Quinta-feira, 29.12.11

Popular revista anunciou os vencedores do concurso de fotos. Divididas por três temas (NaturezaPessoas e Lugares), foram também destacadas imagens com menções honrosas e as escolhas do público.

Via Expresso


publicado por olhar para o mundo às 22:02 | link do post | comentar

Sábado, 17.12.11
Indiana de 62,8 cm é a mulher mais baixa do mundo
Jyoti Amge teve de esperar até o dia em que completa 18 anos para poder entrar no livro de todos os recordes. Com 62,8cm de altura, a estudante indiana entra agora para o Guinness, superando em 7cm o recorde que até Setembro pertencia à americana de 22 anos, Bridgette Jordan.

Vestida no seu melhor 'sari' - guardado apenas para as ocasiões especiais – a jovem indiana classificou a designação como um «presente extra de aniversário» e afirmou que se sentia grata por ser pequena, já que essa é a característica que a torna especial e que lhe deu notoriedade.

«Consegui pôr Nagpur [a sua cidade natal] nos olhos do mundo. Agora toda a gente saberá onde é», disse a jovem orgulhosa e visivelmente emocionada.

 

Apesar do reconhecimento e da sua particularidade, os sonhos de Jyoti não diferem dos das meninas da sua idade. Prestes a terminar a escola secundária, a jovem indiana sonha entrar para a universidade e um dia vir a tornar-se uma estrela de cinema de Bollywood.

 

«Jyoti encoraja-nos a olhar para lá do tamanho e limitar-nos a celebrar as nossas diferenças», disse Rob Molloy, um dos representantes londrinos do Guinness presentes na cerimónia em Nagpur. Uma cerimónia em tudo festiva, que até teve direito a um bolo de aniversário.

 

Nos últimos dois anos a jovem indiana cresceu apenas 1cm e acredita-se que não irá crescer mais por sofrer de uma forma particular de nanismo, chamada acondroplasia.

 

No entanto, o título de mulher mais baixa de sempre continua a pertencer a Pauline Musters, uma holandesa que viveu no século XIX, de 1876 a 1895, e que não cresceu para lá dos 61cm.

 

Via Sol



publicado por olhar para o mundo às 17:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.12.11

Fim da ocupação de Portugal em Goa foi há 50 anos, mas ainda há fado, futebol e Fátima no pequeno estado indiano. O Expresso esteve lá e trouxe em imagens o que resta dos 450 anos de presença portuguesa.

Foi a 18 de dezembro de 1961 que Goa deixou de ser portuguesa, depois de 450 anos de colonização. Cinquenta anos depois, a presença de Portugal ainda não foi esquecida e há mesmo quem cante fado e festeje o Santo António. Mas, dizem os mais velhos que ainda falam a língua de Camões: "A cultura portuguesa em Goa tem os dias contados".

 

Do passado, sobram os jardins com nomes de personalidades portuguesas como Garcia de Orta (que morreu em Goa em 1568), a arquitetura colonial, a gastronomia, um núcleo sportinguista, as igrejas católicas onde se reza com profunda devoção a Nossa Senhora de Fátima e um sem-fim de referências a Portugal, visíveis principalmente no comércio. Que vão desde o tão tipicamente português "Café Central" à joalharia "Velho&Filhos", passando pela "Barbearia Real", a "Loja Camota" e até mesmo o hotel "Fontainhas Inn", no bairro do mesmo nome.

 

Venha daí numa pequena viagem ao Portugal que ainda sobrevive em Goa.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 17:08 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18.11.11
As indianas também devem sonhar, basta acreditar
As indianas também devem sonhar, basta acreditar

 

A robustez do corpo contrasta com a fragilidade de carácter. Sempre altiva parece caminhar com toda a tranquilidade. E teria a primeira das razões para ser assim. É bonita apesar dos quarenta anos de idade. Mas a insegurança é-lhe constante. Medo de errar, medo de desapontar, medo de perder.

A sua figura séria afasta muitos outros, que decerto ignoram a sua verdadeira personalidade. Lamenta-se por isso. Enquanto todo o universo aspira a beleza, ela não. Preferia antes ter uma aparência vulgar e não ser o palco das atenções. Mas raramente se queixa aos outros. Pelo contrário. Ri muito. Sempre. Tem consciência do efémero da vida e quer aproveitar todos os momentos intensamente. E assim o faz.

A ervanária é a sua arte, mas a par disso concilia uma série de outras atividades. Da cozinha às danças indianas, das aulas da filha à religião - em todas dá o máximo do seu empenho. Por trás de tudo isto há uma organização forte e sem tréguas, segundo a filha. É segura disso. Apenas. Mas tem, sobretudo, uma alegria e experiência de vida pouco comum para uma

mulher ainda jovem, que não sabe nem uma letra do alfabeto.

Escola da vida


Conhecia-a este ano quando tive uma tendinite e andei desesperada no Martim Moniz à procura de pomadas e óleos que aliviassem a dor. Como sou uma gralha sei que não é difícil trocar uns bons dedos de conversa comigo, mas depressa houve uma empatia que já me fez voltar lá para comprar outros frascos.

Ontem lembrei-me dela quando estava a ler um artigo sobre um interessante projeto na Índia. Trata-se de um programa de saúde que visa formar mulheres analfabetas para serem médicas.

Num país onde as castas são uma rígida estratificação da sociedade e onde elas são educadas para ser submissas à família - este projeto torna-se ainda mais importante. A ideia nasceu na década de 70 por um casal de médicos que visitou a aldeia de Jamkehd, no interior da Índia, constatando que havia falta de médicos nos meios rurais e que para contornar o problema bastava ensinar as mulheres sobre os cuidados básicos de saúde.

Aldeia mais saudável


Só as mulheres, porque são elas que são os pilares da família - embora a sociedade indiana não reconheça - e porque são elas que tratam de todos, sobretudo, das crianças. E os resultados saltam à vista. Em 40 anos são poucas as mulheres que morrem no parto, a taxa de mortalidade infantil foi reduzida em 30% e há menor incidência de casos de tuberculose, tétano e de outras doenças. Um projeto notável que mostra que todos são úteis e importantes e que, sobretudo, devolveu às mulheres o orgulho perdido. Porque as indianas também devem sonhar, basta acreditar!

Via A vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 10:13 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
posts recentes

Grande prémio de fotograf...

Indiana de 62,8 cm é a mu...

Goa: 50 anos depois, o qu...

Mulheres analfabetas tor...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
Posts mais comentados
links
blogs SAPO
subscrever feeds