Sexta-feira, 07.10.11

 

Leymah Gbowee (Reuters)

 

A activista Leymah Gbowee, uma das três mulheres laureadas com o Nobel da Paz 2011, liderou uma «greve de sexo», em 2002. 

A iniciativa inédita ajudou a acabar com a guerra civil no país e consistiu no seguinte: as mulheres recusavam-se a ter relações sexuais com os maridos até que os combates terminassem.

Com esta greve, que juntou mulheres cristãs e muçulmanas, Leymah Gbowee fez com que o antigo presidente do país, o senhor da guerra Charles Taylor, fosse obrigado a inclui-la nas negociações de paz que decorriam no Gana. 

Depois de 13 anos de guerra civil, 250 mil mortos e um país devastado foi assinado, em 2003, o acordo de paz em Accra.

«Leymah Gbowee mobilizou e organizou as mulheres além das linhas de divisão étnica e religiosa para pôr fim a uma longa guerra na Libéria e garantir a participação das mulheres nas eleições», disse Thorbjoern Jagland, presidente do comité do Prémio Nobel.

Leymah Gbowee, de 39 anos, de etnia Kpellé, ficou conhecida como «a guerreira da paz». Escreveu no livro autobiográfico « Mighty Be Our Powers: How Sisterhood, Prayer, and Sex Changed a Nation at War», onde se incluem alguns dados sobre a sua vida. 

Em criança, por exemplo, todos a chamavam «Red» («Vermelha») por causa da sua pele mais clara. Sobre a sua vida também existe um documentário.

Durante a guerra, enquanto assistente social, tomou contacto com as crianças-soldado, um dos flagelos da guerra. Foi aí que viu que precisava de fazer algo para mudar a dura realidade.

Leymah Gbowee é mãe de seis filhos e vive desde 2005 no Gana, onde é directora executiva da organização Women Peace and Security Network Africa.

 

Via Tvi 24



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.10.11
Daniel Shechtman
Daniel Shechtman (Foto: DR)
O Prémio Nobel da Química foi hoje atribuído ao israelita Daniel Shechtman (70 anos), do Instituto Technion, em Haifa, Israel, “pela descoberta dos quase-cristais”, anunciou em Estocolmo, a capital sueca, o comité Nobel.

Os quase-cristais, materiais cujos átomos formam padrões geométricos regulares que nunca se repetem, eram considerados contrários às leis da Natureza. Shechtman provou que existem.

Na manhã de 8 de Abril de 1982, quando Shechtman, que na altura trabalhava no National Institute of Standards and Technology (NIST), nos EUA, olhou ao microscópio electrónico para a mistura de alumínio e manganésio, material cuja estrutura atómica estava a estudar, pensou (em hebraico): “Esta criatura não pode existir”.

A imagem que tinha obtido “mostrava uma série de círculos concêntricos, cada um composto por dez pontinhos luminosos a igual distância uns dos outros”, explica o Comité Nobel em comunicado. “Shechtman contou e tornou a contar os pontinhos. Círculos com quatro ou seis pontinhos teriam feito sentido, mas não dez, de maneira nenhuma." 

A imagem que Shechtman tinha obtido mostrava que, dentro do material, os átomos apresentavam uma estrutura cristalina, o que em si não tinha nada de especial. Mas aqueles dez pontinhos dispostos em círculos correspondiam a uma estrutura cristalina com uma “simetria de rotação de ordem 10” – e isso era totalmente contranatura. Uma tal estrutura nem sequer constava das Tabelas Internacionais de Cristalografia, a referência mundial na matéria. “Naquela altura”, refere o comunicado, a ciência estipulava liminarmente que um tal padrão cristalino era impossível.” 

Rejeição violenta

Nos cristais, a disposição dos átomos forma padrões geométricos regulares e repetitivos (o elemento de base pode ser cúbico ou hexagonal, por exemplo). Estes padrões dependem da composição química do cristal e conforme os casos, apresentam certas simetrias de rotação. Existem cristais com simetrias de ordem 3, 4 ou 6, em que cada átomo está rodeado de 3, 4 ou 6 átomos, respectivamente, todos a igual distância uns dos outros.

A ordem da simetria é revelada quando a imagem dos átomos destes cristais (os pontinhos luminosos) é rodada de forma a ficar perfeitamente sobreposta à imagem inicial: se for preciso uma rotação de 120 graus isso assinala uma simetria de ordem 3, se bastar uma rotação de 90 graus, a simetria é de ordem quatro e se for de apenas 60 graus indica uma simetria de ordem 6.

Os cristais com simetrias de rotação de ordem 5, 7 ou 10 eram considerados impossíveis porque isso tornaria desiguais as distâncias entre os átomos, gerando um padrão regular mas não repetitivo – e violando assim uma regra de base da cristalografia – a de que os padrões cristalinos se repetem ao infinito iguais a si próprios.

E no entanto, a imagem que Shechtman tinha obtido nessa manhã de Abril 1982 apresentava uma simetria de ordem 10: bastava rodá-la 36 graus (um décimo de uma volta completa de 360 graus), para a imagem rodada se sobrepor perfeitamente à imagem inicial. No seu caderno, o cientista escreveu: ‘Ordem 10???’” Estava perplexo.

Para mais, quando Shechtman analisou com mais pormenor a estrutura geométrica do cristal que tinha entre mãos, descobriu que, na realidade, ela apresentava uma simetria de ordem 5 – algo igualmente impossível.

Depois de ter excluído que se pudesse tratar de um erro experimental, Shechtman falou aos seus colegas da sua descoberta. A reacção foi violenta: Shechtman foi ridicularizado, o seu chefe mandou-o ler melhor os manuais de cristalografia e até o quis expulsar do laboratório.

Mas Shechtman, convencido de que tinha razão, não desistiu e, nos meses que se seguiram, vários especialistas também perceberam que a sua descoberta iria mudar para sempre a visão científica dos sólidos cristalinos: o israelita Ilan Blech, ex-colega do Technion, onde Shechtman tinha estudado, o norte-americano John Cahn, físico de renome que o tinha convidado a trabalhar no NIST e o cristalógrafo francês Denis Gratias. Juntos publicavam, em Novembro de 1984, na revista Physical Review Letters, um artigo “que teve o efeito de uma bomba”, lê-se ainda no comunicado Nobel, porque “punha em causa uma verdade fundamental [da cristalografia]: que todos os cristais são feitos de padrões periódicos, repetitivos.”A partir daí, os cristalógrafos começaram literalmente a tirar das suas gavetas imagens semelhantes às de Shechtman que tinham descartado por as terem interpretado como sendo o resultado de erros laboratoriais de fabrico dos seus materiais. Simetrias de ordem 8 e 12 foram assim ser reconhecidas à luz dos resultados de Shechtman.

Mosaicos árabes e matemática

Shechtman continuava contudo sem saber exactamente como os átomos estavam dispostos no material que tinha analisado. Essa parte do enigma seria resolvida em paralelo com a ajuda da matemática.

Em meados dos anos 1970, o célebre matemático britânico Roger Penrose tinha criado um mosaico feito a partir de dois losangos de dimensões diferentes. Estes mosaicos não eram periódicos e o seus padrões não eram repetitivos. Diga-se de passagem que o mesmo tipo de padrões seria a seguir descoberto nos maravilhosos azulejos do Alhambra, em Granada, e em monumentos do século XIII no Irão, sugerindo que os matemáticos ocidentais do século XX não foram os primeiros a inventá-los... 

Seja como for, sem nada saber do trabalho de Shechtman, o cristalógrafo britânico Alan MacKay teve por seu lado a ideia de utilizar o mosaico de Penrose para ver se, no mundo real, os átomos poderiam criar padrões do mesmo tipo. Basicamente, pegou numa imagem do mosaico de Penrose e furou buraquinhos nas intersecções dos losangos para representar os átomos. E quando projectou luz no seu modelo para obter aquilo que os especialistas chamam uma “imagem de difracção”, descobriu um padrão composto de ... círculos concêntricos com dez pontinhos cada!

Quem fez a ponte entre os resultados de Shechtman e os de MacKay foram os físicos norte-americanos Paul Steinhardt e Dov Levine. Perceberam que o modelo de MacKay existia no mundo real – muito precisamente, no laboratório de Shechtman – e publicaram, na noite de Natal de 1984, um artigo que fazia a síntese das duas descobertas e dava aos novos cristais o nome de “quase-cristais”.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 19:31 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Vencedora de Nobel da Paz...

Nobel da Química atribuíd...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds