Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Pastel de Bacalhau

 

O pastel de bacalhau provoca polémica. O Norte reivindica-o. Lisboa também. É demasiado popular. Atravessa fronteiras geográficas e classes sociais. Está em todas as tascas. E também nos restaurantes de luxo.

 

Estávamos sem saber por onde começar a investigar a história do pastel de bacalhau. Já tínhamos tido, numa passagem pelo Norte, um pratinho de deliciosos bolinhos de bacalhau colocado à frente, enquanto o nosso anfitrião nos lançava a provocação: "Veja lá se consegue comer uns como estes lá em Lisboa..."

 

Mas o problema é que no concurso para a escolha das sete maravilhas da gastronomia portuguesa, em que o pastel de bacalhau é um dos 21 finalistas, ele aparece como sendo de Lisboa. O caso é polémico, percebemos rapidamente, mas, apesar de tudo, tentámos respeitar as regras e colocar o pastel em Lisboa. E, de repente, surgiram duas ajudas inesperadas - ambas involuntárias.

 

A primeira veio (mais uma vez) de Miguel Esteves Cardoso. Numa das crónicas do livro Em Portugal não Se Come mal há uma em que MEC fala daquilo a que chama a "Gastronomia Underground Portuguesa", as pequenas cumplicidades que nos dão acesso a coisas que acreditamos serem especiais. E conta como uma vez, no Gambrinus, em Lisboa, lhe disseram que não tinham cozido à portuguesa - "Não podemos, doutor - senão toda a gente queria..." "[Mas temos] especialmente para si... dois pastéis de bacalhau que, devidamente indoutrinados, escondemos dos demais comensais com o véu do guardanapo, com aquela culpabilidade que multiplica a delícia das coisas."

 

E pronto, tínhamos aí a desculpa para bater à porta do Gambrinus e perguntar como é que fazem pastéis de bacalhau num restaurante de luxo. Às dez da manhã, quando na Rua das Portas de Santo Antão os restaurantes começavam a preparar as esplanadas, e nas tasquinhas já havia pastéis de bacalhau prontos, entrámos no prédio estreitinho pela porta de madeira e vidro, olhando de relance para as cinco estrelas, percorremos o labiríntico espaço interior, por entre as paredes com painéis de madeira e vitrais, voltámos a sair para o exterior, e lá fomos dar ao escritório do gerente Dário Afonso. Minutos depois tínhamos ao pé de nós o chefe Carlos Oliveira, que trazia na mão a receita dos pastéis de bacalhau do Gambrinus.

Fritura rápida

Não é que seja um segredo - é basicamente a receita tradicional de pastéis de bacalhau (levam noz moscada, o que nem todos os cozinheiros põem). O que é especial é a forma como o bacalhau é esmagado juntamente com a cebola e o alho num almofariz (em vez de ser no habitual pano grosso que depois é batido).

 

Descemos à cozinha, seguindo o chefe. Por detrás da porta de ferro trabalhado da garrafeira aparece o objecto, uma peça enorme, em mármore, que, calcula Dário Afonso, poderá estar no restaurante desde os anos de 1940 (tal como a receita).

 

O outro pormenor que, explica o chefe, torna os pastéis particularmente cremosos é o facto de o puré de batata ser passado por um peneiro de malha fina. E, por fim, a fritura em óleo, a 180 graus, muito rápida, quase entrada por saída, para não ficarem embebidos em gordura. No Gambrinus os pastéis de bacalhau são ligeiramente mais pequenos, porque são enrolados com uma colher de sobremesa, o que faz com que fritem mais rapidamente.

 

Há sempre alguma coisa que faz a diferença e que permite dizer: "Não há cozido hoje, mas temos aqui só para si..." Porém, o que a visita ao Gambrinus comprovou foi que o pastel de bacalhau é uma das tradições gastronómicas portuguesas mais democraticamente espalhadas, desde a tasca da esquina ao restaurante de luxo. E - entra agora a segunda ajuda involuntária - é uma tradição antiga.

 

No site de Virgílio Gomes há uma crónica sobre os pastéis de bacalhau na qual o crítico gastronómico explica que o pastel nasce com a batata e (na opinião dele) entra em decadência por causa da batata (ou seja, pelo excesso de batata). Esta terá chegado a Portugal em 1760, mas só em 1798 é que a rainha D. Maria I publica um incentivo à produção de batata nos Açores, enquanto no continente, conta Virgílio Gomes, a Academia das Ciências entrega a medalha de ouro a D. Teresa de Sousa Maciel pela sua produção de batata. Será o filho desta, o visconde de Vilarinho de São Romão, quem publica em 1841 na Arte do Cozinheiro e do Copeiro a primeira receita do pastel de bacalhau, embora, segundo o crítico, fosse mais próxima das pataniscas.

 

A história continua, com receitas a surgirem com pequenas variações - com o nome "pastelinhos fritos de bacalhau à holandeza" em 1876, em Arte de Cozinha de João da Mata (que tinham a particularidade de terem queijo ralado), e como "bacalhau em bolos enfolados" no Tratado de Cozinha e de Copa de Carlos Bento da Maia (1904), onde se aconselha a fritura em azeite.

 

Tudo isto são pormenores que dariam para horas de debate apaixonado entre especialistas. No seu livro Cozinha Tradicional Portuguesa, Maria de Lurdes Modesto coloca a receita dos "bolinhos de bacalhau deliciosos" no Entre Douro e Minho, e inclui um cálice de vinho do Porto; Alfredo Saramago em Cozinha de Lisboa e Seu Termo aconselha a separar as gemas e a juntar as claras batidas em castelo e coloca na capa a foto dos pastéis de bacalhau. Mas, polémicas à parte, a verdade é que qualquer português reconhece um frito feito de bacalhau, batata e salsa picada quando vê um - pouco importa que esteja no Norte ou no Sul, pouco importa que lhe chame bolinho ou pastel.

 

Receita

 

Colocar as batatas (quilo e meio) num tacho com água temperada com sal grosso e levar ao lume até ficarem cozidas, escorrer e passar por um peneiro de malha fina, e reservar. Cozer o bacalhau (um quilo) em água durante cinco minutos, retirar para um prato e deixar arrefecer. Depois de arrefecido, limpar o bacalhau de pele e espinhas, desfiar e reservar. Num tacho, leve ao lume o azeite (2dl) e os alhos (seis dentes finamente picados) e deixe alourar; de seguida coloque as cebolas (três cebolas médias finamente picadas) e deixe refogar ligeiramente, apenas para alourar. Retirar do lume e juntar o bacalhau, deixar arrefecer um pouco, após o que há que colocar o preparado num almofariz e esmagar até obter uma massa. Numa tijela juntar o puré de batata, a massa de bacalhau, a salsa (100 gramas), os ovos inteiros (oito), e temperar com pimenta e noz moscada, envolver muito bem todos os ingredientes. A massa tem de ficar bem ligada e consistente para que os pastéis não fiquem moles. Passar duas colheres por azeite e, com uma delas, retirar uma colher de massa. Passar a massa de uma colher para a outra até ficar no formato do pastel de bacalhau. Fritar em óleo bem quente. Depois de fritos, colocar num prato com papel absorvente.

(Receita fornecida pelo restaurante Gambrinus)

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:37 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds