Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011
"CARTA ABERTA AO SENHOR PRIMEIRO MINISTRO
por Myriam Zaluar a Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011 às 12:35"


"Exmo Senhor Primeiro Ministro


Começo por me apresentar, uma vez que estou certa que nunca ouviu falar de mim. Chamo-me Myriam. Myriam Zaluar é o meu nome "de guerra". Basilio é o apelido pelo qual me conhecem os meus amigos mais antigos e também os que, não sendo amigos, se lembram de mim em anos mais recuados.
Nasci em França, porque o meu pai teve de deixar o seu país aos 20 e poucos anos. Fê-lo porque se recusou a combater numa guerra contra a qual se erguia. Fê-lo porque se recusou a continuar num país onde não havia liberdade de dizer, de fazer, de pensar, de crescer. Estou feliz por o meu pai ter emigrado, porque se não o tivesse feito, eu não estaria aqui. Nasci em França, porque a minha mãe teve de deixar o seu país aos 19 anos. Fê-lo porque não tinha hipóteses de estudar e desenvolver o seu potencial no país onde nasceu. Foi para França estudar e trabalhar e estou feliz por tê-lo feito, pois se assim não fosse eu não estaria aqui. Estou feliz por os meus pais terem emigrado, caso contrário nunca se teriam conhecido e eu não estaria aqui. Não tenho porém a ingenuidade de pensar que foi fácil para eles sair do país onde nasceram. Durante anos o meu pai não pôde entrar no seu país, pois se o fizesse seria preso. A minha mãe não pôde despedir-se de pessoas que amava porque viveu sempre longe delas. Mais tarde, o 25 de Abril abriu as portas ao regresso do meu pai e viemos todos para o país que era o dele e que passou a ser o nosso. Viemos para viver, sonhar e crescer.
Cresci. Na escola, distingui-me dos demais. Fui rebelde e nem sempre uma menina exemplar mas entrei na faculdade com 17 anos e com a melhor média daquele ano: 17,6. Naquela altura, só havia três cursos em Portugal onde era mais dificil entrar do que no meu. Não quero com isto dizer que era uma super-estudante, longe disso. Baldei-me a algumas aulas, deixei cadeiras para trás, saí, curti, namorei, vivi intensamente, mas mesmo assim licenciei-me com 23 anos. Durante a licenciatura dei explicações, fiz traduções, escrevi textos para rádio, coleccionei estágios, desperdicei algumas oportunidades, aproveitei outras, aprendi muito, esqueci-me de muito do que tinha aprendido.
Cresci. Conquistei o meu primeiro emprego sozinha. Trabalhei. Ganhei a vida. Despedi-me. Conquistei outro emprego, mais uma vez sem ajudas. Trabalhei mais. Saí de casa dos meus pais. Paguei o meu primeiro carro, a minha primeira viagem, a minha primeira renda. Fiquei efectiva. Tornei-me personna non grata no meu local de trabalho. "És provavelmente aquela que melhor escreve e que mais produz aqui dentro." - disseram-me - "Mas tenho de te mandar embora porque te ris demasiado alto na redacção". Fiquei.
Aos 27 anos conheci a prateleira. Tive o meu primeiro filho. Aos 28 anos conheci o desemprego. "Não há-de ser nada, pensei. Sou jovem, tenho um bom curriculo, arranjarei trabalho num instante". Não arranjei. Aos 29 anos conheci a precariedade. Desde então nunca deixei de trabalhar mas nunca mais conheci outra coisa que não fosse a precariedade. Aos 37 anos, idade com que o senhor se licenciou, tinha eu dois filhos, 15 anos de licenciatura, 15 de carteira profissional de jornalista e carreira 'congelada'. Tinha também 18 anos de experiência profissional como jornalista, tradutora e professora, vários cursos, um CAP caducado, domínio total de três línguas, duas das quais como "nativa". Tinha como ordenado 'fixo' 485 euros x 7 meses por ano. Tinha iniciado um mestrado que tive depois de suspender pois foi preciso escolher entre trabalhar para pagar as contas ou para completar o curso. O meu dia, senhor primeiro ministro, só tinha 24 horas...
Cresci mais. Aos 38 anos conheci o mobbying. Conheci as insónias noites a fio. Conheci o medo do amanhã. Conheci, pela vigésima vez, a passagem de bestial a besta. Conheci o desespero. Conheci - felizmente! - também outras pessoas que partilhavam comigo a revolta. Percebi que não estava só. Percebi que a culpa não era minha. Cresci. Conheci-me melhor. Percebi que tinha valor.
Senhor primeiro-ministro, vou poupá-lo a mais pormenores sobre a minha vida. Tenho a dizer-lhe o seguinte: faço hoje 42 anos. Sou doutoranda e investigadora da Universidade do Minho. Os meus pais, que deviam estar a reformar-se, depois de uma vida dedicada à investigação, ao ensino, ao crescimento deste país e das suas filhas e netos, os meus pais, que deviam estar a comprar uma casinha na praia para conhecerem algum descanso e descontracção, continuam a trabalhar e estão a assegurar aos meus filhos aquilo que eu não posso. Material escolar. Roupa. Sapatos. Dinheiro de bolso. Lazeres. Actividades extra-escolares. Quanto a mim, tenho actualmente como ordenado fixo 405 euros X 7 meses por ano. Sim, leu bem, senhor primeiro-ministro. A universidade na qual lecciono há 16 anos conseguiu mais uma vez reduzir-me o ordenado. Todo o trabalho que arranjo é extra e a recibos verdes. Não sou independente, senhor primeiro ministro. Sempre que tenho extras tenho de contar com apoios familiares para que os meus filhos não fiquem sozinhos em casa. Tenho uma dívida de mais de cinco anos à Segurança Social que, por sua vez, deveria ter fornecido um dossier ao Tribunal de Família e Menores há mais de três a fim que os meus filhos possam receber a pensão de alimentos a que têm direito pois sou mãe solteira. Até hoje, não o fez.
Tenho a dizer-lhe o seguinte, senhor primeiro-ministro: nunca fui administradora de coisa nenhuma e o salário mais elevado que auferi até hoje não chegava aos mil euros. Isto foi ainda no tempo dos escudos, na altura em que eu enchia o depósito do meu renault clio com cinco contos e ia jantar fora e acampar todos os fins-de-semana. Talvez isso fosse viver acima das minhas possibilidades. Talvez as duas viagens que fiz a Cabo-Verde e ao Brasil e que paguei com o dinheiro que ganhei com o meu trabalho tivessem sido luxos. Talvez o carro de 12 anos que conduzo e que me custou 2 mil euros a pronto pagamento seja um excesso, mas sabe, senhor primeiro-ministro, por mais que faça e refaça as contas, e por mais que a gasolina teime em aumentar, continua a sair-me mais em conta andar neste carro do que de transportes públicos. Talvez a casa que comprei e que devo ao banco tenha sido uma inconsciência mas na altura saía mais barato do que arrendar uma, sabe, senhor primeiro-ministro. Mesmo assim nunca me passou pela cabeça emigrar...
Mas hoje, senhor primeiro-ministro, hoje passa. Hoje faço 42 anos e tenho a dizer-lhe o seguinte, senhor primeiro-ministro: Tenho mais habilitações literárias que o senhor. Tenho mais experiência profissional que o senhor. Escrevo e falo português melhor do que o senhor. Falo inglês melhor que o senhor. Francês então nem se fale. Não falo alemão mas duvido que o senhor fale e também não vejo, sinceramente, a utilidade de saber tal língua. Em compensação falo castelhano melhor do que o senhor. Mas como o senhor é o primeiro-ministro e dá tão bons conselhos aos seus governados, quero pedir-lhe um conselho, apesar de não ter votado em si. Agora que penso emigrar, que me aconselha a fazer em relação aos meus dois filhos, que nasceram em Portugal e têm cá todas as suas referências? Devo arrancá-los do seu país, separá-los da família, dos amigos, de tudo aquilo que conhecem e amam? E, já agora, que lhes devo dizer? Que devo responder ao meu filho de 14 anos quando me pergunta que caminho seguir nos estudos? Que vale a pena seguir os seus interesses e aptidões, como os meus pais me disseram a mim? Ou que mais vale enveredar já por outra via (já agora diga-me qual, senhor primeiro-ministro) para que não se torne também ele um excedentário no seu próprio país? Ou, ainda, que venha comigo para Angola ou para o Brasil por que ali será com certeza muito mais valorizado e feliz do que no seu país, um país que deveria dar-lhe as melhores condições para crescer pois ele é um dos seus melhores - e cada vez mais raros - valores: um ser humano em formação.
Bom, esta carta que, estou praticamente certa, o senhor não irá ler já vai longa. Quero apenas dizer-lhe o seguinte, senhor primeiro-ministro: aos 42 anos já dei muito mais a este país do que o senhor. Já trabalhei mais, esforcei-me mais, lutei mais e não tenho qualquer dúvida de que sofri muito mais. Ganhei, claro, infinitamente menos. Para ser mais exacta o meu IRS do ano passado foi de 4 mil euros. Sim, leu bem, senhor primeiro-ministro. No ano passado ganhei 4 mil euros. Deve ser das minhas baixas qualificações. Da minha preguiça. Da minha incapacidade. Do meu excedentarismo. Portanto, é o seguinte, senhor primeiro-ministro: emigre você, senhor primeiro-ministro. E leve consigo os seus ministros. O da mota. O da fala lenta. O que veio do estrangeiro. E o resto da maralha. Leve-os, senhor primeiro-ministro, para longe. Olhe, leve-os para o Deserto do Sahara. Pode ser que os outros dois aprendam alguma coisa sobre acordos de pesca.
Com o mais elevado desprezo e desconsideração, desejo-lhe, ainda assim, feliz natal OU feliz ano novo à sua escolha, senhor primeiro-ministro
e como eu sou aqui sem dúvida o elo mais fraco, adeus
Myriam Zaluar, 19/12/2011"


publicado por olhar para o mundo às 09:37 | link do post | comentar


Dar ordens a aparelhos electrónicos com o pensamento pode ser uma realidade nos próximos anos
Dar ordens a aparelhos electrónicos com o pensamento pode ser uma realidade nos próximos anos (Foto: Megan Lewis/Reuters)
Imagine um mundo em que basta pensar num número de telefone para que o nosso telemóvel faça a chamada e que não seja necessário perder tempo a criar uma password de que ninguém se lembra quando é preciso. Para os especialistas da IBM, a tecnologia que nos tornará ainda mais ligados às máquinas e, por outros motivos, mais ligados uns aos outros, vai registar grandes avanços nos próximos cinco anos.

As cinco previsões da empresa tecnológica norte-americana para os próximos cinco anos – o IBM Five in Five, que já vai na sexta edição – põem-nos a gerar energia enquanto andamos de bicicleta, a dar ordens aos computadores com o poder da nossa mente, a usar as nossas características físicas para levantar dinheiro nas caixas Multibanco, encurtam as diferenças de acesso à tecnologia entre os mais ricos e os mais pobres e transformam o spam em informação prioritária.

Mas vamos por partes.

É um dado adquirido que tudo o que se move ou produz calor pode gerar energia. O que a IBM acredita é que, até 2016, os avanços na área das energias renováveis vão tornar comum, por exemplo, o uso de pequenos aparelhos nas rodas das bicicletas para recarregar pilhas ou baterias, que depois podem ser usadas em casa. Não é que ainda não seja possível, mas neste caso a mudança será mais a nível cultural – a IBM acredita que, nos próximos cinco anos, a ideia de que nós podemos gerar a nossa própria energia vai enraizar-se. Por outras palavras, será comum sair de casa para comprar pão e regressar com energia suficiente para usar a máquina de barbear.

Outra das previsões da IBM aponta baterias contra as passwords. Não só as que criamos para ler o correio electrónico mas também as várias combinações de letras e números de que precisamos para levantar dinheiro, por exemplo. A resposta está nos dados biométricos – as nossas características faciais, a nossa voz ou os nossos olhos –, que serão cada vez mais usados para comunicarmos com as máquinas. A ideia é que todos esses dados biométricos, que são diferentes de pessoa para pessoa, serão integrados através desoftware numa espécie de password genética online, que mais ninguém conseguirá identificar. Por razões de segurança, esta password genética só incluirá os dados que o utilizador quiser.

Pensar é agir

Uma das áreas mais fascinantes das previsões da IBM para os próximos cinco anos é a leitura da mente. Os investigadores da empresa não acreditam que até 2016 será possível rejeitar uma chamada do patrão só com o pensamento, mas apostam que vamos começar a ver aplicações práticas dos conhecimentos actuais na indústria do entretenimento, mais especificamente nos jogos de vídeo.

Os investigadores na área da bioinformática já fazem experiências há algum tempo com capacetes e sensores que conseguem ler a actividade cerebral e reconhecer expressões faciais, níveis de concentração e até pensamentos sem que as pessoas tenham de mexer um dedo. Segundo o comunicado da IBM, os seus próprios investigadores estão a estudar formas de ligar os nossos cérebros a aparelhos electrónicos, para que um dia seja possível fazer uma chamada telefónica ou mover o cursor de um rato apenas com o poder da mente.

Para quem acha que não vale a pena tanto trabalho só para podermos falar mais comodamente ao telemóvel, a IBM salienta que esta tecnologia terá também implicações na medicina – no estudo e compreensão de várias doenças que afectam o cérebro, como o autismo.

Encurtar o fosso tecnológico entre ricos e pobres

Apesar do ar de ficção científica de algumas das previsões da IBM para os próximos cinco anos, a mais arriscada de todas não envolve mudanças tecnológicas. É que, segundo os investigadores da empresa norte-americana, 80 por cento da população mundial – ou 5600 milhões de pessoas – terá um telemóvel até 2016, o que irá eliminar o fosso tecnológico entre ricos e pobres.

"É mais barato ter um telemóvel do que abrir uma conta num banco ou comprar um computador portátil", ouve-se num vídeo produzido pela IBM e publicado no YouTube. Fica por explicar como é que muitas das quase três mil milhões de pessoas que vivem em todo o mundo com menos de dois dólares por dia, segundo dados das Nações Unidas, vão poder comprar um telemóvel até 2016, mesmo que seja mais barato do que abrir uma conta ou comprar um computador portátil.A última previsão da IBM é uma espécie de "se não podes vencê-lo, junta-te a ele". Ao contrário da famosa previsão de Bill Gates, que em 2004 decretou o fim do spam em dois anos – com o sucesso que todos nós constatamos ainda hoje sempre que consultamos o email –, a IBM diz-nos que o correio electrónico indesejado não só não desaparecerá, como será transformado numa prioridade. Como? Nos próximos cinco anos, os sistemas serão capazes de filtrar toda a informação disponível e de nos mostrar apenas aquela que nos interessa, mesmo sem a termos solicitado.

 

Via Publico



publicado por olhar para o mundo às 08:24 | link do post | comentar

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011

"Mistérios de Lisboa" continua em destaque no panorama internacional

"Mistérios de Lisboa" continua em destaque no panorama internacional (DR)
O filme “Mistérios de Lisboa”, adaptação do romance de Camilo Castelo Branco feita pelo chileno Raul Ruiz, que morreu em Agosto, continua a destacar-se entre a imprensa e a crítica estrangeira. Depois de na semana passada ter sido premiado com o galardão de melhor filme estrangeiro para a crítica canadiana, o filme repetiu a mesma proeza e foi distinguido na mesma categoria, na edição deste ano dos Golden Satellite Awards, atribuídos pela International Press Academy.

O filme, que se estreou em Portugal no final do ano passado, estava ainda nomeado nas categorias de melhor direcção artística e melhor guarda-roupa, responsabilidade da directora de arte Isabel Branco.

Na corrida ao galardão de melhor filme estrangeiro, “Mistérios de Lisboa” concorria com filmes como “Faust”, de Aleksandr Sukorov (Leão de Ouro 2011), “O Miúdo da Bicicleta”, dos irmãos Dardenne (Grande Prémio do Júri em Cannes 2011) ou “Uma Separação”, de Asghar Farhadi (Urso de Ouro 2011).

A adaptação da obra oitocentista, com argumento de Carlos Saboga e produzida por Paulo Branco, retrata a história de Pedro da Silva (João Baptista), um órfão de um colégio interno que, através do padre Dinis (Adriano Luz), descobre a identidade da mãe, a condessa Ângela de Lima (Maria João Bastos).

O filme, que já se estreou em França, EUA, Inglaterra, Espanha, Taiwan, Suiçae Bélgica, já conquistou a Concha de Prata de Melhor Realizador no Festival de San Sebastián, o prestigiado Prémio Louis Delluc, o Prémio da Crítica no Festival de Cinema de São Paulo, e foi ainda nomeado para o Prémio Lux do Parlamento Europeu. No próximo ano chegará aos cinemas do Japão e do México.

O grande vencedor dos Golden Satellite Awards foi “The Descendants”, de Alexander Payne, protagonizado George Clooney, que representa um pai que tenta reatar a ligação com as duas filhas. O filme foi considerado o melhor do ano e venceu ainda na categoria de melhor argumento adaptado. 

Nicolas Winding Refn foi distinguido com o prémio de melhor realizador por “Drive - Risco Duplo”, filme no qual se destacou Ryan Gosling, escolhido como o melhor actor. Viola Davis foi considerada a melhor actriz pelo seu papel em “As Serviçais”. “As Aventuras de Tintin” venceu na categoria de melhor filme de animação e “Senna”, que conta a história do piloto de Fórmula 1 Ayrton Senna, foi considerado o melhor documentário.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 17:09 | link do post | comentar


36 horas de animação Non-Stop, ao acesso e todos

das 9h das manhã de sábado (31 de Dezembro) às 21h de Domingo (1 de Janeiro)
Logo de manhã - 9 horas - e até à meia-noite... em todo o lado
  • O ardina do troiaresort com pregões de outrora;
  • Quer tirar uma fotografia, com um fotógrafo excêntrico?
    Poderá fazer a moldura (ou peça às crianças…), da sua fotografia, com a Equipa do Posto de Turismo;
  • Escreva a quem mais gosta. Procure o nosso carteiro. Nós assumimos o correio (azul, claro!);
  • Um carrinho e um vendedor de castanhas;
  • Nesta quadra natalícia não poderia faltar a lenha … Um vendedor andará por aí;
  • De vez em quando, vai ver o Patas a passear e a pousar para fotografias!
10h às 13h e das 15h às 18h, o Pai Natal azul na troiamarina
  • No troiaresort o nosso Pai Natal é azul (da cor do mar!) e tem um trono marinho puxado por golfinhos (a rena Rodolfo deu lugar ao Golfinho Delfim!).
11h às 18h, Atelier Story Tailors, townhouse
  • Visite o atelier dos Story Tailors
12h, aula de ginástica, sala do troiario no Aqualuz Suite Hotel Apartamentos
  • Aula de ginástica – uma hora - com a equipa do Solinca, na Sala do troiario do Hotel Aqualuz
15h, Ruínas Romanas de Tróia:
  • Visita guiada
    Integradas no complexo turístico troiaresort, as Ruínas Romanas de Tróia, com dois mil anos de história, são o maior complexo de produção de salgas de peixe conhecido no mundo romano.
    Estão abertas da parte da tarde com visitas guiadas, às 15h.
    • Bilhete normal = 7,50€
    • Clientes troiaresort = 5€
    • Visitantes até aos 14 anos = gratuito
16h, Exposição (inauguração aberta) de fotografia de Tiago Garcia foyer troiario no Aqualuz Suite Hotel Apartamentos
    • Inauguração da exposição de fotografia de Tiago Garcia, no foyer do Aqualuz:
      As 20 fotografias expostas, de uma forma muito curiosa são iluminadas pela luz da torre troiario.
      A venda de 2 dessas imagens reverterão para o Centro Comunitário du Bocage e para o Centro Comunitário do Lousal Será servido um porto de honra a todos os presentes
17h, Cânticos de Natal, na troiamarina
  • Muitos cânticos de Natal, na troiamarina
Logo de manhã - 9 horas - e até 21 horas... em todo o lado
  • As animações de sábado repetem-se todas no mesmo horário e locais
10h às 13h e das 15h às 18h.
Pai Natal na troiamarina
Exposição de fotografia
  • No troiaresort o nosso Pai Natal é azul (da cor do mar!)
  • Exposição de fotografia de Tiago Garcia, no foyer do Aqualuz troiario
11h às 18h, Atelier Story Tailors, townhouse
  • Visite o atelier dos Story Tailors
15h, Aula de ginástica , sala do troiario no Aqualuz Suite Hotel Apartamentos
  • Aula de ginástica – uma hora - com a equipa do Solinca, na Sala do troiario do Hotel Aqualuz

Vamos cantar as Janeiras, na troiamarina
16h, Peddy Paper
  • Peddy paper de Ano Novo "em busca do Pernilongo Patas"
    Local de encontro – Posto de Turismo
17h, Nuno Markl e Patrícia Furtado, no troiagolf
  • Nuno Markl e Patrícia Furtado em uma hora do conto no troiagolf vão ler Sebastião Regressa a Casa e assinar a 
    Caderneta de Cromos Contra-Ataca.
18h no troiagolf
  • Peça de teatro - O Guardião do Mundo Encantado de Os Trupilariante Companhia de Teatro Circo
20h
  • Os Duendes de 2012, na troiamarina


publicado por olhar para o mundo às 09:36 | link do post | comentar


Stonehenge é um dos locais arqueológicos mais importantes da Europa
Stonehenge é um dos locais arqueológicos mais importantes da Europa (Ian Wilde/Reuters (arquivo))
A origem de parte das pedras que constituem o círculo mais interno do monumento de Stonehenge, em Inglaterra, foi confirmada. As rochas são provenientes de um afloramento rochoso no norte do condado de Pembrokshire, situado na costa do País de Gales.

Uma das maiores questões dos arqueólogos sobre o monumento megalítico situado no centro de Inglaterra é a origem das rochas e o seu transporte. A construção de Stonehenge iniciou-se 3000 a.C. e continuou por mais 1400 anos e o monumento tem cerca de 150 pedras, com algumas a pesar 50 toneladas. 

Os investigadores da Universidade de Leicester e do Museu Nacional de Gales estudaram a mineralogia de um tipo de rochas que constituem o círculo central do monumento para determinar o local da sua origem. Os estudos feitos até agora referiam que estas rochas pertenciam a Pembrokshire. 

Richard Bevins e Rob Ixer foram mais longe e confirmaram que as pedras fazem parte de um afloramento rochoso granítico chamado Craig Rhos-y-felin, que fica perto de Pont Saeson, no Norte do condado de Gales. 

Para isso compararam a mineralogia de várias rochas do condado com as do monumento. Fizeram isso através de uma técnica chamada de petrografia que analisa os minerais e compara as relações de textura que podem ser observadas numa dada rocha. 

Ao longo de nove meses os cientistas estudaram as rochas chamadas de bluestonessituadas no círculo mais interno do monumento. As bluestones são um termo genérico que se refere às pedras que são originárias de outro local e foram trazidas para ali. Engloba 20 tipos de rochas diferentes. 

Os cientistas associaram a origem de 99% das amostras de bluestones a este afloramento granítico em particular. Foi possível determinar ainda quais os locais de origem de certas rochas dentro do próprio afloramento, numa escala de metros a dezenas de metros. Para Rob Ixer a descoberta foi “bastante inesperada e excitante”, disse, citado pela BBC News. O investigador espera ainda vir a descobrir a origem de todas as bluestones

O que continua por se confirmar é a forma como as pessoas daquela altura transportaram estas rochas ao longo de mais de 200 quilómetros. Uma das hipóteses é que o transporte tenha sido feito pelos rios. “Graças à investigação geológica, conhecemos agora uma fonte específica das rochas graníticas, o que é uma oportunidade para os arqueólogos responderem a esta questão que tem sido largamente debatida”, disse Richard Bevins citado pela BBC News.

Pensa-se que os povos neolíticos que ali viviam olhavam para o monumento como um local mágico e de cura. Hoje ele é um dos pontos arqueológicos mais importantes da Europa e um local muito visitado pelos turistas.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:06 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011

O prazer faz bem à saúde

 

O prazer sexual traz muitos mais benefícios além da intimidade com o parceiro. De acordo com a reportagem da revistaCosmopolitan espanhola, diversos especialistas já ligam o orgasmo com a saúde e bom funcionamento do organismo.

 

Por exemplo, sabe-se que ter orgasmos ajuda a ter uma vida longa, aumenta a imunidade da pessoa, melhora a saúde reprodutiva e ajuda a controlar dores no corpo. Mais: ápice do prazer ainda ajuda a controlar o estresse do dia a dia. Prova disso é que um estudo recente mostrou que 39% das mulheres se masturbam para relaxar. Isso acontece porque o corpo libera oxitocina durante o orgasmo, uma substância que aumenta a sensação de bem-estar.

 

Para atingir o orgasmo, no entanto, ter intimidade com o parceiro e estar bem com o próprio corpo são fatores fundamentais. A revista ainda ressalta que o prazer pode, sim, ser atingido com a prática do sexo seguro ¿ embora alguns homens reclamem que a camisinha pode incomodar, estar segura é um dos fatores que deixa a mulher mais relaxada e mais próxima do orgasmo.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar

Mike Love, num concerto dos Beach Boys no Coliseu dos Recreios, em 2005

Mike Love, num concerto dos Beach Boys no Coliseu dos Recreios, em 2005 (Miguel Madeira)

A notícia era esperada já desde o Verão de 2010, quando o guitarrista Al Jardine anunciou a reunião do grupo. Agora é oficial: os Beach Boys vão mesmo regressar em 2012, ano em que celebram o 50º aniversário da edição do seu primeiro álbum, Surfin’ Safari (1962).

A novidade foi confirmada, na passada sexta-feira, na página oficial da banda californiana, que não só anuncia o reencontro de Brian Wilson, Mike Love, Alk Jardine, Bruce Johnston e David Marks, quinze anos depois do último álbum em estúdio, Stars and Stripes (1996), como desvenda o programa do regresso dos criadores de Good vibrations: um novo álbum de estúdio com temas inéditos, com edição prevista para o mês de Abril; o lançamento, através do catálogo da Capital EMI, de uma nova colectânea com os principais êxitos da banda; e uma digressão mundial com 50 concertos, a começar no mesmo mês de Abril, no New Orleans Jazz & Heritage Festival. 

“Este aniversário, sinto-o de uma forma muito especial, porque já tenho saudades dos meus companheiros, e vai ser um desafio muito interessante regressar com eles ao estúdio e aos palcos”, comenta Brian Wilson, 69 anos, o músico fundador da banda na cidade de Hawthorne. Alan Jardine, outro dos membros fundadores, invoca os mesmos argumentos para manifestar a sua felicidade pelo regresso aos palcos. É caso para dizer, o Verão de 2012 promete começar mais cedo.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 17:38 | link do post | comentar

Estatuto do Aluno está em revisão e poderá incluir punições aos paisEstatuto do Aluno está em revisão e poderá incluir punições aos pais (Raquel Esperança)
A partir do próximo ano lectivo, os pais dos alunos indisciplinados ou com faltas em excesso passarão a ser responsabilizados pelo comportamento dos filhos na escola.

Esta é uma das principais alterações que o Governo e os grupos parlamentares do PSD e do CDS pretendem introduzir ao Estatuto do Aluno, cuja revisão está a ser preparada pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC). A medida conta com o aval dos directores de escolas.

O MEC sustenta que "não é possível agora adiantar pormenores sobre o sentido das alterações" que estão a ser preparadas. No mês passado, o secretário de Estado da Educação, João Casanova de Almeida, que é responsável por este processo, defendeu a responsabilização dos pais e indicou que o ministério pretende concluir a revisão antes da Primavera, de modo a que novo Estatuto do Aluno possa entrar em vigor já no próximo ano lectivo.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:35 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 18 de Dezembro de 2011

Viciadas em sexo

Homens estão mais ligados ao sexo por razões óbvias. Desde sempre, eles foram criados para ter relações sexuais a fim de procriar e perpetuar a espécie.

Aqueles que buscam a prática em dose exagerada podem ter esse comportamento associado à compulsão. Embora muita gente não acredite, as mulheres também fazem parte desse grupo, só que em menor quantidade. Pelo menos é a constatação do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes (Proard) da Unifesp. "Podemos dizer que mais de 90% dos pacientes são do sexo masculino. Em uma pequena amostragem constatamos que há 1 mulher para 15 homens", atesta o psiquiatra Aderbal Vieira Jr. Responsável pelo ambulatório de dependentes não químicos e sexo patológico, o psicoterapeuta acredita que seja possível ter mais mulheres por aí que sofram com a compulsão, mas muitas além de não saberem ao certo se são dependentes também não buscam ajuda com medo do preconceito. "As pessoas até entendem se isso acontece com um homem, porém com elas é diferente", aponta o psiquiatra.


Em busca de saciar o vício, homens ou mulheres acabam comprometendo seus relacionamentos, pois vão em busca de vários parceiros ao mesmo tempo, amantes e relações extraconjugais. Além de se expor intimamente e não saber escolher os seus companheiros, mulheres correm o risco do sexo sem proteção e, principalmente, de serem agredidas.


Conforme o psiquiatra, não é somente a prática do sexo em si que pode prejudicar mulheres compulsivas. Fantasias sexuais freqüentes ou mesmo a masturbação excessiva são responsáveis por comprometer a rotina de muitas delas. "Após a prática, elas até se arrependem. Como os dependentes de álcool, por exemplo, há sim o prazer para saciar aquela vontade", acrescenta Aderbal que dos poucos casos que atendeu ele cita uma paciente que não buscava casas de Swing, mas começou a freqüentá-las por conta da dependência. "Já outra tinha seis amantes ao mesmo tempo e, claro, não conseguia administrar isso", conta.


Assim como todo transtorno, não há cura. Segundo o psiquiatra é preciso que o comportamento seja mudado e adequado com o estilo de vida de cada um. "Mais ainda. É necessário entender o quanto ele é prejudicial para que o paciente possa viver tranquilamente. Geralmente usamos a psicoterapia cognitivo-comportamental para depois partir para os medicamentos", diz.


Esses são usados em dois casos, quando o paciente precisa de algo mais potente para se controlar antes de começar o tratamento psiquiátrico, ou quando o comportamento compulsivo está associado com ansiedade ou medo.


"Dessa forma tratamos primeiro esses transtornos para que ele esteja preparado para o tratamento da compulsão sexual", explica. Geralmente, a terapia é prolongada e exige muito do paciente, por isso Aderbal afirma que muitos conseguem superar o comportamento, outros controlá-lo, e há também aqueles que não se recuperaram e abandonam o programa. Outra questão citada pelo psiquiatra é que não existem muitos especialistas nessa área no Brasil.


Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 22:31 | link do post | comentar

Dois restaurantes já fecharam e 25 trabalhadores foram dispensadosDois restaurantes já fecharam e 25 trabalhadores foram dispensados (Miguel Madeira)

Ninguém sabe muito bem como, nem porquê. Mas a verdade é que, no espaço de um mês, o Aya, um ícone da cozinha japonesa em Portugal, fechou dois restaurantes, foi alvo de um arresto de bens e pediu a insolvência, junto do Tribunal do Comércio de Lisboa. A morte precoce do seu criador, o chef Takashi Yoshitake, e as dívidas acumuladas com a expansão do negócio parecem ser o denominador comum de mais um caso que reflecte a crise do sector.

No espaço que o Aya ocupava, desde 2003, no centro da capital, restam agora folhas de papel que cobrem, de alto a baixo, o vidro exterior do restaurante. Não deixam perceber o que sobrou do arresto de bens movido na passada sexta-feira, por um dos fornecedores da empresa, que reclama dívidas de praticamente 300 mil euros. Pelo que se conta por ali, levaram praticamente tudo: mesas, cadeiras e até cinzeiros.

Esta terá sido a segunda fase de um processo que se precipitou, apanhando clientes e trabalhadores de surpresa. Já há um mês, o Aya de Carnaxide, um restaurante inaugurado há cerca de três anos, tinha fechado. Terá sido, aliás, este projecto que fez tremer as contas da empresa. O investimento financeiro que implicou demorava a ter retorno, acusando falta de clientes e custos superiores às receitas.

Foi a empresa contratada para remodelar e equipar este espaço, a Engitagus, que moveu o arresto de bens que acabou por ditar o fecho do segundo restaurante, nas galerias comerciais Twin Towers, em Campolide. O PÚBLICO tentou contactar a empresa, mas sem sucesso. No entanto, esta interpôs uma acção de execução contra o Aya, no início de Novembro, por causa de uma dívida de 289 mil euros, que estava a ser negociada entre as partes.

Este não é, porém, a único pagamento em atraso por parte da empresa fundada, em 1992, por Takashi Yoshitake. Há pelo menos quatro credores da banca: Montepio Geral, Banif, Finibanco e ainda BPI. No conjunto, estas instituições financeiras moveram acções de execução num valor superior a 76 mil euros.

Face ao acumular de dívidas, à pressão dos credores e ao fecho de dois restaurantes, o Aya viu-se obrigado a apresentar-se à insolvência. Na segunda-feira, entrou no Tribunal do Comércio um pedido de falência judicial, requerido pela própria empresa. Este processo tanto poderá resultar no encerramento ou na recuperação do negócio, caso se chegue à conclusão de que ainda existe uma margem de viabilização financeira.

Sem dinheiro e sem mestre

Apesar da sucessão de episódios que arrastaram o Aya para a insolvência, as contas da empresa não reflectem a instabilidade actual. Um relatório a que o PÚBLICO teve acesso mostra que, em 2009, as vendas subiram, ainda que marginalmente, alcançando perto de 1,6 milhões de euros. E, nesse ano, houve um lucro de 13.600 euros - mais três mil euros do que em 2008. Até mesmo o passivo diminuiu, assim como os custos com pessoal, que passaram de 400 para perto de 300 mil euros.

Mas, no terreno, a realidade é outra. Ficou apenas aberto um terceiro restaurante mais pequeno, o Bistrôt, também localizado nas Twin Towers. Já terão sido dispensados perto de 25 trabalhadores e alguns dos que ficaram têm os salários em atraso. O PÚBLICO tentou contactar a actual dona do Aya, Megumi Yoshitake (esposa do chef que fundou a cadeia), mas tal não foi possível.

A morte precoce do mestre do Aya é apontada como uma das razões para as dificuldades que o negócio atravessa. Takashi Yoshitake, que abriu o primeiro restaurante em Portugal num primeiro andar de um prédio em Lisboa, morreu repentinamente em 2009, aos 56 anos. Espera-se, agora, que a sua "escola" seja continuada pelos discípulos que deixou.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 11:09 | link do post | comentar

Nova obra de Banksy critica escândalos sexuais da Igreja
O artista de graffitis mais conhecido do mundo nunca perde uma oportunidade para dar nas vistas com obras de arte satíricas, humorísticas e sempre controversas. Este Natal não foi excepção. O mais recente 'presente' de Banksy consiste no busto de um padre com o rosto 'pixelizado', numa clara provocação aos escândalos de abusos sexuais que envolveram a igreja católica.

O seu nome é Cardinal Sin (Cardeal Pecado), mas só através dos seus adereços e vestiário se entende que se trata de facto de uma qualquer personalidade da igreja católica. Quem, é impossível de saber. O rosto do cardeal desconhecido encontra-se escondido atrás de azulejos, dando a sensação de imagem 'pixelizada', usada frequentemente em televisão ou em fotografias para esconder a identidade do sujeito representado.

O objectivo é claro: provocar a igreja católica numa sátira aos escândalos de abusos sexuais de menores que, segundo Banksy, envolvem diversos padres em várias cidades do mundo e são constantemente abafados pela igreja.

 

A ironia, essa, está em todo o lado. Começando pelo facto de atribuir um busto – símbolo de enaltecimento – a uma entidade que critica e terminando no facto de 'proteger' a identidade do criminoso, ao invés da vítima.

 

Sempre em jeito de provocação, Banksy considera o seu mais recente trabalho um presente de Natal, já que, por um lado, o Natal é uma época extremamente vinculada à igreja católica mas, por outro, é também uma época onde é «fácil esquecer o verdadeiro significado do cristianismo – as mentiras, a corrupção, os abusos», confessou o artista num comunicado divulgado pela BBC.

 

O presente foi entregue esta quarta-feira à Walker Art Gallery, em Liverpool, onde vai permanecer por tempo ilimitado. Na sua nova casa, o Cardinal Sin vai estar ladeado de obras de arte religiosa do século XVII, como um retrato do arcebispo de Sevilha, de 1673, ou uma representação da Virgem de Rubens.

 

A obra de Bansky foi aceite sem hesitação na galeria. «O que me interessa é que, depois de uma pessoa olhar para a estátua, comece a ver as restantes peças com outro olhar, procurando as mensagens menos óbvias que os artistas quiseram fazer passar», confessou Reyahn King, directora das galerias de arte dos Museus Nacionais de Liverpool.

 

Esta é apenas a segunda vez que o polémico 'artista de rua', cuja verdadeira identidade não é conhecida, cria trabalhos específicos para uma galeria. A estreia foi em 2009 numa exibição no Museu e Galeria de Arte de Bristol, que atraiu 300 mil pessoas em 12 semanas.

 

 

Via Sol



publicado por olhar para o mundo às 10:03 | link do post | comentar

Letra

 

Ai, Se Eu Te Pego

 Michel Teló

 

Nossa, nossa
Assim você me mata
Ai, se eu te pego,
Ai, ai, se eu te pego

Delícia, delícia
Assim você me mata
Ai, se eu te pego
Ai, ai, se eu te pego

Sábado na balada
A galera começou a dançar
E passou a menina mais linda
Tomei coragem e comecei a falar

Nossa, nossa
Assim você me mata
Ai, se eu te pego
Ai, ai se eu te pego

Delícia, delicia
Assim você me mata
Ai, se eu te pego
Ai, ai, se eu te pego



publicado por olhar para o mundo às 00:09 | link do post | comentar

Sábado, 17 de Dezembro de 2011

 

Figo diz que quer vender os seus negócios em Portugal e afirma ter ficado desiludido com Sócrates. Numa entrevista ao PÚBLICO, conta ainda as histórias das saídas polémicas do Sporting e do Barcelona.

Consta que foi sempre um bom gestor das suas finanças... Conta-se que um dia, ainda iniciado ou juvenil, disse a um dirigente da Federação: “Se não houver dinheiro não há palhaço...” 


Não sei se afirmei isso ou não, mas é bem possível que sim. Mas quando não nos pagam é comum ouvir essa frase, não é? Sempre fui uma pessoa que disse tudo o que pensava, independentemente de os outros poderem ou não gostar. Assumo a minha forma de ser e tudo o que digo. E o que dizem ou deixam de dizer sobre mim não me interessa. Até porque não me conhecem. Muita gente relaciona-me sempre com dinheiro. Isso resulta também do facto de eu, muitas vezes, ter surgido a defender os interesses dos outros, queimando-me a mim. Mas não me importa. Tenho a consciência que tudo o que tenho foi ganho com o meu suor e o meu trabalho. Foi uma troca de serviços. Nunca apontei uma arma à cabeça de ninguém a obrigá-lo a assinar um contrato comigo, fosse ele de publicidade ou como jogador. É o mercado. Estás interessado, aceitas; não estás interessado, não aceitas. Se eu, por exemplo, não tivesse tido rendimento no primeiro ano no Barcelona, certamente que me tinham dado um pontapé, como fizeram a outros ao longo da minha carreira e nos clubes por onde passei. 


Por que escolheu viver em Madrid?
Primeiro porque a minha família, desde que conheço a minha mulher, viveu sempre em Espanha, primeiro em Barcelona e depois em Madrid. Depois tivemos de emigrar para Itália, mas as minhas filhas nasceram em Espanha. Outra das razões foi porque, quando saí do Real e fui para Milão, estava a construir a minha casa em Madrid. Quando terminei o contrato com o Inter quis, naturalmente, usufruir da casa, o que não tinha acontecido até aí.

Hoje é também visto como um empresário. Diz-se que tem investimentos na área do imobiliário, hotelaria, combustíveis, etc. O que nos pode dizer sobre isto? Nada... Tenho vários negócios, muitos deles em Portugal, apesar de eu querer vender tudo o que tenho no meu país. Pago muitos impostos, ao contrário do que muita gente pensa. 

Mas quer vender tudo em Portugal por pagar muitos impostos? 
Não, quero vender porque estou um bocado farto disto. Mas o que eu estava dizer é que dou trabalho a muita gente e pago muito de IVA. Estou a dizer isto apenas para responder aos que dizem que eu não contribuo para o país. 

Mas quantas empresas tem em Portugal?
Tenho várias, na área da hotelaria, por exemplo.


"Enganei-me sobre Sócrates"

Apoiou politicamente José Sócrates há dois anos para obter vantagens financeiras, designadamente do BPN, como se escreveu na altura?
Para os que dizem isso, devo informá-los do seguinte: depois disso, fiz um contrato publicitário com a Just for Men, fiz outro com a UniCredit e ainda outro com uma marca de relógios. Será que também tenho de agradecer a José Sócrates por ter recebido dinheiro destes contratos publicitários? 

Ainda tem esperança de vir a receber os 850 mil euros que BPN lhe deve à conta de um contrato de direitos de imagem? 
Tenho. E tenho porque acredito na justiça. Muita gente fala isto e aquilo, mas a minha ligação ao BPN foi apenas em torno da minha imagem publicitária. Fiz o trabalho que estava estipulado no contrato, mas não me pagaram. Foi um contrato assinado de livre vontade e, por isso, confio que se vai fazer justiça.

Recentemente deu uma entrevista em que afirmou que, se os políticos não derem o exemplo, Portugal não tem remédio... Ficou assim tão desiludido com Sócrates? O que acha de Passos Coelho? 
A política não me interessa. Deixou de me interessar. Apoiei um candidato porque, na altura, achei que era a pessoa adequada. Não que eu seja do partido a, b, c, ou d, mas pensei que ele poderia ajudar Portugal a crescer e a melhorar as coisas. Errei. Enganei-me, como se enganaram milhões de portugueses que votaram nele. Mas eu, por ser figura pública, tive consequências disso. Hoje ninguém acredita nos políticos, há uma descredibilização total, aqui, em Espanha ou em Itália, é igual. Não me venham dizer que há uma crise financeira, uma crise mundial. Há é políticos que gastam mais do que há para gastar. E isso é o bê-à-bá da economia. Não é preciso ser muito inteligente para perceber isto - eu não sou muito e não gasto mais do que aquilo que tenho. 

Também não era fácil... 
É fácil é... 

A Fundação Luís Figo também tem sido afectada pela crise?
Claro que tem. Perdemos os mecenas que tínhamos porque as respectivas empresas cortaram nos apoios que davam. Agora, a fundação vive à custa de doações minhas e do jogo que normalmente realizamos e que nos serve para cativar receitas. A fundação foi constituída há oito anos e continua sem lhe ver reconhecido o estatuto de utilidade pública, o que facilitaria não só em termos de custos fiscais, mas também na obtenção de mecenas. Não se trata de obter benefícios fiscais para mim, que fique bem claro. Isto não serve para lavar dinheiro. É uma instituição sem fins lucrativos e auditada. Não se pode brincar com o trabalho social.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 23:20 | link do post | comentar

Mulher para dez talheres

Muito interessante...
Sensualidade sem vulgaridade...


Vocês sabem o que é uma mulher para mais de dez talheres?


Uma mulher pra 10 talheres é aquela que seduz e encanta apenas com um sorriso, que faz a sua imaginação trabalhar de forma acelerada quando ela passa exalando charme e sensualidade, que possui um toque teatral que permite a ela personificar as fantasias de um homem, pois ela sabe que todo homem quer prazeres diferentes e aventuras e ela lhe proporciona isto. Ela sabe como fisgar um homem criando um exaltado fascínio sexual misturado com modos suntuosos e teatrais. Ela transmite para o homem que deseja vibrações de sexo, pois ela é uma mulher dominada pela paixão e, com isso, ela se olha pelo espelho e se sente bem porque sabe que está bonita - não para todos os homens - mas sim para aquele que ela deseja, para aquele que a conquistou.


Com uma mulher dessas não existe apenas sexo e sim uma infinita descoberta de como saborear cada centímetro de seu corpo, de como é prazeroso vê-la sentindo prazer. É se perder em um frenesi de toques e carícias freqüentes. E, quanto mais ligada ao homem ela estiver, muito mais sexualmente inspirada ela vai ficar.


Um homem, quando está com uma mulher destas, perceberá que uma noite de sexo apenas não é suficiente para satisfazer todos os seus desejos e vontades porque ela é insaciável, possui sede de prazeres intensos e irá buscar isso no homem que está do seu lado.


Pois é meus caros leitores, saibam que esta mulher se caracteriza com a intensa fantasia dos homens, a fantasia de uma mulher extremamente sexual, confiante e atraente capaz de oferecer infinitos prazeres com doses moderadas de risco. E, se algum dia, um homem encontrar uma mulher dessas, dificilmente conseguirá esquecê-la.

E então, você é uma mulher para mais de dez talheres? Alguma vez algum homem já lhe disse isto? E os homens, sabem reconhecer este tipo de mulher? Já se deparam com uma dessas? Se sim, já conseguiram esquecê-la? Quero saber a opinião de todos.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 22:06 | link do post | comentar

Indiana de 62,8 cm é a mulher mais baixa do mundo
Jyoti Amge teve de esperar até o dia em que completa 18 anos para poder entrar no livro de todos os recordes. Com 62,8cm de altura, a estudante indiana entra agora para o Guinness, superando em 7cm o recorde que até Setembro pertencia à americana de 22 anos, Bridgette Jordan.

Vestida no seu melhor 'sari' - guardado apenas para as ocasiões especiais – a jovem indiana classificou a designação como um «presente extra de aniversário» e afirmou que se sentia grata por ser pequena, já que essa é a característica que a torna especial e que lhe deu notoriedade.

«Consegui pôr Nagpur [a sua cidade natal] nos olhos do mundo. Agora toda a gente saberá onde é», disse a jovem orgulhosa e visivelmente emocionada.

 

Apesar do reconhecimento e da sua particularidade, os sonhos de Jyoti não diferem dos das meninas da sua idade. Prestes a terminar a escola secundária, a jovem indiana sonha entrar para a universidade e um dia vir a tornar-se uma estrela de cinema de Bollywood.

 

«Jyoti encoraja-nos a olhar para lá do tamanho e limitar-nos a celebrar as nossas diferenças», disse Rob Molloy, um dos representantes londrinos do Guinness presentes na cerimónia em Nagpur. Uma cerimónia em tudo festiva, que até teve direito a um bolo de aniversário.

 

Nos últimos dois anos a jovem indiana cresceu apenas 1cm e acredita-se que não irá crescer mais por sofrer de uma forma particular de nanismo, chamada acondroplasia.

 

No entanto, o título de mulher mais baixa de sempre continua a pertencer a Pauline Musters, uma holandesa que viveu no século XIX, de 1876 a 1895, e que não cresceu para lá dos 61cm.

 

Via Sol



publicado por olhar para o mundo às 17:00 | link do post | comentar

O filósofo e ensaísta Eduardo Lourenço foi hoje distinguido com o Prémio Pessoa que desde 1987 premeia figuras com um papel relevante no ano anterior nas áreas da cultura e da ciência

 

O anúncio foi feito, como habitualmente, no Palácio de Seteais em Sintra por Francisco Pinto Balsemão, que preside ao júri também constituído por Fernando Faria de Oliveira (Vice-Presidente), António Barreto, Clara Ferreira Alves, Diogo Lucena, João Lobo Antunes, José Luís Porfírio, Maria de Sousa, Mário Soares, Miguel Veiga e Rui Magalhães Baião.

 

"Num momento crítico da História e da sociedade portuguesa, torna-se imperioso e urgente prestar reconhecimento ao exemplo de uma personalidade intelectual, cultural, ética e cívica que marcou o século XX português", escreveu o júri em comunicado sobre a escolha de Eduardo Lourenço, homenageando "a generosidade e a modéstia desta sabedoria, que tendo deixado uma marca universal nos Estudos Portugueses e nos Estudos Pessoanos, nunca desdenhou a heteredoxia nem as grandes questões do nosso tempo e da nossa identidade".

 

Para o júri, do qual Eduardo Lourenço foi membro até 1993, este prémio pretende prestigiar o filósofo e a sua intervenção na sociedade, "ao longo de décadas de dedicação, labor e curiosidade intelectual, que o levaram à constituição de uma obra filosófica, ensaística e literária sem paralelo".

 

"Não há dúvida que o nosso premiado é uma referência e o nosso país precisa de referências", disse Pinto Balsemão na entrega do prémio a Eduardo Lourenço.

 

Também Mário Soares destacou a importância deste prémio nos dias de hoje. "Num momento como este é particularmente importante dar o prémio a Eduardo Lourenço porque para além de tudo é um homem que acredita em Portugal e nos portugueses", disse em Sintra.

 

Segundo o comunicado do júri, "Eduardo Lourenço é um português de que os portugueses se podem e devem orgulhar. O espírito de Eduardo Lourenço foi sempre reforçado pela sua cidadania atenta e actuante. Portugal precisa de vozes como esta. E de obras como esta".

 

O prémio, de 60 mil euros, é uma iniciativa do jornal "Expresso" (do grupo Impresa de que é presidente executivo Pinto Balsemão) e tem o patrocínio da Caixa Geral dos Depósitos.

 

Os escritores Herberto Hélder, Vasco Graça Moura, a pianista Maria Joao Pires ou o bispo D. Manuel Clemente foram alguns dos nomes premiados com o galardão que comemora este ano o 25º aniversário. A vencedora do ano passado foi a cientista Maria do Carmo Fonseca, directora executiva do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa. O júri - que diz querer ir contra "uma velha tradição nacional" de apenas reconhecer postumamente os autores de grandes obras e promover o seu reconhecimento em vida - destacou a sua "cultura de rigor".

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 09:56 | link do post | comentar


O comandante foi convidado a demitir-se, mas recusou fazê-lo
O comandante foi convidado a demitir-se, mas recusou fazê-lo (Sérgio Azenha/arquivo)
Uma troca no anexo a um e-mail de Boas Festas deverá levar à suspensão do comandante da Polícia Municipal (PM) de Coimbra, que ontem se tornou alvo de um processo disciplinar.

Isto, porque, por engano, segundo o próprio, Euclides Santos enviou para todos os funcionários da Câmara de Coimbra uma apresentação em Powerpoint de 25 páginas, com fotos de mulheres em trajes menores e poses sensuais, na qual escreveu desejar, “de todo o coração”, que em 2012 os destinatários tivessem, entre outras coisas, “relações sexuais incríveis”. 

“Esta é uma belíssima época, em todo o mundo, para desejar que haja paz, que se tenha saúde, que se viva com amor, que blah… blah… blah…”, pode ler-se na introdução. Depois de várias páginas com fotos de mulheres pouco vestidas, a mensagem continua: “E basta de farsas e de palavreado inútil! O que eu desejo, de todo o coração, é que tenhas relações sexuais incríveis, uma vida alegre e feliz, que trabalhes muito e que te paguem bem!”. “E agora não digas que não sou um teu grande amigo”, conclui o autor da mensagem original, após mais uma sequência de fotos e frases do mesmo género.

A mensagem foi enviada para o endereço electrónico geral da câmara, ou seja, para todos os funcionários, às 10h50 de ontem. Às 11h02 os mesmos destinatários podiam ler um telegráfico “Erro no anexo. Peço desculpas”. Às 11h45 seguiu para todos nova mensagem, em que Euclides Santos manifestou “o máximo respeito por toda gente e em particular por cada um”, lamentou ter “anexado um anexo errado” e frisou não ser aquela a sua intenção. “Aliás, no e-mail seguinte fiz essa minha penitência. Errei e peço desculpa a todos e a todas”, escreveu. 

O PÚBLICO apurou que o presidente da câmara, o social-democrata João Paulo Barbosa de Melo, e a vereadora que tutela a PM terão considerado que o facto de a mensagem ter sido enviada para todos os funcionários, em horário de trabalho e através do e-mail de serviço tornava incomportável manter Euclides Santos no cargo. Ainda durante a tarde, o comandante (que o PÚBLICO tentou, sem sucesso, contactar) foi convidado a apresentar a demissão. Por volta das 21h30, informou o gabinete da presidência de que não o faria. 

Só então a autarquia divulgou um comunicado dando conta de que devido à divulgação da mensagem “com conteúdos que não se coadunam com o prestígio” da Câmara”, “para defesa do bom nome da Polícia Municipal”, o presidente decidira instaurar um procedimento disciplinar ao comandante. Aquele deverá resultar, numa primeira fase, na suspensão de Euclides Santos

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 00:12 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011
2212 Natal dos amantes

Foto: Dreamstime

 

Onde estará seu marido na noite de 22 de dezembro? Você ainda não sabe? Pois então, Vilamiga, trate de se organizar! É que dia 22 é o dia oficial de comemorar o natal com o amante. Pelo menos foi o que constatou o site norte-americano Ohhtel.com, feito para pessoas insatisfeitas sexualmente no casamento e que desejam ter amantes para casos discretos.

 

Uma pesquisa foi realizada com 7.364 mulheres através do site, e a conclusão é a de que dia 25 é o natal da família, e dia 22, três dias antes, acontece aquela celebração caliente com o amante. O site é considerado um dos maiores em matéria de arranjar um bom amante.

 

Das infiéis participantes da pesquisa 87% já reservaram o dia 22 para se deleitar com o amante. O horário ideal para encontrar o amante durante o resto do ano é a hora do almoço, mas nessa época do ano, o natal, as compras de natal e as reuniões de final de ano no trabalho estão ganhando como desculpa, pois 64% das mulheres escolheram essa opção.

 

Outras ainda pretendem investir ainda mais, e dedicar o dia todo aos amantes, optando por tirar o dia todo de folga (21%).

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 22:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

“Olive”, a primeira longa-metragem filmada por telemóvel

Longa-metragem filmada com um Nokia N8 chega esta sexta-feira ao grande ecrã em Los Angeles. Ainda vai a tempo dos Óscares

Hooman Khalili é um norte-americano com raízes iranianas. Conhecido como uma figura da rádio de San Francisco, onde, entre outras coisas, avalia filmes, ficou ainda mais “cinéfilo” quando, em 2006, emprestou a voz ao filme de animação da Pixar, “Cars”. Em 2008, teve uma breve actuação em “Cloverfield”, mas é em 2011 que chega mais longe e senta-se na cadeira de realizador, em “Olive”. E, diga-se, a câmara de filmar saiu do seu bolso.

 

Não se trata de uma metáfora para explicar que foi Khalili que pagou a câmara usada no filme. Neste caso, significa que a câmara que filmou “Olive”, de tão pequena que é, cabe facilmente no bolso de qualquer pessoa. Em suma, a câmara do Nokia N8 (com uma objectiva Carl Zeiss) foi a única utilizada para capturar a longa-metragem de 90 minutos e torná-la, assim, na primeira produzida com um telemóvel.

 

A ideia já tinha surgido na cabeça de Hooman Khalili no início de 2010, mas só depois de estudada bem a questão e de reunidos os elementos ideais para o realizador – onde se inclui a participação, no filme, da célebre actriz Gena Rowlands – é que se avançou para a fase de produção, ou seja, Abril de 2011.

 

A rodagem da película (ou melhor, do ficheiro – no caso do Nokia N8, em formato H.264 ou MPEG-4) teve uma duração de cinco semanas, e a edição da mesma, nove dias. Todos estes prazos supersónicos permitiram a “Olive” estar pronto antes do fim de 2011, ou seja, ainda a tempo de figurar entre os candidatos às nomeações para os Óscares, a realizarem-se no início de 2012.

 

Olá Óscares…

No entanto, essa condição só será alcançada a partir de 16 de Dezembro, primeiro dia de uma semana inteira em que o filme será exibido pela primeira vez num cinema. Em específico, num cinema de Los Angeles (o Laemmle's Fallbrook 7), já que uma das condições da Academia para que as produções sejam candidatas às nomeações é de que todas elas sejam exibidas, num período mínimo de sete dias consecutivos, no condado de Los Angeles.

 

Trata-se de um grande feito para um filme realizado com menos de 380 mil euros e um “smartphone” que, por cá, livre de operadora móvel, custa cerca de 350 euros. Para tudo isto, Khalili teve o financiamento de Chris Kelly, ex-administrador de privacidade do Facebook. Contudo, ninguém pense que é assim tão fácil filmar uma longa-metragem.

 

...adeus foco e zoom automáticos

A equipa de “Olive” ainda teve de dar alguns ajustes na câmara de 12 megapixel do N8. “A câmara pensa que sabe o que é que tu queres focar, mas não sabe”, disse Hooman Khalili ao Los Angeles Times. Para resolver o problema, piratearam o telemóvel e tiraram-lhe as funcionalidades de foco e zoom automáticos.

 

O outro desafio foi conseguir acoplar a objectiva do N8 a uma lente de 35mm. Solução? Fita adesiva. Já para a sequência aérea filmada em “Olive”, a via utilizada foi acoplar o aparelho a um helicóptero de controlo-remoto. Bem, talvez tenha sido (ou não) por causa de todos estes riscos que a Nokia não aceitou financiar o filme…

 

Via P3



publicado por olhar para o mundo às 22:01 | link do post | comentar

São considerados um bom indicador para os Óscares.  Inesperadamente, é "O Artista", uma produção francesa a preto e branco de homenagem ao cinema mudo de Hollywood, o filme que se destaca com cinco nomeações para os Globos de Ouro. 

O filme francês "O Artista", de Michel Hazanavicius,lidera com seis nomeações a 69ª edição dos Globos de Ouro, os prémios atribuídos pela Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood.

 

Os nomeados foram hoje revelados em Los Angeles, Califórnia, e a liderar está uma produção francesa a preto e branco, de homenagem ao cinema mudo de Hollywood, cuja personagem principal é estrela de cinema que se depara com o advento dos filmes sonoros.

 

"O Artista", que ainda não se estreou em Portugal, está nomeado, por exemplo, para melhor filme de comédia ou musical, melhor realização e melhor ator e atriz, com os franceses Jean Dujardin e Berenice Bejo.

 

Com cinco nomeações cada seguem "As serviçais", de Tate Taylor, e "Os descendentes", de Alexander Payne.

Destaque para Clooney

Destaque para George Clooney, nomeado para melhor realizador por "Nos idos de março" e para melhor ator de drama em "Os Descendentes", e para Steven Spielberg, nomeado pela realização de "War Horse" e na categoria de melhor filme de animação com "As Aventuras de Tintin: O Segredo do Licorne".

 

Além de Clooney, Michel Hazanavicius e Spielberg, para melhor realizador estão indicados Woody Allen, Alexander Payne e Martin Scorsese.

Na categoria de melhor drama estão indicados os filmes "Hugo" (Martin Scorsese), "Os Sescendentes", "As Serviçais", "Nos Idos de Março" (George Clooney), "Moneyball" (Bennett Miller) e "War Horse" (Steven Spielberg).

 

Para a melhor comédia ou musical foram selecionados "O Artista", "Carnage" (Roman Polanski), "Meia-Noite em Paris" (Woody Allen), "50/50" (Jonathan Levine), "A melhor despedida de solteira" (Paul Feig) e "My Week With Marilyn" (Simon Curtis).

 

Na representação, George Clooney ("Os descendentes"), Brad Pitt ("Moneyball"), Leonardo DiCaprio ("J. Edgar"), Ryan Gosling ("Nos idos de março") e Michael Fassbender ("Shame") estão nomeados para melhor ator em drama.

Ryan Gosling duplamente nomeado

O ator norte-americano Ryan Gosling aparece duplamente nomeado, uma vez que também foi indicado para melhor ator de comédia ou musical pelo filme "Amor estúpido e louco", ao lado de Jean Dujardin, Brendan Gleeson ("The Guard"), Joseph Gordon-Levitt ("50/50?) e Owen Wilson (Meia-Noite em Paris").

 

No lado das mulheres, na categoria de drama estão nomeadas as atrizes Glenn Close ("Albert Nobbs"), Meryl Streep ("The iron lady"), Rooney Mara ("Millennium: Os homens que odeiam as mulheres"), Viola Davis ("As serviçais") e Tilda Swinton ("We nedd to talk about Kevin").

 

Em comédia ou musical estão nomeadas Jodie Foster e Kate Winslet (ambas em "Carnage"), Charlize Theron ("Young Adult") Kristen Wiig ("A melhor despedida de solteira") e Michelle Williams ("My Week with Marilyn").

 

Para o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro competem "A pele onde eu vivo" (Pedro Almodóvar, Espanha), "The Flowers of war" (Yimou Zhang, China), "In the land of blood and honey" (Angelina Jolie, Estados Unidos), "Uma separação" (Asghar Farhadi, Irão) e "O miúdo da bicicleta" (Jean-Pierre e Luc Dardenne, Bélgica).

 

"As aventuras de Tintin: O segredo do licorne", "Arthur Christmas", "Carros 2", "O gato das botas" e "Rango" competem para melhor filme de animação.

 

A cerimónia de entrega dos Globos de Ouro, prémios atribuídos pela Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood, decorrerá no dia 15 de janeiro em Los Angeles, Califórnia, e será conduzida pelo ator Rick Gervais.

 

 



Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 19:26 | link do post | comentar

as mulheres e o homem perfeito
 
As mulheres parecem ter vindo a perder a sua crença na expressão que define 'o príncipe encantado'. Um estudo realizado no Reino Unido mostra que em cada quatro mulheres três revelam não acreditar que para si exista o homem perfeito. Restará então o que menos defeitos terá.

 

Apesar do estudo se basear num inquérito realizado a apenas duas mil mulheres, as suas conclusões não deixam de merecer um curioso destaque. No final, determinou-se que mais de 75 por cento das inquiridas não acredita na existência do homem perfeito.

 

A descrença representada em números e percentagens baseia-se em algo que foi vastamente destacada pelas mulheres do estudo: os defeitos dos seus companheiros.

 

De acordo com o Daily Telegraph, entre os defeitos mais realçados estiveram a excessiva atenção dada a desportos, deixar aberto o tampo da retrete ou incapacidade de realizar várias tarefas em simultâneo – 'multitasking'.

 

Voltando aos números, a maioria das inquiridas classificou o seu companheiro apenas como sendo 69 por centro perfeito.

 

Cerca de um quarto das respostas colocaram o sentido de humor como a qualidade mais importante a ter e, por outro lado, uma em cada cinco mulheres acreditava que o seu parceiro frequentemente fingia estar a ouvir durante conversas entre ambos.

 

Via Sol



publicado por olhar para o mundo às 08:24 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15 de Dezembro de 2011
Tentar novas posições é uma das formas de esquentar a vida sexual. Foto: Getty Images

Tentar novas posições é uma das formas de esquentar a vida sexual

O primeiro passo para ter uma vida mais gostosa na cama é mudar alguns hábitos da rotina. Algumas pessoas acham que o vivido na cama não pode ficar melhor do que está, quando na verdade a capacidade sexual evolui junto ao envelhecimento. As informações são do You Beauty.

 

A chave é saber o que agrada o seu corpo e explorar o prazer, segundo a terapeuta sexual Linda Alperstein. "A sexualidade é totalmente individual", disse ela. O site You Beauty listou dicas para ter mais prazer na cama; confira a seguir.

 

Explore a sua respiração


Muitas mulheres seguram a respiração perto clímax, sem pensar. A expiração profunda pode intensificar o momento. Algumas ainda dizem que gemidos potencializam as sensações e encorajam o homem a atingir o clímax também. A técnica da tradição tântrica indiana é fazer de 15 a 20 respirações ofegantes, seguido por uma expiração longa. Repita isso três vezes, quando estiver perto do orgasmo.

 

Fortaleça os músculos vaginais


Ao urinar, interrompa o fluxo de urina, segure e solte novamente. Ao fazer isso você está contraindo os músculos usados durante o orgasmo. Não faça o exercício todas as vezes em que for urinar, pois pode ter infecção na bexiga, caso não a esvazie por completo. Em vez disso, contraia e relaxe durante todo o dia, por exemplo, ao comer ou dirigir. Agora que você está acostumada à sensação de apertar e relaxar os músculos, também pode fazê-lo durante a relação sexual.

 

Experimente novas posições


A penetração pela parte de trás da vagina pode intensificar o clímax. Ficar em cima do parceiro enquanto ele está sentado, com uma ligeira inclinação; de deitar de costas com as pernas para cima também são opções de posições diferentes.

 

Tome óleo de peixe e corte soja e carboidratos


Marrena Lindberg, autora de The Orgasmic Diet, disse que as mulheres podem melhorar a qualidade da vida sexual com uma dieta regrada. Todos os dias, deve ser consumido um copo de suco de laranja para vitamina C e óleo de peixe. As refeições devem ter 40% de carboidratos, 30% de proteína e 30% de gorduras. Marrena recomendou ficar longe de produtos de soja, café e consumir um pedaço pequeno de chocolate escuro por dia. Obter a dose diária adequada de zinco e magnésio é importante para manter os níveis de testosterona. A dieta ajuda a regular os hormônios, a circulação do tônus ​​muscular e química do cérebro.

 

Converse com um médico sobre medicamentos


Alguns anti-depressivos e anti-hipertensivos interferem nos orgasmos de muitas mulheres. É considerado um efeito colateral, então trazer o problema ao médico para que ele possa trabalhar em uma solução é importante.

 

Tenha um parceiro comprometido


As mulheres têm menos orgasmos em parte porque os homens oferecem menos sexo oral às parceiras que não são namoradas, de acordo com pesquisas de estudantes universitários coletadas pela New York University.

 

Fique atenta


O prazer sexual e recompensas emocionais ficam mais profundas quando o parceiro busca formas de dar prazer e responder aos esforços em relação à mulher. Quando os dois estão atentos às necessidades do casal, fazem amor juntos e não apenas sexo.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:55 | link do post | comentar

O "manifestante" sucede ao fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.
O "manifestante" sucede ao fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.
Time Magazine/AP

"Da Primavera Árabe a Atenas, do Ocuppy Wall Street a Moscovo", pode ler-se na capa da revista norte-americana.

A revista "Time" anunciou que a personalidade do ano de 2011 é o "manifestante", depois de um ano marcado por manifestações por todo o mundo

 

"Da Primavera Árabe a Atenas, do Ocuppy Wall Street a Moscovo", refere a revista na capa, que apresenta na capa a imagem de um jovem com a cara tapada por um lenço.

 

2011 foi um ano repleto de manifestações um pouco por todo o mundo. A Primavera Árabe trouxe o fim das ditaduras de Ben Alí na Tunísia, de Hosni Mubarak no Egito e de Muammar Kadhafi na Líbia. A revolta atravessou fronteiras e chegou à Europa e aos EUA.

 

A publicação passa em revista outras décadas marcadas por revoluções, como os anos 1960, que ficaram marcados pelos protestos pelos direitos civis e contra a guerra do Vietname, ou os anos 1970, onde são referidos os protestos no Irão e em Portugal.

 

O "manifestante" foi eleito "por ter capturado e impulsionado um sentimento mundial de esperança na mudança", pode ler-se nesta edição da revista.

Outros candidatos

Em segundo lugar na lista deste ano a revista colocouo almirante William McRaven, que liderou a missão secreta que em maio liquidou Osama Bin Laden. E na terceira posição ficou o artista dissidente chinês Ai Weiwei, que esteve secretamente detido durante 81 dias no início do ano.

 

No ano passado, a "Time" distinguiu o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, de 26 anos, e em 2009  elegera o presidente do Banco Central norte-americano, Ben Bernanke.

 

A "Time" elege a personalidade do ano desde 1927. Já foram distinguidas figuras históricas como Franklin D. Roosevelt, Winston Churchill, Joseph Estaline ou Adolf Hitler.

Via Expresso


publicado por olhar para o mundo às 17:05 | link do post | comentar

sushi

Em termos nutricionais, o único problema que podemos apontar ao sushi é o seu teor de sal, que aumenta ainda mais quando se utiliza o molho de soja. Pessoas com hipertensão arterial, por exemplo, devem procurar diminuir a quantidade deste molho para assim não ingerirem uma dose excessiva de sal.

 

Se é verdade que o mundo ocidental abriu as suas portas ao sushi, também constatamos que o sushi se deixou "ocidentalizar". Sobretudo nos Estados Unidos da América, é frequente termos sushi com maionese ou outros ingredientes que lhe aumentam substancialmente o valor energético e assim diminuem o seu interesse como refeição sofisticada e saudável. Mais uma vez, os métodos tradicionais acabam por se revelar como os mais adequados e desvirtuá-los raramente apresenta vantagens.

 

Recomendar o consumo de sushi à população em geral será inviável dada a pouca acessibilidade e custo elevado, mas, e ao contrário do que tantas vezes sucede, com o sushi podemos pelo menos conjugar prazer e saúde de forma harmoniosa.


Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação Universidade do Porto nunoborges@fcna.up.pt 

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:58 | link do post | comentar

Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011

Os portugueses indicam que praticam sexo pelo menos duas vezes por semana

Os portugueses indicam que praticam sexo pelo menos duas vezes por semana (Reuters)

Em média, os portugueses praticam sexo duas vezes por semana e estão entre os mais espontâneos sexualmente. As conclusões são de um inquérito online da companhia farmacêutica Eli Lilly, que sondou cerca de 13 mil adultos em 13 países diferentes.

Na globalidade dos países considerados, o estudo estima que se pratique sexo, em média, 1,4 vezes por semana. Portugueses, Mexicanos e Romenos são os que têm uma vida sexual mais activa, praticando pelo menos duas vezes por semana, avançou o site noticioso canada.com, enquanto os norte-americanos estão entre os menos activos.

No campo da espontaneidade, Portugal está também acima da média, juntamente com a Áustria e a Bélgica. Dos que responderam ao inquérito - indivíduos com idade superior a 34 anos - mais de 90% dos portugueses reportam um comportamento sexual espontâneo, em detrimento do sexo planeado. Em todos os países da amostra se concluiu que as mulheres são mais espontâneas sexualmente do que os homens.

No Canadá, no México e nos EUA, ainda de acordo com o site canada.com, é onde é mais frequente discutirem-se os problemas relacionados com a performance sexual com os especialistas. O Canadá está também entre os países onde, segundo a mesma fonte, mais se recorre aos medicamentos para o tratamento da disfunção eréctil. De acordo com o inquérito, 16% dos homens no mundo usam este tipo de fármacos.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

¿Por qué el café sabe siempre bien en Portugal? (y aquí no)

Por: Paco Nadal

Café portugal 1
Lo voy a decir, aunque me crucifiquen:

 

Solo conozco dos países en el mundo donde puedes pedir un café espresso, sea donde sea, y tienes un 99% de probabilidades de que esté bueno: en Italia y en Portugal. El resto, tierra quemada. O torrefactada.

Si habéis viajado por el país vecino y sois adicto al buen café (como un servidor) os habréis fijado que no falla: pidas donde pidas un espresso, ya sea en una cafetería de postín del Chiado lisboeta o en un tugurio rural en medio del Alentejo, te lo sirven como debe ser: en una taza estrecha y alta, con su crema, con su dosis justa de acidez, con su amargor contenido, con aroma a café y no a torrefacto quemado.

Pasa igual en Italia: no hay café malo.

Aún reconociendo que ya hay muchos locales en España donde se mima y se cuida el café, ¿por qué en el típico bar español, que son legión, te cobran 1,50 por una cosa que ni tiene color a café, ni sabe a café ni recuerda al café?

Soy adicto a él, pero no experto. Así que le he preguntado a una buena amiga, Ana Lorente, periodista especializada en temas culinarios, ex-directora de una revista sobre café ya desaparecida y en la actualidad copropietaria de la librería especialidad en gastronomía A Punto. Estas son sus razones:

 

Granos-cafe-2
1. A quien hace un café debería de gustarle el café, tomarlo y sentirlo. Si no le das importancia nunca podrás prepararlo con amor. Hacer un buen café es un arte, no algo mecánico.

 

2. En muchos bares tradicionales de España se escatima en la calidad del café: se va al más barato. Al torrefacto que llega ya con tonos quemados. Se tuesta mal y con mucha azúcar y resulta muy amargo en boca. No se les ocurre pensar en uno natural, recién tostado y recién molido, para que no pierda cualidades.

3. Lo normal es que le den un sobrecalentado de vapor, pensado que así extraen más. Y lo extraen, pero incluido todo lo malo. La temperatura del agua es fundamental para obtener un buen café.

Me maravilla cuando viajo por Italia y veo cafeterías (como una en la que estuve hace poco en Nápoles) donde tienen un empleado dedicada en exclusiva las 8 horas a manejar la máquina del café; solo él puede prepararlo. O cuando viajo por Portugal y hasta en la aldea más remota y en el bar más cutre te preparan un espresso cremoso y lleno de aromas, servido siempre en una buena taza.

 

Taza café española
Solo de pensar en las horrorosas tazas chatas y redondas de loza blanca que se usan en los bares españoles, llenas hasta el borde de un líquido oscuro carente de crema y de olor, me dan ganas de quitarme de este vicio.

 

Claro que si hiciéramos un Top Ten mundial de los peores cafés del mundoEspaña solo estaría en un honroso puesto intermedio. La lista del peor café del mundo la encabezarían los países anglosajones, EEUU a la cabeza, donde creen que un café puede estar recalentándose todo el día en una jarra de cristal y ser servido luego en vasos de papel de 250 cc.

En México tampoco saben beber ni preparar café, pese a que son productores. Lo normal es que pidas uno y te pongan un tarro de Nescafé, una taza de agua caliente y una cuchara.

Para ser justo, sí existe algún sitio más donde se mima la cultura cafetera: en Viena (que no en toda Austria), en Venezuela y por supuesto, enTurquía y Grecia, donde tomar café es un ritual, aunque sea muy distinto a nuestro espresso.

 

Y tú, ¿en que país te has tomado el peor café de tu vida?

 

Via Blog de Paco Nadal



publicado por olhar para o mundo às 08:38 | link do post | comentar

Fotografia do tubarão azul tirada pelo fotógrafo Nuno Sá ao largo da ilha do Faial, nos Açores

Uma fotografia de um tubarão azul tirada pelo fotógrafo Nuno Sá ao largo da ilha do Faial, nos Açores, venceu a principal categoria do maior concurso mundial de fotografia subaquática, disse hoje o vencedor à agência Lusa.

Fotografia do tubarão azul tirada pelo fotógrafo Nuno Sá ao largo da ilha do Faial, nos AçoresImagem: NUNO SÁ/LUSA


Epson World Shootout, um concurso com características únicas que decorre em todo o mundo, atribuiu o primeiro prémio da categoria “Grande Angular” à fotografia de Nuno Sá, que mostra um tubarão azul junto ao banco submarino "Condor", no mar dos Açores.

 

O fotógrafo português, especializado em vida marinha selvagem e considerado um dos melhores do mundo, disse à Lusa que também conquistou o quarto lugar na mesma categoria “Grande Angular” com uma imagem de jamantas (da família das raias) tirada junto ao banco submarino “Princesa Alice”, nos Açores.

 

O Epson World Shootout decorreu durante todo o mês de agosto, período em que milhares de fotógrafos amadores e profissionais recolheram as imagens que submeteram à apreciação do júri.

 

Na edição deste ano concorreram 226 fotógrafos de 27 países, desde a China à Papua Nova Guiné, que apresentaram 1.556 imagens a concurso.

Este foi o terceiro prémio internacional de relevo conquistado este ano por Nuno Sá, que é um dos fotógrafos mais premiados a nível mundial na área da vida marinha selvagem.

 

O fotógrafo, que vive há vários anos nos Açores, foi recentemente distinguido, também com imagens de tubarões azuis, no Wildlife Photographer of the Year, considerado o maior concurso de fotografia de natureza a nível mundial, e no Natures Best Photography, o principal concurso de fotografia de natureza que se realiza nos Estados Unidos.

 

Via Sapo Noticias



publicado por olhar para o mundo às 08:34 | link do post | comentar

Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011
O corpo dele te conta mais do que o que ele diz. Foto: Getty Images

O corpo dele te conta mais do que o que ele diz

As pessoas comunicam 90% de suas intenções por meio da postura, movimentos e tom da voz. A realidade é que o que a pessoa diz é importante, mas pode ser completamente diferente do que aquilo que ela realmente pensa, segundo divulgou a revista norte-americana

Marie Claire.

 

Confira seis dicas para reconhecer a diferença entre o que é dito e o que o corpo fala, em especial em relação aos homens. Preste atenção nos sinais corporais e surpreenda-se com o que pode descobrir.

 

Primeiro encontro: a primeira coisa a entender quando se está analisando a linguagem corporal masculina é que, antes de mais nada, homens são óbvios. Assim, se ele olha pra você pela primeira vez, levanta a sobrancelha, ajeita a postura e sorri, advinha? Você ou alguém atrás de você ganhou a atenção do moço.

 

Estamos flertando? em um encontro, o cara não ouve, toca ou olha nos olhos da mulher se não estiver interessado. Se ele puxa assunto, sorri, toca seu braço ou suas costas e se mostra relaxado enquanto faz isso, é sinal de que ele está flertando com você, mesmo que ele diga que não.

 

É namoro ou amizade? homens costumam tratar as amigas como irmãs. Se tem dúvidas sobre seu relacionamento, se pergunte se ele te trata como a amiga da terceira série, afinal ele pode te abraçar, ser educado e ainda assim olhar para outras mulheres e virar o corpo na direção delas enquanto fala, demonstrando que com você é só amizade.

 

Sexo: durante e depois do sexo você pode discernir se o cara está interessado em você pela atenção que ele te dá. Homens não mantêm contato visual com mulheres que não estão interessados. Mas se ele evita ser tocado depois da relação ou desvia o olhar, não crie expectativas sobre o futuro.

 

"DR": quando você sente que precisa discutir a relação e perguntar o que está acontecendo entre vocês, cheque se o corpo dele se mostra aberto a essa conversa. Olhar para longe, cruzar pernas ou braços e travar o maxilar são sinais de que ele não quer conversar.

 

Pedir sua mão: ao longo da vida, a linguagem corporal do seu parceiro pode te dar dicas de onde ele vem e o que vai fazer. Se ele olha seus olhos enquanto fala, mantém o peito aberto, tem fala firme, significa que ele sabe o que está fazendo. Se ele gaguejar ou ficar se balançando, indica que ele não tem muita certeza da decisão ou teme ser rejeitado.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 22:21 | link do post | comentar

Conheça alguns dos melhores destinos de neve, segundo o site sporski. Aproveite o descanso natalício e tire férias da crise.




Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 17:02 | link do post | comentar

"As dívidas dos Estados são, por definição, eternas. As dívidas gerem-se." São eternas porque, ao contrário das pessoas, os Estados não morrem. Nunca nenhum País decidiu ficar com as suas dívidas a zero. A questão é sempre e apenas se pode continuar a pagá-las. Se os juros praticados são suportáveis e o seu crescimento económico permite cobrir os custos da dívida. E por isso são geridas. O que José Sócrates disse, para qualquer pessoa minimamente informada e que esteja de boa-fé nem merece debate. Não é matéria de opinião e ou de confronto ideológico.

 

No entanto, bastou o ex-primeiro-ministro afirmar uma ululante evidência para que se instalasse a indignação do costume. "Esta declaração do engenheiro José Sócrates explica porque é que afinal a bomba lhe rebentou nas mão e ele nos conduziu para a tragédia em que nos encontramos. Se as dividas não são para pagar e se foi isso que ele enteu dos estudos que fez de economia e finanças então está explicado porque ele não se preocupou que Portugal tivesse cada vez mais dívidas e não as pagasse." A frase é do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates, Freitas do Amaral, que teve simpatia pelo antigo regime antes do 25 de Abril, foi democrata depois dele, de direita quando a direita chegou ao poder, apoiante e governante do PS quando o PS ganhou as eleições e é agora entusiasta apoiante de Passos Coelho. Trata-se de um fenómeno que desafia as leis física: como pode alguém sem espinha dorsal manter-se de pé? Neste caso é fácil explicar a falta de honestidade intelectual. Noutros, é bem mais preocupante.

 

É fácil acreditar na ideia de que a nossa situação atual se deve a um homem. Mesmo que tudo nos demonstre o absurdo de tese. Sócrates não conseguiu, apesar de tudo, governar Portugal, a Grécia, a Irlanda, Itália e a Espanha em simultâneo. E mesmo os nossos problemas - dívida externa, desigualdade na distribuição de rendimentos, crescimento cronicamente baixo, desequilíbrio da balança de pagamentos, uma moeda demasiado forte, distorções no mercado de arrendamento, falta de competitividade da nossa produção, erros crassos no nosso modelo de desenvolvimento - não têm seis anos. Só que resumir tudo à dívida pública e a um homem dispensam-nos de qualquer reflexão mais profunda. Há um culpado e a coisa está feita. E tem outra utilidade: sendo a culpa do primeiro-ministro anterior só nos resta aceitar tudo o que seja decidido agora. Afinal de contas, Passos Coelho está apenas a resolver os problemas deixados pelo seu antecessor.

 

Sócrates foi, na minha opinião, logo depois de Cavaco Silva (que desperdiçou uma oportunidade histórica), o pior primeiro-ministro eleito da nossa democracia. Mas nem por isso dispenso a honestidade intelectual e o rigor na análise. Nem por isso aceito a estupidificação coletiva na interpretação de uma frase óbvia. Nem por isso aceito o simplismo político. Nem por isso resumo o debate à demonização de uma só pessoa. Que políticos ressabiados ou gente que se quer pôr em bicos de pés o façam - e não posso deixar de assinalar que Pedro Passos Coelho se recusou a entrar na gritaria e encerrou o assunto com um "acho que ninguém pode discordar" - não me espanta. Já acho mais perturbante que economistas e jornalistas de economia embarquem em tão rasteiro expediente argumentativo. Torna-se difícil dar crédito a qualquer opinião que emitam sobre qualquer outro assunto.

 

Escrevi-o antes das eleições em que o PS foi julgado pela democracia e escrevo-o de novo: se os problemas portugueses e europeus tivessem começado e acabado em José Sócrates bem mais fácil seria a nossa vida. E nem o confronto político desculpa a desonestidade intelectual da indignação que se instalou com a afirmação do óbvio.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 08:01 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds