Sexta-feira, 23.09.11

Notícia amarga para uma obra plena. Que assim seja. Ficam futuras reedições e uma discografia que é obra

 

É coisa que não se faz, dizer "chega, acabou" na internet, sem aviso. Compreendia-se se as despedidas fossem as de outros, de alguém que não tivesse marcado as últimas três décadas do rock''n''roll. Mas neste caso, e no mínimo, exigia-se uma digressão de despedida, um "I love you all" respondido em coro por qualquer público, fosse qual fosse a nacionalidade. Os R.E.M. alcançaram o feito de agradar a tudo o que é gosto, dos mais dados às coisas do mainstream aos que nunca comem tudo o que está no prato, porque há gordura a mais ou sal a menos. A banda anunciou ontem o encerramento da actividade no seu site oficial (remhq.com) e nós ficámos a ver a notícia passar.

A parte importante desta história: os porquês. Michael Stipe, voz, atitude e símbolo fotográfico do grupo, pegou numa frase sábia sem dono e disse "o segredo em participar numa festa está em saber quando chega a hora de ir embora". Peter Buck, o herói das guitarras de garagem feito adulto tranquilamente criativo, deixou apenas um "ficamos todos amigos e de certeza que nos vamos encontrar várias vezes". E Mike Mills, baixista e o que mais houvesse para fazer nas canções do grupo, foi o mais objectivo: "Durante a última digressão, e já enquanto fazíamos ''Collapse into Now'' [o álbum editado em Março deste ano], perguntámo-nos ''e agora, o que fazemos agora?''. Percebemos que o nosso ciclo se fechava naturalmente." De resto, os músicos multiplicaram-se em agradecimentos mútuos e outros tantos dedicados aos fãs.

O que podem esperar estes últimos? Para já, aguardam-se inevitáveis edições e reedições, no formato best of, live, b-sides e noutras expressões anglófonas. Mas o mais saudável - e obrigatório, arriscamos dizer - é regressar à obra do grupo, um compêndio pop que recuperou, reinventou e gerou ramificações que ainda hoje lhe devem vassalagem. Os R.E.M. surgiram em Athens, no estado da Georgia, em 1981 (com o brilhante single "Radio Free Europe"), para dizer que dos brainstormings universitários nascia uma nova forma de entender o pós-punk e o hardcore americanos. Que era possível pegar em irritação (conhecida também como rebeldia sem grandes motivos) juvenil e transformá--la em canções para ouvidos grandes. Começaram nos álbuns com "Murmur", em 1983 (e se há obras-primas são coisas como esta), e foram até ao século xxi fazendo do punk oleoso coisa açucarada, viajando entre a electricidade e as paisagens acústicas com a mesma naturalidade e contundência. Fizeram hinos tão melancólicos ("Everybody Hurts") quanto indisciplinados ("It''s the End of the World"), foram do indie-alternativo-mal-temos-dinheiro-para-gravar-isto aos contratos milionários, como o que assinaram com a Warner na altura de "New Adventures in Hi-Fi". E coleccionavam uma legião de ansiosos apaixonados de cada vez que anunciavam um álbum novo ou um regresso às digressões.

São tanto de "Loosing My Religion" como de "Harborcoat" e assim continuarão. Por tamanha abrangência, condicionaram os gostos de muitos à sua herança. Acabar assim devia ser acto próximo de crime. Malditos sejam nas suas bem-aventuranças.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 17:02 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

O fim dos REM

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds