Terça-feira, 17.04.12

Reaproveitar os desperdícios para os mais pobres é o objectivo do Movimento Zero Desperdício

Reaproveitar os desperdícios para os mais pobres é o objectivo do Movimento Zero Desperdício (Foto: João Gaspar)

 

O primeiro passo é dado na área da alimentação – com um plano de redistribuição de sobras de restaurantes, hotéis e supermercados que já está no terreno na zona de Lisboa – mas a “ambição da equipa” atrás do Movimento Zero Desperdício é alargar o projecto a todo o tipo de “sobras” e a todo o país.

 

A campanha, com o alto patrocínio da Presidência da República, quer “aproveitar os incontáveis desperdícios de bens, produtos e recursos existentes, um pouco por todo o país”. Em Loures, um dos primeiros municípios a aderir, há já 387 famílias que recebem a ajuda alimentar que partiu de uma acção da Associação Dar i Acordar.

Um dos primeiros pontos a esclarecer é que não serão redistribuídos os restos de comida servida em restaurantes, hotéis e supermercados mas antes as sobras que consistem “refeições ou outros bens alimentares que não tenham sido servidos e que, apesar de estarem em boas condições, não possam ser vendidos”. Produtos “cujo prazo de validade está a chegar ao fim ou que não foram expostas nem estiveram em contacto com o público”, são exemplos. Os dados da associação referem que mais de 360 mil pessoas que não têm o que comer em Portugal e contrapõe-se outro número: todos os dias são desperdiçadas cerca de 50 mil refeições em todo o país.

Segundo Paula Policarpo, um dos rostos da Associação Dar i Acordar, o Movimento “Zero Desperdício” já está a ser experimentado na zona de Lisboa (com as autarquias de Lisboa, Loures, Cascais e Sintra) desde o início deste ano. 

Além do apoio do Presidente da República, este movimento com o lema “Portugal não se pode dar ao lixo” terá ainda a voz (literalmente) de mais de 50 artistas portugueses que quiseram participar no hino da campanha.

Para Paula Policarpo esta acção resume-se ao “puro exercício da cidadania” onde todos podem participar a custo zero. “A ideia começa com os alimentos e na zona de Lisboa mas a nossa ambição é replicar este modelo em todo o país e usá-lo também para o aproveitamento de outros desperdícios, como os recursos humanos, livros, ou outros bens”, sublinha.

A acção “Zero Desperdício” surge pouco tempo depois da campanha “DA - Direito à Alimentação”, lançada em 2010 pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (ARESP). A DA também teve o patrocínio da Presidência da República e estava apoiada num conceito muito semelhante que visava o aproveitamento (com o apoio das autarquias) das refeições não servidas no sector. Mas, admite um porta-voz da ARESP, “esta campanha está em risco porque é difícil, manter-se a solidariedade nestes tempos de crise”. Segundo um balanço com data de Fevereiro deste ano, “a campanha está em plena operação nos municípios de Santa Maria da Feira, Entroncamento, Leiria e Ovar, os quais asseguram uma média mensal de refeições doadas de cerca de 2.650. Desde o início da operação, Abril a Dezembro de 2011, já foram doadas cerca de 24 mil refeições”. 

Lisboa e Loures para já

As acções do Movimento Zero Desperdício tiveram início em Novembro do ano passado e desenvolvem-se atualmente em duas freguesias de Lisboa (Campolide e Lapa) e em todo o concelho de Loures. 

Segundo o presidente da Associação Dar i acordar, António Costa Pereira, que falou durante a cerimónia de lançamento, esta manhã, Loures e Lisboa foram municípios piloto do projecto e o objectivo é agora alargá-lo a outras autarquias do país. 

“Este é só um ponto de partida, pois o objectivo é chegar a outros pontos de Portugal e tornar o nosso país um exemplo nesta matéria”, sublinhou o responsável, adiantando que os municípios de Sintra e Cascais serão os próximos a receber este projecto. 

No caso de Loures, a campanha Zero Desperdício teve início em Janeiro deste ano e conta com a colaboração de 11 superfícies comerciais e 11 instituições particulares de segurança social (IPSS), que fazem chegar os excedentes alimentares às famílias mais carenciadas. 

Segundo a vereadora com o pelouro da Acção Social na câmara de Loures, Sónia Paixão, no âmbito deste projecto já foram angariados mais de sete mil quilos de alimentos e apoiadas 387 famílias carenciadas. 

No município de Lisboa o projecto desenvolve-se na freguesia de Campolide, através da Associação Desenvolver Campolide, e mais recentemente na freguesia da Lapa, que escolheu como mediador as Oficinas de São José. Em Campolide, o apoio chega a 16 idosos, 30 famílias carenciadas e 15 crianças de dois estabelecimentos de ensino da freguesia, adiantou o presidente da junta de freguesia, André Couto. 

Já na Lapa, o projecto está a ser apoiado sobretudo pela Assembleia da República, que tem doado diariamente às Oficinas de São José entre 12 a 24 refeições diárias. 

Segundo o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, a autarquia pretende alargar o projecto a todas as freguesias da capital, sendo que a próxima deverá ser a Santa Maria dos Olivais.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 12:10 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Movimento Zero Desperdíci...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds