Segunda-feira, 02.04.12
Aprenda 6 maneiras divertidas de melhorar sua vida sexual

De acordo com a ioga do riso, ao fingir os movimentos de um orgasmo você realmente pode ter um real
Foto: Getty Images

O que o riso e o sexo têm em comum? De acordo com o médico indiano Madan Kataria, tudo. O especialista criou o Clube do Riso, presente atualmente em cerca de 60 países e ainda é especialista na ioga do riso. Segundo a sua teoria, o riso falso ou verdadeiro proporciona os mesmos efeitos benéficos fisiológicos e psicológicos no corpo. E quem nunca provou o gostinho do que uma boa gargalhada pode proporcionar? Pois é, veja a seguir algumas dicas para fazer com que o sexo seja mais divertido, de acordo com o site Your Tango:

 

1 -Não leve nada tão a sério
Algumas pessoas têm a tendência de levar o sexo muito a sério. Os risos aliviam o estresse, a ansiedade e ainda vão encher o quarto de boas energias.

 

2 -Fingir? Sim
De acordo com a ioga do riso, ao fingir os movimentos de um orgasmo você realmente pode ter um real. Não custa nada experimentar.

3 -Orgasmo
Segundo o médico, quanto mais o casal ri, mais fácil chegar ao orgasmo.

 

4 -Sensação
Dar gargalhadas ajuda a ativar os neurotransmissores em seu corpo, tornando mais fácil a sensação de prazer. O mesmo vale para os orgasmos.

 

5 -Desejo
As pessoas não devem ter que esperar ter desejo para fazer sexo, às vezes é preciso começar a fazer para que a vontade apareça. O mesmo acontece com o riso.

 

6 -Mente
Com a prática do riso, ganhamos controle sobre nossas mentes e fazemos com que essas sensações boas fiquem na memória do corpo.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 01.04.12
Será que eles preferem as más

Charlize Theron em novo filme de Branca de Neve - o fascínio das mulheres más. Foto reprodução site Movie Fanatic

 

Uma daquelas perguntas intermináveis e que não querem calar. As mulheres se debatem nessa questão: a mulher deve ser , ou fazer a boazinha na hora da conquista? A resposta provavelmente será relativa e depende de tanta coisa, do momento.

Mas, vamos pensar melhor sobre essa maldade, que costuma ser bem sedutora a primeira vista. O motivo: transgressão. É a tal novidade da quebra de paradigmas, de crenças e tudo que sai fora da linha e representa emoção.

 

Mesmo que eles prefiram as más, muita calma boazinhas. O momento em que se conhece alguém, ou se paquera, é como uma cena de cinema, ela acontece, a gente curte, mas ela passa e outras cenas virão. Todo mundo tenta impressionar no começo, e ninguém é má ou boa o tempo todo. As mulheres são seres que vivem em fases. E se hoje é dia da má, amanhã será da boa, e por aí vai.

 

Mas o que realmente significa ser uma mulher má? Ela pode ser uma caricatura de uma vilã das histórias em quadrinhos, ou aquela que não se preocupa com os sentimentos dos homens, e se colocar sempre primeiro lugar. E me digam se não é assim mesmo que alguns homens agem? Nesse caso, podemos classificar como mulheres más aquelas que se comportam como os homens. Seria um rótulo e generalizar nunca é bom. As pessoas podem surpreender quando se fala de romance. E uma moça bozinha pode se tornar a vilã implacável, se tiver bons motivos para isso.

 

Há homens que dizem adorar as mulheres decididas, que sabem que são ótimas, bonitas, independentes, e más. Eles podem gostar, mas ainda aparentam ter medo de se relacionar livremente com elas.

 

E também há aqueles (maioria) que preferem as mais calmas, que não lhe causem muitas variações de emoção. Isso é apenas uma opinião, por amostragem, fruto da uma pesquisa feita a partir das amizade com mulheres fortes, e o que elas vivem. Esse comportamento pode ser o resultado da vida corrida, violenta, cheia de informações e estímulos que temos atualmente. Ao que parece, depois de tanta emoção, o dia todo, nossos homens preferem ser embalados por calmaria. Porém, cuidado com o excesso desse intervalo, que ele não seja sinônimo de chatice. A vida não pára.

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:33 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29.03.12

Entenda o que eles gostam

 

Homens e mulheres são seres completamente diferentes e, consequentemente, seus pensamentos e vontades são proporcionalmente distintos. Na maioria dos casos, a mulher fala uma língua e os homens entendem em outra. Por isso, o SRZD selecionou alguma dicas para facilitar a comunicação entre você e seu parceiro na hora do sexo.

 

Mantenha as luzes acesas


Muitas mulheres acreditam que para um clima mais romântico, as luzes devem estar apagadas. Outras, por insegurança, preferem ficar no escuro. Porém, o homem gosta de ver o que está acontecendo, pois é uma forma de estimulo visual.

 

Tenha iniciativa


Homens se sentem atraídos por mulheres que demonstram ser poderosas. Deixar o costume de lado e tomar a iniciativa pode ser surpreendente, além de passar segurança e atitude para o seu parceiro.

 

Busque coisas novas


Inove sempre. Seja na posição, em brinquedinhos sexuais, géis estimuladores ou na lingerie. O importante é sair do comum e apimentar a relação.

 

Não fique calada durante o sexo


Nenhum homem gosta de fazer sexo com uma mulher não fala, não geme. Esta atitude indica falta de interesse e de prazer pelo momento. Falar besteiras na "hora H" e gemer mostra que está tendo uma troca de sensações.


Quebre tabus


Se aproxime mais dele, faça carinhos, toque nos órgãos sexuais do seu parceiro e deixe a frescura de lado. Homem, assim como a mulher, gosta do toque.

 

Via SRZD



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar

Segunda-feira, 26.03.12

Sensualidade sem vulgaridade...

Vocês sabem o que é uma mulher para mais de dez talheres?


Uma mulher pra 10 talheres é aquela que seduz e encanta apenas com um sorriso, que faz a sua imaginação trabalhar de forma acelerada quando ela passa exalando charme e sensualidade, que possui um toque teatral que permite a ela personificar as fantasias de um homem, pois ela sabe que todo homem quer prazeres diferentes e aventuras e ela lhe proporciona isto. Ela sabe como fisgar um homem criando um exaltado fascínio sexual misturado com modos suntuosos e teatrais. Ela transmite para o homem que deseja vibrações de sexo, pois ela é uma mulher dominada pela paixão e, com isso, ela se olha pelo espelho e se sente bem porque sabe que está bonita - não para todos os homens - mas sim para aquele que ela deseja, para aquele que a conquistou.


Com uma mulher dessas não existe apenas sexo e sim uma infinita descoberta de como saborear cada centímetro de seu corpo, de como é prazeroso vê-la sentindo prazer. É se perder em um frenesi de toques e carícias freqüentes. E, quanto mais ligada ao homem ela estiver, muito mais sexualmente inspirada ela vai ficar.


Um homem, quando está com uma mulher destas, perceberá que uma noite de sexo apenas não é suficiente para satisfazer todos os seus desejos e vontades porque ela é insaciável, possui sede de prazeres intensos e irá buscar isso no homem que está do seu lado.


Pois é meus caros leitores, saibam que esta mulher se caracteriza com a intensa fantasia dos homens, a fantasia de uma mulher extremamente sexual, confiante e atraente capaz de oferecer infinitos prazeres com doses moderadas de risco. E, se algum dia, um homem encontrar uma mulher dessas, dificilmente conseguirá esquecê-la.
Sensualidade sem vulgaridade...
E então, você é uma mulher para mais de dez talheres? Alguma vez algum homem já lhe disse isto? E os homens, sabem reconhecer este tipo de mulher? Já se deparam com uma dessas? Se sim, já conseguiram esquecê-la? Quero saber a opinião de todos.

 

Retirado de Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:29 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23.03.12
Suspense e sexo  mistura irresistível

 

 

Receita para um filme dar certo: uma boa história, um bom roteiro, com os ingredientes certos, e a mistura de suspense e sexo. Parece tentador, não? Nós achamos que com esse enredo, um filme tem tudo para ser sucesso de bilheteria, inclusive na sua cama.

 

Fizemos uma lista para você curtir com seu gato, todos eles prendem a atenção e tem sexo e suspense no meio de uma ótima história. O primeiro deles é o sucesso "

 

Millennium - Os homens que não amavam as mulheres" de 2011. A película traz uma personagem que é ao mesmo tempo sexy e estranha, a racker Lisbeth Salander que protagoniza algumas cenas de sexo bem interessantes com seu amigo e jornalista Mikael Blomkvist, que é ninguém menos que o Daniel Craig.

 

Nossa outra sugestão é um clássico do suspense, e de quebra, tem o bonitão Nicolas Cage em sua melhor forma, inclusive a física. É "Oito milímetros". O longa trata da prática do"snuff", onde o sexo sempre termina em morte, de verdade. O justiceiro lindo e implacável está imperdível.

 

Mais um clássico que quase todo mundo já viu, mas que sempre vale a pena rever e incendiar qualquer sala de cinema em casa. "Instinto selvagem" de 1992, conta a trama de uma sensual escritora que é investigada por ser suspeita de estar envolvida numa série de crimes cometidos com um furador de gelo.

 

Nesse suspense muito tenso, uma das cenas de sexo mais quentes do cinema foi protagonizada entre Sharon Stone e Michael Douglas. Os atores literalmente sobem pelas paredes de tanto prazer, e na vida real Michael Douglas teve que se tratar por compulsão sexual.


Para fechar nossa seleção, um filme publicitário, bem diferente do que estamos acostumados a ver, foi produzido pela marca de lingeries Agent Provocateur e que causou certa polêmica, pois mostra mulheres lindas, de lingerie, cometendo uma espécie de crime. O curta metragem "Fluers Du mal", muito bem feito, por sinal, tem todos os ares de filme de terror, com suspense, boa fotografia e belas mulheres.

Veja abaixo os trailers dos filmes:

Oito milímetros

 

 

Millenium - Os homens que não amavam as mulheres

 

 

Instinto Selvagem

 

 

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 22:37 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19.03.12

100 anos de Nelson Rodrigues, amor  e sexo em 17 versões

Cena de “17 X Nelson — Parte 2 — Se Não É Eterno Não É Amor”. Foto: Divulgação

 

Este é o ano do centenário de Nelson Rodrigues. Em São Paulo, o polêmico e talentoso jornalista e escritor que soube como ninguém traduzir em espetáculos a alma do ser humano no amor e nosexo recebe uma série de homenagens.

 

Quem é fã do também dramaturgo não pode perder a peça "17 X Nelson — Parte 2 — Se Não É Eterno Não É Amor", do diretor Nelson Baskerville. O trabalho reúne partes de dezessete grandes peças teatrais em um único espetáculo.

 

O diretor define o trabalho como um grande trailer, com as melhores cenas.

 

O "Parte 2" no título da peça se deve por esta ser uma remontagem de um espetáculo criado, também por Nelson Baskerville, em 2005. Carol Carreiro, atriz integrante do elenco, conta que "17 X Nelson" recebeu uma nova abordagem, por conta do complemento "Se Não É Eterno Não É Amor".

 

O trabalho deste dramaturgo muitas vezes é associado ao sexo, até por isso recebeu o apelido de "O Anjo Pornográfico". Porém, a atriz discorda desta predileção pelos temas voluptuosos. "Sexo é só parte do universo de Nelson Rodrigues. O tema central de sua obra, como o próprio autor chegou a dizer, é o amor. Ou melhor, o amor e a morte, a coexistência destes", opina Carol.

 

A atriz confessa que interpretar personagens tão intensos e de um autor de tanta originalidade pode intimidar, e que encenar Nelson Rodrigues é sempre um desafio. "Desafio pra não cair no óbvio, no clichê, no superficial. É por isso que acho que intimida um pouco sim", explica Carol. "São personagens fortes, profundamente humanas (para o bem ou para o mal) e explícitas emocionalmente. Mas ao mesmo tempo, é uma delícia, um privilégio", completa.

 

Ainda sobre a obra de Nelson, a atriz expõe seu ponto de vista: "Nelson Rodrigues explorou - sem nenhum pudor - o ambiente familiar brasileiro, em especial o da classe média carioca. E nesse âmbito, tratou de amor, morte, incesto, fidelidade, sexo, beleza, desejo, tabus religiosos, enfim, as relações humanas sob uma ótica peculiar a ele, mas nem por isso improvável ou irreal."

 

Carol conta que não é possível saber com exatidão o que o público sente durante o desenrolar da peça "17 X Nelson — Parte 2 — Se Não É Eterno Não É Amor". Na visão da atriz a percepção é sempre muito pessoal, tanto de quem está no palco, como da plateia. Porém, garante que há uma ótima receptividade. "Sentimos que não faz diferença ter ou não ter um conhecimento prévio da obra Rodriguiana, para que, de alguma maneira, algo aconteça ao espectador. Nelson Baskerville é um diretor muito intenso e sensível e isso é possível sentir de ambos os lados", garante.

 

Por 2012 ser o ano do centenário de Nelson Rodrigues são esperadas novas montagens, principalmente na cidade de São Paulo. É provável também que a peça em questão ganhe mais espaço e haja um aumento na temporada. "17 X Nelson — Parte 2 — Se Não É Eterno Não É Amor" faz parte do projeto "Quem Ainda Tem Medo De Nelson Rodrigues?".

 

A peça está em cartaz no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, localizado na Rua Dr. Teodoro Baima, 94, Vila Buarque, em São Paulo, sempre às quartas e quintas, às 21h30, até 29 de março. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). A bilheteria abre 1h antes dos espetáculos e é vendido apenas um ingresso por pessoa.

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:14 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.03.12
Slow sex pode ser mais prazeroso

 

Fazer sexo já é bom, se o jeito de fazer é devagar ou rápido, fica bem ao gosto do freguês. O ideal é variar e experimentar um cardápio bem diversificado em matéria de posições e entre "rapidinhas" e "devagarinhas", também encontrar o seu próprio "ponto G". Na questão do orgasmo, especialistas dizem que que fazer amor bem devagar pode gerar um orgasmo mais explosivo.

 

Uma reportagem da revista Women´s Health pesquisou a opinião de alguns especialistas que afirmam que a relação sexual prolongada e com vastas preliminares pode gerarorgasmos mais explosivos. Será?

 

As mulheres andam comentando que encontrar um homem que saiba onde cada coisa está no corpo feminino já é uma vitória, se encontrar um especialista em slow sex então, ela está feita. Continuo com a máxima de que sexo é como pizza, "mesmo quando é ruim, é bom". Embora com o tempo e a experiência, muitas vezes percebemos que não é bem assim. Mas isso é outro assunto.

 

Fazer algo gostoso devagar é muito bom, então, isso vale para o sexo. Uma dica bem interessante é relaxar o máximo possível, e encarar aquele momento como algo fora do universo, e fazer tudo com calma, para variar. Sair rasgando camisas e arrancando a roupa é o seu estilo? Tente ir com calma.

 

Explorar áreas mais longe dos órgãos genitais pode ser muito gostoso. Se abraçar e observar os detalhes do corpo do outro cria uma conexão que a corrida diária nos rouba. Aposto que você se pegou correndo até para transar. Então, pense que é necessário guardar um tempo para fazer isso com calma.

 

As preliminares pedem tempo. Olhar para si e para o outro, com alguém que está ali por você e para você demanda dedicação. Essa fórmula é ideal para casais e para aquele dia D, do novo romance. O ideal é tentar relaxar antes do encontro, tome um banho morno, se perfume e ouça uma música. Faça isso tudo, só que mais devagar.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 22:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 14.03.12
Sexo sem compromissos, amigos com direitos

Os filmes Amor sem Escalas e Sexo sem Compromisso retratam como funciona o relacionamento entre amigos liberais


Para algumas pessoas, a ideia soa como um insulto, no entanto, para os mais modernos e indiferentes aos tabus sociais, ter um amigo com benefício - nome sutil dado à prática de sexo frequente com a mesma pessoa sem compromisso - é uma forma segura e divertida de satisfazer os desejos sexuais. "São dois amigos que saem quando ambos estão disponíveis e com vontade de sexo", definiu Tamires Carvalho - que já viveu a experiência.

 

Também chamado de "transa fixa" ou "amizade colorida", o hábito é visto com bons olhos por Ricardo Junior. "Melhor do que muitas pessoas que pagam programas com prostitutas ou até mesmo ficam com vontade acumulada e acabam saindo com qualquer um", disse ele. "No meu caso, combinamos sempre de nos cuidar nas relações com outras pessoas e não deixar transparecer o que fazemos para ninguém", acrescentou.

 

Ricardo afirmou que ter uma amiga deste tipo evita a carência. "Você sempre tem alguém ao lado, seja como amigo, seja como amante", disse ele. Ele explicou que é uma maneira de aproveitar apenas a parte boa de um namoro. "Tem tudo que um relacionamento sério tem, porém sem aquela coisa de traição, compromisso e cobrança", comparou. Ele e a "amiga" já saíram juntos e terminaram a noite com pessoas diferentes, sem qualquer desentendimento, por exemplo.

 

A liberdade para fazer o que tem vontade, sem precisar dar satisfações e ainda estar disponível para conhecer e ficar com outras pessoas é o que atrai Tamires para ter este tipo de relações. Segundo Tamires, entre o "amigo com benefícios" e ela existe apenas tesão e química. "É um sentimento totalmente carnal, uma atração exclusivamente física e só", descreveu. "Se você gosta ou admira a pessoa jamais aceitaria uma relação estritamente sexual, certo?", completou.

 

O problema está exatamente na suposição de Tamires. O médico ginecologista, sexólogo e professor do ambulatório de sexologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Amaury Mendes Junior, disse que existe uma tendência em as mulheres criarem expectativas emocionas em relação ao parceiro. "Se o homem liga para a mulher para transar, ela decide que também está com vontade e aceita e eles têm consciência de que aquilo não vai evoluir, tudo bem. Mas se houver uma esperança de algo a mais, vai morrer na praia", explicou. "É preciso maturidade", disse.

 

"Amigos" e ex-namorados


A psicóloga Isabel afirmou que uma mulher pode se submeter a ter relações sexuais sem compromisso "na tentativa de conquistar esse amigo e transformá-lo em namorado". Mas, não existe regra. "Pode ser apenas um exercício de sexualidade dentro de um padrão culturalmente mais 'masculino' de interação", disse ela.

 

Fernando Oliveira vive uma situação de sexo sem compromisso com duas ex-namoradas, no entanto, em ambos relacionamentos existe sentimento. "Quando estamos juntos, somente nós, rola algo a mais", disse ele. Oliveira contou que elas sabem que ele transa com outras mulheres e ele também tem consciência de que as ex-namoradas têm relações com outros homens. "Consigo manter um relacionamento além de uma amizade com as garotas que gosto e sem precisar dar satisfação como em um relacionamento sério", definiu. No entanto, Oliveira confessou que às vezes se priva de certas coisas para não magoá-las.

 

"Arrumar uma namorada ou namorado sem avisar" é a única regra do relacionamento entre Oliveira e as duas mulheres. "Sentimento existe, mas por alguns motivos o relacionamento não deu certo, e basicamente temos medo de tentar novamente. Então, ficamos na amizade colorida para satisfazer nossos sentimentos sem machucar um ao outro", explicou.

 

A psicóloga e terapeuta Isabel Delgado acredita que se houver um acordo entre as partes em relação a acrescentar o sexo sem compromisso à relação, ninguém ficará emocionalmente afetado. "Os problemas acontecem quando as pessoas envolvidas estão com diferentes visões do que está de fato acontecendo, isto é, uma delas começa a romancear a relação, o que acaba comprometendo a amizade prévia", concluiu. Por isso, a situação vivida por Oliveira é um tanto quanto arriscada em relação a mágoas.

 

Regras básicas


Seja por medo de envolvimento, falta de tempo ou foco em outra coisa que não seja um relacionamento sério a dois, para ter uma amizade com "benefícios" saudável, é preciso seguir algumas normas. Os dois principais itens proibidos são: ciúmes e cobranças. "Não existe compromisso", disse Ricardo Junior. "Acredito que a partir do momento que rola cobrança de um dos dois lados é porque começa a rolar um envolvimento emocional, e daí a coisa pode não acontecer mais legal se o outro não estiver no mesmo nível", explicou Tamires.

 

Outro ponto importante é deixar tudo esclarecido sobre como será o relacionamento. Para Ricardo, a sinceridade e transparência devem ser a base desta amizade. Ao mesmo tempo, ele acredita que o relacionamento deve ser mantido em segredo. "Se os boatos começam, a amizade não dura muito tempo mais", disse ele.

 

Alessandro Santos, que também cultiva uma amizade "colorida", ressaltou a importância da prevenção de doenças e de uma gravidez indesejada. Para ele, também é ideal manter a amizade ao longo das relações. Mesmo seguindo estas regras, Tamires acredita que este tipo de relacionamento está fadado ao fracasso. "Depois de um tempo um dos dois sempre acaba se envolvendo. Dificilmente as pessoas conseguem levar uma relação assim por muito tempo, pois em algum momento um irá se machucar", concluiu.

 

*O nome dos personagens foram alterados para preservar a identidade

 

Retirado de Terra



publicado por olhar para o mundo às 21:57 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.03.12

frigida

 

Casei aos 17 anos, com meu primeiro namorado, com quem estou até hoje. Perdi a virgindade com ele, pouco antes do casamento, mas só porque ele insistiu muito. Foi a primeira de várias vezes que fiz sexo por obrigação. Passei muitos anos sem sentir a menor vontade de transar. Eu era frígida mesmo.

 

Era muito nova e não sabia nada sobre sexo. Era um assunto proibido com meus pais e eu morria de vergonha de falar sobre isso com minhas amigas. Resultado: só fazia papai e mamãe com meu marido, pois achava que qualquer outra variação era coisa de prostituta. Sexo oral, nem pensar! Deixava meu marido fazer em mim porque ele insistia, mas eu morria de vergonha. Fingia orgasmos sempre.

 

Depois de um ano de casamento, veio o primeiro filho e, logo em seguida, o segundo. Aí a coisa piorou. Além de eu não querer transar em casa por causa das crianças e de não termos muito tempo de ir a motéis, comecei a ter várias encanações com meu corpo por causa das duas gestações. Nossa vida sexual foi essa tristeza durante oito anos. Não sei como meu marido me aguentou! Ele não reclamava muito, mas questionava se o problema era com ele. Mesmo preocupada, eu não tomava iniciativa para melhorar.

 

A grande virada aconteceu graças a NOVA. Sou formada em psicologia, mas nunca havia exercido a profissão. Desde a época da faculdade, trabalhava com eventos. Estava em uma feira quando me ofereceram uma assinatura da revista. Não sabia que as matérias falavam tão abertamente sobre sexo. Quando recebi a primeira, quase tive um treco. Escondi embaixo do colchão. Tinha até vergonha de abrir, mas continuei assinando... E lendo. A cada matéria, percebia que tinha alguma coisa muito errada comigo. Eu via todos aqueles depoimentos de mulheres realizadas sexualmente, transando em milhares de posições, e pensava: 'As pessoas fazem e sentem tudo isso mesmo, só eu que não?' Resolvi mudar.

 

Nunca vou esquecer a primeira recomendação de NOVA que segui. Foi o conselho de um psicólogo: 'Se você é muito travada, tome um vinho para se soltar'. Parece tão bobo hoje, mas aquela dica mudou minha vida. Tomei vinho, fiquei beeem soltinha e transei de quatro com o meu marido pela primeira vez! Logo tive meu primeiro orgasmo. Dali para a frente, comecei a ler tudo relacionado a sexo: de livros sobre o corpo feminino a romances eróticos.

 

Também frequentei diversos cursos de especialização em sexualidade e passei a conversar mais com meu ginecologista. Descobri que eu não tinha nenhum problema físico, só precisava me livrar das inseguranças. Consegui depois de outra grande mudança na minha vida: uma cirurgia cardíaca que fiz em 2007. Durante o período de internação, continuei lendo a respeito de sexualidade e comecei a escrever um blog sobre o meu dia a dia. Passei uma semana na UTI pensando que a vida é muito curta para não aproveitar as coisas boas que ela tem a oferecer.

 

Para minha surpresa, uma editora me procurou para incluir os textos que eu escrevia no blog em um livro sobre comportamento feminino, lançado no ano passado. Comecei a receber e-mails de amigas e desconhecidas querendo desabafar e tirar dúvidas sobre relacionamento e sexo. Depois passei a encontrar algumas delas pessoalmente, em shoppings e cafés.

 

Até que uma amiga me disse que eu deveria dar aulas sobre sexo. Minha primeira ideia foi ensinar striptease, pois eu já havia feito um curso e tinha um diferencial. A maioria das professoras não tem formação técnica e teórica nem diploma de psicóloga. Mais importante: a minha história, que agora compartilho todos os meses com cerca de 30 mulheres em palestras e workshops. Passamos tardes bem divertidas. Faço striptease na frente de cada uma delas, aconselho-as a tentar sexo anal no chuveiro e mostro, usando uma banana, como deve ser o sexo oral.

 

Eu vivi o mesmo problema de todas as mulheres que frequentam o meu curso e hoje sou praticamente uma ninfomaníaca! Se depender de mim, meu marido e eu transamos todos os dias. Sempre invento alguma coisa nova. Uma vez fomos levar nossos filhos ao Beto Carrero World e compramos um chicote para as crianças. Adivinhe quem usou... Fiquei no quarto esperando meu marido, de quatro com o chicotinho na mão. Ele adorou! Descambei de vez: já propus transar na praia, na piscina, no carro, usar produtos de sex shop, fazer sexo anal, oral, uma loucura! Ele vive dizendo que nem acredita na sorte que tem agora. Não existe mais monotonia no nosso casamento: sempre faço minhas apresentações de striptease para ele, transamos em todas as posições e frequentamos motéis pelo menos uma vez por semana (onde me solto ainda mais!). A palavra tabu não entra mais na nossa relação — nem na minha vida.

 

Não foi só meu casamento que melhorou, minha autoestima também está nas alturas. Sinto-me tão poderosa que agora ando na rua fazendo o seguinte exercício: sempre que estou passando por algum homem, penso em sexo oral. É incrível como eles notam nossa 'cara de sexo'. Nunca falha, todos me olham. Eu me divirto muito. Posso dizer com toda a certeza do mundo para qualquer mulher: se eu consegui mudar e hoje sou totalmente realizada na cama, você também consegue!"

 

Via Nova



publicado por olhar para o mundo às 21:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 10.03.12
Cadeira sutra  sexo em cadeira de rodas

 

 


Quem vê uma pessoa na cadeira de rodas pode até achar que a vida sexual dela é pouco ativa e limitada. Mas você pode estar muito enganado, viu? O portador de deficiência física já redescobriu, há muito tempo, como manter uma relação bem quente.

 

Recentemente, o mexicano Arturo Valdez escreveu o livro: "Silla Sutra - Sexualidade Activa", que ensina uma variedade de posições inspiradas no Kama Sutra para serem reproduzidas e praticadas pelo cadeirante.

 

Fabiano Puhlmann é psicólogo, psicoterapeuta e especialista em sexualidade humana. Ele se tornou paraplégico aos 18 anos, depois de mergulhar em uma piscina e quebrar o pescoço. Para o especialista, o deficiente físico precisa reencontrar a intimidade com o próprio corpo e com o corpo do parceiro.

 

"A proposta da cadeira de rodas como mediadora de posições sexuais ousadas (cadeira sutra) é adotada pela grande maioria dos deficientes. Todo cadeirante, mesmo aqueles que ficaram deficientes físicos a pouco tempo, acabam incorporando a cadeira de rodas como uma extensão de seu corpo", comentou Puhlman.

 

Para o psicólogo, em um mundo inclusivo com acessibilidade, comunicação e atitudes favoráveis, as pessoas com deficiência se expressam plenamente nos relacionamentos afetivos, sendo paixãoou amor, com outros deficientes ou não. "Pessoas com deficiência aprenderam a lidar com os preconceitos e sabem como reverter o olhar negativista da sociedade", disse ele.

 

"O envolvimento afetivo é sinônimo de maturidade afetiva. Consegue se envolver quem não temmedo de sofrer, quem não quer fazer ninguém sofrer. Homens e mulheres maduros afetivamente cuidam dos relacionamentos, têm empatia com o parceiro e expressam os sentimentos de modo claro e assertivo. É a capacidade do ser humano de se abrir para desfrutar a atividade sexual com total desprendimento, sem temores, vergonha, culpa ou preconceitos", ressaltou.

 

Puhlmann é autor do livro "A Revolução Sexual sobre Rodas" e nele o psicólogo conta histórias verdadeiras de seus clientes, para compartilhar e estimular o deficiente a encarar sua situação sem receio. Além disso, o escritor abre o leque para falar da sexualidade do portador de deficiência física, unindo os conceitos da moderna terapia sexual com as histórias verídicas, e através dos contos mitológicos gregos vai dando recados e dicas para melhorar a vivência erótica.

 

Ao contar suas próprias experiências, o psicoterapeuta afirma que é possível inovar nas posições para apimentar ainda mais a relação, desde que estejam na fantasia do casal, mesmo algumas sendo bem difíceis de executar. E acrescentou: "A fantasia é a mola propulsora da realização sexual e todos nós temos. Aqueles que acham que não as tem estão reprimindo-as. As fantasias sexuais são inevitáveis, e saudáveis, tendo grande importância na vida ativa do casal, pois alimentam uma parte do desejo e das motivações sexuais."

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:38 | link do post | comentar

Quinta-feira, 08.03.12

Hoje é o Dia Internacional da Mulher. É aquele dia em que a gente comemora todas as vitórias que tivemos, todo o respeito e segurança que fazem parte da nossa vida. Mas espera aí...


Milhares de sutiãs foram queimados para que a gente pudesse usar minissaia e fazer sexo sem ter que ouvir julgamentos, além de outras coisas, claro, mas a gente ainda passa por isso, não? A cada passeio num vestido um pouco mais curto e temos que nos sentir como carne no açougue, todo mundo olhando, fazendo comentários e o pior de tudo são os comentários que chamo, carinhosamente, de "estuprador em potencial", que são os que nos deixam morrendo de vontade de correr para casa.

 

A gente não deveria passar por tudo isso!

 

É claro que hoje já temos a liberdade sexual, podemos nos relacionar com quem quisermos sem que ninguém tenha que se intrometer. Mas as pessoas ainda apontam as mulheres que são assim. Dizer que a mulher que faz sexo apenas por sexo não se respeita é um absurdo tão grande, tão machista, que nem merece muitas linhas de texto.

 

O mais triste de tudo é que muitas mulheres tem essa atitude de apontar para a outra e sentar sobre o próprio rabinho. Um exemplo muito claro disso foi a eliminação da BBB Renata. Ela saiu da casa porque ficou, em 45 dias, com três caras. Oi? Aqui fora ninguém faz isso?

 

Ah, dizem que ela fez sexo na casa, o que é um absurdo. Oi de novo? Sexo não é um absurdo. Sexo é algo que todo mundo faz, é natural, faz bem, é gostoso. E sexo na novela das oito pode, né? O argumento sobre ser ou não real não cola, é sexo, ponto. As cenas do BBB, tanto da Renata quanto da Laisa, só foram vistas por quem procurou na internet. E MUITA gente procurou.

 

Além disso, se as duas fizeram sexo e uma delas ficou com mais de uma pessoa, tem gente faltando nessa conta, né? Laisa e Renata são erradas por terem feito sexo, mas Yuri e Rafa são garanhões. Assim como Jonas, que deu uns beijos em Renata e Monique. Não tem algo errado aí?

É claro que tivemos diversas vitórias, que temos mais liberdade, mas ainda não podemos andar sozinhas na rua, de noite, sem ter um pinguinho de medo, de olhar para os lados porque violência sexual é algo banalizado.

 

É claro que podemos fazer sexo com quem e quando queremos, mas vamos ter que aguentar alguém comentando sobre a nossa vida e achando que o homem é assim mesmo, mas a mulher não se dá o respeito.

 

É claro que trabalhamos, mesmo ganhando menos por um cargo igual ao do homem, mas algumas de nós ainda têm que chegar em casa e cuidar de tudo — o último post deste blog foi a grande prova de que isso existe muito mais do que gostaríamos de acreditar.

 

Os homens vivem reclamando nos comentários e nos e-mails que as mulheres não gostam de sexo, que não sentem desejo por eles e que eles gostariam de mudar isso. A pergunta que eu faço é: como as mulheres vão deixar os desejos falarem se a cada vez que isso acontece ela corre o risco de ser taxada de piranha? A atitude de apontar para as mulheres livres faz com que outras enxerguem o sexo, inconscientemente, como algo errado. E aí é claro que ela não vai querer se soltar nem com o marido. A gente colhe o que planta!

 

Proponho um desafio: que tal julgar menos e se divertir mais? Nos primeiros dias vai ser difícil, mas depois você vai notar que sua vida ficou mais leve. Sexo não é errado, errado é tornar algo tão natural um tabu.

 

Retirado de  Preliminares



publicado por olhar para o mundo às 21:34 | link do post | comentar

Terça-feira, 06.03.12
O que as mulheres querem depois de casar?

 

Há algum tempo li um texto que dizia o que os homens queriam depois do casamento. Entre as dicas para as mulheres estavam não criticar, fazer sexo, confiar no marido, o respeitar e estar sempre linda. É, não falta mais nada.

 

E aí fiquei pensando no que nós, mulheres, queremos depois do casamento — ou de um namoro um pouco mais longo. É claro que algumas coisas são iguais às dos homens. Nós também queremos sexo, respeito, confiança... Não gostamos de críticas e queremos um homem lindo ao chegar em casa. Mas o que mais?

 

Divisão de tarefas


Vocês dois trabalham. Os dois comem, dormem, tomam banho e usam o banheiro da mesma casa. De quem é a obrigação de arrumar tudo, limpar e fazer comida? Dos dois!

 

Por mais óbvio que pareça pensando assim, é muito comum que os homens achem que a obrigação é da mulher. Nada disso. Os dois precisam fazer sua parte, dividir as tarefas e ter tempo para descansar, seja assistindo ao futebol ou a um filminho.

Menos cobranças


A gente não precisa estar linda o tempo inteiro. De vez em quando temos o direito de passar o dia inteiro de pijama, meio descabeladas e sem nos preocuparmos com a depilação. Ele está sempre lindo, com a barba aparada e a barriga de tanquinho?

 

Além disso, queremos respeito ao nosso corpo. Não precisamos ser capas de revista para sermos desejáveis, interessantes ou sexies. Somos muito mais e uma gordurinha não faz mal a ninguém.

 

Respeito na hora do sexo


Tem dias que a gente simplesmente não quer fazer sexo. E nesses dias a gente não precisa fazer. Não tem coisa mais chata do que cobrança relacionada a isso. E normalmente os caras não pensam na melhor maneira de fazê-la mudar de ideia.

 

Queremos que, ao invés de falar que somos frias, eles nos seduzam, sejam românticos, nos beijem e façam massagem. Assim a gente fica com vontade de fazer sexo.

 

Mas se nem assim a gente voltar a ter vontade de tirar a calcinha: desistam. Em alguns dias a gente só quer dormir de conchinha.

 

Romantismo


E é claro que queremos, depois de anos, nos lembrar daquele cara incrível pelo qual nos apaixonamos. Mais do que isso, queremos conviver com ele. Foi por isso que resolvemos casar, morar junto ou ter um namoro de longo prazo: para estar sempre com o cara dos nossos sonhos.

 

Muitos homens mudam totalmente depois que se sentem seguros em uma relação e isso acaba com qualquer mulher. A gente quer o príncipe encantado, afinal, beijar sapo pelo resto da vida ninguém merece!

 

Via Preliminares



publicado por olhar para o mundo às 21:58 | link do post | comentar

Domingo, 04.03.12
Brad Pitt e George Clooney a favor do casamento gay

Brad Pitt e George Clooney a favor do casamento gay

 

Várias estrelas de Hollywood juntaram-se, este sábado à noite, no Teatro Wishire Ebell, em Los Angeles, para atuarem numa peça a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Brad Pitt e George Clooney foram alguns dos atores que participaram em «8», que pôde ser seguida na internet.

Encenada pelo realizador Rob Reiner, e escrita pelo argumentista Dustin Lance Blank, «8» é a recriação das alegações finais do caso apresentado pela Federação Americana de Igualdade de Direitos (AFER) em 2010 para anular a Proposição 8, uma emenda constitucional que eliminou o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Califónia.

A peça foi transmitida para todo o mundo, em direto, através do Youtube e entre os atores que nela participaram estão nomes tão conhecidos como o de Brad Pitt, George Clooney, Martin Sheen, Jamie Lee Curtis, Kevin Bacon, Jane Lynch, entre muitos outros, que se juntaram para apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Via A Bola


publicado por olhar para o mundo às 22:04 | link do post | comentar

Sexta-feira, 02.03.12

Muita timidez só atrapalha

 

Timidez pode até parecer charme, nos filmes, nas novelas, mas na hora da conquista na vida real, e na hora H, não ajuda, em nada. A timidez pode existir sim, ninguém está livre.

 

Ela pode pintar, só não pode ficar. O ideal é liberar o corpo e a imaginação. Capriche na lingerie, capriche no make, pois se sentindo linda, você estará mais segura.

 

Outra coisa que você deve ter em mente para se soltar é que esse homem está ali com você porque realmente a quer, e você a ele. Certos detalhes, e certas preocupações, como "será que estou bonita?", "será que estou fazendo algo errado?" não ajudam em nada.

 

Para começar não tem certo e errado na hora do sexo, o que existe é o que dá tesão, prazer e torna tudo mais divertido. A melhor coisa que pode acontecer é você conversar com seu parceiro, dizer o que gosta, o que quer e até contar, caso queira, que está querendo se soltar. O momento pode até se tornar uma fonte de boas risadas e de mais carinho e uma coisa leva a outra, e por aí vai.

 

Se sua vergonha é na hora de realizar alguma manobra sexual, tente ler, conversar com uma amiga, e se informar sobre como fazer, ou melhor, arrisque e faça o que der vontade na hora, e não pense tanto nisso. Muitas vezes, a surpresa pode ser melhor do que você espera, não se prenda a antigos costumes e relatos de outras pessoas. Cada pessoa sente de forma diferente, por isso, a melhor atitude é relaxar e aproveitar.

É legal também pensar também de onde vem essa vergonha. Ela aparece somente na cama, com seu gato? Ou ela acontece em outras áreas? De acordo, com essa reflexão, você vai perceber de onde isso vem, certo?

 

E não sinta vergonha também, de conversar sobre isso com uma amiga, ou se sentir necessidade,procurar um profissional, um médico, que ajude você a entender e resolver esse pequeno obstáculo.

 


E você é tímida? Ou conseguiu superar esse obstáculo? Conte para nós.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:56 | link do post | comentar

Terça-feira, 28.02.12
Abrir mão das fantasias por amor

 

 

Abrir mão de algo sempre traz certo desconforto, pois geralmente, é algo que curtimos. Se for abrir mão de uma fantasia sexual, então, é para se pensar.

Isso pode acontecer por dois motivos, necessidade e necessidade. Vamos comentar sobre as fantasias excitantes que deixamos de realizar para não magoar nosso companheiro, parceiro ou paquera.

 

Muitas vezes, o que é bom, prazeroso e gostoso, pode fazer mal para outro alguém de quem a gente gosta. A melhor coisa seria conversar e chegar a um meio termo. Mas o que de fato pode magoar tanto o outro?

 

Usar brinquedinhos sexuais, ou sair sozinha, pode ser um absurdo para alguns homens. Fora a conversa, tão necessária a primeira coisa é perceber se esse amor supre as suas necessidades diante de sua vida.

 

Você vai concordar que por mais que você ame esse homem, você vai precisar mudar seu jeito de ser, de viver, e ser alguém que você não é. Vai precisar criar outra pessoa em você mesma. Isso realmente é o que lhe faria feliz? E será que o outro quer que você mude a esse ponto? Se ele não entende ou não quer curtir prazeres juntos e com outras pessoas ou realizar certas fantasias que você está a fim, a resposta parece óbvia.

 

Todas as pessoas, sejam elas, homo ou heterosexuais, se atraem pelos gostos em comum com o outro num primeiro momento, e podem até curtir e acharem legal ter diferenças. Mas isso vai até que ponto? Na hora do sexo, o prazer precisa ser bilateral. Certas diferenças só parecem ser engraçadas e interessantes em roteiro de filme do Woody Allen.

 

Portanto, será somente o dia após dia que dirá se a diferença de preferência vai ser boa ou não. Alguém com certeza já viveu uma situação parecida. Se é o seu caso, conte então para nós - estamos curiosas.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:26 | link do post | comentar

Sábado, 25.02.12
Mulheres que não querem compromisso

 

É isso mesmo, você não leu errado. Muitas mulheres, aliás, milhares delas, não querem saber de compromisso com ninguém.

 

Nada de namoro, nada de casamento, nada de satisfação e nada de qualquer tipo de ligação com uma pessoa só.

 

Todo compromisso, em se tratando de amor, como qualquer escolha que fazemos, é antes de mais nada, um estado de espírito. A gente sente que quer realmente quer aquilo. Como já dissemos antes, não há garantias de que vá durar para sempre. Escolher estar com alguém, ou estar com uma pessoa, tem várias vantagens, e várias desvantagens.

 

E porque será que algumas mulheres preferem não ter compromisso? Porque será que algumas fogem ao estereótipo vigente? A resposta é simples, elas não querem fugir de nada, muito menos do que querem. Elas querem viver assim, estão felizes com a vida que escolheram.

 

Se existe um estereótipo, isso é o que menos as preocupa. Certamente cada uma tem seus motivos, mas o que realmente importa é que há prazer, há tranqüilidade. E o que significa ter prazer em estar sem compromisso? É a mesma felicidade e tranqüilidade que alguém que vive com alguém, seja marido ou namorado. Mesmo porque, não ter namorado não quer dizer, não ter ninguém.

 

Quer dizer que por algum motivo, abre-se mão do "pacote" dentro do qual um namoro ou um casamento está inserido. Depende das expectativas, depende dos desejos e dos objetivos que cada um de nós tem na vida.

 

A maioria das mulheres, ou todas, já passaram um tempo de cada lado, compromissadas ou não, e hoje provavelmente, estão onde escolheram, ou buscando o que querem. E a certeza é única: a felicidade é somente sua. Viva-a do jeito que você escolher.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:49 | link do post | comentar

Quarta-feira, 22.02.12

O desejo sexual, o amor e o apego segundo os cientistas

 

A primeira coisa com a qual cientistas e poetas divergem é que amamos com o cérebro e não com o coração. Mas o que acontece em nossa cabeça quando desejamos, amamos e nos apegamos?

 

Segundo a cientista e pesquisadora da Universidade de Rutgers, Doutora Helen Fisher, o amor pode ser dividido em 3 sistemas principais do cérebro: sexo, romance e apego

 

A próxima vez que alguém te disser "te amo do fundo do meu coração", você pode desconfiar da veracidade da afirmação. Na verdade, amamos com nosso núcleo accumbens, nossohipotálamo, nossa área ventral tegmental e outras áreas vitais de nosso cérebro. Segundo a cientista e pesquisadora da Universidade de Rutgers, Doutora Helen Fisher, o amor pode ser dividido em 3 sistemas principais do cérebro: sexo, romance e apego.

 

Cada sistema cerebral do amor (sexo, romance e apego) envolve uma rede de trabalho distinta; composta de diversos hormônios, neurotransmissores e outros constituintes em diferentes estágios de relacionamento.

O desejo sexual

A luxúria provém predominantemente do hipotálamo, região do cérebro que também controla necessidades básicas como comer e beber. O hipotálamo está conectado com o Sistema Nervoso Autônomo, o qual controla nossa frequência cardíaca e o quão rápido respiramos. Receptores específicos no hipotálamo para hormônios como testosterona - também presente nas mulheres - potencializa conexões a todos os tipos de reações físicas. O resultado disso é uma forte e familiar inclinação para a reprodução.

O sistema romântico

Este sistema é o culpado por todas as loucuras de amor. Estudos imagéticos do cérebro comprovam que quem recém-amantes têm alta atividade na área ventral tegmental e no núcleo accumbens, os mesmos sistemas de recompensa que são estimulados quando se usa cocaína. Cientistas também chegaram à conclusão de que a substância serotonina é baixa neste tipo de amor; assim como em situações de transtorno obsessivo-compulsivo (TOC's), depressão e ansiedade. O resultado é uma perseguição obsessiva da pessoa desejada, um otimismo implacável e até um tipo de vício.

O sistema de apego

É devido a este sistema que as pessoas continuam juntas quando acaba a dose de dopamina (ou seja, quando o romance acaba). As substâncias reponsáveis pelo apego são a oxitocina e vasopressina. Estranhamente, estes hormônios calmantes são secretados pelo hitpotálamo, região que alimenta nossa luxúria.

 

Alguns enxergam esses 3 sistemas acima como uma progressão dos relacionamentos. Primeiramente, a luxúria, depois o romance, e então o casamento. No entanto, é importante lembrar que nenhum deles, em nenhum momento, inexiste. Por exemplo, não é porque você está com alguém há 8 anos que você não queira mais ter relações sexuais com essa pessoa.

E quando terminamos um relacionamento?

Neste caso, os cientistas também divergem dos poetas. Imagens do cérebro de alguém que acabou de passar por um rompimento, mostram que as áreas mais afetadas são aquelas relacionadas à incerteza da recompensa (áreas ventral tegmental, ventral pallidum e putamen). Este sentimento está normalmente presente após um término. Áreas do cérebro responsáveis pela raiva e comportamentos obessivos-compulsivos (córtex órbitofrontal) também são estimuladas, embora esta atividade diminua com o tempo.

 

É importante lembrar quão complicado é o assunto amor afeição para nós. Nossa cultura, nossa educação e nossas vidas interferem nessas substâncias. A complexidade do amor mostra que as questões acerca da natureza do amor continuarão não somente fascinando poetas, filósofos e escritores; assim como cientistas por muitos e muitos anos.

 

Via Universia



publicado por olhar para o mundo às 21:55 | link do post | comentar

Domingo, 19.02.12

Porque é que elas perdem o interesse pelo sexo?

 

Pesquisadores americanos concluíram que homens conseguem manter o desejo sexual elevado mesmo em relacionamentos antigos enquanto que as mulheres vão perdendo o tesão mês a mês. A confirmação desse comportamento na vida a dois foi obtida em estudo que acompanhou casais ao longo de sua vida conjugal. 

De acordo com o Journal of Sex & Marital Therapy, que publicou o estudo, os pesquisadores Sarah Murray e Robin Milhausen criaram um modelo chamado índice de função sexual, uma espécie de tesômetro, para conseguir avaliar o comportamento dos parceiros. A maioria das mulheres confessaram a perda do tesão ao longo do tempo, já os homens não. 

O polêmico resultado desta pesquisa dá uma explicação evolucionária para a constatação: os homens precisariam manter o desejo sexual em alta para perpetuar a espécie, enquanto as mulheres teriam tarefas mais importantes com o passar dos anos, como se dedicar à prole.

 

Apesar de vários estudos nesta área ainda existem muitas dúvidas. A única certeza é que os hormônios estão longe de explicar um comportamento permeado por ingredientes sociais. O único consenso é que a diferença entre os níveis de desejo de um casal prejudica o relacionamento e pode levar à infidelidade e a rompimentos, inclusive entre aqueles que dizem se amar. 

Diante desta realidade, os casais devem ficar atentos ao primeiro sinal de desânimo sexual e lutar para que ele não se instale na relação, visando a sua própria sobrevivência. Os terapeutas recomendam investir em uma viagem a dois, inovar nas carícias e, especialmente, conversar a respeito. Segundo Sarah Murray, uma das autoras do estudo, da Universidade de Guelph, no Canadá, "até entre os casais que vivem juntos há muito tempo, o diálogo sobre sexo está longe de ser um hábito". Ela desconfia "que os homens também perdem um pouco de desejo com o tempo, mas não têm coragem de assumir isso, nem para mim, nem para si mesmo", diz a pesquisadora.

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:52 | link do post | comentar

Sábado, 18.02.12

Como garantir sexo seguro durante o Carnaval?

Os médicos afirmam que a quantidade de pacientes com DST cresce muito logo depois do Carnaval

Você está solteira, pronta para pegar a estrada e cheia de amor para dar nestes dias deCarnaval? Antes de fechar a mala, veja aqui como não trazer na bagagem uma péssima e perigosa lembrança: uma doença sexualmente transmissível.

 

Antes de viajar

· Vacine-se contra a hepatite B, doença com mais chances de transmissão sexual que a aids, segundo os médicos. E, se você tem até 26 anos e nunca foi infectada pelo HPV, pode tomar a vacina, recém-aprovada no Brasil, contra a doença. Apesar de ser mais indicada para quem ainda não iniciou a vida sexual, acredita-se que ela também ajuda quem nunca teve contato com o vírus.

 

· Abasteça sua mala com preservativos. "Ele é a melhor proteção contra as DSTs", afirma a ginecologista Eliana Amaral. "Entretanto, há alguns vírus que podem estar em uma região que a camisinha não cobre, como o saco escrotal. É o caso do HPV, que atinge de 20 a 30% da população jovem", alerta. Por isso a importância de fazer exames periódicos.

 

Quando estiver lá

· Camisinha nele! Está prestes a ir para a cama com aquele moreno in-crí-vel que acabou de conhecer? Saque da bolsa um preservativo. Se ele não demonstrar intenção de usá-lo, melhor parar antes de as coisas esquentarem. Pense bem: se o bonitão não se importa com a sua saúde, é bom saber agora em vez de perder seu tempo (e sabe-se lá mais o quê) com um homem desses. E mais: Também é importante usar preservativo ao praticar sexo anal, oral e até mesmo quando for masturbar o outro. Se o homem tiver gonorréia, por exemplo, a mulher pode se contaminar simplesmente ao coçar os olhos depois do contato com o esperma.

 

Ao voltar para casa

· Observe o seu corpo diariamente para verificar o surgimento de sinais estranhos. "Qualquer cheiro ou corrimento diferente, lesão na pele ou na vagina (verruga, ferida, vermelhidão) podem ser sinais de doença", explica a dra. Eliana. "Se esperar para ver se essa alteração passa com o tempo - e isso realmente acontece -, o diagnóstico fica mais difícil." Um exemplo disso é a sífilis: no primeiro estágio ela provoca uma ferida, que seca em alguns dias. Se a pessoa não for ao médico, apesar de o sintoma ter sumido, a doença continua lá e pode avançar para estágios mais graves, provocando danos ao coração.

 

· Agende uma consulta com seu ginecologista assim que voltar de viagem - mesmo que aparentemente esteja tudo ok nos países baixos. Algumas DSTs, com o HPV e a clamídia, costumam não dar sinais. Porém, quando não tratadas, podem causar infertilidade e outras infecções graves. Peça ao seu médico que solicite exames para investigar se não foi infectada com nenhum vírus ou bactéria. "Há casos de mulheres que têm clamídia e só descobrem quando tentam engravidar e não conseguem", explica a dra. Eliana. Você não precisa ser uma dessas.

 

Via M de mulher
 



publicado por olhar para o mundo às 22:02 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.02.12

Durante um ano, José deixou uma flor todos os dias na última carruagem do metro em Santa Apolónia
Durante um ano, José deixou uma flor todos os dias na última carruagem do metro em Santa Apolónia (Rita Chantre)
A flor que todos os dias viaja clandestinamente no metro de Lisboa vai dar o salto. O Sinal de Alarme cumpre nesta terça-feira um ano e José convocou todos os seguidores a levar com ele, à mesma hora, flores para Santa Apolónia. Uma espécie deflash mob para fechar um ciclo. Depois, vai dedicar-se ao “terrorismo cultural”. Mas o projecto não morre: internacionaliza-se.

A abertura à própria comunidade é a primeira fase de transformação do Sinal de Alarme, que José mantém sem falhas há um ano: planta diariamente uma flor e um aforismo na última carruagem do metro em Santa Apolónia, sem destinatário definido, para espalhar o amor pela capital. Nunca falhou, passando por cima de férias, festas, viagens, funerais.

Esta ideia e este compromisso inabalável apaixonaram milhares de pessoas, que acompanham o Sinal da Alarme através do Facebook. São esses seguidores (e outros) que José exorta a plantarem flores nos sinais de alarme dos transportes públicos que utilizarem de amanhã de manhã, às 8h29, a fotografar e a enviarem-lhe as provas do “crime”. Vai passar o dia ao computador, a publicar as imagens que for recebendo. “Tirei folga no trabalho. Este dia é sagrado”, diz ao PÚBLICO. (Pelo aniversário do projecto. “O dia dos namorados é um acaso.”) 

Cada flor deve ser acompanhada por um aforismo que complete a fórmula “A paixão é… O amor é…” e levar bem visível: “É favor roubar a flor e espalhar o amor”. Deve ainda seguir uma carta de amor, que peça resposta (e instruir para que esta segunda carta comece com a frase escrita por fora: “A paixão é… O amor é…”). As cartas têm de ser anónimas e escritas à mão. As respostas serão endereçadas para um apartado especificamente criado para o efeito. José espera criar um “reportório de cartas anónimas”, embora não saiba o que fará com ele.

Ao início da noite vai ele próprio fazer o “crime” 365. Mas não quer ir sozinho desta vez e por isso convocou toda a comunidade a juntar-se a ele em Santa Apolónia, às 20h29 (“porque é um minuto antes das 20h30; só por isso”) e a entrar (“se coubermos”) na última carruagem do metro. Cada um munido de flor e carta, claro. Depois, José segue para o Sou – Movimento e Arte, espaço cultural nos Anjos, em Lisboa – onde durante 12 horas estarão a passar todas as fotografias do Sinal de Alarme –, para anunciar o manifesto do projecto e deixar cair o anonimato. “É o melhor para terminar a coisa e não alimentar mitos como o José.”

Exportar cartas de amor

A segunda fase da transformação começa aí. O Sinal de Alarme deixa de ser diário e passa a mensal. A autoria dos aforismos muda de mãos, das de José para as da comunidade: todos os meses serão votadas, no Facebook, frases enviadas pelos seguidores do Sinal de Alarme; a vencedora acompanhará a flor desse mês. As flores passam a ser plantadas a 14 de cada mês, Santa Apolónia deixa de ser local obrigatório e José deixa de ser o único a fazê-lo. A ideia é que todos deixem flores nos transportes públicos que utilizam no mesmo dia e com a mesma frase.

Em qualquer parte do planeta. José pretende criar “uma corrente a nível mundial” para espalhar o amor. E não é tão megalómano quanto parece. Há gente disposta a promover essa internacionalização: nos últimos meses, José recebeu pedidos para replicar o projecto em Paris, Londres, Salamanca, Pequim e São Paulo. Com este novo modelo, mensal, passa a ser possível. Mas José impõe uma regra: que as frases que acompanham as flores sejam escritas em português, mesmo que seja plantada na China. “É obrigatório que a frase seja escrita em português e sem acordo ortográfico, com os cc e com os pp. As instruções são na língua de cada país.”

“Podem ir ao Google descobrir o significado das frases. Nós também somos obrigados a traduzir as troikas da Alemanha e da França. De resto, causa mais curiosidade a quem vai no metro ver um bilhete numa outra língua”, afirma. “Foi uma coisa que nasceu aqui, em Santa Apolónia, Lisboa, e tem potencial para se transformar numa coisa mundial porque é muito simples. E o português é uma marca da sua identidade.”

“É uma das línguas mais faladas do mundo. É um expoente da nossa cultura e tem potencial para ser mais exportada do que os pastéis de Belém. Não se estraga com o calor, não tem muitas calorias e os aforismos de amor fazem muito melhor ao coração do que açúcar e canela”, continua.“As respostas podem vir em qualquer língua, desde que comecem com aquela frase. Pode haver quem queira escrever em português mesmo com erros. Cartas de amor com erros são das coisas mais belas que pode haver, porque revela a fragilidade das pessoas.”

O meu amor é um falcão

A fragilidade de José é esta: apesar de o Sinal de Alarme deixar de ser diário, de Santa Apolónia deixar de ser uma obrigatoriedade física quotidiana, de o compromisso com o projecto ser aparentemente muito menor – o que cabe nos conselhos e preocupações de família e amigos –, José não consegue deixar de intervir incessantemente no espaço público. Por esta altura, já descobriu uma evolução deste projecto para ocupar os seus dias. Chama-lhe “terrorismo cultural”.

“Neste sítio [Santa Apolónia] vou ter de parar, mas talvez continue a deixar uma flor todos os dias em sítios diferentes – por exemplo, num balcão do Montepio, à porta do Banco de Portugal, num carro da GNR. Terá algo de terrorismo cultural: num determinado dia posso pensar que é preciso um sinal de alarme num lugar específico, uma resposta à realidade”, adianta ao PÚBLICO. “A arma será sempre o amor.”

“A maior lição que retiro do Sinal de Alarme é que uma acção feita de forma regular, diária, tem um resultado explosivo que ultrapassa as nossas expectativas”, conta. “E a ligação à realidade é importante. Uma das fotografias mais bonitas [do Sinal de Alarme] foi a [do dia] da greve do metro.” Outro dos “crimes” que José recorda para o balanço é o que foi cometido a 19 de Maio, depois de o FC Porto vencer a Liga Europa. Escreveu assim: “O meu amor é um falcão que não distingue o céu do mar”.

Essa ligação com a realidade vai poder ser vista na exposição preparada para o Sou, onde serão projectadas as fotografias de todos os crimes ao longo de 12 horas (uma hora para cada mês), “com as pessoas completamente alheadas a ir para o trabalho, a namorar, o músico a pedir esmola… Lisboa num ano”. O bilhete para entrar é uma flor que, além da entrada, vale um papelinho com a frase de um dos crimes. Mais? “Não sei se haverá bolachas. Depende dos cúmplices.”

A cumplicidade dos amigos permitiu-lhe que as flores nunca tivessem falhado no metro. Isto porque houve três que não foram plantadas por José. “Foi uma peça de teatro para crianças que, por estar em itinerância, me impossibilitou de cá estar fisicamente”, conta. Duas dessas flores foram as de sexta-feira e sábado passados. José deixou as flores com um amigo e as cartas no Sou. Quando o amigo as foi buscar, não se sabia onde estavam. Ligaram-lhe. Voltaram a procurar. Quando ligaram de volta para dizer que tinham encontrado, já José estava num táxi, em Ílhavo, a caminho da estação de comboios de Aveiro, para voltar a Lisboa e regressar para fazer a peça. “Ia sair-me caro, mas tinha de ser a minha letra, com aquelas frases.”

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 10:08 | link do post | comentar

Domingo, 12.02.12
Veja 5 preliminares para aumentar o prazer durante o sexo. Foto: Getty Images

 

Românticas ou não, a maior parte das mulheres sempre espera uma noite de amor com horas e horas de sinos tocando durante o sexo. Na vida real, no entanto, maratonas sexuais podem ser um pouco frustrantes. Na verdade, diversas pesquisas já mostraram que a maior parte dos casais prefere que o sexo dure não mais do que 15 minutos.


Para aumentar o prazer nessas ¿rapidinhas¿ ¿ que convenientemente se encaixam bem na rotina cada vez mais atribulada dos jovens casais ¿ , a revistaHealth Magazine elaborou algumas dicas para fazer desses poucos minutos momentos de pura excitação para você e seu parceiro.Confira:

 

Não pare de beijar. Beijinhos e beijões durante as tarefas comuns aumenta a velocidade com que você e o parceiro ficam excitados, pois o organismo já começa a se preparar para o sexo. Além disso, o gesto fará com que vocês se sintam mais íntimos, sem que a rapidez deixe uma sensação de vazio depois.


Mantenha-se vestida. Por que perder minutos preciosos tirando a roupa? Além disso, deixar uma peça aqui e ali é uma poderosa forma de excitar o parceiro. É como se ambos não pudessem esperar em segundo para curtirem o sexo.


Mudem de lugar. Cinco minutos de sexo na cama provavelmente não a deixará tão feliz. Mas cinco minutos durante o banho? Ou na mesa da cozinha? A novidade é sempre um poderoso aliado para aumentar a excitação, especialmente quando há o risco de serem flagrados por alguém.


Fantasie. Quando você está tentando entrar no clima o mais rápido possível, fantasiar com cenas excitantes pode ajudar ¿ e muito! ¿ no processo. Isso porque o cérebro irá reagir às imagens e preparar o corpo para o sexo. Além disso, você irá ficar mais concentrada no parceiro, o que já é por si só uma excelente preliminar.


Converse. Não, não estamos falando de uma DR em pleno sexo. Fale com seu parceiro durante o ato. Sussurre, grite, fale coisas doces ou apimentadas. Isso ajuda ambos a manter o foco um no outro e a lembrar do que os dois têm de especial que os mantém atraídos.

Via Terra


publicado por olhar para o mundo às 21:16 | link do post | comentar

Sábado, 11.02.12
Existe mesmo um Ponto G?

 

Desde 1950, quando o médico alemão Ernst Gräfenberg descreveu o ponto G pela primeira vez, cientistas, médicos e mulheres tentam encontrar esta área da vagina que, uma vez estimulada, seria responsável por altos níveis de excitação sexual e levaria ao orgasmo com facilidade.

Um grupo de pesquisa da Universidade de Yale, nos EUA, liderado pelo urologista Amichai Kilchevisky, se propôs a analisar artigos científicos publicados entre 1950 e 2011 em busca de evidências do ponto G. Revisaram então todos os estudos que destacassem algum dos seguintes termos: "ponto G", "ponto de Gräfenberg", "inervação vaginal", "orgasmo feminino", "zona erógena feminina" e "ejaculação feminina". A conclusão não poderia ser mais clara: após 60 anos de estudos, ainda não há evidências científicas sobre a existência do ponto G. "Anatomicamente ele não existe. A gente faz cirurgias, dissecções, e esse ponto não existe", afirma a ginecologista e terapeuta sexual Junia Dias de Lima.

Apesar disso, pesquisas indicam que a maioria das mulheres acredita no ponto G, mesmo as que nunca conseguiram localizar a tal área mágica em suas próprias vaginas. "Algumas mulheres vêem no ponto G uma espécie de tábua de salvação. Quando não conseguem ter prazer com seus parceiros, querem uma justificativa biológica, querem saber como achar o ponto G. Mas o sexo não é apenas biológico, é biopsicossocial. Costumo dizer que o ponto G está entre os ouvidos da mulher, fica no cérebro", diz o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Júnior, professor e médico do ambulatório de sexologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A busca pelo ponto G, em vez de resultar em prazer, pode causar frustração. "A mulher passa a achar que ela é a errada e diferente das demais. As pessoas são exibicionistas, gostam de falar que têm muitos orgasmos, mas não falam de seus problemas sexuais. Falamos de problemas de saúde diversos, dizer 'tenho enxaqueca' é até chique, mas dos problemas sexuais ninguém fala abertamente. A mulher que não consegue sentir prazer se sente muito frustrada", explica Junia.

Mas se o ponto G não existe e o caminho do prazer não é apenas biológico, o que a mulher deve fazer para ter relações sexuais gostosas e alcançar o orgasmo?

"Tem uma questão filosófica: as mulheres têm que entender que não devem tentar alcançar o orgasmo para agradar o homem. O prazer é individual, o outro não sente as suas sensações. Então a busca do prazer é para ela, não para o outro", diz Junia. "Cada pessoa tem um mapa erógeno, as áreas em que sente mais prazer, mas muita gente não sabe explorar sua individualidade", completa.

 

A psicóloga e sexóloga Carla Cecarello, coordenadora do Projeto Ambsex, afirma que o autoconhecimento e a masturbação são bons aliados. "A mulher precisa conhecer seu corpo, se tocar, fantasiar, ter um tempo só para ela, para descobrir as sensações que pode ter", explica Carla. "É muito eficiente estimular o clitóris, seja por fora da vagina, onde ele fica visível, ou por dentro, em direção à sua base".

E o parceiro, como fica nesta busca pelo prazer? "A mulher deve procurar uma boa pessoa para se relacionar – um homem, outra mulher, como preferir. Deve ser um companheiro interessante e interessado", diz Mendes Júnior. "O outro não deve cobrar, questionar se a mulher gozou ou não gozou. Isso gera ansiedade. O parceiro precisa ajudar a mulher a relaxar e se entregar ao sexo", aconselha Carla. "O sexo tem que ser bom para os dois. Tanto o homem como a mulher devem aceitar o outro como é, compartilhar e buscar juntos os caminhos do prazer", encerra Junia. 

 

Via Paraíba



publicado por olhar para o mundo às 22:45 | link do post | comentar

Passeios de mão dada por um Portugal romântico

 

O romance está no ar. Com o Dia de São Valentim em mente, escolhemos ideias românticas para passear a dois. Uma lista em contínua actualização com novas sugestões e propostas de última hora.

Cruzeiros no Douro
Preço: desde 45€ por pessoa. A Cenários d'Ouro organiza vários programas a bordo de cruzeiro para comemorar o Dia dos Namorados. Cruzeiro Cais de Gaia/Porto com jantar (45€) ; Cruzeiro Marina do Freixo/Porto com jantar (85€); Programa Seduction, cruzeiro com a duração de duas horas no Douro, com embarque no cais de Caldas de Aregos e jantar 130€ e com estadia 165€.
www.cenarios.pt


Ria de Aveiro: Passeio de moliceiro

Preço: 25€ para duas pessoas. Passeio romântico de moliceiro pela Ria de Aveiro com a duração de 45 minutos de navegação, oferta de espumante e ovos moles.
www.cenarios.pt


Aveiro: Passeio de Carroça

Preço: 49,90€. Divirta-se neste passeio de aproximadamente 1h30 pelos locais mais característicos da cidade de Aveiro, conhecida como a Veneza Portuguesa. 
avidaebela.com

Serra da Estrela
Preço: 189€ por pessoa em quarto duplo. Celebre o dia de S. Valentim rodeado pela natureza da Serra da Natureza, no H2otel. Inclui uma noite de alojamento, pequeno-almoço, "grand buffet", espumante no quarto, massagem e livre acesso ao Aqualudic (ginásio, jacuzzi, piscinas e circuito celta com sauna, duche 360º, banho turco e hamman). O jantar será afrodisíaco, com selecção de bebidas da garrafeira do hotel.
www.h2otel.com.pt

Penhas Douradas
Preço: desde 230€ para duas pessoas em quarto duplo (noite extra a partir de 165€). Apaixone-se nas Penhas Douradas" assim se chama o programa especial para esta data. Alojamento de uma noite, massagem de casal com óleos aromatizados com ervas da serra, cocktail, jantar gourmet e utilização de piscina quecida, sauna e hidromassagem. A opção noite extra, no dia 13 ou 15, inclui ainda um piquenique a dois.
www.casadaspenhasdouradas.pt


Lamego

Preço: 66,90€ por pessoa em quarto duplo. O Hotel Lamego propõe para o dia 14 o programa "Breakfast in Bed", com estadia de uma noite, um jantar romântico à luz das velas com menu do chefe Carlos Pires, espumantes com morangos e mimos de chocolate no quarto e pequeno-almoço revigorante servido no quarto. Os casais têm ainda ao seu dispôr da utilização gratuita do health club e ginásio.Aproveite para visitar a cidade de Lamego e o Alto Douro Vinhateiro.
www.hotellamego.pt


Évora

Preço: a partir de 150€  em quarto duplo, para estadia de uma noite no Convento do Espinheiro -  A Luxury Collection Hotel & Spa, em Évora. O hotel sugere, além do alojamento, massagens (para eles e para elas) a partir de 150€ para o casal, ou individuais, usufruir do banho turco, sauna, jacuzzi e piscina interior. Descubra ainda os sabores da gastronomia alentejana num jantar romântico, restaurante Divinus pelo preço de 45€ por pessoa.
www.conventodoespinheiro.com

Lisboa: Passeio de GoCar e Sidecar
Preço: 49,90€. Deixe-se conduzir pela cidade de Lisboa de forma inovadora, descontraída e divertida, no chamado GoCar: um carro que assobia, conta anedotas, vibra numa descida e ainda serve de guia sempre bem humorado. Uma experiência para duas pessoas com a duração de duas horas. Pode também optar por um passeio, de uma hora, num Sidecar, uma réplica da mítica BMW R17 dos anos 40.
http://avidaebela.com


Sintra: Peddy paper

Preço: 19,90€ para duas pessoas.Se está mais "virado" para actividades ao ar livre, então aproveite esta sugestão e vá até Sintra, a capital do romântismo, para um peddy paper divertido e romântico, por entre trilhos verdejantes, miradouros e recantos de histórias de reis e rainhas. A duração é de aproximadamente três horas e o programa está disponível de 14 a 18 de Fevereiro.
www.muitaventura.com


Sagres
Preço: 159€ por pessoa em quarto duplo. O pacote especial para o Dia dos Namorados no Martinhal Beach Resort & Hotel, luxuoso complexo turístico, situado na praia do Martinhal e rodeado pelo parque natural, oferece uma noite de estadia com pequeno-almoço, jantar romântico para dois e um tratamento de spa por pessoa.
www.martinhal.com

Vila Nova de Santo André: Passeio a cavalo
Preço: desde 60€ em quarto duplo para alojamento de uma noite; 90€ se optar pela estadia com jantar e 122€ caso compre o pacote completo, estadia, jantar e um passeio a cavalo. O convite é feito pelo Hotel Rural Monte da Lezíria, situado no litoral alentejano, entre o oceano e a Reserva Natural das Lagoas da Sancha e de Santo André. 
www.montedaleziria.com


Montargil: Passeio de canoa
Preço: 24,90€. E que tal um passeio de canoa a dois? Goze da tranquilidade do Alentejo e viva um dia cheio de emoções e aventuras num passeio de canoa na barragem de Montargil, no distrito de Portalegre. Inclui o passeio, briefing e acompanhamento.
www.odisseias.com


Mértola
Preço: desde 53€ por pessoa. Ofereça à sua "cara metade" um fim-de-semana em Mértola, com um jantar romântico marroquino, onde vai poder escolher alguns pratos tradicionais, como tagine de borrego com passas e canela, tagine de vitela com ameixas pretas ou ainda cuscus dos sete legumes. Inclui alojamento de sexta a domingo, com pequeno-almoço e jantar. Para namorar a Ecoland sugere um passeio ao Pulo do Lobo ao entardecer ou até à pitoresca aldeia do Pomarão. Ecoland. Contacto: 286611111


Pousadas da Juventude
Preço: desde 20€ em quarto duplo s/wc e 25€ c/wc. Namorar nas Pousadas da Juventude é uma boa opção para este dia romântico, com preços e vários programas especiais, nas cerca de 50 unidades que existem por todo o país. Passeios de barco e em comboio turístico na Pousada de Faro, massagens na Pousada de Tavira, prova de vinho do Porto com chocolate em Alijó e jantar em restaurante típico na pousada de Guimarães, são alguns mimos desta proposta. Este programa não é válido para as pousadas de Almada, Lisboa, Penhas Douradas e Porto.
www.pousadasjuventude.pt


Pousadas de Portugal
Preços: desde 141€ para duas pessoas em quarto duplo. Escapada a dois nas Pousadas de Portugal, por alguns dos lugares mais românticos do país. Escolha as várias ofertas pensadas para assinalar a data, desde uma estadia num quarto de sonhos, ou um quarto temático e jantar romântico.
www.pousadas.pt 

 

Via Público

 



publicado por olhar para o mundo às 17:39 | link do post | comentar

Sexta-feira, 10.02.12
Mulçumanas falam sobre sua vida amorosa

 


Há muito mistério a respeito da vida amorosa de mulheres muçulmanas. Muito se especula, porém sabemos pouco sobre a intimidade destas moças. Além disso, não há estudos ou pesquisadores que saibam mais sobre este assunto do que elas mesmas.

 

 Foi pensando em dividir as suas histórias com o mundo ocidental e minimizar o preconceito a respeito de seu povo que duas mulçumanas que vivem na América reuniram histórias e organizaram um livro.

 

A obra batizada de "Love, Inshallah: The Secret Love Lives of American Muslim Women" (Amor, se Alá quiser: A Vida Amorosa Secreta da Mulher Muçulmana Americana, em tradução livre) foi lançada, nos Estados Unidos. As organizadoras Ayesha Mattu e Nura Maznavi ouviram diversas histórias sobre amor e sexo contadas por muçulmanas e selecionaram 24 delas para comporem o livro, que pode ser encontrado no site Amazon.com por $10,85, equivalente a R$ 18,85.

 

A vontade de desmistificar o estereótipo de que as muçulmanas são oprimidas e que não têm voz em sua sociedade foi o que motivou as duas editoras a escreverem o livro. Em entrevista ao jornal americano "The New York Times", Nura Maznavi explicou o uso do termo "Inshallah" no título da obra, está é a palavra árabe para a expressão "Se Deus Quiser". "Capta a ideia de que todo mundo está procurando por amor", diz ela.

 

Histórias da vida real


Marisa Toledo Santanna*, 23 anos, decidiu modificar sua vida radicalmente para poder viver uma história de amor. Quando criança, a jovem teve como vizinhos uma família original do Egito que logo voltou ao seu país de origem. Aos 20 anos ela reencontrou pela internet Mohamed Atta, o caçula daquela família. Os dois passaram a se comunicar frequentemente e paixão foi inevitável. Em menos de dois anos, Marisa ficou noiva, se converteu à religião do amado e se mudou para o Egito. Infelizmente o casamento não completou seis meses.

 

Sobre a vida sexual dos muçulmanos, Marisa revela: "Eu procurei levar a nossa cultura para a nossa intimidade, não queria ter que me anular e fingir ser quem não sou. Antes de partir para me casar comprei algumas lingeries bem sensuais. Notei que ele se espantou com a minha iniciativa."

 

Talvez atitudes como essas tenham contribuído para o curto período de casamento. "Outra coisa que me incomodava era o entra e sai de parentes dele na nossa casa. Os pais e os irmãos dele moravam no mesmo prédio que nós, mais precisamente nos andares de baixo e de cima. Minha sogra tinha as chaves do meu apartamento, não tínhamos privacidade", se queixa Marisa.


Porém, ela conta que as mulheres mulçumanas não são tão reprimidas como é mostrado no ocidente. "Nós temos voz, sim", afirma. Embora o casamento não tenha dado certo, Marisa não abandonou a religião do ex-marido. A jovem não quis revelar os motivos do divórcio.



publicado por olhar para o mundo às 23:20 | link do post | comentar

Quinta-feira, 09.02.12
Sonhos eróticos

Entenda o que os seus sonhos eróticos significam

 

Sonhou que transou em lugar público com um homem famoso, com seu chefe ou até outra mulher? Saiba que, espontaneamente, revelamos de olhos fechados coisas importantes sobre nossa própria vida. Para ajudá-la a desvendar seus segredos noturnos, nossas consultoras analisaram o significado dos sonhos eróticos mais comuns. Confira!

Sexo em lugar público
Pode revelar o desejo de se soltar mais, de se expor e romper limites. É provável que você esteja se sentindo um pouco reprimida e quer ser mais notada pelas pessoas que estão à sua volta. Especialmente por seu parceiro, caso tenha um.


Outra interpretação: também pode simbolizar uma preocupação excessiva com a opinião dos outros em relação ao seu relacionamento ou até mesmo em relação ao seu parceiro.

Transa à força
Bloqueio para expressar a própria sexualidade. Então, para não se sentir culpada por estripulias na cama, sua mente projeta um culpado. Assim, o desconhecido torna-se responsável pelo desejo escondido em você. Atenção, isso não significa que tenha vontade de experimentar uma relação forçada. Apenas indica o desejo de se permitir algumas fantasias.


Outra interpretação: sentir-se explorada por alguém – amigo, chefe, namorado ou parente - também explica o sonho.

Sem lugar para transar
Muito comum em momentos de crise ou depois do término de um relacionamento, pois traduz, de forma inconsciente, um obstáculo real, como algum problema sexual ou emocional.


Outra interpretação: por algum motivo, pode não estar muito a fim de continuar na atual relação. Assim, não achar um lugar para transar é uma forma de fuga tal qual como quando inventa aquela famosa dor de cabeça para ignorar as investidas sexuais do gato.

Na cama com alguém conhecido
Isso, sim, simboliza uma tensão sexual real entre vocês. No entanto, o significado não é necessariamente esse. Ele pode representar um conflito de qualquer gênero com essa pessoa ou até uma relação de admiração e parceria.


Outra interpretação: se é comprometida e, enquanto dormia, o traiu com um amigo, não se desespere. Isso é comum após dar um passo mais sério na relação e apenas reflete uma preocupação natural de que seu escolhido seja o homem da sua vida.

Carícias femininas
Calma, transar com uma mulher não significa, necessariamente, que você sinta desejo por pessoas do mesmo sexo. Esse tipo de fantasia pode revelar uma necessidade afetiva de se relacionar com alguém que a compreenda, como uma amiga. Logo, não precisa envolver questões físicas. Às vezes, também reflete o desejo de carinho materno.


Outra interpretação: a tal mulher, talvez, represente você mesma. Ou seja, a melhor pessoa para mostrar como gostaria de ser estimulada na hora do prazer.

Encontro nem um pouco profissional com seu chefe
A imagem da transa com o superior é perturbadora. Porém, sinaliza a necessidade de manifestar seu lado dominador entre quatro paredes. Nos sonhos, o sexo tem muito a ver com uma agressividade reprimida e com a manifestação de poder.


Outra interpretação: dificuldades de se impor no trabalho também levam a esse tipo de fantasia.

 

Via M de Mulher



publicado por olhar para o mundo às 22:09 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.02.12
Sexo na gravidez: mitos e verdades

O ideal é que o casal converse bastante e faça aquilo que for mais prazeroso para ambos

É possível manter uma vida sexual ativa e cheia de prazer durante os nove meses de gestação. O ginecologista Domingos Mantelli, de São Paulo, desvenda as maiores dúvidas sobre a relação sexual nesse período:

 

A libido diminui


MITO - O apetite sexual aumenta por causa dos hormônios da gestação que deixam a vulva e as mamas mais sensíveis. Em geral, os motivos que provocam a queda da libido são psicológicos (como o medo) ou físicos (enjoo). O casal pode ter uma vida sexual ativa, desde que não haja restrição médica.

 

Gestante tem orgasmo normalmente


VERDADE - Se isso não estiver ocorrendo, há algum fator psicológico envolvido. Existem casais que optam por não ter relações sexuais com penetração, em virtude do tamanho da barriga ou da proximidade do parto, mas encontram outras formas de sentir prazer.

 

 

A relação sexual pode machucar o bebê


MITO - O colo do útero é bem fechado, não há como chegar ao feto e muito menos machucá-lo. O único cuidado que se deve ter é em casos de gestação com risco de aborto, pois o esperma é muito rico em prostaglandina, substância que provoca contrações uterinas. Nesse caso, o ideal é usar preservativo.

 

Via M de Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 07.02.12
Um brinde ao amor, champanhe

 

ploc da abertura, a sugestão de efervescência, o tempo e o modo como inebria e, principalmente, a sensação de bem-estar que proporciona fazem do champanhe o vinho dos reis. E do amor.

 

Nas mais circunspectas celebrações ou nos mais íntimos momentos, o cinema ou a literatura foram construindo uma mitologia na qual o champanhe aparece como uma espécie de luz que confere às cerimónias ou aos momentos importantes sofisticação, intensidade, bom gosto e, como se trata de uma bebida alcoólica, relaxamento e euforia. É por isso que, seja pela mitologia ou pela mais prosaica realidade, quando se fala em sensualidade, erotismo ou paixão, quer dizer, no dia dos namorados, se requer quase de imediato esse ingrediente essencial dos grandes momentos que é o champanhe.

 

Mas que champanhe? Tomemos cuidado com a terminologia, porque champanhe é uma designação exclusiva dos grandes vinhos produzidos em torno da cidade francesa de Reims. Depois, pode haver espumantes em Portugal, cava em Espanha ou cremosos em Itália, e se todos se sujeitam às mesmas regras básicas de vinificação - o método champanhês - só os franceses se podem chamar champanhe. Por definição, os bons champanhes são, de muito longe, os melhores espumantes do mundo, mas é bom que se diga que há alguns espumantes bem melhores do que os piores champanhes. Complicado? Talvez, mas para que não haja dúvidas, consideremos que as marcas mas consagradas do champanhe não deixam margem para equívocos: são quase imbatíveis. A saber, a Krug, a Pommery, a Bollinger, a Louis Roederer, a Veuve Clicquot, a Mumm, a Pol Roger ou a Taittinger. Bom, há ainda a famosa Möet, mas nem todos os críticos colocam esta marca emblemática no topo das prioridades.

 

Para o Dia dos Namorados não vamos considerar espumantes espanhóis nem italianos – e por maioria de razão essas coisas enjoativas que vêm de Asti. Ou Champanhe, ou espumante português, matéria na qual não estamos muito mal. Há por cá duas marcas que, pela qualidade e prestígio merecem ser destacadas: a Murganheira e a Vértice. Desde as gamas de acesso às grandes reservas, há muito por onde escolher. O Vértice Millésime de 2005, que está no mercado por menos de 20 euros, é de uma juventude e frescura exaltantes. Depois há ainda mais algumas opções alternativas. O Ninfa, um espumante meio rosé do Tejo muito equilibrado; ou um Quinta de Carvalhais Rosé, também por volta dos 20 euros, que é magnífico e muito ajustado aos dias de hoje. Nota: como se recomenda exigência neste momento solene, excluíram-se das escolhas os espumantes doces e meios-secos: os grandes espumantes são brutos, por pouco que a palavra se ajuste ao momento.

 

Mas se perguntarem qual é a escolha das escolhas para o dia dos namorados, eu diria que, pela elegância da casta chardonnay, pela sofisticação e pela cremosidade na boca, o ideal será um Taittinger. E, felicidade suprema, um Comtes de Champagne 2000 (a colheita mais recente no mercado) da mesma marca. O primeiro custa à volta de 30 euros, o Comtes mais de 150. A não ser que se queira ir ainda mais longe, para preços quase indecorosos, e optar por um Roederer Cristal.

 

Seja qual for a opção, há uma condição prévia a que ninguém escapa: tão importante como a bebida é o nosso desejo de a beber. Passem um bom dia.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 17:35 | link do post | comentar

Segunda-feira, 06.02.12
Mulheres independentes são mais sexys

 

Mulheres poderosas são mais sexies. Foto reprodução Imdb

 

Nós mulheres sabemos que as mulheres independentes são mais sexies, isso é fato.

 

Principalmente porque a imagem que elas passam é de total segurança, domínio de si mesma e de provavelmente são feras na cama. Será que isso é verdade?

 

Na maioria dos casos essas mulheres trabalham muito e com isso conquistaram seu espaço, sua casa própria, têm amigos, algumas delas ficam mais tempo solteiras, por falta de tempo ou de vontade de se relacionar mesmo. E como sabem bem o que querem acabam assustando os homens, que se ressentem em abordar essas mulheres. Alguns têm medo de chegar junto e paquerar.

 

Bom, nesse ponto, é falta de estima dos homens que se acreditam menores frente a elas. Vale a pena tentar, né gente? Quem pode saber se ela está ou não a fim? Pode ser que justamente pelo gesto intrépido de um paquerador que ela não acaba caindo de amores.

 

Sim, pode ser, e porque não? Porém, Vilamigas não há mulher que não tenha suas fragilidades, seus medos e suas neuras. Veja bem, se você encontrar por aí, uma que não tenha nada disso, desconfie, pois não é mulher!

 

Algumas mulheres que precisam mandar e possuem cargos altos de gerência e presidência lidam com esse poder no dia-a-dia, por isso, podem querer curtir uma submissão na hora do sexo ou podem querer um homem que tenha pulso firme e a guie um pouco no relacionamento amoroso.

 

Fica a dica para os homens.

 

A roupa alinhada, o jeito de andar e a pose de quem está com todo o poder é realmente hipnotizante e pode ser um ingrediente de excitação. E isso é muito bom. Mas toda mulher gosta de se sentir amparada e isso nem mesmo o mais alto posto numa empresa que vai lhe dar.

Pode acontecer de o gato ter que trabalhar um pouco mais para poder "ganhar" essa mulher, se ele quiser vai entrar nessa disputa pelo coração e vai ver que ninguém usa uma armadura.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:26 | link do post | comentar

Domingo, 05.02.12

Muitos utilizam o carro para realizar uma fantasia / Shutterstock

 

Um beijo seguido de uma 'pegada' mais forte... Logo o clima em lugares, como o carro, começa a motivar o casal a ir além. Falta de dinheiro, pressa, desejo falando mais alto ou até uma opção podem ser um dos motivos dessa escolha. Mas até quando isso se torna perigoso ou atraente?

Segundo a psicóloga e especialista em sexualidade humana Carla Cecarello, transar dentro do carro pode facilitar algumas posições por ter suportes para ajudar, como, por exemplo, o teto. Além disso, a especialista diz que, geralmente, os casais optam por fazer sexo no carro para economizar o dinheiro do motel, ou por sentirem uma adrenalina e apimentarem o relacionamento. "É uma forma de se exercer a função sexual de forma quente, diferente e, muitas vezes, até engraçada”.

Carla afirma que o sexo dentro de um carro não permite que o casal exercite as preliminares. "O sexo é mais rápido e, portanto, pode dificultar a obtenção do orgasmo feminino e estimular o homem a desenvolver a ejaculação precoce, justamente porque ele precisa ser mais rápido devido às condições."

Segundo a especialista, os benefícios variam muito do que o casal procura. "Mas podem ser desde uma ‘quebra’ da rotina, experimentar posições e lugares diferentes e, além disso, existe e possibilidade de colocar ' aquela música' para apimentar ainda mais o momento”.

Outra desvantagem, segundo a especialista, é o perigo das pessoas serem assaltados, até porque geralmente os casais costumam parar o carro em lugares sem muito movimento.

Drive-in

Frequentadores de drive-in (tipo de garagem privativa) podem comemorar. Os estabelecimentos estão cada vez mais equipados. Antes eram apenas cubículos, fechados com um portão, onde era possível aproveitar os carinhos do namorado somente no aperto dentro do veículo. Agora, os espaços estão modernos.

Para a psicóloga, a única desvantagem de fazer sexo no drive-in é o fato do espaço ser mais limitado, no entanto, segundo Carla, é mais seguro do que fazer sexo no carro estacionado na rua. "Nesses estabelecimentos existe a chance de se ter uma transa mais picante, diferente, pois foge do convencional que é a cama".

Carla diz que, geralmente, por ser mais barato que motel e pelo fato de que muitas vezes o casal está em dúvida se deve ou não ter uma relação sexual, o drive-in pode funcionar como um preparo para o motel. O casal pensa: "vamos ver primeiro como é".

Sexo no carro é crime?

Os casais que gostam de ter experiências sexuais em automóveis estacionados em lugares públicos devem lembrar que a atitude é crime. A advogada Rita de Cássia afirma que fazer sexo em local público pode responder por ato obsceno, artigo 233 do Código Penal. As pessoas podem ser condenados de três meses a um ano de prisão.

Pessoas contam histórias picantes

O produtor de televisão Gabriel (nome fictício), de 30 anos, conta que na época de faculdade, durante uma festa, um amigo pegou a chave do seu carro emprestado e transou na rua. "Quando fui embora do evento, vi os vidros do carro todo embaçado. Quando abri a porta meu amigo e uma conhecida estavam no banco do passageiro. Ela sentada no colo dele, bêbada. Eles foram capazes de me pedir mais um tempo para acabarem a relação. Fiquei esperando uns 15 minutos até eles encerrarem. Ela não sabia onde enfiar a cara. Trabalhávamos no mesmo lugar. Até hoje, nunca mais tocamos no assunto."

O publicitário Leonardo (nome fictício), de 26 anos, conta que um dos lugares preferidos para fazer sexo é o carro. "Gosto que as pessoas vejam eu transando. Uma vez, em um churrasco, comecei a fazer sexo dentro da garagem com todo mundo vendo". O jovem conta que as pessoas circulavam ao redor, e que isso aumentava o tesão.

A jornalista Soraya (nome fictício), de 23 anos, conta que ficou com um rapaz que namorava e dizia que transava sempre em um drive-in com ela. Virgem, a jovem topou ir até o estabelecimento. "Comecei a passar mal, suar, me senti incomodada", revela. A jornalista diz que assim que o clima esquentou, decidiu parar e chorou. Em seguida, acabou o clima e eles foram embora.

 

Via Band



publicado por olhar para o mundo às 21:57 | link do post | comentar

Domingo, 29.01.12
As 10 mentiras que nos arruinam a vida amorosa  Ler mais: http://aeiou.activa.pt/sexo/relacionamento/2011/07/30/as-10-mentiras-que-nos-arruinam-a-vida-amorosa#ixzz1kmR6ZmuR

 

Antes de se apaixonar pelo homem errado, aprenda a proteger-se contra:

1. O Mito da Beleza

A ideia de que as pessoas mais bonitas atraem mais facilmente um parceiro não só não é verdade (basta pensar na prima Albertina - toda a gente tem uma prima Albertina - que era feia como os trovões e tinha todos os homens que queria) como pode levar-nos a gastar inúteis balúrdios em roupa a vida inteira sem percebermos porque é que não funciona. Devemos ser cada vez mais nós próprias, com cada vez melhor aspecto, por nossa causa, e não para atrairmos um qualquer George Clooney que vá a passar (até porque os Clooneys deste mundo não passam assim com tanta frequência). Além disso, pode ser perigoso passar a mensagem errada: como é que queremos encontrar a alma gémea se passamos a vida a esforçar-nos imenso para parecer uma coisa muito diferente do que somos?

2. O Mito da Alma Gémea

Está bem, que as há há, como as bruxas, mas tal como as bruxas, qual foi a última vez que viu alguma? O que há são várias almas mais ou menos compatíveis. Se não quiser condenar-se a passar imenso tempo a inventar esquemas para fugir da rotina e para 'apimentar a relação' e a 'dar tempo' e a visitar terapeutas familiares, tenha mas é o bom senso de escolher alguém com quem seja agradável viver.

3. O Mito do Merecimento

"Ai eu aqui coitadinha tão gira, tão culta, tão esperta, tão loira e tão boa pessoa, não merecia mesmo um Príncipe?" Pois merecia, mas acontece que a vida não é justa, a vida é lógica, e a lógica não é moral. Se viver à espera de 'retribuição', vai ter muitas desilusões.

4. O Mito dos Opostos que se Atraem

Pois dizem os psicólogos que não se atraem, não senhora, o que nos atrai, mesmo - especialmente? - em pessoas muito diferentes de nós, é aquilo em que se parecem connosco. E sim, os valores e os hábitos e o meio e se gostam ou não de step ou feijoada ou das Caraíbas é importante, mas, também dizem os psicólogos, as relações mais sólidas nascem entre pessoas que tiveram infâncias ou experiências de vida idênticas.

5. O Mito da Primeira Vez Tem de ser Óptima

A culpa é do cinema. E das telenovelas. E dos romances. Fizeram-nos tal lavagem ao cérebro desde que começámos a ter idade para ver cenas de sexo que a partir daí acreditámos piamente que tudo acontecia assim, naturalmente, sem atropelos, sem sutiãs encravados nem sapatos malcheirosos nem mãos desajeitadas nem óculos a atrapalhar... Se a primeira vez não viu fogo de artifício, não desanime. Tudo se treina.

6. O Mito da Honestidade

"Olha, ó João Carlos, antes que me dês um beijo na boca deixa-me que te diga que já tive 34 namorados antes de ti, especialmente o Vasco que era um monumento de homem até me dar uma grandiosa tampa, sou psicótica com as dietas e só como meia folha de alface por dia, por acaso não tenho os dentes verdes, não? Ah, adoro beber até cair para o lado, também adoro crianças e estou louca para ter uma equipa de futebol mas tenho uma verruga vaginal que me incomoda imenso, sabes que em Portugal as mulheres ainda ganham menos do que os homens?, olha importas-te que vá à tua casa de banho, o jantar caiu-me mal" (depois não se esqueça de voltar e dizer "Não vás lá agora") e por último a machadada fatal: "A minha mãe vai gostar tanto de ti!" Não seja honesta! Pelo menos no primeiro dia! Não pronuncie NUNCA a palavra 'fofinho'. Diga-lhe o mínimo indispensável e ouça muito. E tente descobrir em que partido é que ele vota. Isso sim, é importante.

7. Mito das Festinhas

Mas que mania feminina que depois de grande sessão de cama eles têm de ficar num 'encore' a fazer-nos festinhas! É como se depois de uma aula de body combat se tivesse que ficar a fazer festinhas no treinador. Deixe as festinhas para quando ele acordar.

8. O Mito da Compatibilidade

Lá porque se divertem imenso e vão ao cinema e jantar fora, não quer dizer que consigam aguentar uma relação de chatices diárias, com casas para pagar, louça para lavar, banheira para partilhar, e a adrenalina em baixo. Mas claro que muitas vezes isso só se descobre experimentando, não é...

9. O Mito do Resgate

Há-de vir alguém (alto, louro e com dinheiro) resgatá-la à sua triste vida, mesmo que esteja sentadinha em casa a bordar Mickeys em ponto-cruz. Só se for o homem da piza - isto se mandar vir uma piza, obviamente - e se o homem da piza for psicopata daqueles que olham para uma pessoa e ficam instantaneamente apaixonados, porque de outra maneira, quem fica à espera arrisca-se a esperar para sempre.

10. O Mito da Dependência

Só conseguimos ser felizes com outra pessoa e essa pessoa há-de nos dar aquilo que lhe damos a ela. Mentira: nem precisamos desesperadamente de outra pessoa nem o amor é assim tão matemático. Dedique-se a ser feliz sozinha para aprender a ser feliz a dois.

 

Via Activa



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Como é o sexo depois do c...

Juntos chegaremos lá - or...

PROCURA-SE UM AMANTE

Sexo, Coisas que você ode...

Falta desejo ao seu casam...

Amizade, sexo...Ação!

Slow sex: prazer sem pres...

Sem beijo e sexo, jovens ...

Retrato de uma família LG...

O poder do Toque

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds