Terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

Em 21 Estados-membros, mais de 40% das crianças abaixo dos três anos estão a cargo exclusivamente dos pais

 

O Instituto Europeu da Igualdade de Género sublinha que as mulheres continuam a ser quem trata das crianças.Oiça o comentário áudio de Manuela Tavares, membro da direção da UMAR.

 

Em 21 Estados-membros, mais de 40% das crianças abaixo dos três anos estão a cargo exclusivamente dos pais
Rui Ochôa

Metade das crianças abaixo dos três anos que vivem na União Europeia (UE) ficam com os pais e não em creches, ou noutros serviços de apoio à infância, conclui um relatório do Instituto Europeu da Igualdade de Género (EIGE).

 

Em 21 dos 27 Estados-membros da UE, mais de 40 por cento das crianças abaixo dos três anos estão a cargo exclusivamente dos pais, com a Hungria a registar a percentagem mais elevada: mais de 70 por cento.

 

O EIGE lembra, no relatório sobre conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional divulgado esta semana e elaborado a pedido da presidência dinamarquesa da UE, que os líderes do Conselho Europeu acordaram, na cimeira de Barcelona, em 2002, que os Estados-membros da UE deviam fazer tudo para garantir, em 2010, o acesso a serviços de apoio à infância de pelo menos 33 por cento das crianças com menos de três anos.

Nove países garantem acesso a creches

Ora, em 2009, apenas nove países o garantiam, entre os quais Portugal - os outros eram Bélgica, Dinamarca, França, Reino Unido, Luxemburgo, Espanha, Suécia e Holanda.

 

No outro extremo, nove Estados-membros só garantiam o acesso a esses serviços a menos de dez por cento das crianças daquela faixa etária - Áustria, Bulgária, República Checa, Hungria, Lituânia, Malta, Polónia, Roménia e Eslováquia.

 

O EIGE, agência da Comissão Europeia com sede em Vilnius, capital da Lituânia, sublinha que a disponibilidade nos equipamentos oficiais de apoio à infância para o grupo das crianças com menos de três anos é "crucial para a reconciliação da vida pessoal, familiar e profissional",
particularmente para as mulheres "expostas a riscos mais elevados durante a reintegração no trabalho após a maternidade".

 

Já no que concerne a crianças entre os três anos e a idade escolar, o EIGE regista "uma evolução clara", com sete países (Bélgica, Estónia, Espanha, França, Itália, Suécia e Reino Unido) a cumprirem a meta de 90 por cento de cobertura em 2010 e outros sete, entre os quais Portugal, a garantirem pelo menos 80 por cento. Porém, ainda há Estados-membros que ficam muito abaixo da meta, nomeadamente Bulgária, República Checa, Grécia, Lituânia, Polónia e Roménia.

Falta de flexibilidade nos serviços

Ao mesmo tempo, a flexibilidade dos serviços que prestam cuidados a crianças ainda apresenta problemas, quer seja no número de horas em que estão em funcionamento, como nas horas de abertura ou nos períodos de férias.

 

Apesar dos "progressos" registados nas leis e das alterações adotadas nalguns países, entre os quais Portugal, no sentido de "permitir um envolvimento crescente dos homens/pais no apoio às crianças", o EIGE sublinha que "as mulheres continuam a ser as principais cuidadoras na
infância".

 

Na introdução ao documento, Virginija Langbakk, diretora do EIGE, lembra que, na Europa, "as mulheres entre os 25 e os 44 anos gastam, por dia, três vezes mais tempo do que os homens a cuidar das crianças". Portanto, as mulheres trabalham mais horas, pagas e não pagas, do que os
homens, conclui.

 

Sublinhando que "a importância de fornecer serviços de apoio à infância acessíveis e de qualidade é reconhecida ao nível da UE como uma medida importante para aumentar a participação das mulheres no mercado de trabalho e para promover a igualdade de género", o EIGE reconhece que "ainda há muito a fazer" em matéria de conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional, naquele que é o seu primeiro relatório sobre este tema.

 

A conciliação é "um fator decisivo" para atingir a meta de aumentar para 75 por cento a taxa de emprego de mulheres e homens entre os 20 e os 60 anos, definida na estratégia de crescimento Europa 2020, frisa o EIGE.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 17:58 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds