Quarta-feira, 11 de Abril de 2012
A ABCDA é uma de dezenas de associações de cannabis que surgiram nos últimos anos em EspanhaA ABCDA é uma de dezenas de associações de cannabis que surgiram nos últimos anos em Espanha (Fotos: Miguel Madeira)
Há um ano que Anna O.P. tem o trabalho que quer. Membro da direcção da ABCDA – Associació Barcelonesa Cannàbica d'Autoconsum –, a socióloga de 35 anos passa os dias na Rua do Mar de Barceloneta, o bairro de pescadores de Barcelona. É aqui que fica a sede do grupo, um rés-do-chão de 30 metros quadrados onde os 5 mil sócios da ABCDA vêm buscar cannabis legal. O ar está tão cheio de fumo como se imagina e Anna tem na mão um charro meio fumado.


Comecemos pelo princípio. "Isto é um clube privado para maiores de 21 anos. Para seres membro precisas do aval de um sócio, que afirma que és consumidor e estás disponível para fazer um consumo sério. A seguir, fazemos uma entrevista, tentando perceber se há algum problema ou consumo excessivo", explica Anna. "Entendemos que é melhor que o consumo seja acompanhado, mas nem todos passam na entrevista."

Segue-se a assinatura de um "contrato de consumo responsável", válido por um ano. Cada sócio paga uma quota de 10 euros, a ABCDA gere plantações para abastecer o consumo de todos, e a cannabis é levantada (comprada) na Rua do Mar, 6 gramas no máximo por dia.

Entre as dezenas de associações que surgiram nos últimos anos em Espanha, a maioria na Catalunha (100 mil associados) e no País Basco, algumas visam especialmente os consumidores terapêuticos, doentes crónicos ou com algum tipo de cancro que substituem parte da medicação por cannabis. Não é o caso da ACBDA, que tem 30% de consumidores destes e uma maioria de "consumidores lúdicos".

Em Espanha, o consumo de cannabis é legal, assim como o cultivo para consumo. "O tráfico, a venda e a facilitação a terceiros são ilegais. Temos pessoas mais velhas ou doentes que não podem vir aqui. É lógico que venha o filho ou um amigo, mas esses podem ser presos à porta", diz Anna.

Na verdade, qualquer sócio pode ser preso. Basta que não consuma no interior do clube. A posse também é ilegal. "Agora tem acontecido pouco. Mas às vezes polícias à paisana plantavam-se aqui na rua e apanhavam um sócio ou um funcionário", conta. O resultado eram algumas horas na esquadra – até ficar esclarecido que a pessoa pertence a uma associação.

O perigo continua por perto e Anna que o diga. Na tarde de 23 de Março, um dia depois da visita do PÚBLICO, foi presa dentro do clube e acusada de tráfico. "Rasquera voltou a apontar os holofotes para nós", desvaloriza. Bernard Pelissa, o presidente do município que hoje referenda a plantação que deverá passar a servir a ABCDA, denunciou a operação como "politicamente motivada" e destinada a confundir os seus eleitores. Até agora, sempre que a polícia entrou em associações a Justiça acabou por levantar acusações e arquivar processos.

A ABCDA tem dois anos. Com os esforços da associação, que colabora com instituições do bairro, do hospital ao convento de monjas, passando pelas festas de S. João, passou a fazer parte da vida da Barceloneta.

A ideia da plantação de Rasquera – se avançar, será a primeira na Europa gerida por uma empresa municipal – veio da ABCDA. Foram os seus dirigentes que contactaram Pelissa. Com uma dívida de 1,3 milhões de euros e os cofres vazios, Pelissa pensou: "Porque não?" A 29 de Fevereiro, o projecto foi aprovado pela assembleia municipal, com os votos dos cinco conselheiros eleitos pela Esquerda Republicana. Contra votaram os quatro da oposição da CiU (federação de partidos de direita).

"O alcalde é o verdadeiro protagonista, um visionário", diz Anna. A ABCDA não precisa de Rasquera, mas conseguir que a sua cannabis venha de uma empresa municipal seria um grande passo no sentido "de uma verdadeira regularização do cultivo, venda e consumo". Rasquera precisa dos 550 mil euros por ano que a ABCDA pagará pelo aluguer das terras e gastos com a segurança.

A Procuradoria catalã "abriu diligências", mas já adiantou que "o consumo colectivo é legal". Para além de servir a ABCDA, a cannabis será usada em investigação – a empresa municipal será dirigida por um especialista em Saúde Pública.Farto de não ter dinheiro para fazer política, Pelissa anunciou que se demite, se o "sim" não tiver 75%. A ABCDA tem plano B. Pelissa não.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:04 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
posts recentes

Morreu Eusébio

Unesco consagra Dieta Med...

Morreu Nelson Mandela: A ...

Alejandro Sanz: 'A música...

Dulce Félix vice-campeã e...

Teatro, Festival de Almad...

Festim recebe Kimmo Pohjo...

Curta portuguesa entre as...

ARRISCA DEZ ANOS DE PRISÃ...

Maioria das mulheres alem...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds