Domingo, 29.05.11
João Lemos, um dos autores portugueses que trabalha para a Marvel
João Lemos, um dos autores portugueses que trabalha para a Marvel (DR)

O francês Jacques Loustal e o italiano Ivo Milazzo são as presenças mais marcantes no VII Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, que começa amanhã à tarde na Casa da Cultura daquela cidade alentejana.

 

Durante os 15 dias de programação, que decorre até 12 de Junho, estarão abertas ao público 17 exposições e são esperados mais de 60 autores portugueses e de vários países europeus. O mercado do livro, a funcionar sobretudo nos fins-de-semana, conta com a participação de cerca de sete dezenas de editores, na sua maioria do circuito independente.

Além dos dois autores já mencionados, estarão presentes em exposições individuais Pablo Auladell (Espanha), Andrea Bruno (Itália), Liam Sharp (Reino Unido), Aleksandar Zograf (Sérvia), Fernando Relvas, Carlos Rico, Inês Freitas, João Mascarenhas, Ricardo Cabral, Rui Lacas e Bernardo Carvalho (Portugal).

Todos estes autores foram “primeiras escolhas”, disse ao PÚBLICO Paulo Monteiro, director do festival. Como em anos anteriores, o critério tem sido a escolha de “autores internacionais consagrados” (é o caso de Loustal e Milazzo), a par de “artistas de boa qualidade que praticamente ninguém conhece”, entre os quais Auladell, Zograf ou Andrea Bruno, acrescenta Paulo Monteiro.

O festival apresenta ainda quatro exposições colectivas: A Volta ao Mundo, com trabalhos dos autores de escolas alentejanas; Futuro Primitivo, com autores portugueses contemporâneos; Portugueses na Marvel, com obras de Filipe Andrade, João Lemos, Nuno Plati e Ricardo Tércio; e Venham+5, com obras realizadas a partir do trabalho desenvolvido pelo colectivo da Bedeteca de Beja.

A maioria das exposições (12) fica na Casa da Cultura. “Não cabe lá tudo. Por isso, decidimos colocar exposições em outros pontos da cidade, que é uma forma de levar os visitantes a conhecerem-na e, simultaneamente, promover a ligação do festival aos habitantes”, explica Paulo Monteiro.

Uma ambiciosa programação paralela, concentrada sobretudo nos fins-de-semana, é aposta forte da edição de 2011. Estão marcados numerosos lançamentos editoriais – Mundos em Segunda Mão (de Aleksandar Zograf), Moonface (Fernando Relvas), fanzine Venham + 5, revistas Zona Gráfica 2BDJornal 27 e Banzai, entre outros –, além de debates, sessões de autógrafos, visitas guiadas às exposições e a exibição da longa-metragem de Luc Besson A Maldição do Farao, inspirada nas aventuras da heroína de BD Adèle Blanc-Sec. O director do festival não esconde que tudo isto tem o objectivo de aumentar a afluência ao festival, que teve em 2010 mais de oito mil visitantes.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 17:44 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

VII Festival de BD de Bej...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds