Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2012
As comemorações de 2014 prometem animar a nação escocesa

As comemorações de 2014 prometem animar a nação escocesa (Jens Schlueter/Reuters)

 

Os ânimos estarão ao rubro quando, em Junho de 2014, os escoceses rumarem a Bannockburn para celebrarem os 700 anos da mais mítica batalha contra o Exército inglês. Tal como naquele embate, a Escócia estará prestes a decidir a sua sorte, disputando já não com armas mas com votos a sua independência - uma ambição que nunca abandonou e que agora renasce com o referendo proposto pelo Governo de Edimburgo.

 

"Os próximos tempos serão verdadeiramente históricos", disse ao PÚBLICO Tom Deville, professor de História Escocesa da Universidade de Edimburgo, explicando que, apesar do muito que pode mudar em dois anos e meio, existem hoje condições para uma mudança profunda no Reino Unido, criado há 300 anos pela união de escoceses e ingleses. "Isto não torna a independência da Escócia inevitável, mas torna-a mais provável do que em qualquer outro momento na história desde 1707", afirmou.

Os alarmes soaram em Londres, em Maio do ano passado, quando, contra todas as previsões, o Partido Nacional Escocês (SNP), liderado por Alex Salmond, conquistou nas eleições de 2011 a maioria absoluta que lhe fugira em 2007. Reforçado, o carismático primeiro-ministro escocês garantiu que cumpriria a promessa de chamar os eleitores a decidir sobre o fim da união política com Londres. 

"Decidimos casar com os que estão do outro lado da fronteira, mas agora chegou o tempo de nos divorciarmos", disse à AP Gillian Leathley-Gibb, dona de uma loja de recordações na cidade de Stirling, a curta distância do local onde, em 1314, o rei Roberto I venceu o exército do monarca inglês Eduardo II. "Por mim, construía um muro na fronteira. Eles fazem as leis todas lá em Londres, sem terem uma ideia do que está a acontecer aqui", acrescentou a vizinha Janice Black, repetindo queixas antigas contra o centralismo do Estado britânico.

A Escócia manteve sempre um sistema judicial próprio e, desde 1999, tem ampla autonomia, elegendo um Parlamento com poderes para decidir as suas próprias políticas de saúde, educação e economia. Mas Salmond quer uma Escócia que "fale pela sua própria voz, se erga mais alto no mundo e assuma a responsabilidade pelo seu futuro", como afirmou quando, no final de Janeiro, pôs em marcha o processo para a realização do referendo, no Outono de 2014.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, não ficou impávido perante o desafio e, ainda antes de Salmond formalizar a sua proposta, avisou que só o Parlamento de Westminster poderia convocar um referendo com efeitos constitucionais e que só estava disposto para o autorizar mediante duas condições: a consulta teria de realizar-se "o mais cedo possível" (e não no ano das comemorações) e aos eleitores seria apenas perguntado se querem ou não a independência.

A terceira via

Salmond acusou Cameron de "querer esmagar a Escócia com as suas botifarras" e insiste que os escoceses devem poder pronunciar-se sobre uma terceira opção - a concessão de total autonomia fiscal ao governo de Edimburgo, que ficaria apenas impedido de decidir sobre matérias de Defesa ou Política Externa. Esta é a alternativa preferida pelos eleitores (68 por cento apoiam a ideia), mas Londres teme os efeitos que tal transferência de poder teria para o Reino Unido. 

"Os três principais partidos britânicos [todos pró-união] até podem achar que estão a ser mais inteligentes e que a maioria votará "não", mas e se estiverem enganados? Se não apresentarem alternativas, muita gente vai pensar que é tudo ou nada e vão optar pelo tudo", disse ao PÚBLICO Peter Lynch, professor de Política da Universidade de Stirling, para quem "há boas hipóteses de o "sim" vencer". 

As últimas sondagens mostram que os pró-independência continuam em minoria (38%), mas com tendência para aumentar. As palavras de Cameron inflamaram os ânimos, mas Lynch vê causas mais profundas para o optimismo nacionalista. Por um lado, "a economia britânica está numa situação bastante má" e as medidas de austeridade funcionarão a favor da campanha do "sim". Por outro, diz, as políticas liberais de Cameron trazem à memória a era Thatcher, "um período desastroso para a maioria dos escoceses", tradicionais eleitores da esquerda e que, depois de décadas a votar nos trabalhistas, se transferiram para o SNP. 

Desde que chegaram ao poder, os nacionalistas apostaram em políticas de investimento, em contraciclo com Londres, e iniciativas populares como a isenção de propinas nas universidades ou a prescrição gratuita de medicamentos para os idosos. "Neste momento, temos duas nações diferentes na abordagem que fazem à sociedade e na forma de enfrentarem os problemas, e essa é uma das razões por que tem sido tão difícil para a causa do "não" defender a união", diz o politólogo. Mas terá a Escócia os meios para se tornar independente? Salmond reclama 90% das receitas do crude extraído no mar do Norte, um modelo económico que tem sido bem-sucedido a captar investimento estrangeiro e a convicção de que uma Escócia independente se tornaria membro automático da UE. Nos últimos dias, sugeriu também que Edimburgo poderá continuar a usar a libra - adiando a pretensão de aderir ao euro, apesar da perda de autonomia fiscal que isso implicaria. 

Os economistas avisam, no entanto, que um país de apenas cinco milhões de habitantes e com uma economia muito endividada não teria a mesma facilidade de acesso ao crédito e seria forçado a adoptar a mesma austeridade que agora critica a Londres. 

É nestes riscos que os unionistas apostam, mas Tom Devine avisa que, ainda que o "não" vença, o referendo abrirá uma porta que, mais cedo ou mais tarde, levará Londres a fazer cedências. "Se tivesse que fazer uma previsão, eu diria que num prazo não inferior a 20 anos o mais provável é uma solução federal", diz o historiador, apontando para um "Parlamento escocês com muito mais poderes", a criação de um congénere inglês e a "transformação do Parlamento britânico numa autoridade federal". "Isto representaria a reconfiguração total de um dos Estados mais centralizados da Europa."

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:33 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds