Quinta-feira, 12.04.12

Steve Jobs a apresentar a parceria com as editoras, em Janeiro de 2010

Steve Jobs a apresentar a parceria com as editoras, em Janeiro de 2010 (Kimberly White/Reuters)

A Apple e as editoras Macmillan e Penguin vão a tribunal, acusadas de terem combinado subir os preços de livros electrónicos, como forma de contrariar os preços mais reduzidos da Amazon.

 

As empresas, disse o procurador responsável pelo caso numa comunicação à imprensa americana, “trabalharam juntas para eliminar a concorrência entre as lojas que vendem livros electrónicos, acabando por aumentar os preços aos consumidores”. No processo, que chegou agora à justiça, a acusação afirma ainda que “a Apple claramente compreendeu que a sua participação neste esquema resultaria em preços mais elevados para os consumidores”. 

De acordo com a descrição da acusação, as negociações para combinar preços envolveram conversas apenas entre os CEO das várias empresas, em salas privadas de restaurantes luxuosos de Manhattan. 

Três outras editoras (a Hachette Book Group, a Simon & Schuster e a HarperCollins) terão participado no arranjo, mas não vão ser processadas porque chegaram a um acordo com a acusação, que terá ainda de ser aprovado.

Os termos do acordo obrigam as três editoras a romper os actuais contractos com a Apple e a não celebrar contratos com uma cláusula que impeça vendedores de fazer preços mais baixos do que os combinados com um outro vendedor – uma cláusula que até agora usavam e que tinha os preços da Apple como referência. Para além disto, ficam ainda proibidas, durante dois anos, de impor qualquer restrição aos descontos que os vendedores queiram fazer. 

Segundo a acusação, as cinco editoras – que, juntamente com a editora Random House, constituem o grupo dos seis gigantes editoriais dos EUA – decidiram usar com a Apple um sistema em que o preço de cada livro era determinado pela editora, ficando a Apple com uma comissão de 30% sobre o valor da venda. 

No modelo anterior, que era usado nos negócios com a Amazon, esta pagava às editoras (que actuavam como grossistas) e vendia os livros ao preço que quisesse. Para as editoras o problema foi a Amazon ter disponibilizado livros electrónicos a dez dólares, um preço muito mais reduzido do que as edições impressas e abaixo do que as editoras queriam.

Os acordos entre as editoras e a Apple acabaram por forçar a Amazon a optar pelo mesmo modelo e a ter de subir os preços dos livros electrónicos. Embora o processo seja resultado de uma investigação da autoridade da concorrência americana, o modelo de agência levou a um aumento de preços para clientes de todo o mundo, incluindo de Portugal.

 

Retirado do Público



publicado por olhar para o mundo às 17:52 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Apple e editoras acusadas...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds