Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012
12 bons vinhos a menos de 10 euros

 

Eis uma dúzia de vinhos que ajudam a superar os lamentos de crise de um "annus horribilis", 
sem que com isso se criem desequilíbrios orçamentais. Há produtores exímios em oferecer bons vinhos com preço abaixo da barreira psicológica dos 10€. E até vinhos de belíssima qualidade a 5€ ou menos.

Com maior ou menor exultação, com festejos mais expansivos ou comemorações mais contidas, a verdade é que já entrámos em 2012, o ano consagrado como maldito, que todos se empenham em acautelar como annus horribilis, o ano que concentrará todas as desgraças e desventuras nacionais. Os avisos sucedem-se, dentro e fora de fronteiras, reduzindo a confiança e as expectativas, limitando-nos a fé à simples esperança de que o ano que agora começou... seja realmente o pior ano de sempre.

 

Sentimos uma espécie de medo colectivo, um torpor grupal que nos inibe no momento das grandes decisões, adiando muitas das resoluções a que nos tínhamos proposto no passado, obrigando ao adiar de despesas estreitando os orçamentos familiares. Uma apreensão que se estende aos vários sectores da economia, das empresas às famílias, dos serviços à indústria, dos funcionários públicos aos profissionais liberais, minorando a disponibilidade emocional para todos os gastos considerados como não essenciais... entre os quais se inclui o vinho.

 

Por isso, o ano ameaçador de 2012 será também um ano de gastos mais comedidos no vinho, impelindo as famílias a procurar vinhos mais equilibrados no preço, vinhos com boas a excelentes relações qualidade/preço que ajudem a superar os lamentos da crise, sem que com isso se criem desequilíbrios ou deficits orçamentais. Uma condição que é cada vez mais respeitada pelos produtores nacionais, exímios em oferecer bons vinhos a preços mais do que justos, abaixo da barreira psicológica dos 10€, conseguindo mesmo alguns deles propor vinhos de belíssima qualidade a preços inferiores a 5€.

 

Entre eles conta-se João Portugal Ramos, uma das figuras de proa da enologia nacional, com a edição 2010 do alentejano Loios, um tinto de cor vermelha viva e brilhante, repleto de fruta acessível, num estilo fácil e claro que oferece uma frescura notável, de corpo directo mas tremendamente sedutor. Ainda na categoria dos vinhos com preço de venda inferior a 5€, vale a pena deixar-se seduzir pelo atraente Vinhas Boas 2009, um tinto do Dão da autoria de Nuno Cancela de Abreu que se mostra bem-parecido, alegre, perfumado pela fruta delicada, atestado de groselha, morango e mirtilos, um tinto franco e muito agradável.

 

No mesmo patamar de preço anuncia-se o Casa Santos Lima Sauvignon Blanc 2010, um branco de Lisboa que revela cor amarela palha muito clara. O nariz expõe os sinais peculiares da casta francesa, irradiando apontamentos aromáticos de relva acabada de cortar, groselhas verdes, espargos brancos e um pouco de melão, perfil que a boca confirma por inteiro. Fresco, exótico, perfumado, primaveril, é muito fácil gostar deste Sauvignon Blanc. Também branco, também da colheita 2010 e também proposto a menos de 5€, o Casal da Coelheira branco 2010, da região do Tejo, mostra-se um branco supinamente fresco e mineral, floral e silvestre, muito discretamente vegetal, denunciando um tipo de frescor pouco comum nos vinhos brancos nacionais. Seco e quase mastigável, termina teso e severo embora harmonioso.

 

Mas é seguramente no disputado segmento entre os 5€ e os 10€ que abundam as melhores relações qualidade/preço do mercado. Entre as muitas dezenas de escolhas possíveis destaca-se o Quinta dos Roques 2008, muito provavelmente o melhor Quinta dos Roques clássico de sempre, sério e amplo, vivo e seguro, tenso e poderoso, um tinto que nesta colheita alcançou um patamar qualitativo que raramente os vinhos deste segmento de preço conseguem aspirar. Muito interessante está o singular e tentador Terras d'Alter Alfrocheiro 2009, um tinto estreme de uma casta que raramente se vê sozinha no Alentejo. Aprimorado nas notas de ginja, morango e groselha, fino e delicado, é muito fácil gostar deste Alfrocheiro alentejano de perfil tão harmonioso e sensível.

 

O que não deve perder sob nenhuma perspectiva são o Julia Kemper e oQuinta do Cerrado Encruzado, dois belíssimos brancos do Dão, ambos da colheita 2010 onde a casta Encruzado é rainha.

 

O primeiro resulta de um lote equitativo entre as castas Encruzado e Malvasia Fina, assomando grandioso e rigoroso, desafogado e fino nos aromas, amplo e gigante na estrutura. Um branco de corpo imponente e alma cheia, subtil embora possante, suave mas poderoso, imponente no final de boca.

 

O segundo, um vinho estreme da casta Encruzado, emerge encorpado e aromaticamente austero, como de resto é a praxis da casta, amplo e poderoso, cheio e volumoso na boca, com um final de boca destemido. Um belíssimo branco que seria interessante poder ver na companhia retemperadora da casta Malvasia Fina!

 

E sempre que se fala em boas relações qualidade/preço é impossível não terminar com a região de Setúbal, uma das regiões que melhor exprime o conceito e que o leva mais a peito. A abundância de candidatos é lendária, alternando entre os vinhos da Adega Cooperativa de Pegões, Ermelinda Freitas, Bacalhôa e José Maria da Fonseca, entre muitos outros pretendentes ao trono. Por vezes a escolha não é fácil face à abundância de propostas. Como escolher, por exemplo, entre a potência desmedida do Ermelinda Freitas Touriga Nacional 2009 e a suavidade do Adega de Pegões Touriga Nacional do mesmo ano? Se o primeiro prima pelo vigor e pujança, pelos taninos sólidos e pela garra da acidez, num tinto brutal, frutado, encorpado, que fará as delícias dos amantes de vinhos poderosos, o segundo prima pelos aromas florais de violetas e pelas notas citrinas, bem como no jasmim do fundo do copo e na cereja preta. Suave e delicado, termina ligeiramente doce e reconfortante.

 

Tempo ainda para um surpreendente Bacalhôa JP branco 2010, proposto a menos de 3€, um vinho a quem o perfume inebriante da casta Moscatel brinda uma formosura inesperada que a boca logo confirma com o viço da acidez, sem deixar que os aromas terpénicos do Moscatel o tornem enjoativo.

 

Para terminar, o DSF Colecção Privada Moscatel Roxo rosé 2010, um rosado de cor salmonada muito clara, um vinho rosado da casta Moscatel Roxa com aromas intensos à casta, floral e perfumado, exuberante e espampanante, muito diferente dos restantes vinhos rosados do mundo. Termina seco, o que o torna apetitoso para a mesa.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 17:34 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds