Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2011
Os crimes que vitimaram três prostitutas já prescreveram
Os crimes que vitimaram três prostitutas já prescreveram (Foto: Adriano Miranda)
A Polícia Judiciária deteve um homem de 46 anos que se suspeita ser o assassino em série que entre 1992 e 1993 matou três mulheres na capital, ficando conhecido como “estripador de Lisboa”.

Estes crimes que vitimaram três prostitutas e que têm em comum o facto de o assassino as ter esventrado, levando parte dos intestinos, fígado e coração, já prescreveram em 2008 mas há pistas sobre outros mais recentes que conduziram à detenção, avança o semanário Solna sua edição online.O homem em causa chama-se José Guedes e tem 46 anos. O suspeito, que na altura dos primeiros crimes era operário na construção civil, estava agora desempregado e vivia em Matosinhos.

José Guedes foi detido há uma semana pela PJ e ficou preso preventivamente por ordem do juiz de instrução, escreve o mesmo jornal, concretizando que em causa estão novas ameaças feitas pelo suspeito e não os crimes do início da década de 1990. O Sol falou com o suspeito, que se confessou responsável pela prática de outros crimes, na Alemanha, para onde emigrou uns anos, e em Aveiro, em 2000. Já o Correio da Manhã, na sua edição de hoje, diz que a informação chegou à PJ através de dois filhos do suspeito, após conflitos familiares.

Os crimes cometidos entre 1992 e 1993 já prescreveram e o caso foi arquivado, mas estes novos que o suspeito agora refere ainda podem ir a tribunal. No final de Julho de 1992, num barracão de armazenamento de produtos químicos, em Odivelas, surgiu o cadáver da primeira mulher. Tinha 22 anos, estava praticamente nua e havia sido rasgada e esventrada com uma lâmina. Não fora roubada. Exames periciais indiciaram estar-se em presença de um homicida com grande força física.

Algum tempo depois o corpo de outra prostituta era encontrado num barracão sob a linha férrea em Entrecampos, Lisboa. Em comum com a primeira vítima tinha o facto de ser toxicodependente, de estar infectada com o vírus da sida e de não ter sido roubada. No palco deste crime a PJ recolheu os indícios que lhe permitiram suspeitar que o culpado fosse um homem corpulento. O assassino calcou sangue, deixando um rasto, e algum cabelo. A existência de um banco de ADN teria ajudado então a resolver o caso. Meses mais tarde, novamente em Odivelas, outra mulher, com as características das anteriores, foi assassinada pelo mesmo método.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 00:30 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds