Terça-feira, 20.03.12

A cassete está a voltar ou afinal nunca desapareceu?

Vemo-la estampada em "t-shirts", mas a cassete que ouvíamos no "walkman" continua a ser editada e acolhida por estilos de música mais marginais. É melhor manter o leitor de k7 no carro?

Nos anos 80, a British Phonographic Industry lançou o "slogan" que marcou uma era: "Home taping is killing music". Hoje, trinta anos depois, a conversa continua a mesma, com a pirataria "online" a amedrontar as grandes indústrias. O tempo provou que correr para o rádio para premir REC não matou a música, mas, numa altura em que o vinil está a ter um novo fôlego, o que é feito da cassete? Já agora, um pequeno teste: o que é que uma caneta e uma k7 têm em comum?

 

Com 26 anos, Vítor Silva, Kikas, como prefere ser tratado, descreve este ritual de puxar a fita ao falar do "modo de vida" que é a dedicação à cassete. Não é o único a insistir num meio que muitos pensavam já estar esquecido. O mercado "indie" e experimental tem apostado na cassete — Deerhunter, Dirty Projectors, Animal Collective, Of Montreal, The Mountain Goats já as lançaram — e o "chillwave", que recupera os sintetizadores dos anos 80, abraçou-a como perfeito condutor "lo-fi" — basta olhar para o percurso de Washed Out, Toro Y Moi, Julian Lynch, Real Estate e Ducktails, o projecto de Mondanile a solo.

 

Também em Portugal a cassete nunca parou de rodar, particularmente dentro da música experimental e do metal. É, aliás, perto do Porto que se situa a única fábrica da Península Ibérica que ainda faz cassetes. Kikas é um dos "rockeiros" que ainda põe as Tapematic a funcionar e, por isso, entra na Edisco quase como se fosse a sua casa. É aqui que faz os lançamentos da Degradagem, editora que criou há cerca de cinco anos, especializada em "grindcore"/"fastcore", com uma particular adoração pela cassete. Faz 100, 200 cópias, no máximo, e vende-as, principalmente para o estrangeiro, por 3,50 euros, com uma margem de lucro mínima.

 

É uma questão de "activismo" e também de algum "saudosismo" dos tempos do "tape trading", quando trocava cassetes por correio com esperas de, às vezes, três meses. Prefere a cassete, aquela que tatuou no braço, ao CD-R, formato que na entrada do novo milénio ajudou muitas bandas a começar. "A cassete é para quem tem um compromisso com a música. É mais para quem sente", diz, até porque obriga a alguma dedicação, seja pelas limitadíssimas cópias que hoje são feitas, seja pelos cada vez mais raros leitores de cassetes. "O que ainda vai safando é que o pessoal tem um leitor de cassetes ainda no carro."

 

Contra a "volatilidade do mp3"

Se há dois anos era difícil para Kikas esgotar as suas cassetes, hoje "despacha-as" em dois meses. Estará o mercado a mudar? "Está a crescer, mas não vai voltar como o vinil. A 'tape' está num círculo mais fechado", responde Pedro Blaspher, um dos fundadores da Helldprod, editora de metal criada em 1993, que conta com 34 edições em cassete. É também membro da Infernüs, banda cuja discografia corresponde a seis cassetes, e um coleccionador — tem 800 guardadas em armários feitos para o efeito na Alemanha.

 

Quando um grupo quer editar o primeiro trabalho, Pedro aconselha sempre o formato "oldschool", a "demo tape". "O CD-R não tem significado. É para facilitar e tira o espírito de há 15 anos", diz. Ficaria mais barato, sim, mas há que ter "respeito ao passado e ao formato". Além disso, a cassete, enquanto objecto, tem "um significado especial" por remeter para um "ambiente DIY ['do it yourself'] e artesanal". O som "cru" adequa-se ao metal, daí ter tamanha popularidade no meio.

 

É também este "'hiss' [silvo] característico, algo sedutor", que agrada a Tiago Jerónimo, que está por trás da Cérebro Morto, editora, criada por volta de 2006, com o objectivo inicial de editar apenas em cassete. Hoje, cada lançamento da Cérebro tem uma edição em CD-R e uma especial em cassete, com uma tiragem muito limitada e um "package" feito à mão, e é acompanhada por uma "zine" com entrevistas aos artistas e ilustrações.

 

"A cassete nunca deixou de existir. Atravessou foi momentos de maior e menos popularidade", comenta Tiago, por e-mail. O lado DIY tem aqui uma importância clara, tal como a valorização da cassete enquanto objecto. Sente-se uma "vontade de continuar um caminho (começado nos ano 60) de complementar a música com uma embalagem de forte vertente artística e personalizada", dando "identidade e personalidade" às editoras, em resposta à "volatilidade do mp3" e "à saturação na utilização do CD-R".

 

"As cassetes eram a nossa Internet"

É a reacção de uma geração que começou a ouvir e a partilhar música com a cassete e a herança chegou até hoje, por exemplo, com as "mixtapes" na Internet. "Na altura não havia cá digital que valesse: ou alguém tinha o álbum ou não tinha. Se tivesse, pedia-se uma cópia em cassete", recorda Tiago, ressalvando algumas vantagens da cassete: "Fácil de adquirir", "barata" e, ao contrário do CD-R, passível de ser "gravada e re-gravada". "As cassetes eram a nossa Internet", conclui Rui Pedro Dâmaso, membro dos Frango, que editaram pela Cérebro, em k7, Pego de Lobo Luz, fundador da Searching Records e um dos promotores do Out.Fest. "Fazíamos o que se faz agora com o mp3. Era uma forma de partilha."

 

Rui não sabe se há um "ressurgimento" da cassete, se será "o novo vinil" — "se calhar nenhum deles morreu" —, mas considera que tem tudo a ver com a "relação emocional ao objecto" e com a forma como hoje se consome música. "O digital é uma forma de conhecer, mas depois quem tem instinto de coleccionador... compra." Com o mp3 perdeu-se a noção de álbum, "do lado A e do lado B". Conceptualmente, diz, a "rugosidade" e as "arestas" do som da cassete agradam à vaga mais experimental de músicos que recuperam os sintetizadores.

 

Branches é um deles. "O meio é a mensagem", remata. Em 2006, lançou, pela Searching Records, o CD-R "Seiva" e, em Janeiro, as cassetes "Primeira Vez" e "Ninguém É Como Tu". Porquê? "O som da cassete, 'lo-fi', e a própria deterioração da fita tem a ver com o que estou a procurar na música agora". Gosta da possibilidade de, ao contrário do CD, "nenhuma cassete soar como outra", o que não significa que não disponibilize as suas músicas em mp3. 

 

"Eu quero que esteja tudo online. A cassete é quase pelo culto do objecto", diz, até porque o mp3 é imaterial, não é palpável. Por outro lado, atravessámos um momento tendencialmente revivalista. Estaremos fartos da vida que temos? "Quando tens tudo gratuito a cassete pode ser a única ligação que se tem às características fetichistas da música... de ter um objecto."

 

Retirado do P3



publicado por olhar para o mundo às 16:50 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

A cassete está a voltar o...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds