Quarta-feira, 01.02.12

Vista parcial de um dos outdoors recusados

Vista parcial de um dos outdoors recusados (Imagem: DR)

 

Quem passa pelas estações do Metro de Lisboa já está habituado a ver as meninas em lingerie da Triumph ou os abdominais dos espadaúdos jovens da DIM ou Armani. Mas parece que não vai ser desta que se verá publicidade da rede social gay Manhunt com dois homens de tronco nu na vertigem de um beijo ou até de t-shirt num abraço. A razão? Esta publicidade pode "ferir susceptibilidades", justifica o Metropolitano de Lisboa (ML), que recusou a campanha este mês.

 

Tudo começou há cerca de um ano, conta Iúri Vilar, responsável em Portugal pela Manhunt, rede social norte-americana utilizada, maioritariamente, por homens homossexuais para combinar encontros. Tendo em conta que já existem 60 mil utilizadores no país (seis milhões a nível mundial), Iúri contactou a Multimedia Outdoors Portugal (MOP), empresa que gere a publicidade no ML, no sentido de fazer publicidade à rede social e à respectiva aplicação móvel na MOP TV para "atingir as pessoas que ainda estão no armário".

O serviço de televisão interna foi, entretanto, desactivado e só em Outubro foi assinado um contrato, segundo o qual a Manhunt teria 15 múpis (Mobiliário Urbano Para Informação) nas estações mais centrais, nomeadamente Rato, Saldanha, Picoas, Marquês do Pombal, Cais do Sodré e Restauradores. "Eles [a MOP] estavam super entusiasmados em ter esta publicidade mais 'revolucionária'", evidencia Iúri. O objectivo seria arrancar com a campanha em inícios de Dezembro.

A versão final do primeiro cartaz foi recusada num e-mail da MOP a dar conta da reprovação do ML. "Convém dizer que esta é a publicidade que está em todo o mundo, nos EUA, Rio de Janeiro, e que nunca houve nenhum problema", sublinha Iúri. A segunda versão foi então enviada e a resposta, enviada por e-mail pela MOP, foi mais concreta: "Os temas de teor sexual não estão autorizados nas redes [de múpis]."

Homofobia ou a satisfação dos clientes? 

A publicidade na rede é gerida pela MOP, mas o "ML intervém caso entenda exercer a faculdade (...) de não autorizar a colocação de publicidade, em determinadas circunstâncias", refere a transportadora, em declarações enviadas ao P3. Foi este o caso: "O ML foi solicitado a pronunciar-se sobre a campanha proposta em Janeiro deste ano, tendo recusado a autorização na mesma semana em que recebemos o pedido."

Iúri acusa o Metropolitano de "discriminação e homofobia", uma crítica "totalmente infundada", responde o ML, que salienta que a prioridade da empresa "é a satisfação dos clientes", não sendo, "primordialmente, um espaço publicitário". "Sempre que se coloque a dúvida de que a natureza dos produtos ou serviços em causa ou o teor da mensagem de uma campanha publicitária possam ferir susceptibilidades, é opção do ML não aceitar a divulgação da mesma na sua rede, independentemente da orientação sexual do respectivo público-alvo."

Agora Iúri, ameaçando recorrer aos tribunais, espera que lhe seja devolvido o pagamento, embora seja cada vez mais difícil falar com a MOP. A comercial com quem fechou o negócio não atende o telefone. Também o P3, apesar dos insistentes contactos, não conseguiu obter uma reacção da MOP.

 

Via Publico



publicado por olhar para o mundo às 08:39 | link do post | comentar

Quarta-feira, 04.01.12

Será que o sexo na publicidade ajuda mesmo a vender, ou acaba por canalizar a atenção do consumidor para longe da própria marca anunciada?

 

 

Via Expresso




publicado por olhar para o mundo às 17:39 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16.11.11

Papa a dar um beijo a Safwad Hagazi, imã do Cairo
Papa a dar um beijo a Safwad Hagazi, imã do Cairo (DR)
Lembra-se da campanha da Benetton em que Oliviero Toscani fotografou um doente com sida, já perto da morte, rodeado pela família? E aquela em que um padre e uma freira se beijam na boca? Foi nos anos 90. Agora a marca de roupa italiana volta a dar que falar numa acção de marketing, continuando a apostar em beijos impossíveis: o Papa Bento XVI e um imã egípcio, os presidentes americano e chinês, a chanceler alemã e o chefe de Estado francês.

A campanha com estas montagens fotográficas, cujos cartazes acabam de invadir as ruas de Roma e Milão e os “sites” noticiosos um pouco por todo o mundo, faz parte de uma iniciativa da fundação Unhate (Deixe de Odiar, em tradução directa), financiada pelo grupo de Luciano Benetton e que tem por objectivo, lê-se na sua página oficial, “contribuir para a criação de uma nova cultura de tolerância” e de diálogo, independentemente das diferenças.

É por isso que o cartaz que agora está a 500 metros dos aposentos do Papa no Vaticano (segundo o diário espanhol “El País”) mostra o sumo pontífice a dar um beijo a Safwad Hagazi, imã do Cairo. É por isso que noutro cartaz da campanha o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, beija o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas.

Desta vez as fotografias não são de Oliviero Toscani, mas ao olhar para a imagem que junta os líderes das duas Coreias é impossível não pensar nele. Tão impossível como o beijo entre Kim Jong-il e Lee Myung-bak. 

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 19:20 | link do post | comentar

Segunda-feira, 14.11.11

Anúncios inesperados, extravagantes, provocadores e divertidos. Em comum apenas isto: não deixam ninguém indiferente.



Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 17:54 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30.09.11
Em Portugal, a campanha de promoção do concurso arrancou esta semana
Martini lança concurso mundial para encontrar protagonista da nova campanha publicitária. O vencedor poderá beijar dez mulheres e ganhará 150 mil euros.
Em Portugal, a campanha de promoção do concurso arrancou esta semana

Ana Beatriz Barros é uma das modelos da Victoria Secret's que poderá ser beijada pelo vencedor do concurso Kisser Casting, promovido pela Martini para encontrar o protagonista da próxima campanha publicitária mundial.

 

Fonte oficial da Bacardi Martini Portugal refere que ainda não está definido em que contexto é que isso acontecerá. "Poderá ser num evento ou no próprio anúncio", avança.

 

O vencedor do concurso que decorre em 16 países ganhará também 150 mil euros em dinheiro. Os candidatos podem ser homens ou mulheres com mais de 25 anos e a inscrição é feita na página da Martini no Facebook, até ao próximo sábado. O eleito, segundo a Martini, será aquele que tiver a "melhor e maior atitude".

 

Em Portugal, a campanha de promoção do concurso arrancou esta semana e é protagonizada por Rui Unas. Para a Martini, o apresentador de televisão consubstancia o novo posicionamento que a marca reclama para si, que passa por ter uma atitude irreverente e positiva perante a vida. A expressão desta forma de estar, que pretende seduzir os jovens entre os 18 e os 25 anos, é a nova assinatura da marca: 'Luck is an attittude' (Sorte é uma atitude).

 


Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 08:16 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29.09.11
Ministra brasileira não gostou do conteúdo do anúncio
Ministra brasileira não gostou do conteúdo do anúncio (DR)

Um ano depois da proibição do anúncio da americana Paris Hilton pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, por ser “demasiado sexy”, a Secretaria de Políticas para as Mulheres, dependente da Presidência brasileira, pediu agora a suspensão de um conjunto de anúncios com a manequim brasileira Gisele Bundchen. A secretaria defende que a publicidade “reforça o estereótipo, enganoso, das mulheres como objectos sexuais para os seus maridos”.

 

Os anúncios estão a ser transmitidos desde o dia 20 de Setembro nos canais de televisão brasileiros e, segundo um comunicado da presidência, desde essa altura a Secretaria de Políticas para as Mulheres tem recebido várias “reclamações de indignação que dizem respeito à publicidade”. A presidência enviou uma carta com um pedido de suspensão ao responsável pela regulação da publicidade, “manifestando o seu repúdio à campanha”. 

No anúncio, que publicita roupa interior da marca Hope, a modelo brasileira (que goza de grande projecção internacional) ensina as mulheres qual a melhor forma de transmitir más notícias aos seus maridos. Primeiro a modelo aparece vestida a informar o marido que algo menos bom aconteceu. Logo depois, vestida apenas com roupa interior, Bundchen dá a mesma notícia ao marido, com a marca a sublinhar que essa é a forma "certa" de transmitir más notícias. A publicidade termina com a voz de um narrador a dizer: “Você é brasileira, use o seu charme”.

A secretaria, que depende directamente da presidente Dilma Rousseff, afirma que a publicidade tem um conteúdo discriminatório e que infringe os artigos referentes aos direitos das mulheres consagrados na Constituição brasileira. 

O proprietário da marca de roupa também já se pronunciou sobre a nota divulgada pela secretaria da presidência: “O objectivo definido era mostrar, com humor, que a sensualidade natural da mulher brasileira, reconhecida mundialmente, pudesse ser uma arma eficaz, no momento de dar uma má notícia”.

Não se conhece ainda a decisão do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária do Brasil, país onde é recorrente a utilização da sensualidade e o corpo das mulheres nos anúncios publicitários para promover diferentes tipos de produtos.

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 19:59 | link do post | comentar

Sexta-feira, 09.09.11

A notícia foi recebida com um coro de protestos e o vereador do PCP promete levar a questão à próxima reunião da Câmara de Lisboa

A notícia foi recebida com um coro de protestos e o vereador do PCP promete levar a questão à próxima reunião da Câmara de Lisboa (Rui Gaudêncio)

 

Aquela que é uma das mais emblemáticas estações de metro de Lisboa foi rebaptizada. Baixa-Chiado PT Bluestation é o seu novo nome, graças a uma acção de marketing da empresa que está a gerar controvérsia. O Fórum Cidadania Lisboa chama-lhe "prostituição do espaço público" e o Grupo de Amigos de Lisboa fala numa "saloiice de muito mau gosto".

 

O presidente do Metropolitano diz que esta mudança "é um marco na vida do metro, um marco de ruptura, de inovação, de criatividade". Cardoso dos Reis revelou, aliás, que quer alargar esta iniciativa a outras estações: "Esperamos contar com a visão de futuro, o espírito inovador e a ambição de outras marcas", disse o gestor. O Marquês de Pombal pode ser a paragem que se segue.

O Metropolitano recusou divulgar quanto vai arrecadar com esta operação e o presidente executivo da PT também não revelou quanto vai a empresa pagar para ter, durante quatro anos, o seu nome na estação. "É um investimento significativo", limitou-se a dizer Zeinal Bava.

Já o secretário de Estado dos Transportes declarou-se "muito contente com este projecto". Porque, explicou Sérgio Monteiro, "corresponde à vontade do Governo de que as empresas públicas de transportes encontrem formas inovadoras e criativas de gerar receitas", para serem "menos dependentes do Orçamento do Estado".

No caso da Baixa-Chiado, esta iniciativa inclui ainda a disponibilização aos utilizadores de estação de Internet grátis. Além disso, haverá acções diárias (como projecções de vídeo, distribuição de rebuçados ou massagens nas mãos), pelo menos durante um ano, e nas paredes serão projectadas notícias e "informações úteis". Questionado pelo PÚBLICO, o presidente executivo da PT garantiu que essas projecções não incluirão mensagens publicitárias, mas admitiu que a Baixa-Chiado receba "demonstrações de produtos" da marca.

A vereadora da Inovação da Câmara de Lisboa defendeu que "é importante a cidade apostar em projectos inovadores". Questionada pelo PÚBLICO sobre a alteração de nome, Graça Fonseca recusou-se a opinar, dizendo apenas que, "como qualquer situação de patrocínio, é normal que a marca queira estar presente".

Já o vereador do PCP ficou incrédulo com a mudança: "Como? Ai valha-me Deus! Isso é péssimo", reagiu. "Houve uma altura em que o metro convidava os melhores artistas portugueses para fazerem estações soberbas. Agora temos línguas estrangeiras e marcas", lamentou Rúben de Carvalho, que promete levar esta questão "tão marcante na vida da cidade" à próxima reunião da autarquia.

"É de ficar sem palavras", afirmou Paulo Ferrero, do Fórum Cidadania Lisboa, que considera estar-se perante um caso de "prostituição do espaço público". "Dentro em breve, em Lisboa, estaremos todos publicitados", afirmou por sua vez Appio Sottomayor. O olisipógrafo está também contra a utilização de uma palavra em inglês no nome da estação: "A língua portuguesa, pouco a pouco, está a ser enterrada. Faça-se então o funeral", concluiu.

"É uma saloiice desnecessária, de muito mau gosto", corroborou Salete Salvado, do Grupo de Amigos de Lisboa. A representante do colectivo, que integra a Comissão Municipal de Toponímia, lembrou ainda que, "até agora, o metro tem utilizado os nomes dos locais, respeitando a tradição toponímica da cidade". E lamentou que essa prática tenha sido interrompida. "Como querem receber dinheiro, estão a curvar-se", acusou.

"Acho mal. A toponímia não devia ter sido mudada", afirmou por sua vez a historiadora Irene Pimentel, que também faz parte da comissão, onde gostava de ver discutido este caso. Outro dos seus elementos, o musicólogo Rui Vieira Nery, acha que esta "não é uma matéria da competência da comissão". Mas, a título pessoal, reconhece que não tem "simpatia" por ver "o nome de uma empresa associado a um marco da cidade".

"Vejo esta solução de forma muito crítica. Preferia que deixassem os nomes como estão ou que os substituíssem, por exemplo, pelos de grandes figuras da cultura e da ciência", afirmou por sua vez José Jorge Letria, presidente da Sociedade Portuguesa de Autores.

Os presidentes das juntas de freguesia de São Nicolau, António Manuel, e dos Mártires, Joaquim Guerra de Sousa, não ficaram incomodados com a notícia de alteração do nome e manifestaram a expectativa de que o patrocínio da PT possa traduzir-se em melhorias no serviço prestado pelo Metropolitano de Lisboa.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 18:07 | link do post | comentar

Sexta-feira, 08.07.11

Gucci e Fiat lançam um carro em conjunto destinado exclusivamente ao público feminino. É o Fiat 500 reinventado. Veja para crer.


 

Via Expresso 



publicado por olhar para o mundo às 17:42 | link do post | comentar

Terça-feira, 21.06.11

Novo Cartão Europeu de Seguro de Saúde está a ser promovido através de um vídeo sensual, com direito a um homem nu a banhar-se numa praia deserta.

 

Um jovem de porte atlético despe-se sensualmente numa praia deserta e mergulha nu em águas translúcidas, num momento de puro prazer. Este podia ser o início de um filme erótico, mas não: é a nova promoção da Comissão Europeia, que incentiva à utilização do Cartão Europeu de Seguro de Saúde.

 

No vídeo, o jovem apanha banhos de sol todo nu à beira-mar, quando é mordido no pénis por uma medusa. Conclusão: "Espere o inesperado", relembra a Comissão Europeia.

 

"Portanto, se vai de férias, em viagem de negócios, tirar uns dias para descansar ou estudar no estrangeiro, não se esqueça de obter um Cartão Europeu de Seguro de Doença", lê-se no site da Comissão.

 

Este serviço facilita o acesso aos cuidados de saúde do setor público aos cidadãos dos 27 Estados-Membros da União Europeia - incluindo Islândia, Noruega e Suíça - que estejam em visitas temporárias no estrangeiro.


Via Expresso

 



publicado por olhar para o mundo às 08:55 | link do post | comentar

Quarta-feira, 15.06.11
A Korean Air acaba de receber o primeiro Airbus A-380. Veja aqui o vídeo promocional que acompanhia realizou para assinalar o evento.


publicado por olhar para o mundo às 17:02 | link do post | comentar

Quinta-feira, 07.04.11
Campanha acabou com mito de que férias nos Açores são caras
 
A campanha turística VisitAzores com voo incluído , que gerou 3.470 dormidas na época baixa, atingiu o objectivo de desmistificar o custo das férias nos Açores, afirmou hoje Sandro Paim, presidente da Câmara de Comércio e Indústria dos Açores.
 

«A campanha permitiu desmistificar no mercado nacional a questão do elevado custo das férias nos Açores, tendo também permitido aumentar o fluxo de reservas através da Internet», frisou Sandro Paim, num balanço desta campanha, que decorreu entre 15 de Outubro e 31 de Março.

 

Os dados hoje divulgados indicam que, entre as 3.470 dormidas que gerou no arquipélago, «99 por cento foram compradas através da Internet», o que representa um enorme aumento num mercado onde as reservas online representam apenas cinco por cento do total.

Para Sandro Paim, esta campanha também permitiu «acabar com a mistificação» de que as férias nos Açores na época baixa só podiam durar um fim de semana, tendo a sua realização levado alguns operadores turísticos a disponibilizar pacotes de cinco e sete noites.

 

«Foi muito positivo», considerou o presidente da Câmara de Comércio e Indústria dos Açores (CCIA), apesar de admitiu que o número de dormidas obtido nesta campanha «ficou aquém» do que se pretendia, que era atingir cinco mil dormidas.

 

Entre os turistas que vieram aos Açores no quadro desta campanha, 79 por cento eram oriundos de Lisboa, 17 por cento do Porto e quatro por cento de Faro.

 

Relativamente aos destinos destes turistas, 81 por cento ficaram em S. Miguel, 12 por cento na Terceira, cinco por cento no Faial, um por cento em S. Jorge e um por cento no Pico.

 

Por outro lado, em S. Miguel e na Terceira, cerca de 90 por cento ficaram alojados em hotéis de cidade, enquanto apenas 10 por cento ficaram em alojamento rural.

 

Pelo contrário, em S. Jorge e no Pico, a quase totalidade dos turistas optou pelos hotéis rurais.

 

Sandro Paim salientou que todos estes dados vão ser analisados por um grupo de trabalho para perceber onde pode esta campanha ser melhorada em próximas edições.

 

O presidente da CCIA admitiu que, na próxima época baixa, poderá ser lançada uma nova campanha deste género, voltando a lançar o desafio aos operadores turísticos para aderirem à iniciativa.

 

A campanha turística VisitAzores com voo incluído incluía viagem aérea e alojamento, disponibilizando pacotes de viagens a partir de 260 euros por pessoa para cinco noites nos Açores.

 

Esta iniciativa da CCIA contou com a participação das transportadoras aéreas TAP e a SATA e pretendeu aumentar o fluxo turístico nos Açores durante a época baixa, altura em que as unidades hoteleiras registam habitualmente taxas de ocupação muito baixas.

 

«Conseguimos atingir os objectivos de aumentar o notoriedade do destino turístico Açores e o fluxo de turistas na época baixa», frisou Sandro Paim.

 

Via Sol



publicado por olhar para o mundo às 17:50 | link do post | comentar

Sábado, 12.03.11

Jennifer Aniston faz 'vídeos de sexo'

 

Actriz protagoniza a campanha de uma marca de água e brinca com todos os assuntos que fazem furor na Web.

 

 

Jennifer Aniston é a protagonista da nova campanha de publicidade da marca de água mineral Smartwater. No vídeo agora lançado, e propositadamente intitulado Vídeos de sexo de Jennifer Aniston, a actriz e a marca decidiram brincar com o mundo da Internet e fazem tudo para chamar a atenção.

 

Tanto o título da campanha, como o conteúdo insólito do anúncio, como animais, bebés a dançar, sensualidade, violência e sexo... tudo vale "para ter o máximo de cliques e visualizações desta campanha", brinca a actriz.

 

No final do vídeo, Aniston pergunta. "Como vamos chamar este vídeo?". Os seus acessores respondem: "Vídeos de sexo de Jennifer Aniston". Ao que a actriz remata: "Adoro isso".

 

Quem também faz uma participação especial no vídeo é Keenan Cahil, o adolescente-sensação do Youtube, que publica vídeos a interpretar êxitos da pop em playback.

 

Via DN



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16.02.11

Fui levantar dinheiro a um multibanco e dei de caras com a imagem de Zezé Camarinha e por cima o slogan: "Camone and learn english" (Venha e aprenda inglês). Aprender inglês contigo, meu bronco? Pensei.

A publicidade negativa não deixa de ser publicidade. Mas a publicidade contraproducente pior do que negativa é imbecil. E este é um caso sério de estupidez publicitária. Uma escola que supostamente se dedica ao ensino do inglês escolher este personagem para ser a cara oficial de uma campanha publicitária de grande alcance, parece-me tão inteligente como num anúncio a um novo automóvel a marca que o construiu garantir que com este modelo o mais certo é você morrer ao volante.

 

Qual é o pai ou mãe com cérebros a funcionar normalmente que ao depararem com um anúncio deste calibre, e que até estejam a pensar colocar os filhos numa escola deste género, vão querer que os seus pequenos se transformam em mini-camarinhas no que toca à prática da língua inglesa? Ou ao que quer que seja, já agora. Já viram o que seria a criança num jantar de família dizer à avó "hey darling, put the cream number five!" e frases como: "No english, no babes" ou "Camone pá beach baby".

 

Não havia mesmo ninguém decente? Tinha de ser esta figurinha? Até na publicidade temos de nos armar sempre em chico-espertos da Europa? Escolher o labrego da praia da Rocha? Confundir inovação e criação com ignorância e miserabilismo na transmissão de uma mensagem que mexe com a educação de crianças? Escolher um homem capaz de dizer coisas brilhantes do género: "A nossa juventude é uma desgraça! Só tenho pena de eu andar sozinho neste jogo do engate aqui no Algarve! A juventude hoje em dia só pensa em drogas e em futebol! Tenho pena de não deixar nenhum sucessor!" (SIC, 2003); "Quando era miúdo a minha mãe, que era cozinheira num restaurante aqui da praia de Portimão, dava-me óleo de fritar o peixe, depois bronzeava-me com ele e punha uma toalha aqui e outra lá ao fundo onde vê aquele chapéu de sol da Sprite... Tudo o que fosse camone e invadisse este espaço, marchava logo!" (TVI, 2000); "Você duvida da minha machidade? Eu sou mesmo macho e tudo o que digo, faço. Se duvida vamos ali para trás do cortinado e tira as dúvidas! Nem precisa esgalhar-me o pessegueiro, a alavanca sobe automaticamente!" (SIC - dirigindo-se a Paula Coelho, apresentadora da SIC Notícias, que o havia acusado de "muita parra e pouca uva"); "Quando morrer quero que o meu pénis seja embalsamado e cremado, e que as cinzas sejam espalhadas por estas praias do Algarve, desde Lagos a Faro, que é o meu território de caça. Deste modo as praias serão purificadas. Claro que haverá cinza suficiente!" (SIC, 2002); "Eu na outra reencarnação devo ter sido um penso "isofrenico", daquelas da Evax ou da Insóniapois adoro andar entre as pernas das mulheres!" (SIC Radical, 2002). Será preciso dizer mais alguma coisa?

 

Se eu tivesse filhos, não teria qualquer dúvida em relação à escola onde eles nunca, mas em altura alguma, iriam aprender inglês.

 

Via 100 Reféns



publicado por olhar para o mundo às 11:19 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Metro de Lisboa recusa pu...

Sexo na publicidade: adiv...

Os beijos impossíveis

Anuncios realmente difere...

Quem quer beijar dez supe...

Governo brasileiro contra...

Estação Baixa-Chiado do m...

Um Fiat 500 só para mulhe...

Comissão Europeia promove...

Veja como se faz um "mons...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds