Terça-feira, 13.03.12
Sting e a mulher apanhados a fazer sexo num restaurante
O casal está junto há 19 anos e tem quatro filhsoFotografia © Kevin Coombs/Reuters

O cantor e Trudy Styler estão casados há 19 anos e não têm problemas em tornar pública a sua vida sexual e confirmaram que foram "inspecionar" a casa de banho do restaurante.

 

Ainda recentemente, Sting revelou que gosta de utilizar disfarces na sua vida sexual com a mulher . "Somos muito brincalhões, e eu gosto de fantasias sexuais, gosto que ela se vista para mim. Quando nós nos olhamos, sentimos o romance", disse.

 

O músico e Trudys, têm quatro filhos, e são apologistas do sexo tântrico.? Sting explicou, nuam entrevista em 2003, que "o sexo é superficial. É muito complexo definir o tantra, mas consiste em estar ligado com o mundo espiritual através de todas as coisas".

 

Via DN



publicado por olhar para o mundo às 21:27 | link do post | comentar

Domingo, 18.12.11

Dois restaurantes já fecharam e 25 trabalhadores foram dispensadosDois restaurantes já fecharam e 25 trabalhadores foram dispensados (Miguel Madeira)

Ninguém sabe muito bem como, nem porquê. Mas a verdade é que, no espaço de um mês, o Aya, um ícone da cozinha japonesa em Portugal, fechou dois restaurantes, foi alvo de um arresto de bens e pediu a insolvência, junto do Tribunal do Comércio de Lisboa. A morte precoce do seu criador, o chef Takashi Yoshitake, e as dívidas acumuladas com a expansão do negócio parecem ser o denominador comum de mais um caso que reflecte a crise do sector.

No espaço que o Aya ocupava, desde 2003, no centro da capital, restam agora folhas de papel que cobrem, de alto a baixo, o vidro exterior do restaurante. Não deixam perceber o que sobrou do arresto de bens movido na passada sexta-feira, por um dos fornecedores da empresa, que reclama dívidas de praticamente 300 mil euros. Pelo que se conta por ali, levaram praticamente tudo: mesas, cadeiras e até cinzeiros.

Esta terá sido a segunda fase de um processo que se precipitou, apanhando clientes e trabalhadores de surpresa. Já há um mês, o Aya de Carnaxide, um restaurante inaugurado há cerca de três anos, tinha fechado. Terá sido, aliás, este projecto que fez tremer as contas da empresa. O investimento financeiro que implicou demorava a ter retorno, acusando falta de clientes e custos superiores às receitas.

Foi a empresa contratada para remodelar e equipar este espaço, a Engitagus, que moveu o arresto de bens que acabou por ditar o fecho do segundo restaurante, nas galerias comerciais Twin Towers, em Campolide. O PÚBLICO tentou contactar a empresa, mas sem sucesso. No entanto, esta interpôs uma acção de execução contra o Aya, no início de Novembro, por causa de uma dívida de 289 mil euros, que estava a ser negociada entre as partes.

Este não é, porém, a único pagamento em atraso por parte da empresa fundada, em 1992, por Takashi Yoshitake. Há pelo menos quatro credores da banca: Montepio Geral, Banif, Finibanco e ainda BPI. No conjunto, estas instituições financeiras moveram acções de execução num valor superior a 76 mil euros.

Face ao acumular de dívidas, à pressão dos credores e ao fecho de dois restaurantes, o Aya viu-se obrigado a apresentar-se à insolvência. Na segunda-feira, entrou no Tribunal do Comércio um pedido de falência judicial, requerido pela própria empresa. Este processo tanto poderá resultar no encerramento ou na recuperação do negócio, caso se chegue à conclusão de que ainda existe uma margem de viabilização financeira.

Sem dinheiro e sem mestre

Apesar da sucessão de episódios que arrastaram o Aya para a insolvência, as contas da empresa não reflectem a instabilidade actual. Um relatório a que o PÚBLICO teve acesso mostra que, em 2009, as vendas subiram, ainda que marginalmente, alcançando perto de 1,6 milhões de euros. E, nesse ano, houve um lucro de 13.600 euros - mais três mil euros do que em 2008. Até mesmo o passivo diminuiu, assim como os custos com pessoal, que passaram de 400 para perto de 300 mil euros.

Mas, no terreno, a realidade é outra. Ficou apenas aberto um terceiro restaurante mais pequeno, o Bistrôt, também localizado nas Twin Towers. Já terão sido dispensados perto de 25 trabalhadores e alguns dos que ficaram têm os salários em atraso. O PÚBLICO tentou contactar a actual dona do Aya, Megumi Yoshitake (esposa do chef que fundou a cadeia), mas tal não foi possível.

A morte precoce do mestre do Aya é apontada como uma das razões para as dificuldades que o negócio atravessa. Takashi Yoshitake, que abriu o primeiro restaurante em Portugal num primeiro andar de um prédio em Lisboa, morreu repentinamente em 2009, aos 56 anos. Espera-se, agora, que a sua "escola" seja continuada pelos discípulos que deixou.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 11:09 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Sting e a mulher apanhado...

Dívidas arrastam restaura...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

comentários recentes
Ums artigos eróticos são sempre uma boa opção para...
Acho muito bem que escrevam sobre aquilo! Porque e...
Eu sou assim sou casada as 17 anos e nao sei o que...
Visitem o www.roupeiro.ptClassificados gratuitos d...
então é por isso que a Merkel nos anda a fo...; nã...
Soy Mourinhista, Federico Jiménez Losantos, dixit
Parabéns pelo post! Em minha opinião, um dos probl...
........... Isto é porque ainda não fizeram comigo...
Após a classificação de Portugal para as meias-fin...
Bom post!Eu Acho exactamente o mesmo, mas também a...
links
blogs SAPO
subscrever feeds