não se viu ao longo de toda a noite. 

Em meia hora os Oberhofer mostraram que o rock está bem vivo, quando ligado organicamente ao pulsar da vida, no seu sentido mais urgente. Quando é apenas espectáculo pelo espectáculo, sucumbe. Ficam os tiques. As astúcias repetidas à exaustão. A quantidade – de som, de cenário, de canções que repetem a mesma receita – em vez da pulsão inevitável. Na segunda metade da década de 90, depois do efeito Nirvana, o rock cresceu para os lados, desligou-se da vida, tornou-se balofo. Sim, existem excepções. Mas são isso: excepções. 

O chamado nu-metal cresceu assim, mas foi tendo sempre muitos adeptos. Que o digam os Limp Bizkit, durante muitos anos porta-estandartes do género, há alguns anos algo esquecidos, mas que no Parque da Bela Vista mostraram que em Portugal ainda têm imensos partidários. O vocalista Fred Durst fez aquilo que se espera dele, puxou pela assistência e escalou duas torres de câmaras, enquanto o resto da função ficou a cargo, essencialmente, da guitarra ruidosa de Wes Borland, num início de noite de rock cuidadosamente encenado, algo inconsequente, mas ainda assim com muitos seguidores. 

Horas mais tarde, os Linkin Park repetiram a fórmula, mas ainda para mais seguidores. Das 83 mil pessoas presentes – números da organização – a grande maioria estava lá por causa dos californianos. E saíram satisfeitos, cantando em coro canções como In the endNumb,Given upCrawlingSomewhere i belong ou Breaking the habit, com o vocalista Chester Bennington a revelar-se o principal impulsionador de um grupo que apostou na exposição dos temas de maior sucesso do seu percurso. Do novo álbum Living Things, quase a ser editado, acabaram por tocar apenas dois temas. 

Mas ninguém se importou. A imponente assistência cantou, colocou os braços no ar sempre que solicitada do palco, puxou dos telemóveis e dos isqueiros nos momentos mais melosos e do corpo nas alturas mais enérgicas. Ou seja, a prescrição funcionou sem grande mácula. Mas também, valha a verdade, sem grande emoção. A não ser quando endereçaram uma curta homenagem aos Beastie Boys (Sabotage) ou quando Bennington desceu até ao público e empunhou um cachecol do F.C. Porto que lhe foi oferecido (sem saber, claro, o que estava a fazer) e acabou por ser, com gentileza é certo, assobiado. 

Antes já haviam tocado outros repetentes no Rock in Rio, os americanos The Offspring, praticantes de um punk-rock reciclado para grandes audiências, que é tudo aquilo que o punk nos idos anos 70 não queria ser: enfadonho e previsível. 

No palco secundário, não se pode dizer que tenham existido grandes rasgos de criatividade na apresentação conjunta dos portugueses Xutos & Pontapés e dos brasileiros Titãs, mas seja em que circunstância for existe sempre verdade e uma forma, ao mesmo tempo empenhada e descontraída de estar em palco, que acaba por conquistar. E foi isso que aconteceu com a ‘superbanda lusobrasileira’, com dez músicos em palco, a divertir-se e a contagiar quem assistia, tocando canções de uns e outros, trocando de papéis (o cantor dos Titãs a cantar À minha maneira, por exemplo) e colocando em acção canções catárticas como Não sou o único (Xutos) ou Porrada (Titãs). Do concerto dos Smashing Pumpkins não se sabia muito bem o que esperar. Em mais de que uma ocasião, Billy Corgan havia dito que mais este regresso do grupo ao activo não significava que iriam fazer render os hinos de sempre. Mas perante tamanha multidão, nem eles resistiram à tentação, optando por uma solução mista: concentrando-se no material do antigamente como ZeroTonight ou Today, misto de rock furioso e rock sonhador, em versões arriscadas de canções conhecidas (The end is the beginning is the end) e alguns temas que farão parte do novo álbum de originais,Oceânia

De todos os grupos que passaram pelo palco principal, os Smashing Pumpkins foram, apesar de tudo, os que mais arriscaram. Talvez por isso, em alguns momentos, a assistência tenha parecido algo dormente, mesmo quando foram tocadas, no final, versões como Space oddity (David Bowie) ou Black Diamond (Kiss). Não deve ser fácil um grupo como o de Billy Corgan automotivar-se, apresentando novas canções, e não desiludir quem espera ouvir as canções da sua adolescência. Mas, louve-se o gesto, os Smashing Pumpkins estão a tentar. 

Para lá da música, o Rock in Rio, também já não surpreende, com montanhas russas, rodas gigantes, ofertas de sofás insufláveis, enfim, uma Disneylândia no meio do rock, que atrai gente de todas as idades. Há no entanto uma excepção: a zona onde foi recriado o ambiente de Nova Orleães. E foi aí que aconteceu outra das surpresas musicais do festival. Às tantas, ao início da noite, nesse local, fez-se ouvir uma banda americana de clássicos do blues. Sim, era apenas uma banda competente de versões. Mas no meio do alarido, conseguiram criar um clima de algum intimismo. Um milagre na Bela Vista.

 

Noticia do Público



publicado por olhar para o mundo às 13:39 | link do post | comentar

Sexta-feira, 02.03.12
Os Smashing Pumpkins em Dezembro no Campo Pequeno, em Lisboa
Os Smashing Pumpkins em Dezembro no Campo Pequeno, em Lisboa (Rui Soares)

Smashing Pumpkins, Linkin Park, Offspring e Limp Bizkit são as novas confirmações para o Festival Rock in Rio, que se realiza no Parque da Bela Vista, Lisboa, entre 25 e 26 de Maio e 1 e 3 de Junho de 2012. As quatro bandas sobem ao palco principal do evento, a 26 de Maio.

 

É o regresso a Portugal dos Smashing Pumpkins, depois de em Dezembro terem passado pelo Campo Pequeno. Formados em 1988 na cidade de Chicago, a banda levou três anos a lançar o álbum de estreia “Gish”, que a crítica considerou como um dos discos mais influentes do “rock”. O segundo álbum, “Siamese Dream” (1993), ultrapassou os quatro milhões de exemplares vendidos, enquanto “Mellon Collie And The Infinite Sadness” (1995) passou os dez milhões. A banda trará a Portugal clássicos e algumas canções novas do álbum “Oceânia”.

Também de regresso, e em especial ao Rock in Rio, onde actuaram em 2008, estão os norte-americanos Linkin Park e Offspring. 

Com álbum novo desde então, “A Thousand Suns”, editado em 2010, os Linkin Park trazem a Lisboa temas como “What I've Done”, “Somewhere I Belong”, “Numb”, “Crawling” e “In the End”.

Já os Offspring, que se preparam para lançar um novo trabalho este ano, poderão dar a conhecer ao público português alguns temas novos, mas êxitos como “Pretty Fly (For a White Guy)”, “Why Don’t You Get a Job?” ou “Original Prankster” não serão esquecidos. 

Êxitos também não faltam aos Limp Bizkit, banda liderada por Fred Durst e que já vendeu mais de 33 milhões de discos em todo o mundo. “Nookie”, “My Generation”, “Rollin” e “My Way” são algumas das canções que poderão ser ouvidas no Parque da Bela Vista. 

No mesmo fim-de-semana, (dia 25) já estão confirmados os Metallica, Evanescence, Mastodon, Sepultura e Tambours Du Bronx. No dia 1 de Junho sobem ao palco Lenny Kravitz, Maroon 5, Ivete Sangalo e Expensive Soul, ao passo que no dia 3 actuam os Xutos & Pontapés, James e Bruce Springsteen & The Street Band. Para 2 de Junho ainda não existem confirmações.

Os bilhetes para cada dia custam 61 euros e podem ser comprados na FNAC, em 69 sucursais do Millennium bcp, nos postos de abastecimento da BP (30 euros + 1500 pontos BP Premium) e no site oficial do festival.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 17:03 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Linkin Park e Pumpkins na...

Smashing Pumpkins, Linkin...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags



comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links


blogs SAPO
subscrever feeds