Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

Uns são fraudes, outros são estudos que não deviam ter acontecido, pelo menos daquela forma. Quando a ciência não dá boa imagem de si.
A fraude do "senhor dos dados" holandês


Os temas de Diederik Stapel pareciam escolhidos a dedo para chamarem a atenção: a influência do poder no pensamento moral, como os ambientes desordenados promovem a discriminação... Mas os dez anos de investigação em Psicologia Social do holandês, traduzidos em mais de 150 artigos em revistas científicas, desmoronaram-se em Setembro, quando foram divulgados os primeiros resultados de uma investigação promovida pela Universidade de Tilburg, onde trabalhava. Stapel, afinal, não fazia inquéritos, nem experiências para observar situações sociais. Inventava pura e simplesmente os dados e dava-os aos seus estudantes ou colaboradores, que não sabiam que trabalhavam com falsidades.

"As pessoas estão chocadas", disse ao site Science Insider Gerben van Kleef, psicólogo social da Universidade de Amesterdão. O relatório ainda provisório das universidades holandesas onde Stapel trabalhou chamou-lhe "Senhor dos Dados" (Lord of the Data), porque não mostrava o material original a ninguém. Isso ter-lhe-á permitido ter uma carreira fraudulenta, publicando em revistas prestigiadas, como a Science.

Esta fraude de proporções épicas pôde acontecer porque é prática corrente na investigação em Psicologia não divulgar os dados originais, com a desculpa de defender a privacidade dos participantes. Mas "a cultura de segredo da Psicologia produz ciência de baixa qualidade", escreveu na Nature o psicólogo Jelte Wicherts, da Universidade de Amesterdão. "Quando se voltam a analisar artigos publicados, encontram-se frequentemente erros, e quanto mais relutantes se mostram os autores em divulgar os seus dados, mais provável é que o seu trabalho tenha erros."

Arsénio, bactérias e a ciência em águas de bacalhau

A descoberta divulgada no final de 2010 foi uma declaração e tanto. Havia na Terra bactérias tão diferentes que passava a ser possível procurar vida em locais no Universo que até então julgaríamos mortos. Felisa Wolfe-Simon, do Instituto de Astrobiologia da NASA, tinha encontrado uma espécie que se alimentava de arsénio. O estudo foi publicado na Science.

Até então o statu quo era que as proteínas, gorduras, o ADN, que compõem as células eram constituídas por carbono, oxigénio, hidrogénio, azoto, enxofre e fósforo. O que as bactérias GFAJ-1 do lago Mono, na Califórnia, rico em arsénio, faziam era substituírem o fósforo pelo arsénio quando o segundo existia em grandes quantidades. Este elemento venenoso, está abaixo do fósforo na Tabela Periódica e tem propriedades semelhantes.

A investigadora fez a descoberta submetendo as bactérias a concentrações altas de arsénio. Verificou a sua multiplicação e incorporação no ADN. Mas o trabalho foi logo criticado: o meio tinha fósforo suficiente para as GFAJ-1 sobreviverem, o ADN não foi limpo correctamente, devia ser analisado através de espectrometria de massa, etc. 

A investigadora voltou para o laboratório e pediu aos seus pares que replicassem as experiências. Em Maio a Science publicou oito críticas ao artigo e um novo estudo de Wolfe-Simon e colegas que defendia as assunções originais. O artigo não foi retirado, embora exista uma desconfiança total. 

A 25 de Junho, Carl Zimmer queixava-se no New York Times de que faltava vontade aos cientistas de replicarem experiências das quais esperavam resultados negativos. Dava explicações: isso tirava-lhes tempo para trabalhar nas suas experiências e tinham dificuldade em publicar os resultados em revistas de topo. Passado um ano, as bactérias que comem arsénio continuam em águas de bacalhau.

O vírus que afinal não estava por trás da fadiga crónica

Um retrovírus que causa leucemia em ratinhos está por trás da desconcertante síndrome da fadiga crónica, um problema com sintomas variados que afectará 17 milhões de pessoas? A hipótese foi publicada na Science, há dois anos, mas foi ceifada pela própria revista poucos dias antes do Natal, pondo fim a uma verdadeira novela.A equipa liderada pela investigadora Judy Mikovits relatou em 2009 ter identificado o vírus XMRV no sangue de 67% de 101 pacientes que analisou e também 3,7% de pessoas saudáveis. Mas ninguém conseguia reproduzir os seus resultados. As dúvidas acumularam-se, cada vez mais sérias. Teria havido contaminação das amostras ou de algum passo do trabalho de laboratório, até porque se descobriu que o vírus XMRV teve origem num laboratório.

Mas Mikovits recusou-se a ouvir tal coisa e, qual D. Quixote, passou estes dois anos a dizer que todos estavam a fazer as experiências de forma errada. 

Defendia até que todos os doentes fizessem caras análises de despistagem do vírus (549 dólares, dizia a revista Nature) e tomassem anti-retrovirais, como se tivessem sida.

A Science já em Maio tinha pedido à equipa que retirasse o trabalho. Mikovits respondeu que era "prematuro". Entretanto, foi despedida do Instituto Whittemore (Nevada). Mas levou computadores, pens, apontamentos de outros investigadores. Foi denunciada à polícia e passou quatro dias na cadeia.

Bruce Alberts, o director da Science, explica que a revista retirou o artigo porque o grupo nomeado pelo Departamento de Saúde dos EUA para esclarecer se as reservas de sangue podiam ser contaminadas pelo vírus XMRV divulgou os resultados este mês: não havia indícios do vírus em amostras de sangue onde Mikovits et al o tinham detectado.

Os genes dos centenários atraiçoados por erro técnico

Estará o segredo do que faz alguém ultrapassar os 100 anos nos genes? Não se sabe bem. Por momentos parecia haver uma resposta mais concreta dada por Paola Sebastiani e Thomas Perls, dos EUA. Em Julho de 2010 diziam na Science ter identificado 150 locais no ADN humano que explicavam por que é que 77% dos centenários chegavam àquela idade. Para isso utilizaram 801 pessoas com mais de 100 anos e 962 controlos, e compararam 300 mil pontos no ADN entre as duas populações.

Os genes são uma espécie de caixa-forte de informação, que codifica cada proteína. São formados por uma cadeia de ADN, integrados nos cromossomas que estão nas células. A molécula de ADN é fabricada com quatro tijolos diferentes e cada gene tem uma sequência destes tijolos. Mas entre duas pessoas pode haver diferença num ou noutro tijolo. Os investigadores demonstraram que havia 150 lugares - chamados SNP (single nucleotide polymorphism) - no genoma humano que, se tivessem um certo tijolo em vez de outro, aumentavam a longevidade.

O estudo foi uma bomba. Mas rapidamente surgiram críticas. A mais grave foi a relativa a um aparelho usado para comparar os lugares no ADN das duas populações nas amostras de 108 centenários. O aparelho interpreta mal dois dos 150 SNP, o que punha a experiência em causa.

Os cientistas ficaram surpreendidos com a crítica e voltaram ao laboratório. A 21 de Julho, admitiram haver "erros técnicos" e pediram para retirar o artigo. "Sentimos que as principais descobertas que fizemos continuam a ser fundamentadas", escreveram. "Mas detalhes específicos da nossa análise alteraram-se substancialmente."

A bomba atómica da gripe feita em laboratório

Se o vírus H5N1, conhecido como a gripe das aves, se transmitisse facilmente entre os seres humanos - coisa que até agora não faz - seria uma bomba atómica biológica. A mortalidade é de 59%, bem acima de qualquer outra gripe, até mesmo da de 1918, que terá morto 100 milhões de pessoas. Então por que é que duas equipas, financiadas pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, criaram essas versões de pesadelo do H5N1?

A equipa de Ron Fouchier, do Centro Médico Erasmo de Roterdão, liderada por Ron Fouchier, e a de Yoshihiro Kawaoka, que junta investigadores japoneses e da Universidade de Wisconsin (EUA), têm artigos à espera de publicação em duas das mais prestigiadas revistas científicas (a Science e a Nature) descrevendo como criaram vírus H5N1 com mutações genéticas que se transmitem facilmente entre mamíferos. Até agora, o vírus só ocasionalmente passa para os seres humanos, embora com resultados devastadores: das 565 pessoas que infectou desde 1997, matou 331.A publicação iminente destes artigos fez entrar em acção um organismo criado nos EUA após os ataques terroristas de 2001 - e o envio de cartas com Bacillus anthracis, a bactéria do carbúnculo -, o Conselho Consultivo Científico de Biossegurança dos EUA, que pediu que os artigos não fossem publicados na íntegra. Pelo menos enquanto se analisam os riscos e os benefícios de divulgar uma investigação que pode ajudar terroristas a criar vírus que se transformem em armas letais. 

Os cientistas não gostaram muito: defendem que é importante divulgar o que fizeram para que todos os cientistas possam preparar formas de contrariar a eventual utilização do vírus por terroristas, ou até se as mutações surgirem naturalmente.

Para Laurie Garrett, especialista em saúde do think tank Council on Foreign Relations, tentar travar esta publicação não é a melhor política. "Em vez de tentarmos censurar a investigação porque a sua divulgação inevitável pode ser perigosa, devíamos ter uma discussão franca sobre as suas implicações", escreve na revista Foreign Policy. Por exemplo, acerca da proliferação de laboratórios biológicos de alta segurança no pós-ataques de 2011, "onde os cientistas estudam agentes altamente patogénicos como o Ébola, o botulismo ou outros germes que alguém pode transformar em armas". Na União Europeia, nota, o número de laboratórios de segurança máxima (nível 4) cresceu de seis para 15 e nos EUA de sete para 13. 

"Desde que a proliferação de laboratórios começou, ocorreram acidentes com uma regularidade alarmante", diz a analista. Nestas instalações, sublinha, podem fazer-se experiências para conceber supermicróbios, "quer as intenções sejam nobres, como parece ser o caso de Fouchier e Kawakoka, ou maldosas".

História macaca provoca demissão em Harvard

Oito actos de má conduta puseram fim à carreira de Marc Hauser, pelo menos em Harvard, onde era uma referência na Biologia do Comportamento. Em Julho, quando se demitiu, foi o fim de uma história de quatro anos.

O psicólogo comportamental era uma referência. Estudava a evolução de características humanas como moralidade, matemática ou linguagem, olhando para os primatas e procurando a origem destas características. Descobriu que os saguins-cabeça-de-algodão se reconheciam ao espelho e conseguiam identificar padrões diferentes de vogais e consoantes. Verificou que os macacos-rhesus podiam ler correctamente gestos humanos. 

Publicou em revistas científicas com impacto: Science, Proceedings of the Royal Society, Cognition. Mas o cientista era criticado pelas suas experiências, por retirar conclusões ousadas a partir de observações subjectivas dos comportamentos dos animais que testava. A descoberta dos macacos que se reconheciam ao espelho, de 1995, foi uma delas. Hauser chegou a repetir testes sem conseguir replicar o observado. No entanto, continuou a publicar um artigo por mês e foi construindo um corpo de estudo que era seguido pelos colegas da área.

Mas, em 2007, três alunos graduados do seu laboratório desconfiaram da forma como Hauser utilizou dados e denunciaram o caso a Harvard. De seguida, os computadores do investigador foram levados e o burburinho à volta do cientista explodiu. 

Três anos depois, a universidade concluiu que havia oito actos de má conduta que envolviam "aquisição, análise e retenção de dados, e a descrição de metodologias de investigação e trabalho". Colegas da área criticaram a universidade por não dar detalhes sobre os erros e lançar uma sombra sobre este campo de investigação. Hauser foi obrigado a rever os dados de três artigos, um deles foi retirado. Passado um ano, demitiu-se. 

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:56 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds